Escritoriodearte.com > Artistas > Mario Ramiro

Mario Ramiro

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Mario Ramiro

Taubaté, SP &ndash Brasil, 1957

Vive e trabalha em São Paulo.

Graduado em artes plásticas pela Universidade de São Paulo (1982), mestre em arte e mídia pela Kunsthochschule für Medien Köln, Escola Superior de Arte e Mídia de Colônia, na Alemanha (1997), e doutor em artes visuais pela Universidade de São Paulo (2008). É professor do Departamento de Artes Visuais e do Programa de Pós-graduação da Escola de Comunicações e Artes da USP. Artista multimídia, sua produção inclui a criação de redes telecomunicativas, fotografias, esculturas, instalações ambientais, intervenções urbanas e arte sonora. 

Começou trabalhando com intervenções nos espaços públicos em São Paulo, modificando o ambiente urbano e arquitetural no projeto chamado Intervenções Urbanas, desenvolvido pelo grupo 3 NÓS 3, do qual participavam também Hudinilson Jr. e Rafael França. Simultaneamente a esses trabalhos, o artista realizou obras experimentais com xerografia e mais tarde com telecomunicações - rádio, telefone, televisão, secretária eletrônica, videotexto, slow-scan TV, etc. Paralelamente ao trabalho com mídias telecomunicativas o artista criou também uma série de esculturas de levitação magnética (objetos tridimensionais literalmente suspensos no ar) e esculturas térmicas responsáveis pela produção de volumes não materiais e invisíveis projetados ao redor dessas esculturas. A contínua exploração desse espaço térmico se desenvolveu com o uso da fotografia &lsquoSchlieren&rsquo (Schlieren fotografia), uma técnica fotográfica que permite a captação dos fenômenos invisíveis ocorridos na atmosfera em torno dos corpos aquecidos. Recentemente o artista vem desenvolvendo um trabalho nos domínios da robótica, explorando as possibilidades de utilização de um autômato num diálogo com a escultura e a instalação ambiental. 

Entre 1998 e 2000, o artista integrou o grupo multimídia "autopsi" (juntamente com Achim Mohné, Andreas Köpnick e Thomas Roppelt), ganhador, em maio de 1999, do grande prêmio Chargesheimer da cidade de Colônia, Alemanha, para a área de foto-filme e vídeo.

Importância de sua obra

Ramiro é um dos artistas mais ativos e mais importantes no panorama das relações entre arte/ciência/tecnologia. Suas experiências com arte telecomunicativa estão entre as mais bemsucedidas de sua geração. Enquanto trabalhava com o grupo de intervenções urbanas 3 NÓS 3, Ramiro percebeu que os eventos produzidos pelo grupo eram efêmeros, localizados e de curto alcance (por exemplo, uma faixa de tecido colocada transversalmente numa avenida, de modo a bloquear o trânsito, até que algum motorista resolva derrubá-la, restituindo a normalidade ao trânsito), mas a mídia lhes dava uma repercussão enorme, por meio dos artigos de jornais e reportagens na televisão, servindo portanto de caixa de ressonância daqueles eventos. Esse fato mostrou a Ramiro o enorme potencial dos meios de comunicação e sobretudo das telecomunicações. Após a separação do grupo 3 NÓS 3, o artista deu novo rumo ao seu trabalho, iniciando-se no campo da eletrônica e das comunicações, buscando parceria com cientistas e engenheiros, e passando a incorporar ao seu trabalho novos conceitos como os de operação em tempo real, simultaneidade, supressão do espaço e imaterialidade. Começou em 1982, produzindo trabalhos para o videotexto, tecnologia recémimplantada na cidade de São Paulo, junto com Julio Plaza. Um de seus trabalhos mais interessantes no campo da arte-comunicação foi Clones - Uma Rede Simultânea de Rádio, Televisão e Videotexto (1983), realizado em parceria com José Wagner Garcia. Nesse evento, nove terminais de videotexto colocados no MIS, São Paulo, exibiam, para um público de participantes, simplesmente uma barra vermelha, enquanto aparelhos de televisão recebiam do ar a mesma imagem, transmitida pela TV Cultura. A mesma imagem da barra, convertida em som, era também transmitida acusticamente pela Rádio Cultura e ouvida em alto-falantes. O evento procurava demonstrar como um mesmo objeto (no caso a barra horizontal vermelha) se apresentava simultaneamente em três meios diferentes, mantendo em cada um deles a especificidade do seu suporte. Visual e acusticamente, o evento consistia em ir desfazendo a forma bem definida da barra vermelha, pelo desfoque, até dissolvê-la em energia pura. O evento durou apenas 4 minutos, mas a interferência produzida no rádio e na televisão (um inexplicável ruído no rádio e uma simples forma geométrica na televisão, durante 4 longos minutos!) representou uma experiência ímpar no uso dos meios de telecomunicação de massa como suporte para experiências artísticas. 

