Escritoriodearte.com > Artistas > Raphael Domingues Filho

Raphael Domingues Filho

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Raphael Domingues Filho (São Paulo SP 1912 - Rio de Janeiro RJ 1979)

Desenhista, pintor.

Na infância, vive com a família no Rio de Janeiro. Na adolescência, estuda no Liceu Literário Português, onde freqüenta aulas de desenho acadêmico. Paralelamente, trabalha como desenhista de cartaz, publicidade e decoração. Nessa época, é premiado num concurso de desenho promovido pela multinacional norte-americana Standard Oil Company. Aos 15 anos, apresenta os primeiros sintomas de esquizofrenia. Continua produzindo obras figurativas de feição realista, às vezes utilizando os familiares como modelo. Em 1932, é internado no Hospital da Praia Vermelha, no Rio de Janeiro, sendo transferido em seguida para o Hospital Psiquiátrico Pedro II, no bairro do Engenho de Dentro. Nessa instituição, em 1946, a médica psiquiatra Nise da Silveira cria a Seção de Terapêutica Ocupacional - STOR, na qual, entre outras atividades, estabelece uma oficina de artes plásticas. Raphael passa a freqüentar o ateliê e a desenhar com orientação do artista plástico Almir Mavignier. No início, seus trabalhos se restringem a séries de linhas cruzadas formando pequenos quadrados. Ainda nos anos 1940, começa a traçar figuras, sobretudo rostos e objetos domésticos como vasos e chaleiras. Os desenhos não denotam técnica acadêmica, mas se destacam pelo caráter ornamental combinado à linha contínua traçada com precisão e segurança. Algumas obras são coloridas e têm o fundo pintado com manchas. Participa, em 1947, da exposição dos internos do Engenho de Dentro, no Ministério da Educação e da Saúde do Rio de Janeiro, evento que chama a atenção de críticos como Mário Pedrosa, Sérgio Milliet e Antonio Bento. Raphael integra a mostra 9 Artistas do Engenho de Dentro, no Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP, em 1949. Após Almir Mavignier transferir-se para a Europa, em 1951, Raphael volta a desenhar séries repetidas de hachuras. Em 1968, o contato com a monitora Martha Pires Ferreira estimula novamente sua produção gráfica, e ele volta a figurar rostos humanos, animais e flores. Pedrosa organiza a exposição retrospectiva Raphael: Desenhos, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ, em 1980.

Comentário Crítico

No fim dos anos 1940, os trabalhos dos pacientes da médica psiquiatra Nise da Silveira no ateliê de artes plásticas do setor de terapia ocupacional do Hospital Psiquiátrico Pedro II, no bairro do Engenho de Dentro, Rio de Janeiro, despertam o interesse de intelectuais e artistas que atuam no Brasil. Por intermédio de Almir Mavignier, monitor do setor de terapia, o hospital passa a ser freqüentado por pintores como Ivan Serpa, Abraham Palatnik e Geraldo de Barros. O crítico Mário Pedrosa torna-se um importante colaborador de Nise da Silveira, auxiliando-a na organização de publicações e mostras, além de defender a dimensão artística da produção dos pacientes do Engenho de Dentro em artigos publicados na imprensa. Anos mais tarde, Pedrosa avalia a experiência da oficina de terapia ocupacional como um dos acontecimentos que anteciparam as transformações no ambiente artístico brasileiro provocadas pela 1ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1951.1 Para o crítico, a qualidade estética dessa produção realizada sem formação acadêmica, influencia a renovação do gosto artístico local, bem como a instauração de novos parâmetros para a arte moderna feita no país, até então predominantemente figurativa.

Realizados nesse contexto, os trabalhos de Raphael chamam atenção pelo traço conciso e ao mesmo tempo ornamental. Segundo Nise da Silveira, sua produção é estimulada, sobretudo, pelo vínculo afetivo estabelecido com os monitores Mavignier e Martha Pires Ferreira.2 Em seu percurso, destacam-se os desenhos feitos sob supervisão de Mavignier: obras gráficas de caráter bidimensional nas quais o traço delgado e sinuoso delineia formas vazadas que se alternam com áreas preenchidas com texturas e arabescos.

