Clóvis Loureiro

Obras disponíveis

No momento não possuimos obras de Clóvis Loureiro em nosso acervo.
Você possui uma obra deste artista e quer vender?
Clique aqui e envie sua obra para avaliação.

Leilão de Arte Online

Biografia

Clóvis Loureiro (São João da Boa Vista SP 1958)

Fotógrafo.

Formado em jornalismo pela Universidade de São Paulo, Clóvis Vieira Lourenço Júnior é coordenador e professor (com Luiz Paulo Lima), do Departamento de Fotografia do Museu Lasar Segall, de São Paulo, entre 1976 e 1983, realizando ainda trabalhos de curadoria para a mesma instituição no mesmo período. Durante a década de 80, é responsável pela realização de oficinas, sobre linguagem fotográfica e expressão pessoal, em eventos como a Semana Nacional da Fotografia da Funarte, a Semana Paulista de Fotografia, ou em instituições de ensino como as Oficinas Culturais Três Rios, de São Paulo. Desenvolve significativo trabalho autoral, de cunho metalingüístico, através do qual procurava explorar a fundo a especificidade da linguagem fotográfica. É contemplado com a Bolsa Marc Ferrez da Fundação Nacional de Arte, em 1984.

Críticas

"Seus trabalhos refletem a proposta de buscar uma nova imagem e uma nova articulação na linguagem fotográfica.

As fotografias apresentadas não são simplesmente imagens, produtos de uma ação e de uma técnica, resultados de um saber fazer. São registros que envolvem circunstâncias e um jogo nos quais o fotógrafo inclui também a recepção e sua contemplação.

As fotografias de Clóvis provocam o ´leitor´ que, na maioria das vezes, busca apenas significados imediatos. Os instantes fugazes, flagrados com naturalidade e objetividade, apresentam os elementos sígnicos da composição. Aparentemente desarticulados, eles criam uma força invisível que leva o receptor a pensar inclusive no momento da criação.

De repente, olhares cruzados, ações simultâneas, enquadramentos não convencionais, planos desfocados, o preto e branco atraem o ´leitor´, que começa a percorrer a imagem mais detalhadamente e a perceber sua diversidade. O jogo ´natural´ na composição cria um efeito narrativo com certa dose de suspense e inquietude. E o que não foi registrado adquire tanta importância quanto o registro.

Essa intencionalidade na provocação cria boas surpresas, porque nas fotografias de Clóvis sempre existem pequenos detalhes e novas descobertas que incomodam. São características de um estilo que tenta buscar, na contradição dos planos, no corte seco e inesperado, no gesto informal, no choque dos elementos da composição, a contemporaneidade da linguagem fotográfica.

A fotografia como representação pretensamente perfeita da realidade é o ponto de partida para estranhar, gerar incertezas e obrigar o espectador a se deter nas imagens e tentar descobrir o mistério cotidiano desse jogo em que ele é solicitado a participar".
Rubens Fernandes Junior
Jornal Folha de S.Paulo, Ilustrada, 13 de março de 1987.

Acervos

Coleção Joaquim Paiva - Brasília DF

Exposições Individuais

1979 - São Paulo SP - Escola Imagem-Ação
1979 - São João da Boa Vista SP - Individual
1980 - São Paulo SP - Individual, na Pinacoteca do Estado
1980 - Santos SP - Individual

Exposições Coletivas

1980 - São Paulo SP - 1ª Trienal da Fotografia, MAM/SP
1981 - São Paulo SP - Biblioteca Municipal Adelpha Figueiredo
1984 - Cuba - 3ª Muestra de Fotografía Contemporánea Latino-americana
1986 - Rio de Janeiro RJ - Multivisões, fotógrafos bolsistas do Concurso Marc Ferrez, na Galeria do Instituto Nacional da Fotografia
1986 - Curitiba PR - Multivisões, fotógrafos bolsistas do Concurso Marc Ferrez, na 4ª Semana Nacional de Fotografia
1986 - Rio de Janeiro RJ - Espelhos Rebeldes
1986 - Paris (França) - Espelhos Rebeldes, Mois de la Photo, na Galeria Debret
1987 - São Paulo SP - Galeria Fotoptica
1987 - São Paulo SP - Mostra Retratos em 35mm, Galeria Fotoptica
1988 - Rio de Janeiro RJ - Mostra Preto no Branco, realizada pelo Instituto Nacional de Fotografia
1990 - Rio de Janeiro RJ - Espelhos Rebeldes, MAM/RJ
2002 - São Paulo SP - Visões e Alumbramentos: fotografia contemporânea brasileira da coleção Joaquim Paiva, na Oca

Fonte: Itaú Cultural