Escritoriodearte.com > Artistas > Thais Helt

Thais Helt

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Thais Helt (Juiz de Fora MG 1949)

Gravadora, pintora, desenhista.

Entre 1972 e 1974, Thais Salgado Helt cursa litografia com Lotus Lobo (1943) na Escola Guignard, em Belo Horizonte. Gradua-se em Belas Artes, em 1976, e especializa-se em escultura com Amilcar de Castro (1920 - 2002). , entre 1978 e 1979, sempre na Escola Guignard. Em 1981, freqüenta curso de especialização em litografia, com Antônio Grosso, sob o patrocínio da Coordenadoria de Cultura de Minas Gerais. Em 1991, é bolsista do Tamarind Institute, em Albuquerque, nos Estados Unidos. Em 1978, funda a oficina de gravura Casa Litográfica, em Belo Horizonte, com George Helt, Lotus Lobo (1943) e Marina Nazareth (1939) . Em 1988, abre a Oficina Cinco, um ateliê de litografia, em Belo Horizonte. Em 1993, transfere a Oficina Cinco para Nova Lima, Minas Gerais, onde imprime gravuras de vários artistas, entre eles Amilcar de Castro (1920 - 2002). Participa do Grupo do Largo do Ó, de Tiradentes.

Comentário crítico

Os trabalhos exibidos por Thais Helt em sua primeira individual, em 1987, trazem formas orgânicas que remetem a um conteúdo sensual. Elas seguem presentes no percurso da artista, em diversas obras posteriores. A forma ovalada é elemento recorrente no trabalho de Helt, repetindo-se na gravura, na pintura e também na cerâmica. Segundo a artista, que já fez uma série de desenhos inspirados em sementes, as formas redondas evocam o ovo, o início, o nascimento.

Thais Helt começa a pintar em 1978, e a partir de 1998 passa a experimentar grandes suportes, primeiramente com pinturas em preto e branco. Suas telas, sempre em diálogo com as gravuras que faz, compõem-se de grandes áreas chapadas, recortes e formas circulares. Na série de impressões À Flor da Pele (2001), a semitransparência do papel é explorada por meio das particularidades técnicas da xilogravura e da litografia, como superposições de provas e maculaturas1. Valendo-se de colagens, desenhos, costuras e novas impressões, a artista transforma o verso em frente e a frente em verso, tornando tudo uma só peça. Esta pesquisa desenvolve-se também na série de litogravuras Tempo Impresso (2007), em que a ordem convencional da impressão é subvertida, substituindo os papéis - utilizados como suporte tradicional - por objetos únicos recolhidos do repertório familiar da artista, como colchas, toalhas e estampas antigas. Desse modo, Helt concebe trabalhos sem possibilidade de duplicidade ou reprodução.

Notas
1 Folha de prova, geralmente utilizada para limpar a máquina antes da impressão definitiva.

Críticas

"O trabalho de Thais Helt é bastante maduro e expressivo. Coloca-se no âmbito de uma certa abstração informal semelhante à americana, sob o nume tutelar dos grandes espaços e formas líricas de uma Helen Frankenthaler. Suas manchas são mais flours que os registros de um gesto, e o todo é essencialmente litográfico; nem a aquarela permitiria os mesmos resultados tão translúcidos e chapados".
Olívio Tavares de Araújo
ARAÚJO, Olívio Tavares. [Texto]. In: Casa da Gravura do Ó: desenhos e gravuras. Brasília, Espaço Cultural da Embaixada da França, 1987.

"Em Thais Helt, a abstração deseja, segundo depoimento seu, a outra: a figura atrai porque a gravadora declara estar concluindo a pesquisa do gesto e da cor. O abstrato não implica, em Thais, o figurativo (...): sendo a figura o que ela deseja, a travessia da abstração está no fim. A litografia abstrata, esteja ela concluída ou em caminho de transformação, evidencia-se de algum modo superada quando a artista afirma não se satisfazer com uma litografia só, mas com a montagem de uma tiragem inteira. Disso decorre a unicidade da obra, recuperada para além da multiplicidade das cópias: em Thais Helt, este procedimento torna preciosa, por um lado, a costura que, qual sinédoque, a todas as litografias une e, por outro, torna seleta a unicidade que denuncia a representação banal da gravura como cópia. Além do gesto livre da litografia, Thais considera as cores, aplicadas em tal ou qual área do grafismo, com circunspecção, pois efetuam engaste cromático precioso".
Leon Kossovitch e Mayra Laudanna
KOSSOVITCH, Leon e LAUDANNA, Mayra. Os Signos, os Gestos. In: GRAVURA: arte brasileira do século XX. Apresentação Ricardo Ribenboim; texto Leon Kossovitch, Mayra Laudanna, Ricardo Resende; design Rodney Schunck, Ricardo Ribenboim; fotografia da capa Romulo Fialdini. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000. p. 23.

