Escritoriodearte.com > Artistas > Sara Goldman Belz

Sara Goldman Belz

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

BIOGRAFIA

Sara Goldman Belz (São Paulo SP 1940)

Pintora, gravadora, desenhista, ilustradora, curadora, artista multimídia e poeta.

Inicia formação em artes plásticas em 1970, na Fundação Armando Álvares Penteado - Faap, onde estuda desenho com Antônio Carelli (1926). Entre 1971 e 1975, na Escola Brasil: estuda escultura com José Resende (1945), projeto com Luiz Paulo Baravelli (1942), pintura com Carlos Fajardo (1941) e desenho com Frederico Nasser (1945). Em 1974 freqüenta a oficina de metais no Senac. No ano seguinte, estuda gravura em metal no ateliê do artista Dudi Maia Rosa (1946). Com Teresinha Ehmke (1941) e Sonia Rezze forma o Grupo 4ª Feira, em 1974, que posteriormente lança dois livros, em 1978 e 1979. Participa das atividades culturais dos grupos de dança, coral e de teatro da Casa do Povo, na década de 1960. É sanitarista, formada pela Faculdade de Higiene e Saúde Pública da Universidade de São Paulo - USP, em 1959. Em 1987 assume a diretoria do Paço das Artes e permanece nessa função até 1995, quando se torna assessora da Secretaria de Estado da Cultura. Entre 1992 e 1995 assume a presidência da Associação Profissional dos Artistas Plásticos do Estado de São Paulo - APAP.

Críticas

"A obra de Sara encontra-se num momento especial, onde as amarras da hesitação não encontram assento fácil. Sua criação flui gostosamente sobre a superfície de veludo, seja ele liso, enrugado, tramado, opaco ou brilhante. Há um adensamento do discurso pictórico, aflorando uma explosão de energia e cores, em suas nebulosas de emoção. Repete-se, talvez, em ponto grande o fenômeno condensado da interioridade do ser, emergindo obras plenas de cor, brilho, e de luz, numa cadência ritmada. As pinturas são gerúndio, gesto e vitalidade ininterrupta do respirar, convidando cada um que se posta à sua frente a passar para o lado de lá. A impulsividade gravita sobre cada obra e se chegarmos muito próximo ela entontece. Afastando pra mais longe, uma estranha luz se intensifica funcionando como um ímã hipnótico. A artista domina seu ofício de tal forma que a ausência de um microponto pode desestabilizar o campo visual. Há uma ludicidade no fazer de Sara, que trabalha a superfície numa atuação de liberação e movimento. A energia da ação gera texturas, que se posicionam como uma grafia de código misterioso. Surgem imagens incandescentes a exalar um odor vital, que fica entre o requintado e o do todo dia".
Ciça França Lourenço
O REENCONTRO. São Paulo : Pinacoteca do Estado, 1985.

"A produção plástica de Sara Goldman vem configurar um caso muito particular em relação ao que os artistas de sua geração têm produzido. Curiosamente, não aderiu às poéticas da Nova Figuração dos anos 60 nem às tendências conceituais que aqui se desenvolveram durante a década de 70. Embora também não pertença à geração ligada às correntes informais, é na arte abstrata que encontra os referenciais mais significativos para sua produção. Tendo iniciado seu trabalho através das tendências figurativas, a experimentação de técnicas diferenciadas, como a xilogravura, gravura em metal, aquarela e desenho (na fase em que cursou a Escola Brasil:), veio marcar a preferência assumida pela pintura propriamente dita como meio de expressão possível para assegurar os impulsos emotivos que vêm caracterizando seu trabalho ao longo dos anos".
Vitória Daniela Bousso
GOLDMAN-BELZ, Sara. Sara Goldman Belz. Bogotá: Galeria Arte 19, 1991.

"Observando os simulacros (as obras), a istância, eles despertam grande euforia, porque efusivamente coloridos adquirem uma performance brejeira, desinibida, exibindo um ar de festa. Mais próximos, quando presos a seus detalhes, sobressalta-nos o receio de que muitos dos objetos e das visíveis farpas da manta de fibra de vidro, embora coloridas, não percam o poder de ferir. Podem atacar-nos, se desprevenidos e alheios à agressividade virtual que emitem. Sara, hoje, trabalha o imponderável. De acordo com as circunstancias, a obra aparece com o brilho de festa ou com o brilho que fere. A dualidade implícita nas construções atuais condensa um jogo de oposições entre o bem, a festa, e o mal, a agressão virtual. A arte não existe só para agradar, para aguçar os sentimentos, mas, também, para resgatá-los. A arte incomoda. Intervém no mais profundo plano das emoções amalgamando o artista, o público e a obra".
Radha Abramo
GOLDMAN-BELZ, Sara. Percurso e universo de Sara Goldman-Belz. São Paulo : Sesc Pompéia, 1995.

