Escritoriodearte.com > Artistas > Roberto Magalhães

Roberto Magalhães

OBRAS DO ARTISTA

Roberto Magalhães - Homem de Cabeça Cortada

Homem de Cabeça Cortada

nanquim e guache sobre papel
1965
25 x 32 cm
ass. ao centro


Preço: Sob Consulta
Roberto Magalhães - Sem Título

Sem Título

xilogravura sobre papel
1963
20 x 13 cm
ass. inf. dir.


Preço: Sob Consulta
Roberto Magalhães - Sentimento Íntimo

Sentimento Íntimo

técnica mista sobre papel
2007
33 x 24 cm
ass. inf. dir.

Preço: Sob Consulta
Roberto Magalhães - Abstrações Botânicas

Abstrações Botânicas

técnica mista sobre papel
2009
45 x 30 cm
ass. inf. dir.

Preço: Sob Consulta
Roberto Magalhães - Visão Astral III

Visão Astral III

técnica mista sobre papel
2008
33,5 x 40 cm
ass. inf. esq.

Preço: Sob Consulta
Roberto Magalhães - Jogador

Jogador

ecoline sobre papel
2000
35 x 25 cm
ass. inf. esq.

Preço: Sob Consulta
Roberto Magalhães - O Caçador

O Caçador

guache sobre papel
1982
25 X 35 cm
ass. inf. dir.

Preço: Sob Consulta

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Roberto Magalhães (Rio de Janeiro RJ 1940)

Pintor, desenhista gravador.

Roberto de Oliveira Magalhães realiza seu aprendizado artístico com as atividades profissionais iniciadas precocemente: primeiro, na gráfica do tio (desenho de rótulos e propagandas); em seguida, fazendo capas de livros e discos e desenhos publicitários. Freqüenta cursos da Escola Nacional de Belas Artes (Enba), como aluno livre, em 1961. No decorrer da década de 1960, participa de diversas coletivas, no Brasil e no exterior: 1962, expõe desenhos a nanquim na Galeria Macunaíma, anexa à Enba; em 1964, realiza sua primeira individual de xilogravuras, na Petite Galerie, Rio de Janeiro; e recebe, no ano seguinte, o prêmio de gravura da 4ª Bienal de Paris. Segue para a capital francesa, em 1967, depois de ganhar o prêmio viagem ao exterior no 15º Salão Nacional de Arte Moderna (SNAM), em 1966, com a xilogravura Édipo Decifra o Enigma da Esfinge. Em Paris expõe com Antonio Dias (1944) na Galeria Debret, em 1968. Estudos de ocultismo, teosofia e, sobretudo, a aproximação ao budismo a partir de 1969 levam-no a residir por quatro anos no Centro de Meditação da Sociedade Budista do Brasil, quando interrompe a atividade artística. Em 1975, recomeça o trabalho com arte por meio de exposições individuais de desenho e pintura no Rio e em São Paulo, e de aulas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ). Integra coletivas de gravuras e desenhos, na década de 1980. Em 1992, o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), do Rio de Janeiro organiza uma retrospectiva dos 30 anos de produção do artista, a maior dedicada a sua obra.

Comentário Crítico

Mesmo afinado com as novas figurações que vêm a público em mostras como Opinião 65 e Nova Objetividade Brasileira, Roberto Magalhães constrói um percurso próprio, não se ligando a grupos nem a movimentos. O trânsito permanente por diferentes técnicas (lápis de cor, bico-de-pena, aquarela, litografia, xilogravura e pintura a óleo) e um repertório temático particular dificultam sua localização em tendências ou escolas. De qualquer modo, os críticos falam em "experimentos surrealistas", próximos aos de Salvador Dalí, e em afinidades de sua obra com as composições simbólicas de Arcimboldo, com o imaginário infantil de Paul Klee e ainda com as "esculturas moles" de Claes Oldenburg. Magalhães enfatiza sua proximidade com a experiência mística e com o esoterismo, na tentativa de aproximação entre arte, ciência e filosofia. A "arte esotérica", diz ele, além de realizada sob "inspiração verdadeira", acredita na existência de uma afinidade essencial entre formas e cores, visando projetar, por meio de imagens, "verdades eternas".

