Escritoriodearte.com > Artistas > Mario Cravo Júnior

Mario Cravo Júnior

OBRAS DO ARTISTA

Mario Cravo Júnior - Torso

Torso

aquarela sobre papel
1952
50 x 35 cm
ass. inf. dir.


Preço: Sob Consulta
Mario Cravo Júnior - S/T

S/T

técnica mista
1960
32 x 48 cm
ass. inf. dir.

Preço: Sob Consulta
Mario Cravo Júnior - S/T

S/T

técnica mista
s.d
37 x 54 cm
ass. inf. dir.

Preço: Sob Consulta
Mario Cravo Júnior - Taça

Taça

técnica mista
1966
45 x 32 cm
ass. inf. dir.

Preço: Sob Consulta

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Mario Cravo Júnior (Salvador BA 1923)

Escultor, gravador, desenhista, professor.

Filho de um próspero fazendeiro e comerciante, executa suas primeiras esculturas entre 1938 e 1943, período em que viaja pelo interior da Bahia. Em 1945, trabalha com o santeiro Pedro Ferreira, em Salvador, e muda-se para o Rio de Janeiro, estagia no ateliê do escultor Humberto Cozzo (1900 - 1973). Realiza sua primeira exposição individual em 1947, em Salvador. Nesse ano, é aceito como aluno especial do escultor iugoslavo Ivan Mestrovic (1883 - 1962) na Syracuse University, no Estado de Nova York, Estados Unidos, e, após a conclusão do curso, muda-se para a cidade de Nova York. De volta a Salvador, em 1949, instala ateliê no largo da Barra, que logo se torna ponto de encontro de artistas como Carlos Bastos (1925), Genaro (1926 - 1971) e Carybé (1911 - 1997). Em 1954, passa a lecionar na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia - UFBA. Entre 1964 e 1965, mora em Berlim, patrocinado pela Fundação Ford. Retorna ao Brasil em 1966, ano em que obtém o título de doutor em belas artes pela UFBA e assume o cargo de diretor do Museu de Arte da Moderna da Bahia - MAM/BA, posição que ocupa até 1967. Em 1981 coordena a implantação do curso de especialização em gravura e escultura da Escola de Belas Artes da UFBA. Em 1994, doa várias obras para o Estado da Bahia, que passam a compor o acervo do Espaço Cravo, localizado no Parque Metropolitano de Pituaçu, em Salvador.

Comentário Crítico

A obra de Mario Cravo Júnior transita entre as mais diversas tradições artísticas, que incluem cerâmica, imaginária popular, ex-votos e manifestações culturais regionais com as quais entra em contato nas inúmeras viagens que realiza, ainda muito jovem, pelo interior do Nordeste.

Na década de 1940, o artista, além do desenho e da pintura, dedica-se à escultura, tendo como materiais principais a madeira, as pedras e os metais, e volta-se ao aproveitamento das formas naturais. O uso do ferro e a temática inspirada em mitos afro-brasileiros intensificam-se durante a década de 1960, gerando a série Alados.

Sua obra incorpora bases arcaicas ligadas ao universo popular baiano, apresentando também um refinamento tecnológico. A simplificação formal dessas peças, nas quais o artista busca formas puras, despojadas e relacionadas ao mundo orgânico e natural, faz com que seus trabalhos apresentem afinidades com obras de Barbara Hepworth (1903 - 1975) e Henry Moore (1898 - 1986).

