Escritoriodearte.com > Artistas > Jean Leon Pallière

Jean Leon Pallière

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

BIOGRAFIA

Jean Leon Pallière (Rio de Janeiro RJ 1823 - Paris, França 1887)

Litógrafo, aquarelista, decorador e professor.

Filho do pintor Arnaud Julien Pallière (1784 - 1862) e neto do arquiteto Grandjean de Montigny (1776 - 1850). Jean Leon Pallière Grandjean Ferreira mudou-se para Paris em 1830, cidade em que inicia o aprendizado artístico freqüentando o ateliê do pintor François-Edouard Picot (1786 - 1868). Em 1848, retorna ao Rio de Janeiro, passa a estudar na Academia Imperial de Belas Artes - Aiba e, no ano seguinte, recebe o prêmio viagem ao exterior. Em 1850, viaja para Roma e estuda na Academia de França. Prolonga sua estada na Europa, e freqüenta curso de gravura em Paris, em 1853. De volta ao Brasil, em 1855, Pallière realiza a série Alegoria das Artes Plásticas para o teto da biblioteca da Aiba, no Rio de Janeiro. No ano seguinte, muda-se para Buenos Aires, onde leciona desenho na Escuela Normal del Colegio de Huérfanos, e, dois anos mais tarde, vai para o Chile. No início da década de 1860, percorre o litoral brasileiro, visitando Bahia, Rio de Janeiro, Paraná e Santa Catarina. Em 1864, publica o Album Pallière. Escenas Americanas. Reducción de Cuadros, Aquarelles y Bosquejos, composto de cerca de 50 litografias de trabalhos realizados em suas viagens. Em 1866, muda-se para Paris, onde, até 1882, participa de diversas edições do Salão de Paris. Em 1945, a editora Peuser publica os diários de suas viagens sul-americanas.

Comentário Crítico

Jean Leon Pallière é filho do pintor francês Arnaud Julien Pallière (1784 - 1862) e neto de Grandjean de Montigny (1776 - 1850), arquiteto integrante da Missão Artística Francesa. Realiza seus primeiros estudos artísticos com Félix Taunay (1795 - 1881), na Academia Imperial de Belas Artes - Aiba, e aperfeiçoa-se posteriormente na França.

O crítico de arte Gonzaga Duque (1863 - 1911) ressalta que o artista, dotado de um desenho encantador, especializa-se, inicialmente, em temas religiosos e mitológicos. É autor da decoração do teto da biblioteca da Aiba, considerada uma de suas obras mais relevantes. O crítico comenta ainda a tela Fauno e Bacante (s.d.), e afirma que a sua pintura é fina, o contorno suave, o toque delicado e a perspectiva aérea profunda, "nesse quadro tudo é sensual. O corpo da bacante tem uma provocante opulência de redondezas, de curvas, de proeminências tépidas."1

Após seu retorno da França, permanece por longo tempo na Argentina. Leciona desenho na Escuela Normal del Colegio de Huérfanos, em Buenos Aires, e, estimulado pelos êxitos dos álbuns ilustrados de Vidal (1791 - 1861) e Ouseley (1797 - 1866), inicia viagens por países sul-americanos, nas quais realiza desenhos em que enfoca os costumes e tradições locais, destinados a um álbum de cenas americanas, com 51 litografias, lançado em 1864.

Nesse período, Pallière percorre do Nordeste ao Sul do Brasil. De sua estada na região no Paraná, restam duas aquarelas, Canoa do Rio Paranaguá (s.d.) e Tropa Carregada de Mate Descendo a Serra (s.d.), obras que, segundo o estudioso Newton Carneiro, destacam-se pela qualidade da pintura e pelo tema. Esse último trabalho possui também interesse histórico, por constituir um importante registro da atividade com a erva-mate na região, além de documentar uma das vias de acesso ao mar utilizada na época.

Notas
1 DUQUE, Gonzaga. A Arte brasileira. Campinas: Mercado de Letras, 1995. p. 126.

Críticas

"Leão Palliere Grandjean Ferreira foi um distincto artista, dotado de verdadeiro engenho e habilidade. Unindo decidido culto do bello antigo á facilidade de um desenho encantador, fez especialidade dos assumptos bíblicos e das allegorias com primoroso gosto de composição, de estilo e de côr".
Gonzaga Duque Estrada
DUQUE, Gonzaga. A arte brasileira: pintura e esculptura. Rio de Janeiro: s. ed. , 1888.

Exposições Coletivas

1852 - Rio de Janeiro RJ - 12ª Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba
1859 - Rio de Janeiro RJ - 13ª Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba
1863 - Paris (França) - Salão de Paris
1876 - Paris (França) - Salão de Paris - menção honrosa
1879 - Rio de Janeiro RJ - 25ª Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba
1884 - Rio de Janeiro RJ - 26ª Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba
1891 - Rio de Janeiro RJ - Exposição Geral de Belas Artes

Exposições Póstumas

1943 - Rio de Janeiro RJ - Pintura no Brasil
1948 - Rio de Janeiro RJ - Retrospectiva da Pintura no Brasil, no MNBA
1953 - São Paulo SP - 2ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão dos Estados 
1966 - Estados Unidos - Mostra de Arte da América Latina - itinerante
1986 - Curitiba PR - Tradição/Contradição, no MAC/PR
1990 - Curitiba PR - 9ª Mostra de Gravura Cidade de Curitiba. A Litografia no Paraná, no Museu Guido Viaro
1991 - São Paulo SP - O Desejo na Academia: 1847-1916, na Pinacoteca do Estado
2002 - São Paulo SP - Imagem e Identidade: um olhar sobre a história na coleção do Museu de Belas Artes, no Instituto Cultural Banco Santos

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Willys de Castro - Estudo para Pintura
Estudo para Pintura
Mario Céspedes - Duas Mulheres
Duas Mulheres
Domenico Calabrone - Cavalo com Três Cabeças
Cavalo com Três Cabeças