O realismo fantástico explorado nos anos 1960 como em Barco Voador Conduzindo um Esqueleto, 1962, convive com ampla gama de símbolos e alegorias trabalhados nos anos 1970, sob inspiração de tratados de esoterismo e alquimia, livros de ocultismo e de astrologia - Capricórnio, 1970 e A Pedra Filosofal, 1973. O mergulho existencial efetuado nesse período alarga as pesquisas com a cor e com a forma, consideradas frutos de uma operação alquímica, em Ministro do Inferno, 1975 e Homem Devidamente Pintado, 1976. Nesses trabalhos, já se encontram presentes elementos emblemáticos de sua obra: deformação da figura; antropomorfização da natureza; metamorfoses de todo tipo (montanhas-pássaros, animais fantásticos, narizes que realizam acrobacias, máquinas e construções humanizadas, casas-carros etc.). Tais elementos integram composições marcadas pelo humor - às vezes, negro -, em que o artista associa a exploração da memória infantil e do universo onírico a elementos insólitos retirados do cotidiano e da observação detida das cidades. Central do Brasil, 1983, 10º Planeta, 1986, e Segunda-Feira, 1994, são algumas dessas paisagens inusitadas. Homens-máquinas, seres monstruosos ou simples personagens de historietas infantis são outras de suas criações conhecidas, vistas em Mulher do Futuro, 1975, Gigante Examinando uma Casa, 1988 e Habitante da Lua, 1994. A localização de distintas fases na obra de Magalhães não impede a identificação de um estilo pessoal construído, desde o início, em estreito diálogo com as técnicas e temáticas da ilustração, das histórias em quadrinhos e das caricaturas.

Críticas

"Desse quase-grupo formado por Antonio Dias, Carlos Vergara, Roberto Magalhães e Rubens Gerchman - cuja atividade se iniciou no Rio logo ao abrir-se a década de 1960 e cujas afinidades se concentraram, naquele momento, na retomada da figuração, sob envolvência crítica de certa mescla de surrealismo, realismo mágico e pop-art - talvez tenha sido Roberto Magalhães o que mais permaneceu interessado em desenvolver, tranquila e consistentemente, passo a passo, um mesmo núcleo de problemas de forma e conteúdo desde logo situados. Se Dias e Gerchman, após a Nova Objetividade Brasileira e a fixação no exterior, se voltaram para o âmbito do conceitual, embora sempre no plano crítico de contemporaneidade, e se Vergara multiplicou pesquisas com materiais pobres ou nobres, interessando-se também pela participação direta do espectador na proposta-obra, Magalhães nada mais desejou, ao longo de uma década e pouco de trabalho, especialmente desenho e gravura, e agora em pintura, do que desdobrar sua propensão natural para o fantástico ('Arte é um poder mágico e só os magos têm acesso a ela' ou 'Arte é apalpar a Divindade', segundo palavras dele próprio), (...)"
Roberto Pontual
PONTUAL, Roberto. Arte/Brasil/hoje: 50 anos depois. São Paulo: Collectio, 1973.

"O que hoje Roberto Magalhães oferece como pinturas são delicadas surpresas visuais, licenças poéticas com cenas do cotidiano e mudanças na escala do mundo. Há uma doce ironia e uma nostálgica reflexão sobre o poder e a força, sobre as leis do universo e sobre a hierarquia das formas - pois o que mais lhe dá prazer é inverter as regras e as normas de representação da natureza. (...) Nos trabalhos mais recentes, ele deixou de lado o caráter alegórico de suas cenas para concentrar-se em cabeças humanas ou em cenas de um fantástico cotidiano. Suas casas se retorcem, flores e bichos ganham uma estranha aparência, as descrições da mais banal atividade crescem para uma outra dimensão. O que lhe confere uma dimensão de artista excepcional é que as suas escolhas são muito precisas. As personagens se deformam como em vinhetas antigas, estão cercadas de elementos alucinantes, mas toda essa parafernália é rigidamente controlada. Existe uma organização geométrica do espaço e a alteração das leis da visão com a segurança de quem sabe exatamente o que pretende causar. Graças a esse controle é que Roberto Magalhães conseguiu, ao longo de 25 anos de trabalho, manter-se ao largo de uma filiação ou de uma identidade com uma tendência artística qualquer. (...)"
Casimiro Xavier de Mendonça
SÃO Paulo - Rio - Paris. Apresentação de Marie-Odile Briot. Textos de Isaac Ortizar et al. São Paulo: Montesanti Galleria, 1987.

