Escritoriodearte.com > Artistas > Leopoldo Raimo

Leopoldo Raimo

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

BIOGRAFIA

Leopoldo Raimo (Botucatu, SP, 1912 - São Paulo, SP, 2001)

Pintor, gravador e médico.

Leopoldo Francisco Raimo mudou-se com a família para a capital paulista em 1918. Durante o curso no Ginásio do Estado (de 1924 a 1930), Raimo tem aulas com o pintor acadêmico Oscar Pereira da Silva (1867-1939). Em 1931, estuda durante um semestre na Escola Paulista de Belas Artes. Escolhe a medicina como profissão, frequentando entre 1932 e 1937 a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e atuando como médico desde então. Entre 1951 e 1958, participa do Atelier Abstração, onde estuda com o artista romeno Samson Flexor (1907-1971), membro da Escola de Paris, que fixara residência com a família em São Paulo em 1948. Em 1956, integra a diretoria artística do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), tomando parte na elaboração do regulamento da 4ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1959, estuda gravura na Escola de Artesanato do MAM/SP, sendo então orientado por Lívio Abramo (1903-1992).

Raimo é um dos membros-fundadores do Núcleo dos Gravadores de São Paulo (Nugrasp). Em 1976, integra o conselho de arte e cultura da Fundação Bienal para a 14ª Bienal Internacional de São Paulo.

Comentário Crítico

Leopoldo Raimo inicia sua produção artística como pintor. No início de sua carreira e mesmo depois, nota-se a influência de seu período de aprendizado no Atelier Abstração, um dos principais locais de formação artística na São Paulo dos anos 1950. O grupo organizado em torno de Flexor propõe uma arte fundada nas qualidades puramente plásticas e pautada pelo rigor geométrico. Seus primeiros trabalhos consistem em desenhos realizados com grafite em diferentes gradações, estruturados por diagonais marcadas, explorando a intersecção dos planos. A cor comparece de maneira paulatina em sua obra, intensificando-se a partir de 1952.

Na produção de Raimo, segundo a curadora Ana Paula Nascimento, há a criação de um espaço ilusório, ainda que geométrico, baseado na organização de formas e no uso de uma escala cromática em intensidades variadas, procurando efeitos e ilusões de ótica. No final da década de 1950, Raimo passa a utilizar em suas obras areia e tinta a óleo, e a massa pictórica ganha importância sobre a linha, como na série Telúrico (1958-1959). O artista aprendera gravura com Lívio Abramo em 1959, porém dedica-se com mais afinco às artes gráficas nas décadas de 1960 e 1970, especialmente a xilogravura, na maior parte das vezes em cores. Essas obras frequentemente formam séries, que parecem abordar o universo das festas e crenças populares, como Talismã (1970) e Junina (1980).

Críticas

"(...) suas últimas obras aparecem como uma síntese de quinze anos de trabalho. Assim, da fase abstrata, reencontramos aquela cor depurada, que em 1950 cobria de primavera o vigor das construções geométricas, tendo mantido da fase dinâmica o impulso generoso de um pincel que fere a tela (...) Como consequência, atualmente a matéria mais sóbria tornou-se filigrana de um artista-ourives, em que os turbilhões se imobilizam em globos evanescentes".
Jacques Douchez
PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Apresentação de Antônio Houaiss. Textos de Mário Barata et al. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.

"No Atelier-Abstração, Raimo realizou seus primeiros trabalhos abstratos informais. Em seguida sua obra tendeu para o geometrismo, tornando-se mais rigorosa e cerebral. Nos anos 60, sua plástica fez o caminho de retorno ao abstracionismo informal e lírico, embora mais estruturado, o qual rege seu trabalho até o presente. No início deste processo, Raimo utilizou-se de matéria pictórica espessa na realização de seu trabalho, resultante da mistura de tinta e areia, desenvolvendo a Série TELÚRICA, expressiva, densa de vibrações cósmicas. Em seguida sua matéria tornou-se mais delgada; suas formas, cores e ritmos passaram a estabelecer entre si um diálogo cada vez mais sensível e musical. (...) Nos últimos anos, Raimo vem realizando uma pintura constituída de formas soltas no espaço, de um colorido requintado; conjuntos extremamente harmoniosos, dos quais emana a ´musique des sphéres´ de que falava Kandinsky".
Enock Sacramento
ARTE e medicina. Apresentação de Alois Metzler. Textos de Enock Sacramento, Alberto Beuttenmuller, Márcio Sampaio e Ziraldo. São Paulo: Sadalla Galeria de Arte, 1990.

