Escritoriodearte.com > Artistas > João Garboggini Quaglia

João Garboggini Quaglia

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

BIOGRAFIA

João Garboggini Quaglia (Salvador BA 1928)

Pintor, desenhista, gravador, ilustrador e professor.

Inicia sua formação artística em Salvador, Bahia, estudando litogravura com Mário Cravo, por volta de 1945. Em 1947 transfere-se para o Rio de Janeiro onde cursa a Escola Nacional de Belas Artes dois anos depois, tendo como mestres Carlos Del Nero e Jordão de Oliveira. Em 1950, estuda pintura na Associação Brasileira de Desenho, sendo aluno de Ado Malagoli e Barbosa Leite. Nesta época, faz aperfeiçoamento em litogravura com Darel Valença Lins. Em 1956, realiza os murais para a Base Aérea de Salvador e para a Embaixada Brasileira, em Madri, Espanha. No ano de 1958, recebe o prêmio de viagem ao exterior do Salão Nacional de Arte Moderna e viaja para Madri, onde estuda pintura no Taller Boj. Na década de 60, ilustra o álbum de litografias Corrida de Touros, com textos de João Cabral de Melo Neto (1920 - 1999). Além dessas atividades, atua como professor de pintura e gravura na Associação Brasileira de Desenho no período de 1952 a 1964; na Universidade de Santa Maria; na Escola de Belas Artes de Minas Gerais e no Festival de Ouro Preto.

Críticas

"Quaglia, pintor nascido na Bahia, e envolvido em muitas andanças nacionais e estrangeiras, parece refletir, de forma convincente e madura, a raiz de Segall na pintura contemporânea do Brasil. A melancolia e expressão interiormente solitária dos personagens têm entre ambos sensível familiaridade, apesar do clima romântico com que Quaglia atenua a expressão de carência existencial do nosso tempo. Em fases anteriores, a pintura de Quaglia mostrava uma pele dolorida, expressa em textura que transmitia um transe emotivo. Hoje esta pintura se torna compacta e veludosa, definindo os planos e contrastes numa espécie de modelagem cromática. O desenho também se simplifica, os traços são mínimos em quantidade, embora certos recursos, como a fusão de corpo/roupa/membros em massa única de cor, criem uma surpreendente marca expressiva, liberando os braços e as mãos como raízes de vida. As mãos, por sua vez, passam códigos de comunicação sobre o silêncio, que paira nos rostos num misto de perplexidade e comiseração. Neste sentido quer nos parecer, que na série atual, a mímica é uma constante temática. Numa pintura tão densa e despojada, qualquer detalhe é marcante, e o espectador está sempre à espera de uma revelação, já que o aparelho visual encontra motivos de sobra para comprometer-se numa leitura íntima e solidária. (...)"
Walmir Ayala
QUAGLIA: pinturas. Apresentação de Fernando Carlos de Andrade e Walmir Ayala. Brasília: Performance Galeria de Arte, 1986.

Exposições Individuais

1952 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Diretório Acadêmico da Enba
1955 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Diretório Acadêmico da Enba 
1956 - Salvador BA - Individual, na Galeria Oxumaré
1957 - Salvador BA - Individual, na Galeria Oxumaré 
1960 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Santa Rosa
1966 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MNBA
1974 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MNBA 
1981 - Rio de Janeiro RJ -  Individual, na B-75 Concorde Galeria de Arte
1983 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na B-75 Concorde Galeria de Arte
1985 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na B-75 Concorde Galeria de Arte 
1986 - Brasília DF - Individual, na Performance Galeria de Arte
1987 - Salvador BA - Individual, na Época Galeria de Arte

Exposições Coletivas

1952 - Rio de Janeiro RJ - 1º Salão Nacional de Arte Moderna
1953 - Rio de Janeiro RJ - 2º Salão Nacional de Arte Moderna
1953 - Rio de Janeiro RJ - Salão da Juventude - medalha de ouro
1954 - Goiânia GO - Exposição do Congresso Nacional de Intelectuais
1954 - Rio de Janeiro RJ - Salão Preto e Branco
1955 - Rio de Janeiro RJ - 4º Salão Nacional de Arte Moderna
1955 - Salvador BA - Salão Baiano de Belas Artes - menção honrosa
1956 - Rio de Janeiro RJ - 5º Salão Nacional de Arte Moderna
1956 - Salvador BA - Salão Baiano de Belas Artes - Prêmio Cidade de Salvador
1957 - Cidade do México (México) - 1ª Bienal do México
1957 - Rio de Janeiro RJ - 6º Salão Nacional de Arte Moderna
1957 - Rio de Janeiro RJ - Salão do Trabalho - 1º prêmio
1957 - São Paulo SP - Artistas da Bahia, no MAM/SP
1958 - Rio de Janeiro RJ - 7º Salão Nacional de Arte Moderna - prêmio de viagem ao exterior
1958 - Rio de Janeiro RJ - Salão do Mar
1959 - São Paulo SP - 5ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho
1961 - Madri (Espanha) - Coletiva, no Taller Boj
1962 - Rabat (Marrocos) - Exposição de Artistas Brasileiros
1962 - Tânger (Marrocos) - Exposição de Artistas Brasileiros
1962 - Casablanca (Marrocos) - Exposição de Artistas Brasileiros
ca.1968 - Rio de Janeiro RJ - Resumo de Arte do Jornal do Brasil, no MAM/RJ - Troféu Jornal do Brasil
1969 - Porto Alegre RS - Panorama das Artes no Rio Grande do Sul
1971 - Porto Alegre RS - 1º Salão de Artes Visuais da UFRGS - prêmio aquisição
1975 - Israel - Artistas Brasileiros
1975 - Estados Unidos - Artistas Brasileiros
1975 - México - Artistas Brasileiros
1983 - Rio de Janeiro RJ - 6º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Aldemir Martins - Macambira (Sertão)
Macambira (Sertão)
Vik Muniz - Pictures of Junk Series: Melancholy
Pictures of Junk Series: Melancholy
Oscar Satio Oiwa - Guarda-Chuva Exposta à Chuva Dourada
Guarda-Chuva Exposta à Chuva Dourada