"(...) Roberto Magalhães interpreta a exatidão de sua xilogravura de modo tátil, pois também acaricia a madeira, afastando-se dos conceitos do, como diz, 'expressionismo', poderoso no início do decênio de 60. Introduzido na figuração por outro viés, o da publicidade, não é contudo o gibi que está no horizonte de suas figuras, o que também acontece com suas pinturas e desenhos. Pelo contrário, valorizando o recorte na xilogravura, antecipa as histórias em quadrinhos que adotam o mesmo partido das figuras chapadas e recortadas. Estas produzem o mesmo riso que, no início dos anos 60, se solta das gravuras de Roberto Magalhães, cujos desenhos simulam, porém, claro-escuro e relevo, distanciando-se das xilos. O humor na gravura da queda de Tróia evidencia os procedimentos retórico-gráficos que o produzem. O célebre auto-retrato falando cospe de lado a fala, mas, ausente balão, relaciona-se com o gibi de modo incerto e com o anjo de Anunciação de Simone Martini de modo certíssimo, apesar da diferença dos gêneros. O artista-personagem, que assim se pronuncia, é concebido, como os figurantes de Tróia, como misto, assim, como agregação de seres heterogêneos.
Valorizando a citação, Roberto Magalhães nem segue estilemas pop, nem analisa ou descreve o cenário da cena, a qual, reduzida à ação das personagens, se produz como comédia, erudita nos lances retóricos em que joga a ambigüidade de partes e todo, mas também a justaposição em mistos. As xilogravuras dos anos 60 podem encenar; como se viu, a dimensão épica da tomada de Tróia, com seu cavalo reptiliano, seus corpos articulados mecanicamente e, tudo no plano, ausente claro-escuro, como jogo de recortes agressivamente geometrizados. O humor, em Roberto Magalhães, é paródico, textualmente; é-o, também, graficamente, nas cargas ineptas das figuras enrijecidas por rebites e soltas porque estes nada fixam. O inverossímil dos corpos em outros gêneros expõe-se como verossímil satírico em Roberto Magalhães".
Leon Kossovitch e Mayra Laudanna
GRAVURA: arte brasileira do século XX. Apresentação Ricardo Ribenboim; texto Leon Kossovitch, Mayra Laudanna, Ricardo Resende; design Rodney Schunck, Ricardo Ribenboim; fotografia da capa Romulo Fialdini. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000, p. 8.

Depoimentos

"Eu trabalhava em empresa de publicidade. Fazia layout e arte-final. (...) Mas, antes ainda, desenhei rótulos de cachaça, vinhos e tal. (...) Fiz muita capa de livro e ilustrações. (...) A publicidade me deu a visão objetiva dessas coisas gráficas, de impressão. (...)
Eu lia muitos livros de iniciação científica - coisa de que gosto muito, além de ficção científica. Era este o meu tipo de leitura, mais voltado para a ciência. Naquele tempo, as pessoas gravavam numa temática basicamente expressionista. Era a escola de Goeldi, da xilogravura expressionista. Mas eu comecei a gravar, talvez por intuição, num processo diferente. Algumas pessoas me criticavam e diziam que aquilo não era xilogravura. Não era assim que se fazia uma xilogravura. Mas eu pergunto: não era gravada na madeira? (...) Era xilogravura. Eu fazia um desenho num papel, quadriculava o papel e passava esse desenho para a madeira. Ou, então, desenhava direto na madeira, com pincel e nanquim, entende? Fazia o desenho na madeira. Eu desenhava o que seria o positivo. Isso, na época, as pessoas achavam uma heresia, que não era assim que se gravava.
Então, eu fazia os estudos no papel, com nanquim. Tudo desenhado com aquela espontaneidade que o pincel dá. Dali, passava fielmente para a madeira, para a placa de madeira. E com isso suprimia as características expressionistas da gravura da época. Naquele tempo, ninguém fazia isso, compreende? Então, era como uma heresia mesmo gravar dessa maneira, não podia. Era proibido.
Na Escola, as pessoas ficavam chocadas e me falavam que não era assim, não podia. Mas eu continuava. Entretanto não eram todas as pessoas, só algumas cabeças mais tradicionalistas.
Comecei a freqüentar a Escola Nacional de Belas-Artes, quer dizer, fiz prova, não passei, mas assim mesmo comecei a freqüentar e a conhecer os artistas, os alunos. Foi quando freqüentei o ateliê de gravura, com o Adir Botelho. Lá é que eu vi que existia uma coisa que se chamava xilogravura, entende? E se cavava com a goiva na madeira e se imprimia. (...)
É, a Escola sempre foi assim mais ligada às formas acadêmicas. Mas aprendi muito lá, porque foi o primeiro contato que eu tive com artistas. Antes, eu trabalhava sozinho. O convívio foi muito bom para mim, não só o contato humano, como com as técnicas também, de desenho, de pintura. (...)
A Enba era um lugar ótimo em todos os sentidos. Depois, a facilidade de freqüentar a Escola, livremente, acabou no tempo da ditadura. Começaram a jogar umas bombas na porta da escola. As pessoas começaram a ficar com muito medo e aí fecharam mesmo. Quem não fosse aluno não podia entrar, e o clima de companheirismo desapareceu. (...)
Fiz exposições coletivas lá na Escola Nacional de Belas-Artes mesmo, numa galeria que hoje é uma sala, logo na entrada à direita. E as minhas gravuras começaram a ser vendidas. E como as tiragens eram de vinte cada, vendia várias vezes. Então, já dava para eu viver de arte.
O meu trabalho de desenhista de propaganda ajudou muito no meu processo de trabalho. Aprendi muita técnica gráfica, de impressão, técnicas de desenho para ser reproduzido. Muitas vezes eu pegava um desenho, pedaços de desenhos e juntava, fazendo um desenho maior, o que também era outra heresia, não? Ia juntando e formava uma coisa que eu achava que dava uma boa gravura. Comecei a me entusiasmar porque o resultado era muito bom. (...)"
Roberto Magalhães - Sesc Tijuca, 4 de setembro de 1986 e 3 de agosto de 1997
GRAVURA: arte brasileira do século XX. Apresentação Ricardo Ribenboim; texto Leon Kossovitch, Mayra Laudanna, Ricardo Resende; design Rodney Schunck, Ricardo Ribenboim; fotografia da capa Romulo Fialdini. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000, p. 56.