Críticas

"As viagens que realizou, ainda muito jovem, pelo interior da Bahia e do Nordeste, estudando as manifestações culturais afro-baianas e entrando em contato com as inscrições rupestres no município de Milagres; o trabalho na oficina do santeiro baiano Pedro Ferreira, em Salvador, introduzindo-se nas técnicas tradicionais da escultura em madeira; o aprendizado da modelagem em barro já sob disciplina mais rígida, com Humberto Cozzo, no Rio; e o aperfeiçoamento na escultura em pedra e mármore, com Ivan Mestrovic, nos EUA - eis os quatro aspectos essenciais de uma polaridade de visão e de expressão do mundo, que define a atividade escultórica de Mário Cravo Jr. De fato, sua obra tem sucessiva ou simultaneamente incorporado a base arcaica popular e o refinamento civilizatório, a magia e a racionalidade, os materiais naturais e as matérias-primas da tecnologia, a rudeza e o despojamento da disciplina geométrica, o orgânico e o inorgânico, o nacional e o universal. Depois de longos anos de trabalho com o ferro (´material insólito e frágil, ao mesmo tempo terno e bárbaro´, como ele diz), a pedra e o mármore, basicamente interessado na figuração de um substrato mágico e mítico ou no registro de processos naturais, concentrou-se, a partir de fase mais recente, no aproveitamento das possibilidades matéricas específicas do poliéster, inclusive sua estrutura interna sob focos luminosos. Embora a simplificação formal, quase sensualmente geométrica, dessas novas peças pareça tê-lo transferido para o âmbito de pesquisas abstratas puras, ainda aqui subsiste, como num paralelo com Bárbara Hepworth e Henry Moore, um diálogo de analogias com o mundo orgânico ou natural. Ele próprio o indica: ´As minhas formas mais puras, mais despojadas, têm relação com o mundo orgânico. São núcleos, formas germinantes, óvulos ou ovulação, crescimento, etc. , todos eles termos essencialmente figurativos, embora não apresentados por forma humana ou animal. Estou preocupado em sintetizar estruturalmente, economicamente, o universo baiano, em princípio´".
Roberto Pontual
PONTUAL, Roberto. Arte/Brasil/hoje: 50 anos depois. São Paulo: Collectio Artes, 1973. p. 291.

"(...) a obra de Mário Cravo Jr. é o resultado de uma correspondência real com o próprio meio. Fundamentada na exuberância das tradições populares baianas e continuamente ativada por um impulso experimental, ela adquiriu configurações demasiado versáteis nos aspectos materiais, técnicos e estéticos. Entretanto, essa desenvoltura múltipla caracteriza-se, como afirma Wilson Rocha, por sua natureza de ´pesquisa eminentemente plástica´, conduzindo o artista a um sentimento dramático da existência. Mário Cravo esculpiu em pedra, madeira, metais diversos, resinas de poliéster pigmentadas, obedecendo à natureza intrínseca de cada elemento, procurando introduzir, na visão ecológica que procura, os estímulos do espírito de síntese que marca o desenvolvimento da escultura moderna".
Walter Zanini
ZANINI, Walter (org). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles: Fundação Djalma Guimarães, 1983. v. 2, p. 723.

"Wilson Rocha, ao escrever que a escultura de Mário Cravo ´repousa numa unidade gerada por elementos de raça e cultura, precedida de uma forte tradição religiosa e apoiada por uma poderosa força popular´, estava referindo-se ao seu Antônio Conselheiro, de 1955, esculpido em madeira com mais de 4 metros de altura. Porém, Mário Cravo tornou-se antes de tudo um experimentador de novos materiais e novas técnicas escultóricas. E, mais, acreditando que a escultura adquire sua grandeza específica quando respira livre nos espaços abertos, passou a destinar suas obras a praças e edifícios públicos, que ele considera ´os únicos lugares dignos para a escultura contemporânea´.

Sua obra mais conhecida é Fonte da Rampa do Mercado, construída com fibra de vidro, com 16 metros de altura, que se encontra defronte do novo Mercado Modelo, na Cidade Baixa, em Salvador. Esta obra, de grande appeal popular, sintetiza as várias características de Mário Cravo, tais como monumentalismo, sensualidade e ousadia, aliadas à busca de novas técnicas e materiais. E, o que é mais importante, ela revela uma preocupação com o entorno urbanístico, pois, como lembrou o artista ao definir a escala da obra, levou em conta ´o triângulo de massas arquitetônicas mais importantes da área, delimitada pelo prédio da velha alfândega, o Elevador Lacerda e a Igreja da Conceição da Praia´".
Frederico Morais
MORAIS, Frederico. Arte pública: da praça à telemática. In: A METRÓPOLE e a arte. São Paulo: Prêmio: Banco Sudameris Brasil, 1992. p. 74-76.

