Renata Luzzi de Barros

Obras disponíveis

No momento não possuimos obras de Renata Luzzi de Barros em nosso acervo.
Você possui uma obra deste artista e quer vender?
Clique aqui e envie sua obra para avaliação.

Leilão de Arte Online

Biografia

Renata Luzzi de Barros (São Paulo SP 1959)

Pintora, ilustradora, designer.

Estuda pintura com Victoria Machado em 1973. Em 1978, 1979 e 1984, estuda pintura e desenho com Carlos Fajardo. Forma-se em artes plásticas em 1981 pela Fundação Armando Álvares Penteado, São Paulo. Entre 1982 e 1983, em Paris, cursa história da arte, filosofia e literatura dos séculos XIX e XX na Sorbonne; freqüenta o Ateliê da Escola de Belas Artes; e trabalha no departamento de criação da agência de publicidade Delacroix-Mirabelle. De volta para o Brasil, atua como ilustradora para o jornal O Estado de S. Paulo e para a Editora Hucitec, e como assistente de Luiz Paulo Baravelli. Em 1994, ganha bolsa de estudo da Casa del Arte de Santa Cruz Mudela, Espanha. Em 1997, segue para a Alemanha, como bolsista da Fundação Heinrich Böll.

Críticas

"A observação do desenvolvimento do trabalho artístico de Renata Barros torna cada vez mais evidente uma tendência para o estranhamento e, ao mesmo tempo, o emprego cada vez mais abrangente de diferentes técnicas e a experimentação com diversos materiais. No início da década de 90 surgiram 'paisagens' ou 'bibliotecas', que eram recortadas em placas de finais de madeira e instaladas nas paredes, como estruturas gráficas. As formas assim surgidas, negativas e positivas, foram trabalhadas por Renata Barros à maneira das silhuetas recortadas com tesoura, a partir dessas superfícies finas, e foram submetidas por ela uma nova ordem, justapondo-as ou cruzando-as entre si. Outros trabalhos em madeira são transparências diretas de linhas conduzidas livremente como se fossem 'desenhos feitos em madeira'. Mediante coberturas coloridas ou metálicas, aplicadas em camadas finas, a artista levou a um estranhamento tanto da superfície como da 'materialidade' propriamente dita do material com que trabalha. Outros trabalhos da década de 90 consistem de painéis de madeira de grande formato e de notável espessura, dos quais Renata Barros recortou elementos formais isolados, freqüentemente orgânicos, como ossos ou formas de coração, para juntá-los ao 'objeto mãe' e instalá-los em conjunto. A parte superior dos objetos, por sua vez, foi trabalhada mediante um tratamento mecânico ou cromático de modo a que o efeito óptico e estrutural da madeira mudassem radicalmente, produzindo um efeito comparável com o da porcelana. No passo seguinte e próximo em sua lógica interna, a artista substituiu as formas antropomórficas recortadas por materiais 'corpóreos', porém inorgânicos, como por exemplo látex. A 'técnica de recorte' dos seus trabalhos em madeira foi aplicada simultaneamente por Renata Barros nas suas pinturas sobre tela, de grande dimensões e intenso colorido. Aproveitando apenas diferentes intensidades na aplicação das tintas, ela salienta elementos formais orgânicos e também formas circulares ou ovaladas, com linhas de contorno de efeitos plásticos, em contraste com o fundo brilhante e monocromático. Transferidas para a superfície bidimensional do quadro, estas pinturas se aproximam de seus objetos esculturais e 'imitam' o cânone dos seus trabalhos em madeira, de elaboração plástica. Neste sentido, os seus trabalhos mais recentes, surgidos em 1997, apresentam-se como um resumo coerente e como um passo avante no desenvolvimento de sua 'tática de estranhamento'. Aqui, Renata Barros usa preferencialmente 'materiais sucedâneos', como látex ou outros materiais sintéticos, e também, pela primeira vez, vidro. É nova também a combinação com fotografias ou 'objets trouvés' ".
Beate Eckstein
BARROS, Renata, JUNQUEIRA NETO, Alcibiades de Andrade (coord. ). Objetos. Ribeirão Preto: MARP, s.d. p. 2.

"Revelar a intimidade do olhar nos objetos cotidianos é renovar a experiência curiosa, solitária e silenciosa do fazer artístico. Deslocar os objetos da comodidade útil do plano horizontal para o campo vertical da pintura é um desvio através do qual o artista pode afirmar sua tarefa de descobrir ou reinventar o mundo. Com suas pinturas Renata Barros nos convida, entusiasmada, para encontro de olhares, feito de deslocamentos, desvios e virtualidade... Mas com direito a assento".
Carmela Gross
CADEIRAS: design e pinturas. São Paulo: Instituto dos Arquitetos do Brasil, 1989.

Acervos

Fundação Padre Anchieta - São Paulo SP
Heinrich Böll Stiftung [Fundação Heinrich Böll] - Colônia (Alemanha)
Museu de Arte Contemporânea - MAC/PR - Curitiba PR
Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - Masp - São Paulo SP
Museu Metropolitano de Arte de Curitiba - MUMA - Curitiba PR

Exposições Individuais

1989 - São Paulo SP - Cadeiras, no IAB/SP
1990 - São Paulo SP - Não Sente na Grama, no Paço das Artes - MIS/SP
1991 - São Paulo SP - Slices, no Masp
1992 - Buenos Aires (Argentina) - Slices, no Centro de Arte y Comunicación
1997 - Bonn (Alemanha) - Individual, no Goethe Institut
1997 - Bonn (Alemanha) - Süssstoff, na Ifa-Gallerie
1998 - Köln (Alemanha) - Objetos, na Werft
1998 - Ribeirão Preto SP - Objetos, no Marp
1999 - Curitiba PR - Pedaços de Mim, no MMAC
1999 - São Paulo SP - Pedaços de Mim, no Instituto Goethe