Exposições Individuais

1962 - Rio de Janeiro RJ - Primeira individual de desenhos, na Funarte. Galeria Macunaíma
1964 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Petite Galerie
1965 - Belo Horizonte MG - Individual, na Galeria Morada
1965 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Petite Galerie
1966 - Houston (Estados Unidos) - Individual, na Kiko Gallery
1967 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MAM/RJ
1968 - Paris (França) - Individual, na Galeria Debret
1975 - Rio de Janeiro RJ - Roberto Magalhães: obras da Coleção Gilberto Chateaubriand, na Petite Galeria
1975 - Rio de Janeiro RJ - Roberto Magalhães: obras da Coleção Gilberto Chateaubriand, na Galerie Maison de France
1975 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Arte Global
1978 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Saramenha
1980 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Funarte
1981 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria de Arte Sigaud
1983 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Arte Global
1984 - Rio de Janeiro RJ - Roberto Magalhães: pinturas e serigrafias 1980-1984, na Galeria Saramenha
1987 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Gabinete de Arte Cleide Wanderley
1987 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Investiarte
1987 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Saramenha
1987 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Petite Galerie
1988 - Londres (Inglaterra) - Individual, na Embaixada do Brasil na Inglaterra
1991 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na GB Arte
1992 - Rio de Janeiro RJ - Individual de desenhos, na Galeria Sarraceni
1992 - Rio de Janeiro RJ - Roberto Magalhães: desenhos e pinturas, no CCBB
1992 - Rio de Janeiro RJ - Roberto Magalhães: desenhos, na Galeria Sarraceni
1994 - Rio de Janeiro RJ - Individual, nos Museus Castro Maya. Museu da Chácara do Céu
1995 - Guadalajara (México) - Roberto Magalhães: xilografias/xilogravuras, no Museo de Las Artes de La Universidad de Guadalajara
1995 - Rio de Janeiro RJ - Traço e Matriz, no Instituto Cultural Villa Maurina
2001 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Instituto Moreira Salles
2001 - São Paulo SP - Individual, no Instituto Moreira Salles
2006 - São Paulo SP - Roberto Magalhães: pintura e desenho, Valu Oria Galeria de Arte
2010 - São Paulo SP - Individual, James Lisboa Escritório de Arte
2012 - Rio de Janeiro RJ - Quem Sou, de Onde Vim e para Onde Vou, Paço Imperial

