Escritoriodearte.com > Artistas > Álvaro Apocalypse

Álvaro Apocalypse

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

BIOGRAFIA

Álvaro Apocalypse (Ouro Fino MG 1937 - Belo Horizonte MG 2003)

Pintor, ilustrador, gravador, cenógrafo.

Em 1956, Álvaro Brandão Apocalypse estuda gravura em metal e litografia na Escola Guignard e inicia curso de direito na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Realiza desenhos e atua como ilustrador em várias publicações. Em 1959, leciona na recém-criada Escola de Belas Artes da Faculdade de Arquitetura da UFMG, da qual se torna professor titular em 1981. A partir da década de 1960, as festas populares são temas constantes em seus desenhos. Em 1962, torna-se professor da Fundação Mineira de Arte. Sua obra apresenta caráter surrealista, a partir de 1965. Recebe o prêmio de viagem ao exterior no 3º Salão da Aliança Francesa em 1969, então viaja para Paris e realiza curso de história do desenho na Escola do Louvre. Cria o Grupo Giramundo de Teatro de Bonecos, em 1970, e produz cenários, figurinos e marionetes para várias peças teatrais. Coordena o Ateliê de Tecnologia do Instituto Internacional de Marionetes, em Charleville-Mèziéres, França, entre 1990 e 1991. Publica o álbum de gravura Minas de Guimarães Rosa, em 1977, pela Imprensa da UFMG, entre outros. Em 2001, é lançado o livro Álvaro Apocalypse: Depoimento, coordenado por Marília Andrés Ribeiro e Fernando Pedro da Silva, pela editora C/Arte.

Comentário Crítico

Álvaro Apocalypse é uma personalidade singular no cenário artístico brasileiro, atuando como artista plástico, professor universitário e diretor do grupo de teatro de marionetes Giramundo. Desde a metade da década de 1960, realiza desenhos e gravuras com figuração de cunho surrealista. Cria frequentemente seres que são meio máquinas e meio orgânicos. A partir de 1969, faz também Frederico Bracher Júnior (1920-1984), em obras que se aproximam do cubismo e do expressionismo, como em Rua, 1969. Predomina em suas obras um caráter fantástico, como ocorre nos quadros São Francisco, 1975 ou Jagunço, 1985.

Álvaro Apocalypse cria, em 1970, o Grupo Giramundo de Teatro de Bonecos, com outros professores da Escola de Belas Artes. O grupo recebe muitos prêmios, realizando espetáculos para adultos e crianças, como Cobra Norato, 1979, que trata dos mitos da Amazônia. No início, Apocalypse faz a adaptação dos textos, a direção teatral, o desenho e a confecção dos bonecos, os quais causam grande impacto visual por sua forte expressividade. Para o artista, o teatro é uma forma de associar o movimento, a cor e a luz em uma linguagem que é "um resumo de gestos essenciais".

Críticas

"Leva-nos Álvaro Apocalypse à flutuação do desespero, principalmente por iludir-nos com as alusões a problemas sociais nossos e a uma paisagem geográfica às vezes muito reconhecível. O mundo caótico, desgovernado, infinitamente arruinado pelas incompreensões se nos mostra agora sob novas faces, mas ainda vestido com aquele mesmo manto sombrio do absurdo. É o reinado do Senhor, o poder traçando os descaminhos do homem, lançando a sua volta o cheiro de pólvora, as pontas de urânio, e em torno a festa dos flautistas, os músicos comendo de seus instrumentos magros e tortos as vozes estridentes, e a ´mascarada´ dos invasores do sonho reinando sobre as ruínas da cidade conquistada".
Márcio Sampaio
PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.

Exposições Individuais

s.d. - Florianópolis SC - Individual, na Galeria Picollo Spazio
1964 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Atrium
1965 - Belo Horizonte MG - Exposição de Desenhos, no ICBEU
1968 - Belo Horizonte MG - Exposição de Desenhos, no ICBEU
1968 - Belo Horizonte MG - Exposição de Desenhos, na Galeria Adega
1974 - Rio de Janeiro RJ - Desenhos, na Galeria Grupo B
1976 - Belo Horizonte MG - Exposição de Desenhos, na Galeria AMI
1979 - Belo Horizonte MG - Exposição de Desenhos, na Galeria AMI

