Escritoriodearte.com > Artistas > Raymundo Felicíssimo Colares

Raymundo Felicíssimo Colares

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

BIOGRAFIA

Raymundo Felicíssimo Colares (Grão Mogol MG 1944 - Montes Claros MG 1986)

Pintor, desenhista.

Estuda, em 1966, na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (EBA/UFRJ), no Rio de Janeiro. Nessa época, torna-se amigo dos artistas Antonio Manuel (1947) e Hélio Oiticica (1937-1980). No ano seguinte, deixa a EBA e passa a frequentar o ateliê livre de Ivan Serpa (1923-1973), no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ). No mesmo ano, a convite de Antonio Dias (1944), participa da exposição Nova Objetividade Brasileira, no MAM/RJ. A partir de 1968, passa a produzir os "gibis" - livros-objeto, nos quais explora as dobras e cores do papel, cujas folhas devem ser manuseadas pelo espectador. Apresenta, em 1969, os primeiros trabalhos tridimensionais, nos quais utiliza alumínio pintado. No mesmo ano, leciona no Ateliê Livre do MAM/RJ. Recebe o prêmio de viagem ao exterior, do Salão Nacional de Arte Moderna (SNAM), em 1970. Viaja para Nova York, Trento e Milão, em 1972. Quando volta ao Brasil, passa a residir em Montes Claros, Minas Gerais, onde permanece até 1981. Nesse ano, muda-se para Teresópolis, Rio de Janeiro. Em 1983, as galerias Saramenha e Paulo Klabin, no Rio de Janeiro, reúnem-se para realizar uma mostra-resumo de sua produção. Nessa data, volta a lecionar no ateliê do MAM/RJ.

Comentário Crítico

Raymundo Colares reúne em suas obras tendências como o construtivismo e a arte pop. Ele reconhece a relação com o futurismo italiano na preocupação em representar o dinamismo e a velocidade da vida moderna. Utiliza o tema da interpenetração de ritmos visuais relacionados ao movimento de veículos em velocidade em uma grande cidade. Emprega tintas metálicas para representar carrocerias de ônibus, reconhecíveis pelo esquema de cores e números, usados também como marcas da sociedade industrial. Preenche totalmente as telas com esses signos, não deixando nenhuma área livre. O ser humano e a própria paisagem urbana estão ausentes de suas telas. Para alguns críticos, sua produção mantém afinidades com a obra do pintor americano Allan D'Arcangelo (1930-1998), ao aproximar geometria e organicidade e abstração e figura.

Em Ponto de Mudança: Ocorrência de uma Trajetória (1974), Colares emprega a fragmentação da imagem, representando ônibus em vários ângulos, em enquadramento cinematográfico. O artista utiliza principalmente as cores primárias, em tons fortes. Como nota o crítico Paulo Venâncio Filho, a força das telas de Colares provém mais da sensação de impacto do que da sensação de velocidade.

A partir de 1968, Colares produz os "gibis" - livros-objeto, sem texto, que devem ser manipulados pelo espectador -, nos quais explora as dobras e as cores do papel para criar sequências de formas e cores que se alternam. Para o crítico Frederico Morais, seus gibis remetem ao Livro da Criação, de Lygia Pape (1927-2004), por serem obras em processo em que as imagens se fazem ou desfazem à medida que as páginas são movimentadas. Os cortes oferecem sucessivas surpresas, revelando ao mesmo tempo um caráter lúdico. Nessas obras, Colares presta homenagem a alguns artistas, como naquela em que se baseia em telas de Mondrian (1872-1944).

Para Venâncio Filho, a produção de Raymundo Colares está associada a todo um processo de reformulação da imagem no Brasil, ligado à programação visual, à publicidade, fotografia e cinema, em integração à cultura pop.