Exposições Coletivas

1963 - Bonn (Alemanha) - Brazilian Art Today
1963 - Bruxelas (Bélgica) - Brazilian Art Today
1963 - São Paulo SP - 1ª Exposição do Jovem Desenho Nacional, na Faap - prêmio aquisição
1963 - Viena (Áustria) - Brazilian Art Today
1964 - Belo Horizonte MG - 1ª Exposição do Jovem Desenho Nacional, no MAP
1964 - Filadélfia (Estados Unidos) - Gravadores Brasileiros, no The Print Club
1964 - Paris (França) - Salon Comparaisons, no Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris
1964 - Ribeirão Preto SP - 1ª Exposição da Jovem Gravura Nacional
1964 - Rio de Janeiro RJ - 13º Salão Nacional de Arte Moderna
1964 - Rio de Janeiro RJ - 2º Resumo de Arte JB, no MAM/RJ
1964 - São Paulo SP - 1ª Exposição da Jovem Gravura Nacional, no MAC/USP - prêmio aquisição
1964 - Tóquio (Japão) - 4ª International Biennial Exhibition of Prints
1965 - Barcelona (Espanha) - Ocho Grabadores Brasileños, na Galeria René Metras
1965 - Belo Horizonte MG - 1ª Exposição da Jovem Gravura Nacional, no MAP
1965 - Curitiba PR - 1ª Exposição da Jovem Gravura Nacional, na Secretaria do Estado de Educação
1965 - Florianópolis SC - 1ª Exposição da Jovem Gravura Nacional, no Masc
1965 - Londres (Inglaterra) - Brazilian Art Today, na Royal Academy of Arts 
1965 - Paris (França) - 4ª Bienal de Paris, no Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris - prêmio de gravura 
1965 - Rio de Janeiro RJ - 14º Salão Nacional de Arte Moderna, no MAM/RJ
1965 - Rio de Janeiro RJ - 3º Resumo de Arte JB, no MAM/RJ
1965 - Rio de Janeiro RJ - Opinião 65, no MAM/RJ
1965 - São Paulo SP - 2ª Exposição do Jovem Desenho Nacional, no MAC/USP
1965 - São Paulo SP - 8ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1965 - São Paulo SP - Proposta 65, no MAB/Faap
1966 - Buenos Aires (Argentina) - Artistas Brasileiros Contemporâneos, no Museo de Arte Moderno de Buenos Aires
1966 - Filadélfia (Estados Unidos) - Gravadores Brasileiros Contemporâneos, na Cornell University
1966 - Ribeirão Preto SP - 40 Gravuras Nacionais e Estrangeiras do Acervo do MAC, na Escola de Artes Plásticas de Ribeirão Preto
1966 - Rio de Janeiro RJ - 15º Salão Nacional de Arte Moderna
1966 - Rio de Janeiro RJ - 1º Salão de Abril, no MAM/RJ
1966 - Rio de Janeiro RJ - 4º Resumo de Arte JB, no MAM/RJ
1966 - Rio de Janeiro RJ - Opinião 66, no MAM/RJ
1966 - Rio de Janeiro RJ - Pare, na Galeria G4
1966 - São Paulo SP - 40 Gravuras Nacionais e Estrangeiras do Acervo do MAC, no MAC/USP
1966 - São Paulo SP - 8 Artistas, na Atrium
1967 - Rio de Janeiro RJ - 5º Resumo de Arte JB, no MAM/RJ
1967 - Rio de Janeiro RJ - Nova Objetividade Brasileira, no MAM/RJ
1967 - Santiago (Chile) - 3ª Bienal Americana de Gravura, no Museo de Arte Contemporáneo
1967 - São Paulo SP - 1ª Jovem Arte Contemporânea, no MAC/USP
1968 - Campo Grande MS - 28 Artistas do Acervo do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, no Diário da Serra
1968 - Paris (França) - Brinquedos, na Galeria Saint-Luc, na USP. Esalq
1969 - Fortaleza CE - 28 Artistas do Acervo do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, no Centro de Artes Visuais Raimundo Cela
1969 - Rio de Janeiro RJ - 9 Gravadores, na Galeria Usaid
1970 - Olinda PE - 40 Gravuras Nacionais e Estrangeiras do Acervo do MAC, no MAC/Olinda
1970 - Penápolis SP - 40 Gravuras Nacionais e Estrangeiras do Acervo do MAC
1972 - Rio de Janeiro RJ - Exposição, no MAM/RJ
1972 - São Paulo SP - Arte/Brasil/Hoje: 50 anos depois, na Galeria da Collectio
1973 - Rio de Janeiro RJ - Vanguarda Internacional, na Galeria Ibeu Copacabana
1974 - Campinas SP - Panorama do Desenho Brasileiro, no MACC
1974 - Campinas SP - 9º Salão de Arte Contemporânea de Campinas, no MACC
1974 - Rio de Janeiro RJ - Desenhistas Brasileiros, na Galeria Maison de France
1975 - Rio de Janeiro RJ - A Comunicação Segundo os Artistas Plásticos
1977 - Belo Horizonte MG - 5º Salão Global de Inverno, na Fundação Palácio das Artes