Exposições Coletivas

1957 - Belo Horizonte MG - Salão Municipal de Belo Horizonte - 1º prêmio
1958 - Rio de Janeiro RJ - 7º Salão de Arte Moderna
1961 - São Paulo SP - Salão Paulista de Arte Moderna
1962 - Belo Horizonte MG - Salão Municipal de Belo Horizonte - prêmio em desenho
1962 - Recife PE - Salão de Arte Moderna de Pernambuco - 2º prêmio em desenho
1963 - Lagos (Nigéria) - Brazilian Contemporany Artists, na Embaixada do Brasil
1966 - Salvador BA - 1ª Bienal Nacional de Artes Plásticas
1966 - Washington (Estados Unidos) - Brasilian Artists from the State of Minas Gerais, na Galeria do Brazilian American Cultural Institute
1967 - Nigéria - Coletiva Artistas Brasileiros
1967 - Estados Unidos - Coletiva Artistas Brasileiros
1967 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva Artistas Mineiros
1967 - São Paulo SP - Coletiva Artistas Mineiros
1967 - Curitiba PR - Coletiva Artistas Mineiros
1967 - Porto Alegre RS - Coletiva Artistas Mineiros
1967 - Brasília DF - Coletiva Artistas Mineiros
1967 - São Paulo SP - 9ª Bienal Internacioanl de São Paulo, na Fundação Bienal - prêmio aquisição
1967 - Belo Horizonte MG - Coletiva, na Galeria Chez Bastião
1968 - Belo Horizonte MG - Salão Municipal de Belo Horizonte
1968 - São Paulo SP - Coletiva, na Galeria Mirante das Artes
1969 - Salvador BA - Arte de Minas, no MAM/BA
1969 - São Paulo SP - 10ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1971 - Paris (França) - Collection Brésil, no Cité Internationale
1972 - Belo Horizonte MG - Retrospectiva, organizada pelo Conselho de Extensão da UFMG
1971 - Belo Horizonte MG - Coletiva, na Galeria Chez Bastião
1971 - Belo Horizonte MG - Coletiva, na Galeria AMI
1972 - Curitiba PR - 29º Salão Paranaense, no Teatro Guaíra 
1972 - São Paulo - SP - Arte/Brasil/Hoje: 50 anos depois, na Galeria da Collectio
1976 - Belo Horizonte MG - Exposição dos murais das escolas municipais de Belo Horizonte - Prefeitura de Belo Horizonte
1977 - Belo Horizonte MG - 5º Salão Global de Inverno, na Fundação Palácio das Artes  
1977 - Brasília DF - 5º Salão Global de Inverno, na Fundação Cultural do Distrito Federal  
1977 - Rio de Janeiro RJ - 5º Salão Global de Inverno, no MNBA
1977 - São Paulo SP - 9º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP  
1977 - São Paulo SP - 5º Salão Global de Inverno, no Masp 
1981 - Belo Horizonte MG - Alunos de Guignard, na Itaugaleria  
1981 - Belo Horizonte MG - 8º Salão Global de Inverno, na Fundação Palácio das Artes  
1981 - Belo Horizonte MG - Seis Artistas de Minas, na Ami Galeria de Arte  
1981 - Rio de Janeiro RJ - 8º Salão Global de Inverno, no MAM/RJ
1981 - São Paulo SP - 8º Salão Global de Inverno, no Masp 
1982 - Rio de Janeiro RJ - Futebol: Interpretações, na Galeria de Arte Banerj
1984 - Rio de Janeiro RJ - Toma de Minas a Estrada - Hotéis Horsa/Coordenadoria de Cultura do Estado de Minas Gerais, no Hotel Nacional
1987 -  Stuttgart (Alemanha) - Exposição de pinturas com Terezinha Veloso, no Museu de Stuttgart
1988 -  Charleville-Mézières (França) - Exposição de pinturas com Terezinha Veloso
1993 - São Paulo SP - O Desenho Moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateaubriand, na Galeria de Arte do Sesi
1994 - Belo Horizonte MG - Guignard: 50 Anos de uma Escola de Arte, na Vidyã Galeria de Arte
1994 - Rio de Janeiro RJ - O Desenho Moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateubriand, no MAM/RJ 
1997 - Contagem MG - Alunos de Guignard em Contagem, na Casa de Cultura Nair Mendes Moreira
1998 - Rio de Janeiro RJ - A Imagem do Som de Caetano Veloso : 80 composições de Caetano Veloso interpretadas por 80 artistas contemporâneos, no Paço Imperial

Exposições Póstumas

2004 - Belo Horizonte MG - Guignard: o eterno professor e seus alunos de sempre, na Errol Flynn Galeria de Arte
2004 - Belo Horizonte MG - O Jagunço do Traço, na Galeria de Arte da Copasa

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Willys de Castro - Estudo para Cartaz da V Bienal de SP
Estudo para Cartaz da V Bienal de SP
Ivone Alder - Baila Comigo
Baila Comigo
Hércules Barsotti - Sem Título
Sem Título
Carlos Araújo - Figura Feminina
Figura Feminina