Escritoriodearte.com > Artistas > Manoel Bandeira

Manoel Bandeira

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Manoel Bandeira (1900 - 1964)

1900 - Escada PE
1964 - Recife PE

Formação

s.d. - Recife PE - Faz curso de desenho linear, de ornato e arquitetônico no Liceu de Artes e Ofícios de Recife 

Cronologia

Desenhista, ilustrador, pintor e aquarelista 

s.d. - Recife PE - Publica desenhos no Diário da Manhã, no Diário de Pernambuco, no Jornal do Comércio e ourtos jornais
s.d. - Recife PE - É colaborador do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado, do Instituto Arqueológico, do qual é também membro, do Museu do Estado, do Arquivo Público Estadual, da Secretaria de Agricultura e do antigo Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais
s.d. - Recife PE - Realiza desenhos para flâmulas comemorativas do Tricentenário da Restauração Permambucana
s.d. - Recife PE - Realiza diversos trabalhos em pergaminho, com destaque para os diplomas da Universidade Federal Rural de Pernambuco, do Governo do Estado e do Moinho Recife
ca.1920 - Recife PE - Edita seus primeiros desenhos a bico de pena na Revista do Nordeste
ca.1920 - Recife PE - Ilustra o Livro do Nordeste, edição comemorativa do centenário do Diário de Pernambuco
ca.1920 - Rio de Janeiro RJ - Ilustra as edições comemorativas de O Jornal referentes a Pernambuco e Minas Gerais
1939 - Recife PE - Ilustra a obra Olinda - 2º Guia Prático Histórico e Sentimental da Cidade Brasileira, de Gilberto Freire (1900-1987)
1960/1961 - Recife PE - Realiza um levantamento gráfico descritivo do Engenho Aurora para o Museu do Açúcar
1984 - Recife PE - É homenageado com a publicação, pela Secretaria de Turismo de Pernambuco, do livro Desenhos de Manoel Bandeira

Críticas

"O seu traço é forte, áspero, duro. Todavia, em toda essa força a poesia reponta sempre e uma certa ternura bem cariciosa. Poesia e ternura fortes - eis as características dos desenhos de Manoel Bandeira. E foram essas qualidades que o tornaram intérprete por excelência dos velhos aspectos da arquitetura colonial - velhas ruas, velhas casas, velhas pedras".
Manuel Bandeira
Citado em: LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. p. 54. [Texto originalmente publicado em: BANDEIRA, Manuel. Crônicas da província do Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1937].

"Um artista quase intocado por quaisquer dos ismos que dominaram o século, que nunca duvidou de si nem de sua terra, só pode aparecer hoje como fascinante novidade".
José Cláudio
BRASIL: arte do Nordeste. Rio de Janeiro: Spala, 1986.

Acervos

Arquivo Público Estadual - Pernambuco
Fundação Joaquim Nabuco - Fundaj - Recife PE

Exposições Coletivas

ca.1920 - Recife PE - Grande Salão de Pintura da Exposição Geral de Pernambuco

Exposições Póstumas

1982 - Recife PE - Individual de Pintura e Desenho, na Fundação Joaquim Nabuco
1983 - Recife PE - 50 Anos de Casa-Grande & Senzala, na Fundação Joaquim Nabuco
1984 - Aracaju SE - 50 Anos de Casa-Grande & Senzala
1984 - Brasília DF - 50 Anos de Casa-Grande & Senzala
1984 - Lisboa (Portugal) - 50 Anos de Casa-Grande & Senzala, no Museu Gulbenkian da Fundação Calouste Gulbenkian 
1984 - Salvador BA - 50 Anos de Casa-Grande & Senzala
1984 - Vitória ES - 50 Anos de Casa-Grande & Senzala 
1993 - São Paulo SP - 100 Obras-Primas da Coleção Mário de Andrade: pintura e escultura, no Instituto de Estudos Brasileiros, IEB/USP
2000 - Lisboa (Portugal) - Brasil-brasis: cousas notaveis e espantosas. Olhares Modernistas, no Museu do Chiado
2000 - Valência (Espanha) - De la Antropofagia a Brasilía: Brasil 1920-1950, no IVAM. Centre Julio Gonzáles

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Claudio Tozzi - Papagália
Papagália
Massimo Campigli - Duas Mulheres
Duas Mulheres
Antonio Maluf - Sem Titulo
Sem Titulo
Elena Nikitina - Cello Crescente
Cello Crescente