1977 - Brasília DF - 5º Salão Global de Inverno
1977 - Rio de Janeiro RJ - 5º Salão Global de Inverno, no MNBA
1977 - Rio de Janeiro RJ - Identification of Artist - a book, na EAV/Parque Lage
1977 - São Paulo SP - 5º Salão Global de Inverno, no Masp
1979 - São Paulo SP - 15ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1981 - Porto Alegre RS - Artistas Brasileiros dos Anos 60 e 70 na Coleção Rubem Knijnik, no Espaço NO Galeria Chaves
1981 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva Nuchy, na Nuchy Galeria de Arte
1982 - Lisboa (Portugal) - Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
1982 - Londres (Inglaterra) - Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, na Barbican Art Gallery
1982 - Rio de Janeiro RJ - Universo do Futebol, MAM/RJ
1982 - Rio de Janeiro RJ - Que Casa é essa da Arte Brasileira
1983 - Rio de Janeiro RJ - 6º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ
1983 - Rio de Janeiro RJ - Auto-Retratos Brasileiros, na Galeria de Arte Banerj
1984 - Curitiba PR - 6ª Mostra da Gravura Cidade de Curitiba. A Xilogravura na História da Arte Brasileira, na Casa Romário Martins
1984 - Ribeirão Preto SP - Gravadores Brasileiros Anos 50/60, no Galeria Campus-USP-Banespa
1984 - Rio de Janeiro RJ - A Xilogravura na História da Arte Brasileira, na Funarte. Centro de Artes
1984 - Rio de Janeiro RJ - Arte brasileira Atuante, na Galeria Maison de France
1984 - Rio de Janeiro RJ - Pintura Brasileira Atuante, no Espaço Petrobras
1984 - Rio de Janeiro RJ - Viva a Pintura, na Petite Galeria
1984 - Rio de Janeiro RJ - Antonio Dias, Carlos Vergara, Roberto Magalhães e Rubens Gerchman, na Galeria do Centro Empresarial Rio
1984 - Rio de Janeiro RJ - Viva a Pintura, na Petite Galerie
1984 - São Paulo SP - Brasil Desenho, na Fundação Clovis Salgado. Palácio das Artes
1984 - São Paulo SP - Coleção Gilberto Chateaubriand: retrato e auto-retrato da arte brasileira, no MAM/SP
1984 - São Paulo SP - Primeiros Trabalhos, na Galeria Maison de France
1984 - São Paulo SP - Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal
1985 - Belo Horizonte MG - O Retrato do Colecionador: uma coleção de auto-retratos, na Cemig Espaço Cultural Galeria de Arte
1985 - Brasília DF - Brasilidade e Independência, no Teatro Nacional Cláudio Santoro
1985 - Rio de Janeiro RJ - A Figura Hoje, na Galeria Ibeu Copacabana
1985 - Rio de Janeiro RJ - Caligrafias e Escrituras, na Funarte. Galeria Sérgio Milliet
1985 - Rio de Janeiro RJ - Encontros, na Petite Galerie
1985 - Rio de Janeiro RJ - Opinião 65, na Galeria de Arte Banerj
1985 - Rio de Janeiro RJ - Pequenos Espaços, na GB ARTe
1985 - Rio de Janeiro RJ - Velha Mania: desenho brasileiro, na EAV/Parque Lage
1985 - São Paulo SP - Destaques da Arte Contemporânea Brasileira, no MAM/SP
1986 - Porto Alegre RS - Coleção Rubem Knijnik: arte brasileira anos 60/70/80, no Margs
1986 - Rio de Janeiro RJ - Transvanguarda e Culturas Nacionais, no MAM/RJ
1987 - Paris (França) - Modernidade: arte brasileira do século XX, no Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris
1987 - Paris (França) - São Paulo-Rio-Paris, na Galerie 1900-2000
1987 - Rio de Janeiro RJ - Ao Colecionador: homenagem a Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ
1987 - Rio de Janeiro RJ - São Paulo-Rio-Paris, na Montesanti Galleria
1987 - São Paulo SP - Modernidade: arte brasileira do século XX, no MAM/SP
1987 - São Paulo SP - O Ofício da Arte: pintura, no Sesc
1987 - São Paulo SP - São Paulo-Rio-Paris, na Galeria Montesanti Roesler
1988 - Rio de Janeiro RJ - Hedonismo: Coleção Gilberto Chateaubriand, na Galeria Edifício Gilberto Chateaubriand
1988 - Rio de Janeiro RJ - O Eterno é Efêmero, na Petite Galerie
1988 - São Paulo SP - 63/66 Figura e Objeto, na Galeria Millan
1989 - São Paulo SP - Acervo, na Galeria de Arte São Paulo
1990 - Atami (Japão) - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea
