Escritoriodearte.com > Artistas > Márcio Sampaio

Márcio Sampaio

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Márcio Sampaio (Santa Maria de Itabira MG 1941)

Crítico de arte, pintor, desenhista, poeta e professor.

Aos 12 anos começa a pintar, copiando cartões-postais e figuras de revistas. Em 1953, muda-se para Itabira, Minas Gerais, onde tem suas primeiras lições de pintura, com Emília de Cause. Transfere-se para Belo Horizonte em 1959, e ingressa na Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Expõe Poemas-Cartazes na 1ª Semana Nacional de Poesia de Vanguarda, na Reitoria da UFMG, em 1963. Ainda no início da década de 1960, funda, com um grupo de amigos, a revista de vanguarda Ptyx. Realiza sua primeira mostra individual em 1964, mesmo ano em que lança o livro de poesias Rubro Apocalíptico. Passa a atuar como crítico de arte no jornal Diário de Minas em 1965 e lança seu segundo livro de poemas, O Ciclo de Barro. No ano seguinte, começa a colaborar como ilustrador no suplemento literário do Minas Gerais, recém-criado pelo escritor Murilo Rubião (1916 - 1991). Participa da 9ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1967. Entre 1968 e 1971, é coordenador do Museu de Arte da Pampulha - MAP (Belo Horizonte MG). Em 1971, inicia a série de obras denominada Galeria Antropofágica e, no ano seguinte, assume a coordenação do Palácio das Artes de Belo Horizonte. Ingressa como professor na Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais - EBA/UFMG em 1977, e se aposenta em 1999. Em 2005 é realizada na Grande Galeria do Palácio das Artes de Belo Horizonte a exposição Declaração de Bens, retrospectiva de 50 anos de sua carreira.

Comentário Crítico

Márcio Sampaio dedica-se inicialmente ao desenho, no qual, como nota o historiador da arte Roberto Pontual, revela o interesse pelos costumes e pela cultura mineira. O artista explora também questões da fotografia e da paisagem urbana, como na série Indicações, s.d. e cria obras a partir de objetos do cotidiano.

Uma de suas séries mais conhecidas é a Galeria Antropofágica, iniciada em 1971, na qual recria com humor e ironia obras de diferentes artistas nacionais, como Tarsila do Amaral (1886 - 1973) , Milton Dacosta (1915 - 1988) e Amilcar de Castro (1920 - 2002), apresentando-as juntamente com trabalhos de artistas internacionais, como Piet Mondrian (1872 - 1944) e Kazimir Malevitch (1878 - 1935).

Durante a década de 1970, Sampaio passa a atuar como crítico de arte, escrevendo primeiramente para o Diário de Minas Gerais e em seguida para o Suplemento Literário de Minas Gerais. Como nota a historiadora da arte Marília Andrés Ribeiro, o artista procura ainda incentivar o trabalho de jovens artistas mineiros, promovendo mostras coletivas como o Happening Brasil: a Festa, a Construção, Arte Total, 1970 que, por meio de imagens da arte popular e do repertório moderno, busca uma releitura da cultura brasileira. No final da década de 1960, ao coordenar os eventos do Museu de Arte da Pampulha - MAP, organiza o 1º Salão de Arte Contemporânea de Belo Horizonte, com o qual abre espaço para as propostas dos artistas da vanguarda mineira, como José Ronaldo Lima (1939), Lotus Lobo (1943), Jarbas Juarez (1936), Raymundo Colares (1944 - 1986) e Noviello (1929), entre outros. É curador de grandes mostras temáticas como A Paisagem Mineira, 1977, no Palácio das Artes, que apresenta uma ampla reflexão sobre a história da paisagem local, e Desenho Mineiro, 1979, no mesmo local, que procura demonstrar as potencialidades dessa técnica em Minas Gerais, desde o modernismo.

Acervos

Centro Cultural UFMG - Belo Horizonte MG
Coleção Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ - Rio de Janeiro RJ
Museu de Arte da Pampulha - MAP - Belo Horizonte MG
Museu Mineiro - Belo Horizonte MG

Exposições Individuais

1964 - Belo Horizonte MG - Primeira individual
1980 - Rio de Janeiro RJ - Individual
1983 - Belo Horizonte MG - A Ironia do Possível Face à Crise: Marcio Sampaio, no Museu Mineiro
1985 - Brasília DF - Apontamentos para a Nova República, na Fundação Cultural do Distrito Federal