Críticas

"O trabalho de Raymundo Collares firmou-se desde o início na tentativa de apreender, pela pintura, um setor característico da vida urbana contemporânea, com seus apelos de novas e enérgicas visualidades. Um tema central o vem definindo há quase 10 anos: a interpenetração de ritmos visuais que a experiência das metrópoles de hoje oferece. A princípio, ele se concretizou na prática de uma pintura de síntese dos movimentos de veículos automóveis no trânsito da cidade grande, expulsando por completo a presença do ser humano. Após os primeiros trabalhos em superfície plana, buscou saída no espaço tridimensional, produzindo algumas pinturas sobre chapa de alumínio, à feição de verdadeiros retalhos de carrocerias. A influência futurista evidenciava-se então, mesclada a conotações simbólicas. Nos quadros inteiramente cobertos por planos/retalhos de carrocerias de ônibus cruzando-se em moto-perpétuo, não sobrava uma só área de respiração, uma única brecha para o fôlego, como no choque e assombro sufocantes de alguém que partira da pequena cidade mineira de origem para enfrentar a realidade espasmódica do Rio de Janeiro. (...)".
Roberto Pontual
PONTUAL, Roberto. Arte brasileira contemporânea: Coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Jornal do Brasil, 1976.

"A Collares nunca interessou o monumentalismo ´cool´da ´minimal´ nem o congelamento de imagens em Lichtenstein. Visual e psicologicamente, ele sempre esteve em trânsito, a caminho, está sempre saindo, sempre chegando. Um bólido no espaço. Não por acaso, seus quadros formam sempre um losango na parede, ou serpenteiam, como ´flashes´ de um ônibus em movimento, junto a esta mesma parede. Não têm um centro, logo não têm começo nem fim. Os seus gibis, que remetem ao ´livro da criação´ de Lígia Pape, são obras em processo, as imagens se fazem, ou se desfazem à medida que as folhas vão sendo movimentadas. Virtualidade pura. Nos seus gibis reviveu a assimetria de Mondrian, recriou a magia da noite e dos arranha-céus de Broadway Boogie-Woogie ou demonstrou o teorema cromático da ´Homenagem ao quadrado´, de Albers. Esses gibis constituem um dos momentos mais fascinantes da arte brasileira contemporânea".
Frederico Morais
MODERNIDADE: arte brasileira do século XX. Paris: Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris, 1988. 352 p., il., p&b., color.

Exposições Individuais

1970 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria de Arte do Ibeu - prêmio de viagem ao exterior 
1979 - Washington (Estados Unidos) - Individual, na Galeria Centro Brasileiro Americano

Exposições Coletivas

1967 - Campinas SP - 3º Salão de Arte Contemporânea de Campinas, no MACC
1967 - Rio de Janeiro RJ - Nova Objetividade Brasileira, no MAM/RJ
1968 - Rio de Janeiro RJ - 2º Salão Esso do Artista Jovem, no MAM/RJ - 2º prêmio
1968 - Rio de Janeiro RJ - Salão Nacional de Arte Moderna, no MEC
1968 - São Paulo SP - 17º Salão Paulista de Arte Moderna
1969 - Belo Horizonte MG - 1º Salão Nacional de Arte Contemporânea de Belo Horizonte, no MAP
1969 - Curitiba PR - 26º Salão Paranaense, na Federação das Indústrias do Estado do Paraná
1969 - Rio de Janeiro RJ - 18º Salão Nacional de Arte Moderna
1969 - Rio de Janeiro RJ - Salão da Bússola, no MAM/RJ
1969 - Rio de Janeiro RJ - Salão dos Transportes, no MAM/RJ - prêmio em pintura
1970 - Rio de Janeiro RJ - 19º Salão Nacional de Arte Moderna, no MAM/RJ - prêmio de viagem ao exterior
1970 - Rio de Janeiro RJ - 8º Resumo de Arte JB, no MAM/RJ
1971 - Rio de Janeiro RJ - Exposição de Múltiplos, na Petite Galerie
1972 - São Paulo SP - 4º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP
1972 - São Paulo SP - Arte/Brasil/Hoje: 50 anos depois, na Galeria da Collectio
1973 - São Paulo SP - Expo-Projeção 73, no Espaço Grife
1977 - Rio de Janeiro RJ - Arte Agora I - JB, no MAM/RJ
1980 - Belo Horizonte MG - 1º Salão de Montes Claros
1981 - Porto Alegre RS - Artistas Brasileiros dos Anos 60 e 70 na Coleção Rubem Knijnik, no Espaço NO Galeria Chaves
1981 - Rio de Janeiro RJ - Do Moderno ao Contemporâneo, no MAM/RJ
1982 - Lisboa (Portugal) - Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
1982 - Lisboa (Portugal) - Do Moderno ao Contemporâneo, na Fundação Calouste Gulbelkian
1982 - Londres (Inglaterra) - Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, na Barbican Art Gallery
1982 - Rio de Janeiro RJ - Contemporaneidade: homenagem a Mário Pedrosa, no MAM/RJ
1983 - Rio de Janeiro RJ - 6º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ
1984 - Londres (Inglaterra) - Do Moderno ao Contemporâneo, no Bebican-Center
1984 - São Paulo SP - Coleção Gilberto Chateaubriand: retrato e auto-retrato da arte brasileira, no MAM/SP