1990 - Brasília DF - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea
1990 - Curitiba PR - 9ª Mostra da Gravura Cidade de Curitiba, no Museu da Gravura
1990 - Rio de Janeiro RJ - Primavera 90, na Galeria H. Stern
1990 - Rio de Janeiro RJ - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea
1990 - São Paulo SP - 9ª Exposição Brasil - Japão de Arte Contemporânea, no Fundação Brasil-Japão
1990 - Sapporo (Japão) - 9ª Exposição Brasil - Japão de Arte Contemporânea
1990 - Tóquio (Japão) - 9ª Exposição Brasil - Japão de Arte Contemporânea
1991 - Paris (França) - Seis Artistas Latino-americanos, na Galeria 1900-2000
1991 - Rio de Janeiro RJ - Mário Pedrosa, Arte, Revolução e Reflexão, no CCBB
1991 - São Paulo SP - O Que Faz Você Agora Geração 60?: jovem arte contemporânea dos anos 60 revisitada, no MAC/USP
1992 - Paris (França) - Diversité Latino Americaine, na Galerie 1900-2000
1992 - Porto Alegre RS - Mário Pedrosa, Arte, Revolução e Reflexão, no Centro Municipal de Cultura
1992 - Rio de Janeiro RJ - Gravura de Arte no Brasil: proposta para um mapeamento, no CCBB
1992 - Rio de Janeiro RJ - 1º A Caminho de Niterói: Coleção João Sattamini, no Paço Imperial
1992 - Rio de Janeiro RJ - Natureza: quatro séculos de arte no Brasil, no CCBB
1992 - São Paulo SP - Anos 60/70: Coleção Gilberto Chateubriand/Museu de Arte Moderna - RJ, na Galeria de Arte do Sesi
1993 - João Pessoa PB - Xilogravura: do cordel à galeria, na Funesc
1993 - Rio de Janeiro RJ - Arte Erótica, no MAM/RJ
1993 - Rio de Janeiro RJ - Emblemas do Corpo: o nu na arte moderna brasileira, no CCBB
1993 - Rio de Janeiro RJ - O Papel do Rio, no Paço Imperial
1993 - São Paulo SP - O Desenho Moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateaubriand, na Galeria de Arte do Sesi
1994 - Poços de Caldas MG - Coleção Unibanco: exposição comemorativa dos 70 anos de Unibanco, na Casa da Cultura
1994 - Rio de Janeiro RJ - 100 Anos de Futebol Arte, no MNBA
1994 - Rio de Janeiro RJ - Futebol e Arte, no Rio Design Center
1994 - Rio de Janeiro RJ - O Desenho Moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateubriand, no MAM/RJ
1994 - Rio de Janeiro RJ - Trincheiras: arte e política no Brasil, MAM/RJ
1994 - São Paulo SP - Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal
1994 - São Paulo SP - Os Novos Viajantes, no Sesc Pompéia
1994 - São Paulo SP - Paisagens, na Galeria de Arte São Paulo
1994 - São Paulo SP - Poética da Resistência: aspectos da gravura brasileira, na Galeria de Arte do Sesi
1994 - São Paulo SP - Xilogravura: do cordel à galeria, no Metrô
1995 - Pequim (China) - Papel do Brasil: arte contemporânea, no Palácio dos Trabalhadores
1995 - Rio de Janeiro RJ - A Nova Figuração - Anos 60, na Galeria Jean Boghici
1995 - Rio de Janeiro RJ - Coleção Unibanco: exposição comemorativa dos 70 anos do Unibanco, no MAM/RJ
1995 - Rio de Janeiro RJ - Da Cor do Rio, no Espaço Cultural dos Correios
1995 - Rio de Janeiro RJ - O Teatro Faz Arte, no Rio Design Center
1995 - Rio de Janeiro RJ - Opinião 65: 30 anos, no CCBB
1995 - Rio de Janeiro RJ - Representações do Feminino, no Rio Design Center
1995 - Rio de Janeiro RJ - Salão em Preto e Branco, no MNBA
1995 - Rio de Janeiro RJ - Desenhar, na Galeria de Arte Toulouse
1995 - São Paulo SP - Filhos do Abaporu, na Galeria de Arte do Brasil
1996 - Belo Horizonte MG - Impressões Itinerantes, no Palácio das Artes
1996 - Niterói RJ - Arte Contemporânea Brasileira na Coleção João Sattamini, no MAC/Niterói
1996 - Rio de Janeiro RJ - 1º Salão Sesc de Gravura. Roberto Magalhães, na Galeria de Arte Sesc Tijuca
1996 - Rio de Janeiro RJ - 4 Mestres da Gravura Brasileira, Galeria Sesc Copacabana
1996 - Rio de Janeiro RJ - Reila Gracie, Roberto Magalhães, Antonio Dias, no Paço Imperial
1997 - Rio de Janeiro RJ - Ar: exposição de artes plásticas, brinquedos, objetos e maquetes, no Paço Imperial