Em 1986, no contexto do evento internacional Sky Art Conference, Ramiro apresentou o evento multimídia Altamira (nome extraído da famosa caverna espanhola com desenhos pré-históricos). Nesse evento, o artista aproveitou o esqueleto do prédio do MAC/USP (na época, ainda em construção) e instalou nele uma grande tela onde se tinha de um lado imagens recebidas do Center for Advanced Visual Studies (Estados Unidos) e, do outro, a silhueta ao vivo da bailarina Laly Krotoszynski, dançando ao vivo, iluminada por uma luz pulsante e ritmada por sons de percussão eletrônica executada pelos músicos R.H. Jackson e Theo Werneck. As imagens da bailarina, captadas em vídeo, eram simultaneamente enviadas ao CAVS nos Estados Unidos (através de tecnologia slow-scan) e lá exibidas ao público participante do evento. 

No ano seguinte, Ramiro passou a trabalhar com um grupo de artistas cujo objetivo principal era o de explorar as possibilidades da arte-comunicação, sobretudo em escala low-tech, com poucos recursos tecnológicos (videotexto, fax, telefone). Um dos trabalhos mais curiosos do período foi a experimentação com a secretária eletrônica (mensagens ininteligíveis e imprevisíveis, que exigiam o mesmo tipo de resposta). Mas um importante passo seguinte foi o evento Retrato Suposto - Rosto Roto (1988), que consistiu em transmitir via fax de São Paulo para o Rio de Janeiro um repertório gráfico de traços fisionômicos (bocas, narizes, olhos, etc.) recebidos pelo artista Eduardo Kac. No Rio de Janeiro, Eduardo Kac recebia as imagens, recortava os detalhes fisionômicos, editava-os numa outra folha de papel, formando rostos humanos completos, e em seguida os devolvia para São Paulo, novamente pelo fax. O detalhe significativo da experiência é que tudo isso acontecia no ar, transmitido ao vivo no horário nobre (das 19 às 21 horas), pela TV Cultura de São Paulo, como quadro de um programa intitulado Eureka. 

Alguns anos depois, mais exatamente em 1992, Ramiro inicia um processo colaborativo com o artista japonês Morio Nishimura, onde foram exploradas as possibilidades de telecomunicação sem mídia eletroeletrônica. O ponto alto dessas experiências foi a implementação de um link ponto a ponto entre Finlândia e Grécia, sem nenhum equipamento eletrônico. Nesse estranho evento de arte-comunicação, chamado Entre o Norte e o Sul, Ramiro e Nishimura construíram "antenas" com materiais próprios das regiões em que estavam, e essas "antenas" simbolicamente propiciavam a construção de uma rede nãoeletrônica, "telepática" no dizer de Ramiro. 

Paralelamente a esses experimentos, Ramiro desenvolveu também algumas experiências de inter-relação entre arte e física. Entre 1986 e 1991, coincidindo com o período em que se dedicou também à arte-comunicação, Ramiro desenvolveu dois ambiciosos projetos: a produção de esculturas de levitação magnética, ou seja, objetos que ficavam literalmente flutuando no ar, liberados portanto de seus suportes, e a produção de esculturas térmicas, objetos invisíveis a olho nu, mas perceptíveis pela sensibilidade do corpo, ou fotografáveis com técnicas especiais. O primeiro desses trabalhos, Gravidade Zero (1986), foi mostrado na coletiva A Virada do Século XX, realizada pela Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo. A escultura era formada por um objeto metálico suspenso no ar por meio de um campo magnético regulado por uma célula fotoelétrica. Se o objeto, atraído pela gravidade, ameaçasse cair e ultrapassasse uma certa faixa-limite no ar, ele fazia acionar a célula fotoelétrica, que, por sua vez, aumentava a intensidade do campo magnético, puxando novamente o objeto para seu ponto de equilíbrio no espaço. 

Ainda nesse período, Ramiro produz uma série de "esculturas" agrupadas sob o nome de Campo de Força. A idéia é a de que todos os corpos estão circundados por campos de energia (geralmente calor) normalmente invisíveis, mas sensíveis pelo tato. Controlando o volume de turbulências ao redor do corpo, era possível, num certo sentido, "modelar" o espaço ao redor do objeto. Em 1991, Ramiro migra para a Alemanha e lá toma contato com a fotografia Schlieren, que permite fotografar o volume térmico ao redor dos objetos. Com isso, ele pôde iniciar um trabalho sistemático de visualização de fenômenos normalmente invisíveis e de criação de campos térmicos especialmente produzidos para essas fotografias. A fotografia Schlieren torna visível o percurso e a transformação da luz (tecnicamente, a refração) quando ela passa por áreas de temperaturas diferentes. Trabalhando na Academy of Media Arts de Colônia (Kunsthochschule für Medien Köln), Ramiro pôde experimentar com vários tipos de luz. Utilizando o laser como fonte luminosa, por exemplo, pôde criar aquilo que ele mesmo chamou de "lasergramas", fotogramas produzidos pelo efeito da luz do laser em papel fotográfico. As imagens de corpos em movimento produzidas por ele com essa técnica são verdadeiramente impressionantes.

Fonte: Cibercultura

VEJA TAMBÉM

Manoel Martins - Retirantes
Retirantes
Kazuo Wakabayashi - Bola Branca
Bola Branca
Mário Gruber - O Homem de Macho Pichu
O Homem de Macho Pichu