Escritoriodearte.com > Artistas > Livia Flores

Livia Flores

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Lívia Flores (Rio de Janeiro RJ 1959)

Pintora, escultora, videoartista.

Participa do ateliê de xilogravura da Escolinha de Arte do Brasil, com José Altino (1946), entre 1974 e 1976, e estuda também com Maria Luíza Saddi, em 1976. Em 1978, faz o Curso Intensivo de Arte Educação (Ciae), além de iniciar sua graduação na Escola Superior de Desenho Industrial da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Esdi/Uerj), concluída em 1981. Entre 1979 e 1980, frequenta ateliê livre da Armação Oficinas de Arte (artes plásticas), com Marília Rodrigues (1937) e Ana Cristina Pereira de Almeida. Participa de curso teórico sobre arte contemporânea com Anna Bella Geiger (1933) em 1981 e, no ano seguinte, assiste a outro curso teórico, sobre arte brasileira, com Fernando Cocchiarale. Contemplada, em 1984, com uma bolsa de estudo para a Alemanha, estuda na Academia de Artes de Düsseldorf de 1985 e 1990 e vive em Colônia até 1993. Recebe o título de mestre em comunicação e tecnologia da imagem na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em 1998.

Comentário Crítico

As primeiras exposições de Lívia Flores datam do início da década de 1980. Em 1988, destaca-se uma exposição individual no Rio de Janeiro, com desenhos executados em grandes dimensões: "O papel é um campo dado e a ele empresto relações de força" - declara a artista. "A geometria e principalmente a simetria me interessam como formas. No desenho, à medida que cubro o papel com a tinta, retiro deste a sua qualidade de papel e dou-lhe uma outra materialidade, formando-o, transformando-o. Uso a cor preta como uma cor-esponja que absorve o máximo de luz." 

Já no fim dos anos 1990, Lívia amplia suas possibilidades técnicas fazendo uso de projeções. Na obra Rio Morto/Terra Encantada (1999), a artista projeta na parede filmes realizados em Super-8, que tentam captar de forma ágil certos movimentos que atraem sua atenção. No ambiente da exposição, imagens projetadas simultaneamente ocupam um espaço de penumbra, formando um conjunto que, por vezes, se associa a palavras ou frases. Para Lívia: "A fotografia transforma radicalmente a experiência de apreensão do objeto. No meu trabalho com projeções, essa apreensão é mais radical, creio. Na exposição tudo está em movimento ao mesmo tempo. E você também, de alguma maneira, está em movimento, aplicado na cena". 

Fundos e Cadeia Alimentar, ambos de 2002, são outros exemplos de trabalhos com projeção. Lívia também realiza instalações, como é o caso de Saco Zero, 2003/2004, sacos plásticos com impressões serigráficas pregados na parede. Destacam-se, ademais, Puzzle-Pólis, montada com tacos de madeira espalhados pelo chão, e Puzzle-Pólis II, espécie de maquete de cidade formada por caixas de papelão - as obras de 2004.

Críticas

"Há filme mas não existe cinema no trabalho de Lívia Flores. A artista cerca-se de cuidados, para não deixar seu esforço ser tragado pelos truques da montagem e da narrativa, submersos em toneladas de clichês produzidos por um século que se encerra. A oportunidade que surge nesta instalação é fruir o filme sem alguns de seus vícios, oferecendo outra experiência da imagem - ainda que tenham sido utilizados película, câmera, projetor. Os caminhos que se abrem são de uma investigação do entorno, dos lugares por onde Lívia passa, da paisagem que a cerca: investigar é lançar certo tipo de perguntas, captar as coisas de um modo particular, cuidadosamente ensaiado; enfatizar aspectos de sua dimensão sensorial; perceber uma presença ativa própria, acoplado ao aparelho de captura de imagens; redimensionar a situação vivida nos termos de uma arquitetura acessível à percepção do outro. É importante a visibilidade de todo o aparato de projeção (projetor, filme com as pontas unidas em forma de anel, ganchos colocados em pontos das paredes e do teto, superfícies de reflexão das imagens) tanto para aniquilar a magia da exibição e situá-la materialmente, como produto do movimento articulado de máquinas e lâmpadas, quanto para acentuar o traço escultórico da instalação, em que toda uma série de objetos está ocupando o espaço da galeria, determinando os deslocamentos possíveis do visitante pela área de exposição".
Ricardo Basbaum
Site Canal Contemporâneo: www.canalcontemporaneo.art.br/portfolio