Exposições Coletivas

1971 - São Paulo SP - Festival de Artes, no Clube Monte Líbano
1973 - São Paulo SP - Festival de Artes, no Clube Monte Líbano
1981 - São Paulo SP - 16ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1984 - São Paulo SP - Prêmio Chandon, no MIS/SP - prêmio aquisição
1985 - Brasília DF - Mostra dos 10 Premiados do Prêmio Chandon, no Memorial JK
1985 - Rio de Janeiro RJ - Mostra dos 10 Premiados do Prêmio Chandon, no Centro Empresarial Monteiro Aranha
1985 - São Paulo SP - Coletiva (Acervo), na Galeria Unidade Dois
1986 - Brasília DF - 9º Salão Nacional de Artes Plásticas: mostra Centro-Oeste, no MAB/DF
1987 - Santiago (Chile) - Cinco Artistas do Brasil, na Galeria Bucci
1987 - São Paulo SP - De Olho na Mídia, na Fundação Cásper Líbero
1988 - São Paulo SP - Coletiva Pequenos Formatos, na Galeria Vera Nougues
1989 - São Paulo SP - 20ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1989 - São Paulo SP - Cadeiras Design e Pinturas, no IAB/SP
1989 - São Paulo SP - Coletiva, no Paço das Artes
1989 - São Paulo SP - Projeto Circuito Atelier Aberto, na IAB/SP. Sala Flávio Império
1990 - São Paulo SP - 4 Desígnios, no Paço das Artes - MIS/SP
1990 - São Paulo SP - Coletiva de Design, no Box Blue
1991 - Amsterdã (Holanda) - Monumenten, na Galeria Meander
1991 - Cagnes-sur-Mer (França) - Festival Internacional de La Peinture
1991 - Paris (França) - Coletiva, na Galerie du Ambassade du Brèsil
1991 - Santo André SP - 19º Salão de Arte Contemporânea de Santo André, Paço Municipal
1992 - São Paulo SP - Novas Aquisições Contemporâneas, no Masp
1993 - São Paulo SP - Arte na Luz da Rua, na Instalação na Rua Oscar Freire
1993 - São Paulo SP - Brasil: pequenos formatos e poucas palavras, na Documenta Galeria de Arte
1993 - São Paulo SP - Da Imagética Brasileira e de Miró, no MAC/USP
1994 - São Paulo SP - Bandeiras: 60 artistas homenageiam os 60 anos da USP, no MAC/USP
1994 - São Paulo SP - Contemporâneos no Acervo do Masp: décadas de 80 e 90, no Masp
1994 - São Paulo SP - Fome e Fama Lixo Global, na Galeria Nara Roesler
1994 - São Paulo SP ? Bandeiras: 60 artistas homenageiam os 60 anos da USP, no MAC/USP
1995 - São Paulo SP - Figuração Visual, na Galeria Trilha
1996 - Berlim (Alemanha) - Organicus, no ICBRA
1996 - Dresden (Alemanha) - Organicus, na Galerie Drei
1996 - São Paulo SP - Atelier Santa Cecília, na Galeria Múltipla de Arte
1996 - São Paulo SP - Bandeiras, na Galeria de Arte do Sesi
1996 - São Paulo SP - Bandeiras, no MAC/USP
1996 - São Paulo SP - Destaques da Arte no Século XX, no MAC/USP
1996 - São Paulo SP - Exposição Atelier Frederico Steidel, na Galeria Múltipla
1996 - São Paulo SP - Vitrine no Metrô do Masp, no Estação Trianon-Masp
1997 - Greifswald (Alemanaha) - Kunst aus Brasilien, na Ernst Moritz Arndt Universität Greifswald
1997 - João Pessoa PB - Organicus, no Centro de Artes Visuais Tambiá
1997 - Köln (Alemanha) - Innen Aussen, 2 Art, na Treffen Deutzer Werft
1997 - Köln (Alemanha) - Kolonialismus, na Versuche in Berne
1997 - Ribeirão Preto SP - Organicus, no Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi
1997 - São Paulo SP - Arte Conta Histórias, no MAC/USP
1997 - São Paulo SP - Organicus, na Valu Oria Galeria de Arte
1997 - São Paulo SP - Destaques da Arte Século XX, no MAC/USP
1998 - Berlim (Alemanha) - Kunst in Brasilien Heute, na Kunsthaus
1998 - Buenos Aires (Argentina) - Feminino Plural, no Museo Nacional de Belas Artes
1998 - Köln (Alemanha) - Multiples e Kultiples, na Article Galeria
1999 - Arpaillargues (França) - En Chemin, no Temple d'Arpaillargues
1999 - São Paulo SP - Transparências, no Escritório de Arte Rosa Barbosa
2000 - Nuremberg (Alemanha) - Chronos - ein Tag
2000 - Nuremberg (Alemanha) - Kunst und Cargo, no hangar da Lufthansa Cargo, no aeroporto de Nuremberg
2000 - Uzès (França) - Ghosts of the Vaults
2000 - Valença (Espanha) - Mujeres de las dos Orillas, no Museo de Valencia
2002 - São Paulo SP - México Imaginário: o olhar do artista brasileiro, na Casa das Rosas
2002 - São Paulo SP - Ópera Aberta: celebração, na Casa das Rosas
2003 - São Paulo SP - A Gravura Vai Bem, Obrigado: a gravura histórica e contemporânea brasileira, no Espaço Virgílio
2004 - Campinas SP - Coleção Metrópolis de Arte Contemporânea, no Espaço Cultural CPFL

Fonte: Itaú Cultural