"Na nova pintura de Thais Helt aflora uma cartografia espacial que alude a não-lugares, onde se acham fixados os resíduos do pensamento. É aí que floresce uma espécie de utopia não descritiva, mas prescritiva, que faz o futuro pulsar, em pacto com os desejos, como um estado de equilíbrio a se realizar. Este anti-mapa estabelecido no plano da tela, imprime no horizonte do possível a experiência da pintura como consumação da vida. Mas o lugar da pintura nada seria se ele se efetivasse unicamente como ato da pintura. Em Thais Helt há uma urgência a ser cumprida, uma ação pré-destinada que entranha o ato de pintar. Há uma geometria que vive a iminência da explicitação, mas está sempre mais além, onde a natureza - a pulsão orgânica - prevalece como uma voz a cobrir e cumprir seus silêncios. O que seriam campos devastados, expropriados do mapa, se tornam zonas fertilizadas pelos gestos. Há memória latente, evocações não cumpridas, que margeiam os caminhos que a tinta vai fazendo pela tela. A cor emerge por um processo de extração mental, buscando transparências a compensar a saturação dos pretos que estruturam o espaço e que deseja ocupar tudo, obstruindo a possibilidade de caminhos, a luz e o ar. Então as cores ficam desassossegadas nesta vigília, porque a instabilidade que acomete a estrutura tem de ser compensada ali, prontamente. Na litografia, que Thais desenvolve em larga escala, a topografia utópica se torna mais evidente, porque, transpondo os limites ortodoxos da técnica, ela utiliza a impressão como mais um recurso. Os collés, utilizando fragmentos de outras obras, impõem uma nova medida gráfica, com uma rica materialização e sensibilização do espaço, onde todo acontecimento - o pensamento, a vida - acontece".
Márcio Sampaio
ALLEN Roscoe; Amilcar de Castro; Pedro de Castro; Rodrigo de Castro; Thaïs Helt : Atelier Nova Lima.Belo Horizonte: Kolams Galeria de Arte, 2001. p.14.

Exposiçõe Individuais

1979 - Belo Horizonte MG - Individual, no Mandala Escritório de Arte
1980 - Ouro Preto MG - Individual, na Galeria de Arte Faop
1987 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Funarte. Galeria Macunaíma
1990 - Belo Horizonte MG - Thais Helt: litografias, na Galeria da Ex-Libris
1991 - Belo Horizonte MG - Thais Helt: litografias, na Galeria Hortelã
1994 - Belo Horizonte MG - Thais Helt: litografias, na Kolams Galeria de Arte

