Escritoriodearte.com > Artistas > Raimundo Cela

Raimundo Cela

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

BIOGRAFIA

Raimundo Cela (Sobral CE 1890 - Niterói RJ 1954)

Pintor, gravador, professor.

Forma-se em ciências e letras no Liceu do Ceará. Em 1910, muda-se para o Rio de Janeiro e matricula-se como aluno livre da Escola Nacional de Belas Artes - Enba. É aluno de Zeferino da Costa (1840 - 1915), Eliseu Visconti (1866 - 1944) e Baptista da Costa (1865 - 1926). Nessa época, titula-se em engenharia, pela Escola Politécnica. Entre 1917 e 1922, viaja a Paris para aperfeiçoar-se. Quando volta ao Brasil, por problemas de saúde, reside em Camocim, no interior do Ceará, e trabalha como engenheiro. Em 1938, cria um painel sobre a abolição da escravatura para o Palácio do Governo do Estado, em Fortaleza. Volta a dedicar-se à carreira de artista plástico de forma mais enfática após 1940, quando se muda para Niterói, no Rio de Janeiro. A partir dessa data leciona gravura em metal na Enba. Realiza a primeira mostra individual em 1945, no Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, no Rio de Janeiro. São temas constantes em sua produção as paisagens, os tipos populares e o trabalho de vaqueiros e pescadores de sua terra natal. Destaca-se também sua obra gráfica, na qual retoma a mesma temática. Após sua morte, é criada a Casa Raimundo Cela, Centro de Artes Visuais, em Fortaleza, onde ocorre, em 1970, uma mostra de artistas cearenses com o lançamento de uma monografia sobre o artista. Em 2004, é lançado o livro Raimundo Cela: 1890-1954, de autoria de Estrigas, pela editora Pinakotheke.

Comentário Crítico

A produção de Raimundo Cela permanece isolada, à margem do modernismo e de outros movimentos transformadores nas artes do Brasil. Revela, entretanto, a paisagem e as figuras populares do Ceará, com sensibilidade e inquietação em face das questões sociais de seu tempo. São constantes em sua produção as paisagens litorâneas e as atividades de vaqueiros, pescadores e jangadeiros, pintadas com paleta clara e luminosa.

Destaca-se também sua obra gráfica, que revela domínio técnico da gravura em metal. Trata dos temas recorrentes em sua pintura: paisagens, cenas cotidianas e tipos populares, utilizando o claro-escuro de forma controlada.

Exposições Coletivas

1916 - Rio de Janeiro RJ - 23ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba - pequena medalha de prata
1917 - Rio de Janeiro RJ - 24ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba - prêmio de viagem ao exterior 
1918 - Rio de Janeiro RJ - 25ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1919 - Rio de Janeiro RJ - Exposição Carioca de Gravura e Água-Forte
1922 - Paris (França) - Salão dos Artistas Franceses
1943 - Fortaleza CE - 1º Salão de Abril 
1943 - São Paulo SP - 9º Salão Paulista de Belas Artes, na Galeria Prestes Maia - pequena medalha de ouro
1945 - Rio de Janeiro RJ -  51º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA - medalha de ouro em pintura
1947 - Rio de Janeiro RJ - 53º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA - medalha de ouro em gravura

Exposilções Póstumas

1964 - Rio de Janeiro RJ - Sala Especial dedicada a sua obra de gravador, no MNBA
1970 - Fortaleza CE - Coletiva de artistas cearenses, na Casa de Raimundo Cela
1978 - Rio de Janeiro RJ - 1º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MNBA 
1989 - Fortaleza CE - Arte Brasileira dos Séculos XIX e XX nas Coleções Cearenses: pinturas e desenhos, no Espaço Cultural da Unifor
1991 - Fortaleza CE - Scap: 50 anos, no Imperial Othon Palace Hotel
1992 - Rio de Janeiro RJ - Gravura de Arte no Brasil: proposta para um mapeamento, no CCBB
1999 - Rio de Janeiro RJ - Mostra Rio Gravura. Gravura Moderna Brasileira: acervo Museu Nacional de Belas Artes, no MNBA 
2003 - São Paulo SP - Arte e Sociedade: uma relação polêmica, no Itaú Cultural

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Ivone Alder - Serenata
Serenata
Marysia Portinari - Diamond in The Dust Star
Diamond in The Dust Star
Gustavo Rosa - Homem no Barco
Homem no Barco