Acervos

Acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo/Brasil - São Paulo SP
Coleção Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP - São Paulo SP
Coleção Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP - São Paulo SP
Museu de Arte Assis Chateaubriand - MAAC - Campina Grande PB
Museu Histórico Prof. Carlos da Silva Lacaz - São Paulo SP
Pinacoteca Municipal de São Paulo - São Paulo SP
The Adolpho Leirner Collection of Brazilian Constructive Art - The Museum of Fine Arts - Houston (Estados Unidos)

Exposições Individuais

1961 - Campos do Jordão SP - Individual
1962 - Campinas SP - Individual, na Galeria Aremar
1964 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Astréia
1969 - São Paulo SP - Leopoldo Raimo: pintura e gravura, na Galeria KLM

Exposições Coletivas

1952 - São Paulo SP - 2º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia
1953 - São Paulo SP - 1º Salão de Agosto, no Instituto Cultural Israelita Brasileiro
1953 - São Paulo SP - 2ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão dos Estados
1953 - São Paulo SP - Atelier Abstração, no IAB/SP
1954 - Salvador BA - 4º Salão Baiano de Belas Artes, na Galeria Oxumaré
1954 - São Paulo SP - 3º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia - prêmio aquisição
1954 - São Paulo SP - Atelier Abstração, no MAM/SP
1955 - Rio de Janeiro RJ - 4º Salão Nacional de Arte Moderna
1955 - Salvador BA - 5º Salão Baiano de Belas Artes, na Diretoria Municipal de Turismo
1955 - São Paulo SP - 3º Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão das Nações
1955 - São Paulo SP - 4º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia - pequena medalha de prata
1955 - São Paulo SP - Atelier Abstração, no Instituto Mackenzie
1956 - Rio de Janeiro RJ - 5º Salão Nacional de Arte Moderna
1956 - Salvador BA - 6º Salão Baiano de Belas Artes, na Escola de Belas Artes da Universidade da Bahia
1956 - São Paulo SP - Atelier Abstração, no MAM/SP
1956 - São Paulo SP - 5º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia
1957 - Rio de Janeiro RJ - 6º Salão Nacional de Arte Moderna
1957 - São Paulo SP - 4ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho
1957 - São Paulo SP - 6º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia
1957 - Tóquio (Japão) - 4ª Bienal de Tóquio
1958 - Bueno Aires (Argentina) - Nueve Artistas de San Pablo, na Galeria Antígona
1958 - Nova York (Estados Unidos) - Paintings from the Atelier Abstração of São Paulo, na Roland de Aenlle Gallery
1958 - Rio de Janeiro RJ - Salão do Mar
1958 - São Paulo SP - Leopoldo Raimo, Manabu Mabe e Marina Caram, na Galeria de Arte das Folhas
1959 - Rio de Janeiro RJ - 8º Salão Nacional de Arte Moderna, no MAM/RJ
1959 - Rio de Janeiro RJ - Leopoldo Raimo e Nelson Seoane, na Galeria Macunaíma
1959 - Santos SP - 7º Salão Oficial de Belas Artes de Santos
1959 - São Paulo SP - Leopoldo Raimo, Clélia Cotrim, Renina Katz e Francisco Brennand, na Galeria de Arte das Folhas
1959 - São Paulo SP - 8º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia - Segundo Prêmio Governo do Estado
1960 - São Paulo SP - 9º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia
1959 - São Paulo SP - 47 Artistas, na Galeria de Arte das Folhas - Segundo Prêmio Leirner de Pintura
1961 - São Paulo SP - Leopoldo Raimo, Gisela Eichbaum e Heinz Kuhn, na Galeria de Arte das Folhas
1961 - São Paulo SP - 10º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia - pequena medalha de ouro
1961 - São Paulo SP - 6ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho - isenção de júri
1962 - Santos SP - 9º Salão Oficial de Belas Artes de Santos
1962 - São Paulo SP - 11º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia
1962 - São Paulo SP - Coletiva, no Clubinho - Clube dos Artistas e Amigos da Arte
