Claudia Jaguaribe


Obras disponíveis
Claudia Jaguaribe - Corpo da Cidade 13 - série "Nova Ordem"

Corpo da Cidade 13 - série "Nova Ordem"

impressão lamba
2000
100 x 336 cm
assinado
Edição de 5. Participou da exposição da artista no Paço Imperial, RJ, 2000.

Biografia

Claudia Jaguaribe (Rio de Janeiro RJ 1955)

Fotógrafa, artista plástica.

Claudia Jaguaribe Gomes de Mattos forma-se em história da arte pela Universidade de Boston, Estados Unidos, em 1979. De volta ao Brasil, torna-se responsável pelos cursos de artes plásticas e fotografia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), de 1979 a 1981; e pelo setor de fotografia da Fundação Rio Arte, 1981 a 1984, e da Casa de Cultura Laura Alvim, de 1984 a 1986. Além das atividades didáticas, realiza fotografias de moda e publicidade para diferentes jornais Folha de S.Paulo, O Globo, Jornal do Brasil, The Harvard Magazine, e revistas, como Veja, Exame, Playboy, Vogue, Marie Claire, entre outras. A partir da primeira exposição individual, em 1982, passa a expor regularmente nas principais cidades brasileiras e no exterior. Projetos e exposições resultam em diferentes livros, como Cidades, 1993, Retratos Anônimos, 1996, Atletas do Brasil, 1999, O Corpo da Cidade, 2000, Aeroporto, 2002. É autora, com Beatriz Jaguaribe, da fotonovela Quem Você Pensa que Ela É? e, com Luiz Alfredo García-Roza (1936), do livro Rio de Janeiro, 2006. Seus trabalhos mais recentes vêm articulando fotografia e vídeo como, por exemplo, o projeto Foto em Movimento, contemplado com o Prêmio Sérgio Motta de Arte e Tecnologia, em 2003. A fotografia e o vídeo juntam-se à internet no projeto interativo Você Tem Medo de Quê?,  de 2006.

Comentário Crítico

As imagens de Claudia Jaguaribe estão enraizadas na experiência contemporânea. A cara e o ritmo das cidades, Cidades, o movimento das coisas e dos corpos em O Corpo da Cidade e Fantasia, personagens  - Retratos Anônimos, espaços de trânsito em Aeroporto e outros de reclusão - Carandiru, todas essas são faces capturadas pela artista. Não se trata de documentar o presente, mas de lançar uma reflexão sobre ele a partir de imagens que se declaram construções, artefatos. A tentativa de romper com o travo naturalista que ronda a documentação aparece em todos os trabalhos, mesmo naqueles realizados com franco intuito documental  - a obra Atletas, uma das poucas realizadas em p&b, registro dos Jogos Olímpicos de 1996. A saturação de cores, a luz estourada, o movimento a desfazer permanentemente a figura, os jogos de espelhos e superposição de imagens são alguns dos recursos empregados pela fotógrafa nessa direção.

O empenho em explorar os limites da fotografia é marca forte de sua obra, que transita entre a fotografia convencional - feita nas ruas ou em estúdio e a experimentação -, há elemntos de cinema, de vídeo, de computação gráfica e as mídias em geral. "Gosto de criar o cenário", diz ela, "de montar uma imagem. Tem muito de cinema nas minhas imagens. Gosto de multimídia, do texto interferindo, das imagens se sobrepondo...". Não é à toa que a artista se lança progressivamente na direção da câmera em movimento, da articulação de diversas linguagens em projetos interativos. Mas mesmo aí, a fotografia não é jamais abandonada, funcionando como instrumento privilegiado de construção da obra.

Críticas

"Claudia Jaguaribe não tem pressa. Sua busca é a perfeição. Herança talvez de sua formação em História da Arte e de seus trabalhos em pintura e escultura. E é como uma escultura que Claudia trata a fotografia. Ela só acredita no trabalho árduo de pesquisa, até encontrar a forma final das imagens".
Simonetta Persichetti
PERSICHETTI, Simonetta. Claudia Jaguaribe esculpe a imagem. O Estado de S. Paulo.

"Claudia criou uma fotografia que resgata um pouco o cubismo e o cinema, através das ambigüidades das formas e da multiplicidade do espelho. Optou por produzir uma fotografia puramente estética, sem a preocupação de incorporar os padrões consagrados pela fotografia comercial exigidos pelo mercado. Deu-se bem, porque caminha com muita segurança nesse limite fronteiriço entre a fotografia e as outras linguagens. Através dessa seleção inédita de imagens, Claudia produz uma delicada atmosfera e uma refinada composição, elementos que só são conseguidos se houver uma estreita cumplicidade entre fotógrafo e modelo".
Rubens Fernandes Junior
Revista IrisFoto, março 1990.

