Escritoriodearte.com > Artistas > Zepherin Ferrez

Zepherin Ferrez

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Zepherin Ferrez (Saint-Laurent, França 1797 - Rio de Janeiro RJ 1851)

Medalhista, escultor, gravador e professor.

Inicia sua formação em 1810, na cidade de Paris, onde estuda gravura e escultura com Philippe-Laurent Roland (1746 - 1816) e Pierre Nicola Beauvallet (1750 - 1818). Vem para o Brasil com o irmão Marc Ferrez (1788 - 1850) em 1816 e, mais tarde, estabelece contato com os integrantes da Missão Artística Francesa. No ano seguinte, realiza com Auguste Marie Taunay (1768 - 1824), Debret (1768 - 1848) e Grandjean de Montigny (1776 - 1850) os trabalhos decorativos nas ruas e praças da cidade do Rio de Janeiro para as festividades da chegada da Princesa Leopoldina (1797 - 1826). Com Marc Ferrez, esculpe e ornamenta, em 1818, o berço oferecido a D. Pedro I (1798 - 1834) por ocasião do nascimento de sua primeira filha, a princesa Maria da Glória. Esse trabalho lhe proporciona a inclusão no quadro de pensionistas da Academia Imperial de Belas Artes - Aiba. Em 1820, grava a medalha Senatus Fluminenses, em honra à aclamação de D. João VI, cerimônia ocorrida dois anos antes. Em 1826, realiza com o irmão uma série de baixos-relevos e esculturas de terracota para ornamentação da fachada do prédio da Aiba, oficialmente inaugurada nesse ano. Torna-se o primeiro professor oficial da cadeira de gravura da Aiba, em 1836. Participa da Exposição Geral de Belas Artes, em 1842, e é condecorado com a Ordem Imperial Rosa pelo trabalho Fidelidade de Amador Bueno da Ribeira.

Comentário Crítico

Em 1810, Zepherin Ferrez ingressa nos cursos de gravura e escultura da École des Beaux-Arts de Paris, onde estuda com o escultor Philippe Laurent Roland (1746 - 1816) e o gravador e restaurador Pierre-Nicolas Beauvallet (1750 - 1818). Com o irmão, o escultor Marc Ferrez (1788 - 1850), vem ao Rio de Janeiro em 1817 e liga-se aos integrantes da Missão Artística Francesa. Participa dos trabalhos decorativos nas ruas e praças da cidade quando das festividades da aclamação de D. João VI e do casamento de D. Leopoldina com D. Pedro I.

Em 1820, Ferrez é pensionista de gravura, sendo primeiro professor de gravura de medalha da Academia Imperial de Belas Artes - Aiba. O artista executa diversos trabalhos em conjunto com seu irmão e, individualmente, realiza obras decorativas da fachada da Aiba, destacando-se os baixos-relevos Febo em seu Carro Luminoso e Gênios das Artes. No antigo pórtico da Academia, posteriormente transferido para o Jardim Botânico (onde permanece até hoje), executa também os balaústres, capitéis e as bases jônicas da entrada. Em um dos relevos de Gênios das Artes, o artista adorna a obra com frutas brasileiras.

É um dos primeiros medalhistas do Brasil, realizando as seguintes medalhas: da Aclamação de D. João VI (1818), a primeira medalha de bronze cunhada no Rio de Janeiro (1820); da inauguração da Academia Imperial de Belas Artes (1826); da Fundação do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1838) e a comemorativa do casamento de D. Pedro II com D. Teresa Cristina (1843), entre outras. É também o autor dos primeiros botões de farda do Brasil realizados após a independência.

No campo da escultura, realiza dois bustos em bronze de D. Pedro II e uma estatueta em bronze de D. Pedro I, enviada a Roma para servir de modelo para a execução de uma estátua em mármore, feita pelo escultor Francisco Benaglia. O artista, com Marc Ferrez, é responsável pela formação da primeira geração de escultores brasileiros ligados à Aiba, sendo seus alunos Honorato Manuel de Lima (s.d. - 1863), Chaves Pinheiro (1822 - 1884) e José da Silva Santos.

Críticas

"Zeferino Ferrez, o primeiro professor oficial de gravura de medalhas, compôs, além de trabalhos restritos de sua especialidade, baixos-relevos da fachada do antigo Palácio das Belas Artes, riscado por Grandjean, e hoje Ministério da Fazenda. O baixo-relevo alegórico, do tímpano do frontão, a representar Phebo em seu carro luminoso, é de sua lavra, e os dois gênios alados que ladeiam a porta de ingresso. Em um deles o artista esculpiu frutas brasileiras a saírem de uma cornucópia.

Cabe a Zeferino Ferrez a prioridade da escultura de nossas frutas, no que quase contemporaneamente o imitaram em uma velha casa que acabam de demolir na Rua d´Alfândega, esquina da Conceição (Vasco da Gama). Muito mais tarde Bethencourt da Silva aproveitou o ornato nas cornucópias decorativas e simbólicas da abundância, no frontispício do edifício da Associação Comercial, na Rua Primeiro de Março, e modernamente Oliveira Passos, na fachada posterior do Teatro Municipal.

Obras-primas de Zeferino Ferrez são: suas medalhas desde a da coroação de D. João VI até as gravadas no segundo reinado, essas que o artista gravou com a efígie do segundo imperador do Brasil. Só como ele tem gravado, no Brasil, Augusto Girardet, que é entre os gravadores mundiais um artista completo na especialidade".
Autoria desconhecida
Continuação das artes no primeiro reinado: período da regência: as artes e artistas no reinado do Sr. D. Pedro II. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: parte 2, p.566-567, 1916.

Exposições Coletivas

1840 - Rio de Janeiro RJ - 1ª Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba
1841 - Rio de Janeiro RJ - 2ª Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba
1842 - Rio de Janeiro RJ - Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba - Condecoração da Ordem Imperial Rosa pelo trabalho Fidelidade de Amador Bueno da Ribeira
1845 - Rio de Janeiro RJ - 6ª Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba

Exposições Póstumas

1940 - Rio de Janeiro RJ - Exposição da Missão Artística Francesa de 1816, no MNBA
1960 - Rio de Janeiro RJ - Exposição da Missão Artística Francesa de 1816, no MNBA
1990 - Rio de Janeiro RJ - Missão Artística Francesa e Pintores Viajantes: França - Brasil no século XIX, na Fundação Casa França-Brasil
2000 - São Paulo SP - Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento, na Fundação Bienal
2002 - São Paulo SP - Imagem e Identidade: um olhar sobre a história na coleção do Museu de Belas Artes, no Instituto Cultural Banco Santos
2004 - Rio de Janeiro RJ - Missão Artística Francesa e as origens da coleção do Museu Nacional de Belas Artes, no MNBA
2007 - São Paulo SP - Missão Artística Francesa Coleção Museu Nacional de Belas Artes, na Pinacoteca do Estado
2011 - São Paulo SP - Arte no Brasil: Uma História na Pinacoteca de São Paulo, na  Pinacoteca do Estado

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Samson Flexor - Pássaros
Pássaros
Vicente do Rego Monteiro - Mulher com Violino
Mulher com Violino
Cícero Dias - Tocando Flauta
Tocando Flauta