Exposições Coletivas

1970 - Belo Horizonte MG - Objeto e Participação, no Palácio das Artes
1970 - São Paulo SP - Pré-Bienal de São Paulo, no Fundação Bienal
1971 - São Paulo SP - 11º Bienal Internacional de São Paulo, no Fundação Bienal
1972 - Belo Horizonte MG - 4º Salão de Arte Universitária UFMG
1972 - Campinas SP - 8º Salão de Arte Contemporânea de Campinas, no MAC/Campinas - referência especial
1973 - Belo Horizonte MG - 5º Salão Nacional de Arte Contemporânea, no MAP
1973 - São Paulo SP - Expo-Projeção 73, no Espaço Grife
1974 - Belo Horizonte MG - 5º Salão de Arte Universitária UFMG, na Reitoria da UFMG
1975 - Belo Horizonte MG - Elas por Elas, no Palácio das Artes
1976 - São Paulo SP - Bienal Nacional 76, no Fundação Bienal
1977 - São Paulo SP - 14ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1978 - Belo Horizonte MG - 1ª Exposição da Casa Litográfica
1978 - Rio de Janeiro RJ - 1º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MNBA
1978 - Vitória ES - 3º Salão Universitário de Artes Plásticas
1979 - Belo Horizonte MG - 2ª Mostra Anual da Casa Litográfica
1979 - Belo Horizonte MG - 4º Salão Nello Nuno, no Palácio das Artes
1979 - Rio de Janeiro RJ - 2º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ
1980 - Belo Horizonte MG - 3ª Mostra Anual da Casa Litográfica
1980 - Belo Horizonte MG - Artistas Brasileiros, na Galeria Gesto Gráfico
1980 - Belo Horizonte MG - 7º Salão Global de Inverno
1980 - Viçosa MG - Exposição de Litografias, na UFV
1981 - Belo Horizonte MG - Coletiva da Casa Litográfica, na Galeria Eucatexpo
1981 - Recife PE - 34º Salão de Artes de Pernambuco
1981 - San Juan (Porto Rico) - 5ª Bienal de San Juan del Grabado latino-americano y del Caribe
1981 - Uberlândia MG - Coletiva de Litografia, na Arqtis Galeria
1983 - Montes Claros MG - Quatro Artistas, na Galeria do Centro Cultural de Montes Claros
1983 - San Juan (Porto Rico) - 6ª Bienal de San Juan del Grabado latino-americano y del Caribe
1983 - Taipé (Taiwan) - International Biennial Print Exhibition, no Taipei Fine Arts Museum
1984 - Belo Horizonte MG - 1º Salão de Artes Visuais da Fundação Clóvis Salgado, na Fundação Clóvis Salgado. Palácio das Artes
1984 - Goiânia GO - Salão Nacional de Artes Plásticas de Goiânia
1984 - São João Del Rei MG - As Quatro Técnicas da Gravura, no Museu de São João Del Rei
1985 - Belo Horizonte MG - 17º Salão Nacional de Arte, no MAP
1985 - Belo Horizonte MG - Gravuras - Paulo Pardini e Thais Helt, na Gesto Gráfico
1985 - Belo Horizonte MG - Litografias, na Galeria de Arte IAB
1985 - Ribeirão Preto SP - Salão de Artes de Ribeirão Preto
1986 - Belo Horizonte MG - 18º Salão Nacional de Arte, no MAP
1986 - Belo Horizonte MG - 9º Salão Nacional de Artes Plásticas: sudeste, no Fundação Clóvis Salgado. Palácio das Artes
1986 - Brasília DF - 4 Gravadoras Mineiras, na Galeria Itaú Cultural
1986 - Santa Fé (Estados Unidos) - Brazilian Contemporary Prints, na Gallery of the Saint John's College
1987 - Belo Horizonte MG - A Gravura em Minas, no MAP
1987 - Belo Horizonte MG - Sobre Papel, no Palácio das Artes
1987 - Brasília DF - Casa de Gravura Largo do Ó: desenhos e gravuras, no Espaço Cultural da Embaixada da França
1987 - Porto Alegre RS - 2º Festival de Artes da Cidade de Porto Alegre - Exposição dos Professores
1988 - Vitória ES - Gravuras, na Galeria Itaú Cultural
1992 - Belo Horizonte MG - Confidentes Linhas, na Câmara Municipal de Belo Horizonte
1994 - Belo Horizonte MG - Guignard: 50 anos de uma escola de arte, na Galeria Vidyã
1997 - Belo Horizonte MG - Prospecções: arte nos anos 80 e 90, no Palácio das Artes
1999 - Belo Horizonte MG - 10ª Mostra do Gabinete de Arte , na Prefeitura Municipal de Belo Horizonte
1999 - Belo Horizonte MG - Coletiva de Inauguração do Espaço Cultural da Procuradoria do Estado de Minas Gerais
1999 - Vitória ES - 1ª Mostra Internacional de Mini Gravura - Vitória 2000, no Maes
2000 - Belo Horizonte MG - Presente de Reis, na Kolams Galeria de Arte
2000 - Belo Horizonte MG - Belo Horizonte-Leiria: um encontro de culturas, na Fundação Clóvis Salgado - Companhia de Dança de Minas Gerais
2000 - Leiria (Portugal) - Belo Horizonte-Leiria: um encontro de culturas, na Galeria 57 - Arte Contemporânea
2000 - Juiz de Fora MG - Brasil do Próximo Milênio: a arte em Minas, no Espaço Cultural Bernardo Mascarenhas
2000 - São Paulo SP - Investigações. A Gravura Brasileira, no Itaú Cultural
2001 - Belo Horizonte MG - Do Corpo à Terra: um marco radical na arte brasileira, no Itaú Cultural
2001 - Brasília DF - Investigações. A Gravura Brasileira, no Itaú Cultural
2001 - Nova Lima MG - Allen Roscoe, Amilcar de Castro, Pedro de Castro, Rodrigo de Castro, Thais Helt, no ateliê de Amilcar de Castro
2001 - Penápolis SP - Investigações. A Gravura Brasileira, no Itaú Cultural

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Otto Stupakoff - la trougue, frança
la trougue, frança
Roberto Magalhães - Abstrações Botânicas
Abstrações Botânicas
Tomie Ohtake - Sem Título
Sem Título