Depoimentos

"A cultura é a coisa mais importante que uma pessoa possa ter, mais do que qualquer bem material. Descendentes de judeus, podemos estar em algum país em que haja perseguição - essa verdade me foi passada por meus pais - tendo que deixar para trás todos os bens materiais. A cultura, carregamos conosco. E, com ela, recomeçamos a vida. Meu pai tocava violino, dançávamos. Foram muito felizes esses momentos da minha vida. Minha mãe queria que eu fosse pianista famosa. Com 19 anos, meu namorado, depois meu marido, me levou para a Casa do Povo. Participei ativamente das atividades culturais, dos grupos de dança, coral (fui solista) e de teatro, yeddish, como atriz principal. Sou sanitarista. Formada. Trabalhei cinco anos no Departamento de Tuberculose do Serviço de Saúde Escolar do Estado, na periferia de São Paulo. Deixei a profissão para cuidar dos meus filhos pequenos. Cantei na televisão. A arte chegou em 1972, depois da separação. Demorei 45 anos para entender que aquilo que era mais importante para mim, era mais importante do que o que era importante para os outros. Nessa época, foi à Escola Brasil:".
Sara Goldman Belz
GOLDMAN-BELZ, Sara. Percurso e universo de Sara Goldman-Belz. São Paulo : Sesc Pompéia, 1995.

Exposições Individuais

1983 - São Paulo SP - Sara Goldman Belz: aquarelas, na Galeria do Sesc Paulista
1984 - São Paulo SP - Sara Goldman Belz: aquarelas, na Casa de Chá Jasmim
1985 - São Paulo SP - Sara Goldman Belz: aquarelas, na Galeria Choice
1986 - Mogi Guaçu SP - Sara Goldman Belz: pinturas, na Maison Laços
1986 - São Paulo SP - Sara Goldman Belz: pinturas, na Faculdade Santa Marcelina
1986 - São Paulo SP - Sara Goldman Belz: pinturas, no Espaço Fábio Gerbinska
1986 - São Paulo SP - Sara Goldman Belz: pinturas, no Paço das Artes
1987 - São Paulo SP - Sara Goldman Belz: pinturas, na Galeria Graffiti
1988 - São Paulo SP - Sara Goldman Belz: pinturas, na Chelsea Galeria de Arte
1989 - Campinas SP - Sara Goldman Belz: pinturas, no MACC
1989 - Ribeirão Preto SP - Sara Goldman Belz: pinturas, no Shopping Ribeirão
1991 - Bogotá (Colômbia) - Sara Goldman Belz: pinturas, na Galeria de Arte 19
1991 - Salerno (Itália) - Sara Goldman Belz: pinturas, na Galeria La Seggiola
1992 - São Paulo SP - Sara Goldman Belz: pinturas, no Restaurante Biroska
1994 - Itapeva SP - Individual, na Casa de Cultura
1994 - São Paulo SP - Individual, no Restaurante Spoleto
1995 - São Paulo SP - Percurso e Universo de Sara Goldman Belz, no Sesc Pompéia
1996 - São José dos Campos SP - Individual, na Galeria do Sol
1996 - São Paulo SP - Percurso e Universo de Sara Goldman Belz, na A Hebraica
1997 - Bauru SP - Individual, na Galeria Art Work
1997 - Bauru SP - Individual, na Galeria Yázigi
1999 - Campinas SP - Individual, no Centro de Convivência Cultural de Campinas
1999 - São Paulo SP - Sara Goldman Belz: gravuras, no Museu Banespa