"São retratos de ninguém que sempre parecem evocar alguém. As fusões de cromos (...) estabelecem um jogo intrigante com o observador, sempre tentado a descobrir nos traços sobrepostos uma silhueta familiar. Às vezes elas surgem, de fato, extraídas do rosto de pessoas públicas: os cabelos arrepiados do compositor Arnaldo Antunes ou os olhos da atriz Xuxa Lopes. 
Mas isso é só um truque. A sensação de estranheza e familiaridade dos retratos em que se entrevê ´alguém´ acaba sendo transferida para aqueles outros compostos a partir de faces desconhecidas, anônimas. Os olhos continuam procurando referências naqueles seres híbridos - e novamente elas surgem, não mais dos fragmentos do rosto público, mas do arquivo disperso da memória: imagens remotas de álbuns de família, de páginas de revistas, da multidão das ruas. 
São imagens que emergem também da memória cultivada: é à própria arte que o trabalho insistentemente nos remete. Um pouco dos retratos da pintura do século 17, as tonalidades de Velázquez, alguma coisa de Goya, mas também do cubismo e de Andy Warhol".
Marcos Augusto Gonçalves
GONÇALVES, Marcos Augusto. Jaquaribe expõe seres híbridos. Folha de S. Paulo. São Paulo, 10 nov. 1997.

Depoimentos

"Trabalho a imagem como a pintura na tela, onde vou acrescentando cores e formas, gosto de criar o cenário, de montar uma imagem. Tem muito de cinema no meu trabalho, gosto da multimídia, do texto interferindo, das imagens se sobrepondo, de poder contextualizar o trabalho que está sendo feito".

Acervos

Acervo de Fotografia do Museu de Arte Moderna de São Paulo - São Paulo SP
Coleção de Joaquim Paiva
Coleção Pirelli/Masp de Fotografias - São Paulo SP
Musée de La Photographie de France (França)

Exposições Individuais

1982 - Rio de Janeiro RJ - Imaginação Urbana, na Galeria Saramenha
1983 - São Paulo SP - Imaginação Urbana, no Masp
1984 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Cândido Mendes
1985 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na EAV/Parque Lage
1986 - Rio de Janeiro RJ - Individual,na Galeria Paulo Figueiredo
1988 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Cândido Mendes
1988 - Rio de Janeiro RJ - Luzco Fusco, na Galeria Bookmakers
1989 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MAM/RJ
1991 - Curitiba PR - Cidades, na Casa Fotografia de Curitiba
1991 - São Paulo SP - Individual, na Casa de Fotografia Fuji
1991 - São Paulo SP - Individual, no MIS/SP
1992 - Paris (França) - Individual, no Musée de la Photo de France
1993 - Belém PA - Cidades, na Fundação Romulo Maiorana
1993 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Museu da República
1993 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Fotóptica
1995 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bookmakers
1995 - São Paulo SP - Quem Você Pensa que Ela É ?, na Li Photogallery
1996 - São Paulo SP - Individual, no Sesc Pompéia
1997 - Curitiba PR - Individual, na Casa da Imagem
1997 - Escócia - FotoFeis
1997 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Paço Imperial
1997 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Camargo Vilaça
1998 - San Francisco (Estados Unidos) - Individual, na Galeria Camera Work
1999 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Paço Imperial
1999 - São Paulo SP - Individual, no MIS/SP
2000 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Paço Imperial
2000 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Baró Senna
2000 - Washington (Estados Unidos) - Individual, na IDB Cultural Center Art Gallery
2001 - Washington DC (Estados Unidos) - Individual, na The Gallery of the Kennedy Center
2002 - São Paulo SP - Aeroporto, no Instituto Tomie Ohtake
2002 - São Paulo SP - Série Azul, na Galeria Vermelho
2003 - Brasília DF - Aeroporto, no Espaço Cultural Contemporâneo Venâncio
2003 - Rio de Janeiro RJ - Aeroporto, no MAM/RJ
2004 - São Paulo SP - Tudo É Sofia, na Galeria Baró Cruz
2004 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na HAP Galeria
2006 - São Paulo SP - Você Tem Medo do Quê?, no Paço das Artes
2007 - Brasília DF - Quando Eu Vi, no Espaço Cultural Contemporâneo Ecco
2007 - São Paulo SP - Quando Eu Vi, na Galeria Baró Cruz