Exposições Coletivas

1963 - Belo Horizonte MG - Coletivas, no Salão Municipal de Belas Artes
1964 - Belo Horizonte MG - Artistas Mineiros, na AAPMG
1965 - Belo Horizonte MG - Desenhos de Bar, no Grande Hotel
1967 - Brasília DF - Artistas Brasileiros, no Salão Hotel Nacional
1967 - São Paulo SP - 9ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1968 - Belo Horizonte MG - 23º Salão de Belas Artes da Cidade de Belo Horizonte, no MAP
1968 - São Paulo SP - Artistas Mineiros, na Galeria Mirante das Artes
1969 - Rio de Janeiro RJ - Dez Desenhistas Mineiros, no ICBEU
1969 - São Paulo SP - 10ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1970 - Belo Horizonte MG - 4ª Salão da Cultura Francesa
1970 - Belo Horizonte MG - Exposição Happening Brasil: a Festa, a Construção, Arte Total, na Cultura Francesa
1971 - Campinas SP - 7º Salão de Arte Contemporânea de Campinas
1972 - Belo Horizonte MG - Salão Santos Dumont, no Palácio das Artes - premiado
1972 - Curitiba PR - 29º Salão Paranaense, no Teatro Guaíra
1972 - São Paulo SP - 4º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP
1973 - Belo Horizonte MG - 1º Salão Global de Inverno, na Fundação Palácio das Artes
1973 - Belo Horizonte MG - Don Quixote, na Galeria Guignard
1973 - Belo Horizonte MG - Jovens Artistas Premiados no Salão de Inverno, na Galeria de O Globo
1974 - Belém PA - Pré Bienal Nacional: mostra regional, no Teatro da Paz
1974 - Campinas SP - 9º Salão de Arte Contemporânea de Campinas, no MACC
1974 - Rio de Janeiro RJ - 4 Artistas Mineiros, na Galeria Marte 21
1974 - Rio de Janeiro RJ - Envelope, na Galeria Grupo B
1975 - Belo Horizonte MG - 3º Salão Global de Inverno, na Fundação Palácio das Artes - 1º prêmio
1975 - Belo Horizonte MG - Giramundo: cinco artistas mineiros, na Galeria Guignard
1976 - Belo Horizonte MG - 4º Salão Global de Inverno, na Fundação Palácio das Artes
1977 - Rio de Janeiro RJ - 2ª Arte Agora: visão da terra, no MAM/RJ
1978 - Ouro Preto MG - Antropofagia: 50 anos do Manifesto Antropofágico, na Casa dos Contos
1979 - Belo Horizonte MG - 6º Salão Global de Inverno, na Fundação Clóvis Salgado. Companhia de Dança de Minas Gerais
1979 - Belo Horizonte MG - Figuração Referencial, no MAP
1980 - Belo Horizonte MG - 12º Salão Nacional de Artes Plásticas de Belo Horizonte, no MAP
1980 - Belo Horizonte MG - 7º Salão Global de Inverno, na Fundação Palácio das Artes
1980 - Curitiba PR - 37º Salão Paranaense, no Teatro Guaíra
1981 - Belo Horizonte MG - 8º Salão Global de Inverno, na Fundação Palácio das Artes
1981 - Rio de Janeiro RJ - 8º Salão Global de Inverno, no MAM/RJ
1981 - São Paulo SP - 8º Salão Global de Inverno, no Masp
1982 - Fortaleza CE - Salão Nacional de Arte do Ceará, na Casa de Cultura Raimundo Cela
1982 - Penápolis SP - 5º Salão de Artes Plásticas da Noroeste, na Fundação Educacional de Penápolis. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Penápolis
1982 - Rio de Janeiro RJ - 5º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ
1983 - Belo Horizonte MG - A Ceia, na Galeria Guignard
1984 - Belo Horizonte MG - Toma de Minas a Estrada, no Hotel Nacional
1984 - São Paulo SP - Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal
1986 - Belo Horizonte MG - Aquarelistas Brasileiros, na Companhia de Energia de Minas Gerais. Espaço Cultural Galeria de Arte
1986 - Porto Alegre RS - Caminhos do Desenho Brasileiro, no Margs
1988 - Rio de Janeiro RJ - Le Déjeuner sur l'Art: Manet no Brasil, na EAV/Parque Lage
1989 - Ouro Preto MG - Ideologia Inconfidente em Processo, no Museu da Inconfidência
1991 - Belo Horizonte MG - BR/80: pintura Brasil década 80, no Núcleo de Informática e Cultura Belo Horizonte
1996 - Belo Horizonte MG - Improviso para Guignard, no Espaço Cultural Bamerindus Seguros
1996 - Curitiba PR - 53º Salão Paranaense, no MAC/PR
1997 - Belo Horizonte MG - 25º Salão Nacional de Arte de Belo Horizonte
1997 - Belo Horizonte MG - Formação da Arte Contemporânea em Belo Horizonte, no MAP

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Tran Tho - Embarcações
Embarcações
Almir Mavignier - Linha verde
Linha verde
Manoel Martins - Retirantes
Retirantes
Octávio Araújo - Arcádia sem melancolia
Arcádia sem melancolia