Exposições Coletivas

1975 - Piracicaba SP - 8º Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba, na Casa das Artes Plásticas
1975 - Ribeirão Preto SP - 1º Salão de Arte de Ribeirão Preto, em galpão projetado para sediar esta edição do evento (construído ao lado do terreno atualmente ocupado pela Casa da Cultura)
1975 - São Bernardo do Campo SP - 18º Salão de Arte de São Bernardo do Campo - prêmio pelo conjunto de gravuras
1976 - Piracicaba SP - 9º Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba, na Casa das Artes Plásticas - prêmio aquisição
1976 - Ribeirão Preto SP - Salão de Arte de Ribeirão Preto
1976 - Santo André SP - 9º Salão de Arte Contemporânea de Santo André, no Paço Municipal
1976 - São Paulo SP - 7º Salão Paulista de Arte Contemporânea, no Paço das Artes
1977 - Campo Limpo Paulista SP - 2º Salão Campolimpense de Arte, no Paço Municipal
1977 - Goiânia GO - 3º Concurso Nacional de Artes Plásticas, no Parthenon Center
1977 - Madri (Espanha) - Gravuras do Grupo 4ª Feira, na Galeria Alerida
1977 - Piracicaba SP - 9º Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba
1977 - Salvador BA - Coletiva, no Teatro Vila Velha
1977 - Santo André SP - 10º Salão de Santo André de Arte Contemporânea, no Paço Municipal
1977 - São Paulo SP - Exposição de Natal, na Galeria Eucatexpo
1977 - São Paulo SP - Exposição de Solidariedade ao Jornal Nós Mulheres, na Fundação Getúlio Vargas
1978 - São Paulo SP - Coletiva, na Galeria Shopping News
1978 - São Paulo SP - Exposição de Solidariedade à Campanha Goldman-Resk
1978 - São Paulo SP - Exposição de Solidariedade ao Teatro 13 de Maio, no Teatro Treze de Maio
1978 - São Paulo SP - Grupo 4ª Feira, no Masp
1979 - Belo Horizonte MG - Coletiva
1979 - Johanesburgo (África do Sul) - Grupo 4ª Feira, na Whipptons Gallery
1979 - Santo André SP - Exposição de Gravuras em Santo André, na Cooperativa dos Artistas Plásticos de São Paulo
1979 - São Paulo SP - Arte Hoje, no Banco Francês e Brasileiro
1979 - São Paulo SP - Exposição de Solidariedade ao Fundo de Greves, na Graphus Galeria de Arte
1979 - São Paulo SP - Grupo 4ª Feira, na Galeria Bric a Brac
1979 - São Paulo SP - O Desenho como Instrumento, na Pinacoteca do Estado
1979 - São Paulo SP - Procop-Arte, no Teatro Procópio Ferreira
1979 - Uberaba MG - Coletiva, na Galeria Paulo Figueiredo
1979 - Washington (Estados Unidos) - O Desenho como Instrumento
1980 - Alemanha - Bienal Internacional de Artes Gráficas
1980 - Barcelona (Espanha) - Aquarelas, no Centre d'Etudes d'Arte Contemporain da Fundació Joan Miró
1980 - Brasília DF - Desenhos, no Hotel Nacional
1980 - São Paulo SP - Coletiva, na Chapell School
1980 - São Paulo SP - Dois Metros e Uma Página, na Cooperativa dos Artistas Plásticos
1980 - São Paulo SP - O Contemporâneo em Linhas Novas, no Centro Campestre do Sesc
1980 - São Paulo SP - O Desenho como Instrumento, no Restaurante O Profeta
1980 - São Paulo SP - Poucos e Raros, na Biblioteca Municipal Mário de Andrade
1980 - São Paulo SP - Poucos e Raros, no Museu do Club Atlético Paulistano
1981 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva Cebrade, na Petite Galerie
1981 - São Paulo SP - Coletiva, no Spazio Pirandello
1981 - São Paulo SP - Grupo 4ª Feira, no Café do Bexiga
1981 - São Paulo SP - Grupo São Paulo, na Galeria Selection Arte
1983 - São Paulo SP - Coletiva, na A Hebraica
1983 - São Paulo SP - Coletiva, na Sepaco
1984 - São Paulo SP - 2º Salão Paulista de Arte Contemporânea, no MIS/SP
1984 - São Paulo SP - Artistas Plásticos Judeus, no MAB/Faap
1984 - São Paulo SP - Diretas Já, no CCSP
1984 - São Paulo SP - Exposição Olimpíadas, no Spazio Pirandello
1984 - São Paulo SP - Manifesto pelas Eleições Diretas, na Pinacoteca do Estado
1984 - São Paulo SP - Poucos e Raros, no Espaço Humberto Tecidos
