Escritoriodearte.com > Artistas > João Paulo Barbieiro

João Paulo Barbieiro

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Nove

João Paulo Barbieiro de Barros Cobra - Nove (1983)
(24/06/1983) - São Paulo - São Paulo - Brasil

Atividades Artísticas
Grafiteiro

Aprendeu a pintar nas ruas de São Paulo, fazendo grafite com os amigos. 

Faz parte da nova geração de artistas que têm a pintura, como principal via expressiva. 

Nove equilibra muito bem as experiências de estúdio e as das intervenções urbanas, explorando suportes inusitados, como pedaços de móveis que encontra nas suas andanças. 

Sua pesquisa de linguagem inclui diversos elementos, sendo o principal a necessidade visceral de se expressar pela imagem. Isso significa que cada obra, além da plasticidade, tem uma sutil narrativa embutida.

Suas obras, geralmente, são feito com tinta acrílica e spray sob diferentes suportes, como telas ou restos de móveis, um constante pensar o espaço circundante como um universo em que o orgânico e o digital convivem nem sempre em rigorosa harmonia.

Nove atinge uma linguagem que beira o conceitual, caracterizada pela idéia primordial de que fazer significa contar sempre uma história, própria ou alheia. Por isso, uma personalidade se instaura e cristaliza ao longo de uma breve trajetória.

Alguns ícones que acompanham o artista, como os cubos, denunciam um diálogo com a geometria e a abstração que começa a ganhar corpo. Cada criação, mesmo as mais antigas, apontam para uma progressiva busca de uma liberdade no ato de fazer.
O amor do artista pela autonomia traz para si o desafio de se manter num processo de eterna pesquisa, num movimento perene pela busca de novas formas de dizer suas convicções por meio da pintura. Ocorre o desenvolver de um olhar atento, que recolhe pedaços de móveis em caçambas para expressar amores e desamores.

Existe uma confiança na arte como uma maneira de se posicionar perante si mesmo. Seja em mulheres de quadris largos e coxas amplas ou na figura de seu cão, ocorre o mesmo falar plástico, com escorridos de tinta, entendidos como uma constante reação ao que pode parecer acomodado ou muito ordeiro.

É estabelecida uma conversa de surpreendente harmonia que propicia um constante pensar do observador sobre a vida como uma somatória de experiências afetivas cortantes e densas. 

A arte de Nove deve ficar sempre nesse número, pois na incompletude e angústia que faltam para chegar ao DEZ está o seu mistério.

Texto: Rick Kubota

Individual

2009 - São Paulo - São Paulo - Brasil - Nove (2009 : São Paulo, SP) - Galeria Choque Cultural (São Paulo, SP)

VEJA TAMBÉM

Ivone Alder - Alma Gêmeas
Alma Gêmeas
Sandra Cinto - Braço
Braço
Manabu Mabe - Composição Humana n° 6
Composição Humana n° 6
Burle Marx - Canândula
Canândula