Acervos

Fundação Raimundo Castro Maia, Rio de Janeiro, Brasil.
Instituto de Belas Artes - Porto Alegre RS
Museu Carlos Costa Pinto - Salvador BA
Museu de Arte da Pampulha - Belo Horizonte MG
Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - SP
Museu de Arte Moderna da Bahia - MAM/BA - Salvador BA
Museu de Arte Moderna de Berlim (Alemanha)
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ
Museu de Arte Popular da Bahia
Museu do Estado da Bahia
useu Hermitage - Leningrado (Rússia)
Museum of Modern Art - Jerusalem (Israel)
Museum of Modern Art - MoMA - Nova York (Estados Unidos)
Pinacoteca do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo
Walker Art Center - Minneapolis (Estados Unidos)

Exposições Individuais

1947 - Salvador BA - Individual, no Edifício Oceania
1947 - Salvador BA - Esculturas e desenhos, na Associação Cultural Brasil - Estados Unidos
1949 - Salvador BA - Individual, no Edifício Sulacap
1949 - Nova York (Estados Unidos) - Individual, na Norlist Gallery
1950 - São Paulo SP - Individual, no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand
1950 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Ministério de Educação e Saúde
1951 - Salvador BA - Individual, na Galeria Oxumaré
1954 - Salvador BA - Esculturas e Desenhos, na Rua Chile
1955 - Montevideo (Uruguai) - Amigos del Arte
1955 - Porto Alegre RS - Individual, na Associação Cultural Brasil-Estados Unidos
1955 - Salvador BA - Belvedere da Sé - ar livre
1956 - Porto Alegre RS - Individual, na Casa Dariano
1958 - Salvador BA - Individual, no Belvedere da Sé - ar livre
1959 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MAM/RJ
1959 - Salvador BA - Colóquio Luso-Brasileiro, na Escola de Teatro da UFBA
1959 - Belo Horizonte MG - Individual, no Museu de Arte Moderna de Pampulha
1959 - São Paulo SP - Individual, na Praça da República - ar livre
1959 - São Paulo SP - Individual, no Saguão do Edifício Guinle
1960 - Salvador BA - Individual, no Diretório Acadêmico da Escola de Belas Artes
1960 - Salvador BA - Individual, no Museu de Arte Moderna da Bahia
1961 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Petite Galerie
1962 - São Paulo SP - Individual, na Petite Galerie
1963 - Berlim (Alemanha) - Individual, na Rathus Spandau
1964 - Washington (Estados Unidos) - Individual, no Institute of Contemporary Arts
1964 - Wasghington (Estados Unidos) - Cravo
1964 - Washington (Estados Unidos) - Individual, no Brazilian American Cultural Institute
1965 - Salvador BA - 3 Estados do Ferro, na Galeria Convivium
1965 - Washington (Estados Unidos) - Individual, no Jardim da Embaixada Brasileira
1966 - Rio de Janeiro RJ - 3 Estados do Ferro, na Galeria Bonino
1966 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Astréia
1966 - Brasília DF - Individual, no Hall do Hotel Nacional
1968 - São Paulo SP - Cravo, na A Galeria
1971 - São Paulo SP - Individual, no Paço das Artes
1971 - Fortaleza CE - Cravo, na Galeria Recanto de Ouro Preto
1971 - Salvador BA - Mario Cravo Junior, na Galeria Círculo
1972 - Rio de Janeiro RJ - Cravo, na Galeria Bonino
1972 - São Paulo SP - Cravo, na Galeria Documenta
1972 - São Paulo SP - Exposição, na A Galeria
1976 - Belo Horizonte MG - Mario Cravo, na Galeria Ami
1977 - São Paulo SP - Exposição, na Galeria Scultura
1979 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Scultura
1980 - Salvador BA - Cravo 80, no Farol da Barra
1983/1984 - Salvador BA - Exposição no lançamento do livro Cravo
1983/1984 - Rio de Janeiro RJ - Exposição no lançamento do livro Cravo
1983/1984 - São Paulo SP - Exposição no lançamento do livro Cravo
1984 - Salvador BA - CRAVO, linha, forma e volume, no Núcleo de Artes do Desenbanco
1984 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Múltipla
1986 - Zurique (Suíça) - Esculturas e desenhos, na Galeria Ammann & Misteli
1987 - Salvador BA - Escultural e desenhos, na Galeria ÉPOCA
1987 - Rio de Janeiro RJ - Esculturas e desenhos, na Galeria Anna Maria Niemeyer
1990 - Salvador BA - Individual, na Ada Galeria
1993 - Salvador BA - Individual, na Fundação Casa de Jorge Amado
1993 - Salvador BA - Individual, no Sebrae
1998 - Salvador BA - Cravo Formas e Mitos, no Museu de Arte Moderna da Bahia
2002 - Salvador BA - Evocações, na Paulo Darzé Galeria de Arte