1985 - Rio de Janeiro RJ - Poucos e Raros
1985 - São Paulo SP - Coletiva, no Café Belas Artes
1985 - São Paulo SP - Coletiva, no Palácio das Convenções Anhembi
1985 - São Paulo SP - O Reencontro, na Pinacoteca do Estado
1985 - São Paulo SP - SOS Tuca, no Hotel Maksoud Plaza
1986 - Portugal - Portugueses d'Alem Mar e Seus Parceiros
1986 - São Paulo SP - 1º Salão Ano Internacional da Paz, na Secretaria do Interior
1986 - São Paulo SP - Coletiva em Homenagem a Oswald de Andrade, no Café Belas Artes
1986 - São Paulo SP - Espaço Nobre, no Shopping Iguatemi
1986 - São Paulo SP - Mulheres nas Artes, na A Hebraica
1986 - Taipé (Taiwan) - Prêmio Internacional de Artes Plásticas Brasil: extremo oriente, no Taipei Fine Arts Museum
1987 - Marília SP - 1ª Bienal de Arte Contemporânea
1987 - Porto Alegre RS - Coletiva em Homenagem a Oswald de Andrade, no Margs
1987 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva em Homenagem a Oswald de Andrade, no Museu Villa-Lobos
1987 - São Paulo SP - Fernando Durão, Oswaldo Forty, Sara Goldman Belz: pinturas, na Galeria Ars Artis
1988 - Pequim (China) - 1ª Exposição Brasil-China, na Galeria de Belas Artes da China
1988 - São Paulo SP - 1º Salão Nacional de Aquarelas da FASM, na Faculdade Santa Marcelina
1988 - São Paulo SP - Aquarela: tinta, pincel, água e papel, no Paço das Artes
1988 - São Paulo SP - MAC 25 Anos: aquisições e doações recentes, no MAC/USP
1989 - São Paulo SP - Inovação, na Galeria Choice
1990 - Los Angeles (Estados Unidos) - Coletiva, no Museu de Arte Moderna do Século XX
1990 - São Paulo SP - Brazilian Art
1991 - Cali (Colômbia) - Coletiva, na Galeria Figuras
1991 - Cali (Colômbia) - Festival Internacional de Arte
1991 - Califórnia (Estados Unidos) - Coletiva, na Miranda Gallery
1991 - Phoenix (Estados Unidos) - Contemporary Brazilian Art
1991 - São Paulo SP - Coletiva, na A Hebraica
1991 - São Paulo SP - Coletiva, na Galeria Choise
1992 - São Paulo SP - América: 5 séculos de descobertas, no Sesc Pompéia
1992 - São Paulo SP - Coletiva, na Pinacoteca do Estado
1992 - São Paulo SP - Mokiti Okada para Cegos
1993 - Brasília DF - Pagú, no Senado Federal
1993 - Buenos Aires (Argentina) - Artistas Latino Americanos, na OEA
1993 - São Paulo SP - 1º Salão Paulista de Aquarelas, na Faculdade Santa Marcelina
1994 - Chicago (Estados Unidos) - Aquarelas
1994 - Jacareí SP - Salão de Artes de Jacareí
1994 - Nicarágua - 12 Artistas Brasileiros
1994 - São Paulo SP - Bandeiras: 60 artistas homenageiam os 60 anos da USP, no MAC/USP
1994 - São Paulo SP - Chegando ao Século XXI, no Memorial da América Latina
1994 - São Paulo SP - Tendências, no Tuca
1995 - Curitiba PR - Greenpeace: 50 anos de bomba atômica
1995 - Kobe (Japão) - Greenpeace: 50 anos de bomba atômica, no Museu de Kobe
1995 - Porto Alegre RS - Greenpeace: 50 anos de bomba atômica
1995 - São Paulo SP - Greenpeace: 50 anos de bomba atômica, no Sesc Pompéia
1995 - Tóquio (Japão) - Greenpeace: 50 anos de bomba atômica, no Museu Nacional de Tóquio
1996 - São Paulo SP - Bandeiras, na Galeria de Arte do Sesi
1998 - Campinas SP - Direitos Humanos, no MACC
1998 - São Paulo SP - Impressões: a arte da gravura brasileira, no Espaço Cultural Banespa-Paulista
2000 - São Paulo SP - 9º Salão Paulista de Arte Contemporânea, no Complexo Cultural Júlio Prestes
2001 - São Paulo SP - 10 Poéticas, na A Hebraica
2001 - São Paulo SP - 7 Artistas da Apap, na Oficina Cultural Oswald de Andrade
2004 - São Paulo SP - Coletiva de Artistas Contemporâneos, no Esporte Clube Sírio
2005 - São Paulo SP - Pequenas Grandes Obras, no Cultural Blue Life

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Carlos Scliar - Casario
Casario
José Leonilson - Sem Título
Sem Título
Claudio Tozzi - Paisagem
Paisagem