1963 - São Paulo SP - 12º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia - Primeiro Prêmio Governo do Estado
1963 - São Paulo SP - 7ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal 
1965 - Campinas SP - 1º Salão de Arte Contemporânea de Campinas, no Museu de Arte Contemporânea José Pancetti - menção honrosa
1965 - São Paulo SP - Coletiva, na Galeria Directa
1965 - São Paulo SP - 14º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia
1966 - Campinas SP - 2º Salão de Arte Contemporânea de Campinas - menção honrosa
1966 - Salvador BA - 1ª Bienal Internacional de Artes Plásticas, no Convento do Carmo 
1966 - São Paulo SP - 15º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia
1966 - São Paulo SP - Três Premissas, no MAB/Faap
1967 - Campinas SP - 3º Salão de Arte Contemporânea de Campinas, no Museu de Arte Contemporânea José Pancetti
1967 - São Caetano do Sul SP- 1º Salão de Arte Contemporânea de São Caetano do Sul
1967 - São Paulo SP - 16º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia - prêmio de viagem ao país
1967 - São Paulo SP - 9ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1968 - Salvador BA - 2ª Bienal Internacional de Artes Plásticas, no Convento da Lapa
1968 - São Paulo SP - 17º Salão Paulista de Arte Moderna - prêmio de viagem ao país
1968 - São Paulo SP - 1ª Exposição Internacional de Gravura, na Faap
1968 - São Paulo SP - Grupo 4, na Galeria do Cine Belas Artes
1969 - São Paulo SP - 1º Salão Paulista de Arte Contemporânea, no Masp
1969 - São Paulo SP - Núcleo dos Gravadores de São Paulo - Nugrasp, no Banco Minas Gerais 
1970 - Santo André SP - 3º Salão de Arte Contemporânea de Santo André, no Paço Municipal
1970 - São Paulo SP - A Gravura Brasileira, no Paço das Artes
1970 - São Paulo SP - 2º Salão de Arte Contemporânea de São Paulo, no Masp
1970 - São Paulo SP - Pré-Bienal de Gravura de São Paulo, na Fundação Bienal
1971 - São Caetano do Sul SP - 4º Salão de Arte Contemporânea de São Caetano do Sul
1971 - São Paulo SP - 11ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1971 - São Paulo SP - 3º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP
1971 - São Paulo SP - 3º Salão de Arte Contemporânea de São Paulo, no Masp
1972 - São Paulo SP - 2ª Exposição do Núcleo de Gravadores de São Paulo - Nugrasp, no MAM/SP
1972 - São Paulo SP - Gravura, na Sociedade Hípica Paulista
1972 - São Paulo SP - 2ª Exposição Internacional de Gravura, no MAM/SP
1972 - São Paulo SP - 4º Salão Paulista de Arte Contemporânea, no Masp
1974 - São Paulo SP - Leopoldo Raimo, Ítalo Cencini e Leda Watson, na Galeria Bonfiglioli
1977 - São Paulo SP - 9º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP
1977 - São Paulo SP - 3ª Exposição de Belas Artes Brasil-Japão, na Fundação Messiânica do Brasil e Fundação Brasil-Japão
1978 - São Paulo SP - As Bienais e a Abstração: a década de 50, no Museu Lasar Segall
1981 - São Paulo SP - 2º Salão Paulista de Artes Plásticas e Visuais, no Paço das Artes
1990 - São Paulo SP - Arte e Medicina, na Galeria Sadalla
1994 - São Paulo SP - Bandeiras: 60 artistas homenageiam os 60 anos da USP, no MAC/USP
1994 - São Paulo SP - Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal
1996 - São Paulo SP - Bandeiras, na Galeria de Arte do Sesi
1998 - São Paulo SP - Arte Construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner, no MAM/SP
1999 - Rio de Janeiro RJ - Arte Construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner, no MAM/RJ

Exposições Póstumas

2006 - São Paulo SP - Um Presente para Ciccillo, na Bolsa de Mercadorias e Futuros
2008 - São Paulo SP - Leopoldo Raimo, 1912-2001: um percurso artístico, na Pinacoteca do Estado

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Alberto Biasi - Dinâmico Visual S7
Dinâmico Visual S7
Gilberto Salvador - Enfim Consegui Pular
Enfim Consegui Pular
Eduardo Sued - Sem Título
Sem Título