Exposições Coletivas

1943 - Salvador BA - 7º Salão de ALA
1944 - Salvador BA - 1º Salão de Arte Americana, na Associação Cultural Brasil Estados Unidos
1946 - Salvador BA - 10º Salão de Ala Decenário
1947 - Salvador BA - Esculturas e Desenhos, na Associação Cultural Brasil-Estados Unidos
1947 - Salvador BA - Mario Cravo Júnior e Carlos Bastos, na Galeria da Associação Cultural Brasil-Estados Unidos
1949 - Salvador BA - 1º Salão Baiano de Belas Artes, no Hotel Bahia
1949 - Salvador BA - 1º Salão Baiano de Belas Artes, no Hotel Bahia
1949 - Salvador BA - 8ª Exposição em Homenagem ao IV Centenário da Bahia
1949 - Salvador BA - Coletiva, na Associação Cultural Brasil-Estados Unidos
1950 - Salvador BA - 2º Salão Baiano de Belas Artes, na Galeria Belvedere da Sé
1950 - Salvador BA - Novos Artistas Baianos, no Museu do Instituto Geográfico e Histórico
1950 - São Paulo SP - Da Natureza à Arte, no Museu de Arte Moderna de São Paulo
1951 - Salvador BA - 3º Salão Baiano de Belas Artes, na Galeria Belvedere da Sé - 2º prêmio
1951 - São Paulo SP - 1ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão do Trianon
1952 - Paris (França) - Salão de Maio
1952 - Rio de Janeiro RJ - 1º Salão de Arte Moderna
1952 - Rio de Janeiro RJ - Exposição de Artistas Brasileiros, no Museu de Arte Moderna
1952 - Santiago (Chile) - Artistas Brasileiros
1952 - São Paulo SP - 2º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia
1952 - Veneza (Itália) - 26ª Bienal de Veneza
1953 - Recife PE - Mario Cravo Júnior e Carybé, no Teatro de Santa Isabel
1953 - São Paulo SP - 2ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão dos Estados
1954 - Berna (Suíça) - Gravadores Brasileiros, no Museu Rath Berna
1955 - São Paulo SP - 3ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão das Nações
1955 - São Paulo SP - 3º Salão Paulista de Arte Moderna - 1º prêmio
1955/1956 - Neuchatel (Suíça) - Artistas Primitivos e Modernos Brasileiros Neuchatel
1956 - Rio de Janeiro RJ - 1ª Exposição de Arte Sacra da Pontifícia Universidade Católica do Brasil - 2º prêmio
1956 - Rio de Janeiro RJ - Exposição de Arte Sacra da Pontifícia Universidade Católica
1956 - Salvador BA - 6º Salão Baiano de Belas Artes, na Galeria Oxumaré
1956 - Salvador BA - Artistas Modernos da Bahia, na Galeria Oxumaré
1957 - Montevidéu (Uruguai) - Grabados Brasileños
1957 - Rio de Janeiro RJ - Salão para Todos, no Ministério da Educação e Cultura
1957 - Santos SP - 1º Salão de Belas Artes de Santos
1957 - São Paulo SP - 4ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho
1957 - São Paulo SP - Artistas da Bahia, no Museu de Arte Moderna
1957 - Tóquio (Japão) - 1ª Bienal Internacional de Gravura de Tóquio, no Museu Nacional de Arte Moderna
1958 - Belo Horizonte MG - A Gravura Brasileira, no Museu de Arte Pampulha
1958 - Cidade do México (México) - 1ª Bienal Internacional y Grabados
1958 - Salvador BA - Exposição de Arte Plástica Forte de Mont Serrat
1958 - Santos SP - 5º Salão de Belas Artes de Santos
1959 - Leverkusen (Alemanha) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1959 - Munique (Alemanha) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa, no Kunsthaus
1959 - Rio de Janeiro RJ - 30 Anos de Arte Brasileira, na Galeria Macunaíma
1959 - Rio de Janeiro RJ - 30 Anos de Arte Brasileira, na Galeria Macunaíma
1959 - Rio de Janeiro RJ - 7º Salão de Belas Artes
1959 - Salvador BA - Artistas Modernos
1959 - São Paulo SP - 5ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho
