Escritoriodearte.com > Artistas > Rodolfo Chambelland

Rodolfo Chambelland

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

BIOGRAFIA

Rodolfo Chambelland (Rio de Janeiro RJ 1879 - Idem 1967)

Pintor, professor, desenhista e decorador.

Inicia seus estudos em artes no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro RJ). Trabalha inicialmente realizando capas de partituras para a Casa Bevilacqua e retoques em fotografias para a Casa Bastos Dias. Em 1901, ingressa no curso livre da Escola Nacional de Belas Artes - Enba, onde é aluno de Rodolfo Amoedo (1857 - 1941), Zeferino da Costa (1840 - 1915) e Henrique Bernardelli (1858 - 1936). Em 1905, recebe o prêmio de viagem da Enba pelo quadro Bacantes em Festa e viaja para Paris no mesmo ano, onde permanece por dois anos. Em Paris, cursa a Académie Julien e estuda com Jean-Paul Laurens (1838 - 1921). Ao retornar ao Brasil realiza a primeira individual, no Rio de Janeiro, em 1908. Em 1911, viaja para Turim, Itália, acompanhado de Carlos Chambelland (1884 - 1950), seu irmão, e dos artistas João Timótheo da Costa (1879 - 1930) e do irmão Arthur Timótheo da Costa (1882 - 1922), entre outros, contratados pelo governo brasileiro para realizar a decoração do Pavilhão do Brasil na Exposição Internacional daquela cidade. Em 1916, assume a cadeira de professor de desenho de modelo vivo da Enba, cargo que exerce até 1946. Participa freqüentemente das Exposições Gerais de Belas Artes, entre 1896 e 1927, recebendo a pequena medalha de ouro, em 1912, pelo retrato de José Mariano Filho. Em colaboração com Carlos Chambelland, pinta oito painéis para a cúpula da sala de sessões do Palácio Tiradentes, no Rio de Janeiro em 1920.

Críticas

"Foi a pintura mural, a começar pela que realizou para o Pavilhão de Turim, que lhe estimulou o interesse pelas harmonias cromáticas impressionistas, claras e de grande efeito de espaço e para o que o emprego do pontilhismo facilitava um divisionismo das cores e alcance de uma luminosidade de pronta sedução decorativa. Conquanto por vezes tenha levado para a pintura de alguns quadros o recurso do pontilhismo (...) será em sua pintura mural que a técnica assim se caracterizará definitivamente".
Quirino Campofiorito
CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.

"Artista de organização muito trabalhada, pela sua permanente luta íntima, em torno dos seus ideais, o professor Chambelland é um impressionista forte, cheio de sol, cheio de claridade, cheio de tons vivos que reproduzem a natureza como ela dever ser vista, animada, colorida, na alegria pagã com que os nossos olhos de homem moderno a vêem. Não é mais possível sentir a natureza convencional do tempo em que se fazia a paisagem nos interiores domésticos. A vida atual é um poema incessante, de atividade, de energia, de luminosas ousadias, para o integral domínio do homem. E nesta concepção não é razoável aceitar o pintor convencional, o pintor do bem acabado, o pintor do bem limado, porque o acesso deste seria a vitória da mediocridade, o grito de triunfo soltado pelo lugar-comum".
Angyone Costa
COSTA, Angyone. A inquietação das abelhas. In: BIENAL BRASIL SÉCULO XX (1994 : SÃO PAULO, SP), AGUILAR, Nelson (org.). Bienal Brasil Século XX: catálogo.São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.  p.62.

Exposições Coletivas

1896 - Rio de Janeiro RJ - 3ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1898 - Rio de Janeiro RJ - 5ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1899 - Rio de Janeiro RJ - Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1903 - Rio de Janeiro RJ - 10ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba - menção honrosa de 2º grau
1904 - Rio de Janeiro RJ - 11ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba - medalha de prata
1905 - Rio de Janeiro RJ - 12ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba - prêmio de viagem ao exterior
1909 - Rio de Janeiro RJ - 16ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1911 - São Paulo SP - 1ª Exposição Brasileira de Belas Artes, no Liceu de Artes e Ofícios 
1911 - Turim (Itália) - Exposição Internacional de Turim  
1912 - Rio de Janeiro RJ - 19ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba - pequena medalha de ouro
1913 - Rio de Janeiro RJ - 20ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1914 - Rio de Janeiro RJ - 21ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1915 - Rio de Janeiro RJ - 22ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1916 - Rio de Janeiro RJ - 23ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1917 - Rio de Janeiro RJ - 24ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1918 - Rio de Janeiro RJ - 25ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1920 - Rio de Janeiro RJ - 27ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1927 - Rio de Janeiro RJ - 34ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1928 - São Paulo SP - Grupo Almeida Júnior, no Palácio das Arcadas 
1940 - São Paulo SP - Exposição Retrospectiva: obras dos grandes mestres da pintura e seus discípulos
1950 - Rio de Janeiro RJ - Um Século da Pintura Brasileira: 1850-1950, no MNBA

Exposições Póstumas

1986 - São Paulo SP - Dezenovevinte: uma virada no século, na Pinacoteca do Estado 
1991 - São Paulo SP - O Desejo na Academia: 1847-1916, na Pinacoteca do Estado 
1994 - São Paulo SP - Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal
2001 - São Paulo SP - Trajetória da Luz na Arte Brasileira, no Itaú Cultural
2002 - Brasília DF - Barão do Rio Branco: sua obra e seu tempo, no Ministério das Relações Exteriores. Palácio do Itamaraty
2002 - São Paulo SP - Imagem e Identidade: um olhar sobre a história na coleção do Museu de Belas Artes, no Instituto Cultural Banco Santos
2004 - São Paulo SP - O Preço da Sedução: do espartilho ao silicone, no Itaú Cultural

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

José Tannuri - Série Compreensão
Série Compreensão
Cícero Dias - Frutas Com Praia ao Fundo
Frutas Com Praia ao Fundo
Guilherme Faria - Nu Feminino
Nu Feminino
Octávio Araújo - Arcádia sem melancolia
Arcádia sem melancolia