Exposições Individuais

1983 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Macunaíma/Funarte
1988 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria de Arte Centro Empresarial Rio
1989 - Mettmann (Alemanha) - Individual, na Künsthaus Mettmann
1991 - Düsseldorf (Alemanha) - Individual, na Galerie im Kinderspielhaus
1992 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Espaço Cultural Sérgio Porto
1994 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria de Arte do Ibeu
1994 - São Paulo SP - Individual, no CCSP
1998 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Cândido Mendes
1998 - Rio de Janeiro RJ - Lívia Flores - Trabalhos Recentes, no CCCM
1999 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Cândido Portinari/Uerj
2000 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Espaço Agora/Capacete
2002 - Rio de Janeiro RJ  - Individual, no Espaço Cultural Sérgio Porto

Exposições Coletivas

1983 - Rio de Janeiro RJ - 6º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/SP - prêmio referência especial do júri
1983 - Rio de Janeiro RJ - 7º Salão Carioca de Arte Contemporânea
1984 - Rio de Janeiro RJ - Como Vai Você, Geração 80?, na EAV/Parque Lage
1984 - Rio de Janeiro RJ - Geração 80: núcleo jovem MP2 arte, no MP2 Arte
1986 - Essen (Alemanha) - Lívia Flores e Martin Hauf, na Galerie Kosmos
1991 - Berlim (Alemanha) - Europa Brasileira, na Galerie Maeder
1991 - Düsseldorf (Alemanha) - Coletiva, na Projekt Little Akademie
1993 - Brasília DF - Um Olhar sobre Joseph Beuys, na Fundação Athos Bulcão
1993 - Rio de Janeiro RJ - 17º Salão Carioca de Arte Contemporânea
1994 - Rio de Janeiro RJ - Escultura Carioca, no Paço Imperial
1994 - São Paulo SP - Programa Anual de Exposições de Artes Plásticas, no CCSP
1995 - Rio de Janeiro RJ - Factual, no Paço Imperial
1996 - Rio de Janeiro RJ - Dialog/Experiências Alemãs, no MAM/RJ
1996 - Rio de Janeiro RJ - Esculturas, no Paço, Paço Imperial
2000 - Petrópolis RJ - O Século das Mulheres - Algumas Artistas, na Casa de Petrópolis
2000 - Rio de Janeiro RJ - Imagens Paradoxais, na EAV/Parque Lage
2001 - Porto (Portugal) - Squatters/Ocupações, no Porto 2001 e no Museu de Serralves
2001 - São Paulo SP - Trajetória da Luz na Arte Brasileira, no Itaú Cultural
2002 - Rio de Janeiro RJ - 1ª Mostra Rio Arte Contemporânea, no MAM/RJ
2002 - Rio de Janeiro RJ - Artefoto, no CCBB
2003 - Brasília DF - Artefoto, no CCBB
2003 - Goiânia GO - 3º Prêmio Cultural Sérgio Motta, no MAC/GO
2003 - Rio de Janeiro RJ - Bandeiras do Brasil, no Museu da República
2003 - São Paulo SP - Mídia Arte, no MIS/SP
2004 - Rio de Janeiro RJ - Novas Aquisições 2003: Coleção Gilberto Chateubriand, no MAM/SP
2004 - São Paulo SP - 26ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
2004 - Vitória ES - Heterodoxia: edição Vitória, na Casa Porto das Artes Plásticas

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Gregório Gruber - Nu Feminino
Nu Feminino
Carlos Scliar - Natureza Morta
Natureza Morta
Taisa Nasser - A Menina de Rodin em 4D
A Menina de Rodin em 4D
Michel Deverne - Sem Título
Sem Título