1959 - Viena (Áustria) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Hamburgo (Alemanha) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Lisboa (Portugal) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Madri (Espanha) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Paris (França) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, na Galeria Macunaíma
1960 - Utrecht (Holanda) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Veneza (Itália) - O Brasil na 30ª Bienal de Veneza
1961 - Rio de Janeiro RJ - 8º Salão Nacional de Belas Artes
1961 - Salvador BA - Coletiva, na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia
1961 - São Paulo SP - 6ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho
1962 - Colorado (Estados Unidos) - New Art of Brazil, no Fine Art Center Colorado Springs
1962 - Minneapolis (Estados Unidos) - New Art of Brazil, no Walter Art Center
1962 - São Francisco (Estados Unidos) - New Art of Brazil, no San Francisco Museum of Art
1962 - São Paulo SP - Seleção de Obras de Arte Brasileira da Coleção Ernesto Wolf, no Museu de Arte Moderna
1962 - St. Louis (Estados Unidos) - New Art of Brazil, no City Art Museum of St. Louis
1963 - São Paulo SP - 7ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1963 - Washington (Estados Unidos) - Brazilian Sculpture at Dupont Square
1963 - Washington (Estados Unidos) - New Art of Brazil, no Pan American Union
1964 - Berlim (Alemanha) - 13ten Ausstellung des Deutshen Kunstlerbundes
1964 - Berlim (Alemanha) - Ausländische Gäste
1964 - Berlim (Alemanha) - Deutsche Oper Berlin
1964 - Berlim (Alemanha) - Mario Cravo Jr., Skulpture in den Vitrinen
1964 - Berlim (Alemanha) - Stadien un Impulse
1964 - Washington (Estados Unidos) - Cravo, Sculpture and Drawings, no Institute of Contemporary Arts e no Brazilian American Cultural Institute
1965 - Belo Horizonte MG - Desenhistas Brasileiros em Coleções Mineiras - na Reitoria da UMG
1966 - Madri (Espanha) - Artistas de Bahia, no Instituto de Cultura Hispânica
1966 - Porto Alegre RS - Mostra de Arte Baiana, na Assessoria Riograndense de Imprensa/Galeria Cândido Portinari
1966 - Salvador BA - 1ª Bienal Nacional de Artes Plásticas
1967 - Bonn (Alemanha) - Beethovenhalle Bonn
1967 - Londres (Reino Unido) - In Our View, na Graves Art Gallery College of Hans and Elsbeth Juda
1967 - São Paulo SP - Artistas da Bahia, na A Galeria
1968 - Nova York (Estados Unidos) - Art of Bahia
1968 - Rio de Janeiro RJ - A Gravura Brasileira, no Museu Histórico Nacional
1968 - São Paulo SP - 1ª Exposição Internacional de Gravura, na Fundação Armando Álvares Penteado
1969 - São Paulo SP - Carybé, Carlos Bastos e Mario Cravo Jr., na Galeria de Arte Portal
1970 - Berlim (Alemanha) - DAAD, no Goethe Institut
1971 - Paris (França) - 4ª Exposition Internationale de Sculpture Contemporaine, no Museu Rodin
1972 - São Paulo SP - Arte/Brasil/Hoje: 50 anos depois, na Galeria da Collectio
1973 - Belo Horizonte MG - Exposição Ilustrada de Jorge Amado
1975 - São Paulo SP - 13ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1975 - São Paulo SP - 7º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP
1977 -  Rio de Janeiro RJ - 1ª Exposição de Escultura ao Ar Livre, no Sesc
1977 - Salvador BA - Coletiva de Inauguração, na Galeria Grossman
1978 - Rio de Janeiro RJ - Escultura Brasileira no Espaço Urbano: 50 anos, na Praça Nossa Senhora da Paz
1979 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, no Parque da Catacumba
1979 - São Paulo SP - 15ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1979 - São Paulo SP - Praça da Sé
1980 - Lisboa (Portugal) - Seis Artistas da Bahia
1981 - Guarujá SP - Escultura ao Ar Livre, no Hotel Jequitimar