Exposições Póstumas

1986 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria de Arte Centro Empresarial  
1986 - Rio de Janeiro RJ - Depoimento de uma Geração: 1969-70, na Galeria de Arte Banerj
1987 - Rio de Janeiro RJ - Ao Colecionador: homenagem a Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ
1988 - São Paulo SP - Modernidade: arte brasileira do século XX , no MAM/SP
1992 - Rio de Janeiro RJ - 1ª A Caminho de Niterói: Coleção João Sattamini, no Paço Imperial
1992 - São Paulo SP - Anos 60/70: Coleção Gilberto Chateubriand/Museu de Arte Moderna-RJ, na Galeria de Arte do Sesi
1993 - Niterói RJ - 2ª A Caminho de Niterói: Coleção João Sattamini, no MAC/Niterói
1993 - Rio de Janeiro RJ - A Rarefação dos Sentidos: Coleção João Sattamini - anos 70, na EAV/Parque Lage
1994 - Rio de Janeiro RJ - Livro-Objeto: a fronteira dos vazios, no CCBB
1994 - São Paulo SP - Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal
1995 - São Paulo SP - Livro-Objeto: a fronteira dos vazios, no MAM/SP
1998 - São Paulo SP - O Moderno e o Contemporâneo na Arte Brasileira: Coleção Gilberto Chateaubriand - MAM/RJ, no Masp
2000 - Lisboa (Portugal) - Século 20: arte do Brasil, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
2000 - Niterói RJ - Coleção Sattamini: dos materiais às diferenças internas, no MAC/Niterói
2000 - Niterói RJ - Pinturas na Coleção João Sattamini, no MAC/Niterói
2000 - Rio de Janeiro RJ - Situações: arte brasileira anos 70, na Fundação Casa França-Brasil
2000 - São Paulo SP - Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento, na Fundação Bienal
2000 - São Paulo SP - Coleção Pirelli no Acervo do MAM: a arte brasileira nos anos 60, no MAM/SP
2001 - Niterói RJ - Raymundo Colares na Coleção Sattamini, no MAC/Niterói
2002 - Rio de Janeiro RJ - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
2002 - Rio de Janeiro RJ - Caminhos do Contemporâneo 1952-2002, no Paço Imperial
2002 - Rio de Janeiro RJ - Entre a Palavra e a Imagem: módulo 1, na Sala MAM-Cittá América
2002 - Rio de Janeiro RJ - Entre a Imagem e a Palavra: módulo 2, na Sala MAM-Cittá América
2002 - Rio de Janeiro RJ - Identidades: o retrato brasileiro na Coleção Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ
2002 - São Paulo SP - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
2002 - São Paulo SP - Mapa do Agora: arte brasileira recente na Coleção João Sattamini do Museu de Arte Contemporânea de Niterói, no Instituto Tomie Ohtake
2002 - São Paulo SP - O Plano como Estrutura da Forma, no MAM/SP
2003 - Belo Horizonte MG - Geométricos, na Léo-Bahia Arte Contemporânea
2003 - Brasília DF - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
2003 - Rio de Janeiro RJ - Arte em Movimento, no Espaço BNDES
2004 - Belo Horizonte MG - Pampulha, Obra Colecionada: 1943-2003, no MAP
2004 - Rio de Janeiro RJ - Tudo é Brasil, no Paço Imperial
2004 - São Paulo SP - Tudo é Brasil, no Itaú Cultural
2005 - Belo Horizonte MG - 40/80: uma mostra de arte brasileira, na Léo Bahia Arte Contemporânea

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Amilcar de Castro - Sem Titulo (p45)
Sem Titulo (p45)
Mira Schendel - Sem Título
Sem Título
Walter Lewy - Paisagens
Paisagens
Sérgio Ferro - Figura com Chapéu
Figura com Chapéu