Exposições Coletivas

1989 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, no MIS/RJ
1991 - Curitiba PR - Coletiva, no Museu Municipal de Arte
1991 - São Paulo SP - Coletiva, na Casa Fuji de Fotografia
1991 - São Paulo SP - Coletiva, no MIS/SP
1992 - França - Coletiva, no Museé de la Photographie de France
1993 - Rio de Janeiro RJ - Cidades, no Museu da República
1993 - São Paulo SP - Coletiva, na Galeria Fotoptica
1993 - São Paulo SP - Mês Internacional da Fotografia, no Sesc Pompéia
1993 - São Paulo SP - Mostra Fabbricato de Fotografia, na Li Photogallery
1994 - São Paulo SP - 4ª Coleção Pirelli/Masp de Fotografias, no Masp
1995 - Rio de Janeiro RJ - Galeria Bookmakers
1995 - São Paulo SP - Coletiva Brasileira de Retratos Anos 80 e 90, no Espaço Cultural Faap
1996 - Curitiba PR - 1ª Bienal Internacional de Fotografia
1996 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, na Galeria LGC Arte Hoje
1996 - São Paulo SP - Atletas, no Sesc Pompéia
1996 - São Paulo SP - O Cidadão e o Corpo: a busca e reconquista dos padrões humanos de movimento, no Sesc Pompéia
1997 - Belo Horizonte MG - 25º Salão Nacional de Arte de Belo Horizonte
1997 - Chile - Coletiva, no Centro de Disusion Y Estudios de La Fotografia
1997 - França - Coletiva, no Centre Régional de la Photographie
1997 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, no Centro Cultural Light
1997 - Rio de Janeiro RJ - Identidade/Não Identidade: a fotografia brasileira atual, no Centro Cultural Light
1997 - Rio de Janeiro RJ - Retratos Anônimos, no Paço Imperial
1997 - Santiago (Chile) - El Brasil de los Brasileros, na Contra Luz Galeria
1997 - São Paulo SP - Coletiva, no MAM/SP
1997 - São Paulo SP - Galeria Camargo Vilaça
1997 - São Paulo SP - Identidade/Não Identidade: a fotografia brasileira atual, no MAM/SP
1997 - São Paulo SP - Mês Internacional da Fotografia, no CCSP
1998 - Rio de Janeiro RJ - 16º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ
1998 - Rio de Janeiro RJ - Arte Brasileira no Acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo: doações recentes 1996 - 1998, no CCBB
1999 - Áustria - Coletiva, na Kupferstichkabinett der Akademie der Bildenden Künste
1999 - Campinas SP - Tendências da Fotografia Contemporânea, no Itaú Cultural
1999 - São Paulo SP - Fotocolecionismo, na Galeria Luisa Strina
1999 - São Paulo SP - Prêmio J. P. Morgan de Fotografia, no MAM/SP
2000 - Rio de Janeiro RJ - A Imagem do Som de Gilberto Gil, no Paço Imperial
2001 - Estados Unidos - Coletiva, na Galeria Latin Collector
2001 - Madri (Espanha) - Arco
2001 - Miami (Estados Unidos) - Miami Art Fair
2001 - Rio de Janeiro RJ - A Imagem do Som de Antônio Carlos Jobim, no Paço Imperial
2001 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, na HAP Galeria
2002 - Cantábria (Espanha) - Coletiva, na Fundação Santillana
2002 - Londrina PR - São ou Não São Gravuras?, no Museu de Arte de Londrina
2002 - Madri (Espanha) - Arco
2002 - Rio de Janeiro RJ - Artistas na Fotografia, na H.A.P Galeria
2002 - São Paulo SP - Coletiva 2002, na Galeria Baró Senna
2002 - São Paulo SP - Coletiva, na Galeria Vermelho
2002 - São Paulo SP - Fotografias no Acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo, no MAM/SP
2002 - São Paulo SP - Visões e Alumbramentos: fotografia contemporânea brasileira da Coleção Joaquim Paiva, na Oca
2003 - Brasília DF - Artur Lescher e Claudia Jaguaribe, no Espaço Cultural Contemporâneo Venâncio
2003 - Curitiba PR - Imagéticas, no Moinho Novo Rebouças
2003 - Rio de Janeiro RJ - Acervo/Aquisições, na Galeria LGC Arte Hoje
2003 - São Paulo SP - A Subversão dos Meios, no Itaú Cultural
2003 - São Paulo SP - Clube de Colecionadores de Fotografia do MAM, no MAM/SP
2004 - Buenos Aires (Argentina) - El Borde Arte Contemporáneo
2004 - Brasília DF - Coletiva, no Espaço Cultural Contemporâneo Venâncio - ECCO
2004 - Porto Alegre RS - Olho Vivo: a arte da fotografia, no Santander Cultural
2004 - Rio de Janeiro RJ - Novas Aquisições 2003: Coleção Gilberto Chateubriand, no MAM/RJ
2004 - São Paulo SP - Coletiva de Inauguração, na Galeria Baró Cruz
2005 - São Paulo SP - O Retrato como Imagem do Mundo, no Museu de Arte Moderna - MAM/SP
2006 - São Paulo SP - Mulheres Vêem Mulheres, no Senac/Lapa Scipião
2006 - São Paulo SP - Padrões e Padronagens, na Marília Razuk Galeria de Arte
2006 - São Paulo SP - Paralela 2006, no Pavilhão dos Estados
2006 - São Paulo SP - Consumedo, na Galeria Professor Vicente di Grado
2006 - São Paulo SP - Coletiva, na Galeria Vermelho
2007 - Berlim (Alemanha) - Urban Space, na Galeria New Life Gallery
2007 - Rio de Janeiro RJ - Urban Space, no Espaço Oi Futuro
2007 - São Paulo SP - 7ª Bienal Internacional de Arquitetura, na Fundação Bienal

Fonte: Itaú Cultural


Veja também
Roberto Magalhães - Sentimento Íntimo
Sentimento Íntimo
Mário Gruber - Fantasiado Nº3 (Chapéu)
Fantasiado Nº3 (Chapéu)
João Câmara - A Falsa Servente
A Falsa Servente
Arcangelo Ianelli - Sem Título
Sem Título