1981 - Recife PE - Exposição Recife - Latino-Americana
1981 - Recife PE - Exposição, na Galeria Augusto Rodrigues
1984 - Ribeirão Preto SP - Gravadores Brasileiros Anos 50/60, na Galeria Campus
1984 - São Paulo SP - Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal
1985 - Rio de Janeiro RJ - Cinco Artistas Brasileiros, na Galeria Aktuel
1985 - São Paulo SP - 16º Panorama de Arte Atual Brasileira, no Museu de Arte Moderna
1985 - São Paulo SP - 18ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1986 - Brasília DF - Baianos em Brasília, na Casa da Manchete
1987 - Salvador BA - Doze Artistas Brasileiros, na Anarte Galeria
1987 - São Paulo SP - As Bienais no Acervo do MAC: 1951 a 1985, no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo
1988 - Nova York (Estados Unidos) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States, 1920-1970, no The Bronx Museum of the Arts
1988 - Salvador BA - Escritório de Arte da Bahia Pinturas e Esculturas
1988 - Salvador BA - Os Ilustradores de Jorge Amado, na Fundação Casa de Jorge Amado
1988 - São Paulo SP - MAC 25 anos: destaques da coleção inicial, no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo
1989 - El Paso (Estados Unidos) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States, 1920-1970, no El Paso Museum of Art
1989 - San Diego (Estados Unidos) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States, 1920-1970, no San Diego Museum of Art
1989 - San Juan (Puerto Rico) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States, 1920-1970, no Instituto de Cultura Puertorriqueña
1990 - Miami (Estados Unidos) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States, 1920-1970, no Center for the Fine Arts Miami Art Museum of Date
1991 - Curitiba PR - Museu Municipal de Arte: acervo, no Museu Municipal de Arte
1993 - Salvador BA - Exposição Comemorativa dos 70 Anos de Mário Cravo, no Sebrae
1995 - Fortaleza CE - Escritório de Arte
1996 - São Paulo SP - Arte Brasileira: 50 anos de história no acervo MAC/USP: 1920-1970, no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo
1996 - São Paulo SP - Norfest´96: artes visuais, no D&D Shopping
1997 - São Paulo SP - 3º United Artists: luz, na Casa das Rosas
1998 - São Paulo SP - 2º Eletromidia de Arte
1998 - São Paulo SP - Pau Para Toda Obra, no Sesc
1999 - Curitiba PR - Arte-Arte Salvador 450 Anos, na Fundação Cultural de Curitiba. Solar do Barão
1999 - Rio de Janeiro RJ - Arte-Arte Salvador 450 Anos, no Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro
1999 - Salvador BA - 100 Artistas Plásticos da Bahia, no Museu de Arte Sacra
1999 - Salvador BA - Arte-Arte Salvador 450 Anos, no Museu de Arte Moderna
1999 - São Paulo SP - A Ressacralização da Arte, no Sesc Pompéia
2000 - Salvador BA - Exposição ACBEU Magalhães Netto, na Galeria ACBEU
2002 - Salvador BA - Arte Bahia 2002, no Museu de Arte Moderna de Salvador
2003 - Rio de Janeiro RJ - Tesouros da Caixa: arte moderna brasileira no acervo da Caixa, na Caixa Cultural
2003 - São Paulo SP - Tomie Ohtake na Trama Espiritual da Arte Brasileira, no Instituto Tomie Ohtake
2004 - Rio de Janeiro RJ - Tomie Ohtake na Trama Espiritual da Arte Brasileira, no Museu Nacional de Belas Artes
2006 - São Paulo SP - A Imagem do Som de Dorival Caymmi, no Museu Afro-Brasil
2006 - São Paulo SP - Brasiliana Masp: moderna contemporânea, no Museu de Arte de São Paulo
2007 - São Paulo SP - Arte-Antropologia, no MAC Cidade Universitária

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Antonio Lizárraga - Cor Circular
Cor Circular
Frans Krajcberg - Sem Título
Sem Título
Judith Lauand - Sem Título
Sem Título