1998 - Niterói RJ - Espelho da Bienal, no MAC/Niterói
1998 - Rio de Janeiro RJ - A Imagem do Som de Caetano Veloso, no Paço Imperial
1998 - Rio de Janeiro RJ - O Bonequinho Viu: 60 anos 1938-1998, no CCBB
1998 - Rio de Janeiro RJ - Anos 60/70: Coleção Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ
1998 - Rio de Janeiro RJ - O Bonequinho Viu: 60 anos 1938-1998, no CCBB
1998 - Rio de Janeiro RJ - Trinta Anos de 68, no CCBB
1998 - São Paulo SP - Destaques da Coleção Unibanco, no Instituto Moreira Salles
1998 - São Paulo SP - O Bonequinho Viu: 60 anos 1938-1998, no Museu da Casa Brasileira
1998 - São Paulo SP - O Moderno e o Contemporâneo na Arte Brasileira: Coleção Gilberto Chateaubriand - MAM/RJ, no Masp
1998 - São Paulo SP - Os Colecionadores - Guita e José Mindlin: matrizes e gravuras, na Galeria de Arte do Sesi
1999 - Niterói RJ - Mostra Rio Gravura. Acervo Banerj, no Museu do Ingá
1999 - Rio de Janeiro RJ - Mostra Rio Gravura. Gravura Moderna Brasileira: acervo Museu Nacional de Belas Artes, no MNBA
1999 - São Paulo SP - A Ressacralização da Arte, no Sesc Pompéia
2000 - Rio de Janeiro RJ - Brasilidades, no Centro Cultural Ligth
2000 - Rio de Janeiro RJ - Antonio Dias, Carlos Vergara, Roberto Magalhães, Rubens Gerchman, na GB ARTe
2000 - Rio de Janeiro RJ - Situações: arte brasileira anos 70, na Fundação Casa França-Brasil
2000 - São Paulo SP - A Figura Humana na Coleção Itaú, no Itaú Cultural
2000 - São Paulo SP - Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento, na Fundação Bienal
2000 - São Paulo SP - Investigações: A Gravura Brasileira, no Itaú Cultural
2001 - Brasília DF - Investigações. A Gravura Brasileira, na Galeria Itaú Cultural
2001 - Penápolis SP - Investigações. A Gravura Brasileira, na Galeria Itaú Cultural
2001 - Porto Alegre RS - Coleção Liba e Rubem Knijnik: arte brasileira contemporânea, no Margs
2001 - Rio de Janeiro RJ - Aquarela Brasileira, no Centro Cultural Light
2002 - Niterói RJ - Acervo em Papel, no MAC/Niterói
2002 - Niterói RJ - Diálogo, Antagonismo e Replicação na Coleção Sattamini, no MAC/Niterói
2002 - Passo Fundo RS - Gravuras: Coleção Paulo Dalacorte, no Museu de Artes Visuais Ruth Schneider
2002 - Porto Alegre RS - Gravuras: Coleção Paulo Dalacorte, no Museu do Trabalho
2002 - Rio de Janeiro RJ - Caminhos do Contemporâneo 1952-2002, no Paço Imperial
2002 - São Paulo SP - Mapa do Agora: arte brasileira recente na Coleção João Sattamini do Museu de Arte Contemporânea de Niterói, no Instituto Tomie Ohtake
2003 - Rio de Janeiro RJ - Arte em Movimento, no Espaço BNDES
2003 - Rio de Janeiro RJ - Autonomia do Desenho, no MAM/RJ
2004 - São Paulo SP - O Preço da Sedução: do espartilho ao silicone, no Itaú Cultural
2006 - São Paulo SP - Futebol e Arte, Espaço Cultural Vivo
2006 - São Paulo SP - 2ª Núcleos Contemporâneos, Valu Oria Galeria de Arte
2007 - São Paulo SP - Anos 70 - Arte como Questão, Instituto Tomie Ohtake
2008 - São Paulo SP - MAM 60, Oca
2008 - Madri (Espanha) - 27ª Arco, Instituto Feria de Madrid
2008 - Osasco SP - 44ª Expo Arte FIEO, Unifieo
2009 - Niterói RJ - Arte Contemporânea Brasileira nas Coleções João Sattamini e Mac de Niterói, Museu de Arte Contemporânea
2010 - São Paulo SP - 41ª Chapel Art Show, Escola Maria Imaculada - Chapel School
2010 - São Paulo SP - 6ª sp-arte, Fundação Bienal
2010 - Brasília DF - 2ª Bienal de Artes de Brasília 
2010 - Rio de Janeiro RJ - Genealogias do Contemporâneo, Museu de Arte Moderna
2011 - São Paulo SP - Recortes de Coleções, Galeria Ricardo Camargo
2011 - São Paulo SP - 7ª SP-Arte, Fundação Bienal
2011 - Bruxelas (Bélgica) - Gravura Extrema, Centre de la Gravure et de l'Image Imprimée La Louvière

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Samson Flexor - Sem Título
Sem Título
Ivald Granato - O Capeta de São Paulo
O Capeta de São Paulo
José Roberto Aguilar - Sem Título (Políptico)
Sem Título (Políptico)