Na adolescência, quando estuda no Liceu Literário Português, seus desenhos se caracterizam pela ilusão de tridimensionalidade criada pela perspectiva e por técnicas de sombreamento. No ateliê do Engenho de Dentro, embora Raphael parta da observação de rostos ou objetos do cotidiano, como bule e vaso, seus trabalhos não correspondem a uma representação naturalista das aparências. O resultado denota equilíbrio e domínio espacial, pois muitas vezes o desenho é conseqüência de um gesto contínuo. A maior parte é feita com tinta nanquim preta, mas mesmo quando o fundo é coberto com manchas coloridas ou as linhas são desenhadas com pincel largo, predomina o aspecto gráfico.

Notas
1 PEDROSA, Mário. A Bienal de cá para lá. In: ______. Forma e percepção estética: textos escolhidos II. São Paulo: Edusp, 1996. p. 252.
2 SILVEIRA, Nise da. O mundo das imagens. São Paulo: Ática, 1992. p. 37.

Críticas

"(...) Seus elementos expressivos são de uma pureza espontânea. Escorrem dos arabescos, das linhas, dos planos, com fluidez, sem entraves. E de uma melodia impoluída, só de leve tocada por harmonizações externas. Aqui a melodia dita sua vontade ao ritmo. A estrutura é tão arielesca que quase não descansa em intervalos cadenciados para repouso e respiração. No entanto, é de uma articulação rigorosa, embora mais delicada que a nervura de uma pétala e mais vibrátil que asas de borboleta. Jorra de um só jato, mas não é nem descontrolada nem impulsiva, e se equilibra milagrosamente, quando já tudo indicaria que não resistiria à profusão dos detalhes e se esfacelaria ao sopro das brisas bizarras da imaginação, como uma rosa ao calor excessivo. Ela traz em si uma medida inata. É de um classicismo como conunca houve, brotando de um impulso inconsciente. É um classicismo em que o equilíbrio se faz em função do ritmo interior, pelo esgotamento natural do próprio movimento inicial. (...)".
Mário Pedrosa
Museu de Imagens do Inconsciente. Apresentação de Mário Pedrosa e Afonso Henriques Neto. Editado por INSTITUTO NACIONAL DE ARTES PLÁSTICAS, Rio de Janeiro, RJ. Texto de Nise da Silveira et al. Rio de Janeiro: 1980. (Museus brasileiros, 2).

"(...) Raphael brinca com as linhas, brinca com a imitação do real: imita-o brincando, exibindo seu virtuosismo que dispensa segui-lo passo a passo; desestabiliza nosso hábito de ver e nos dá a beleza outra, que só o desenho nos pode dar - o desenho de Raphael, mestre anônimo do Engenho de Dentro".
Ferreira Gullar
GULLAR, Ferreira. Relâmpagos: dizer o ver. Coordenação editorial Augusto Massi; apresentação Ferreira Gullar. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

Exposições Coletivas

1947 - Rio de Janeiro RJ - Mostra de internos do Centro Psiquiátrico Nacional, no MEC
1949 - Rio de Janeiro RJ - 9 Artistas de Engenho de Dentro, no Salão Nobre da Câmara Municipal  
1949 - São Paulo SP - 9 Artistas de Engenho de Dentro, no MAM/SP
1955 - Neuchâtel (Suíça) - Mostra de Artes Primitiva e Moderna Brasileiras, no Museu de Etnografia

Exposições Póstumas

1981 - São Paulo SP - 16ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal  
2000 - Rio de Janeiro RJ - Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento. Imagens do Inconsciente, no Paço Imperial
2000 - São Paulo SP - Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento, na Fundação Bienal

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Samson Flexor - Sem Título
Sem Título
Marcelo Grassmann - Guerreiro com Cavalo
Guerreiro com Cavalo
Mario Cravo Neto - Carlinhos Brown
Carlinhos Brown