Escritoriodearte.com > Artistas > Veríssimo de Freitas

Veríssimo de Freitas

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

BIOGRAFIA

Veríssimo de Freitas (Salvador BA ca. 1758 - idem 1806)

Pintor.

Sabe-se pouco sobre sua vida. Veríssimo de Souza Freitas é pardo e discípulo de José Joaquim da Rocha (1737 - 1807), com quem se considera que o pintor teria colaborado na decoração da Igreja de Palma, em Salvador. São tidos como de sua autoria os oito painéis figurando santas e beatas agostinianas localizados na parte inferior das paredes dessa igreja. Segundo o historiador Carlos Ott, é com base nestes trabalhos que se faz a atribuição e outras pinturas tidas como suas, como os forros das igrejas do Convento da Lapa e de São Francisco do Conde, em Salvador. A pintura da nave da Igreja de N. Sra. da Lapa é realizada, segundo estudiosos, possivelmente entre 1750 e 1759, quando há registros de compra de tintas pela irmandade. A historiadora Marieta Alves ressalta a dificuldade em se conciliar a data de nascimento do pintor com a data das pinturas, mas hoje em dia a atribuição praticamente não é contestada. São também atribuídas a ele também uma santa agostiniana e o Santo Antônio de Lisboa, do Mosteiro de São Bento de Salvador; o teto da sacristia do convento da Lapa; e o teto da nave da Igreja de N. Sra. da Conceição, além de alguns outros quadros. Há discordância sobre sua data de morte, já que alguns estudiosos dizem que ele trabalha na decoração interna da Igreja dos Perdões em Salvador, por volta de 1819, enquanto Marieta Alves afirma que sua morte está registrada em 1806 no livro de óbitos da freguesia de Sant'Anna, na mesma cidade.

Comentário Crítico

Veríssimo de Souza Freitas não é considerado pela historiografia como o mais destacado discípulo de José Joaquim da Rocha (1737 - 1807). Esta honra cabe a José Teófilo de Jesus (1758 - 1847), a quem o mestre ajuda a viajar a Portugal para estudar. Entretanto, Freitas colabora com Rocha em diversas ocasiões, como na decoração da Igreja de Palma. Os ensinamentos de Rocha aparecem claramente no trabalho de Freitas, sobretudo na pintura ilusionista de forro. Na Bahia, os tetos de igreja apresentam geralmente uma arquitetura em trompe l'oeil com colunas e arcos, que continua a arquitetura da igreja real até uma abertura para o céu pintado, que corresponde ao medalhão central do forro. Neste, em vez de figuras em escorço que parecem estar na vertical, a cena se passa toda na horizontal. No teto da Igreja do Convento da Lapa, vê-se uma Glorificação da Imaculada Conceição pela Santíssima Trindade e seis jovens freiras, como que emoldurada por uma simulação de arquitetura que representa as filhas do fundador do convento. Tanto a N. Sra., no centro, como o Cristo, o Pai e o Espírito Santo, em triângulo acima dela, e as freiras, abaixo de todos, estão na horizontal, sem escorço. O desenho é correto, as figuras são bem proporcionadas, apesar de estáticas, e as cores são mais alegres do que as de Rocha. Há, no entanto, quem considere Freitas um desenhista medíocre e colorista convencional, apesar da graça e elegância que por vezes se encontram em suas figuras1.

Notas
1 ARAÚJO, Emanoel. A mão afro-brasileira. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: Museu Afro Brasileiro, 2010, p. 45.

Críticas

"(...) Já podemos pois apresentar um número apreciável de trabalhos identificados de Veríssimo de Souza Freitas, o que porém conseguimos apenas nos últimos anos, depois de nos termos familiarizado com seu estilo bastante pessoal e uniforme, mostrando que não copiava as suas composições e sim criava-as. Bem característico é também a forma do nariz que ele dava às suas personagens, o que ajuda igualmente na atribuição de quadros, até ontem anônimos. (...)"
Carlos Ott
OTT, Carlos. A escola bahiana de pintura: 1764-1850. Rio de Janeiro: MWM, 1982.

Exposições Póstumas

1998 - São Paulo SP - O Universo Mágico do Barroco Brasileiro, na Galeria de Arte do Sesi

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Odetto Guersoni - Colóquio Sob o Sol
Colóquio Sob o Sol
Otto Stupakoff - la trougue, frança
la trougue, frança
Manabu Mabe - Peixe, Prato e Chaleira
Peixe, Prato e Chaleira