Escritoriodearte.com > Artistas > Hércules Florence

Hércules Florence

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Hércules Florence (Nice, França 1804 - Campinas SP 1879)

Desenhista, pintor, fotógrafo, tipógrafo, litógrafo, professor, inventor.

Antoine Hercule Romuald Florence chega ao Brasil em 1824. Trabalha no comércio e numa empresa tipográfica, antes de ingressar na Expedição Langsdorff como desenhista, entre 1825 e 1829, ocasião na qual concebe um método para a transcrição do canto dos pássaros denominado zoophonia. Reside na Vila de São Carlos (atual Campinas), onde inventa um processo fotográfico em 1833, batizado de photographie [fotografia]. É responsável por diversas outras invenções, entre elas a polygraphie [poligrafia], um sistema de impressão simultânea de todas as cores primárias. Em 1842, lança O Paulista - o primeiro jornal do interior da província de São Paulo - e, em 1858, imprime em sua litografia o Aurora Campineira, o primeiro jornal de Campinas. Seu talento múltiplo atrai a atenção do imperador dom Pedro II (1825 - 1891), que o visita em Campinas, em 1876. É autor de vários livros, entre os quais se destaca Viagem Fluvial do Tietê ao Amazonas, publicado em 1875.

Comentário Crítico

Pouco se sabe da vida de Hercule Florence antes de sua chegada ao Rio de Janeiro, em 1824, como tripulante de um navio francês. Filho de médico militar e uma nobre francesa, desde cedo demonstra interesse por desenho, ciências e pelas famosas expedições de viajantes europeus ao Novo Mundo.  Não há certeza de que tenha aprendido a desenhar de forma autodidata. No Rio de Janeiro emprega-se na loja de modas do francês senhor Dillon e depois na livraria do senhor Plancher. Como resultado de resposta a um anúncio, em setembro de 1825 parte com a Expedição Langsdorff (1821-1829) - viagem científica idealizada pelo cônsul russo Barão Langsdorff (1773 - 1852) - na condição de segundo desenhista. O grupo vai para Santos de navio e segue para a Amazônia pelo interior do país. De 1826 a 1829 percorre os atuais Estados de São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Amazonas e Pará. Florence realiza uma série de desenhos e aquarelas, nos quais retrata a fauna, a flora, a paisagem e a população dos locais visitados, que, com os trabalhos do artista alemão Rugendas (1802 - 1858) e do desenhista francês Adrien Taunay (1803 - 1828), constituem a única documentação visual dessa aventura que custou a sanidade do próprio cônsul.

Nos trabalhos realizados por Florence, conservados na Academia de Ciências de Moscou, revela-se seu olhar objetivo e minucioso na tarefa de representação da natureza. A historiadora Ana Maria Beluzzo acredita que, em busca de um traçado linear homogêneo e impessoal, o artista teria utilizado a camera lucida na produção de seus desenhos. Meticuloso, o artista assinala as condições de observação de cada registro feito: data e local da coleta, dimensões do exemplar documentado, as proporções entre o tamanho do referente e da referência, se são imagens elaboradas com plantas secas ou animais empalhados etc. Sua visão analítica apreende o objeto em seu todo e nos detalhes. As plantas e animais são mostrados de diversos pontos de vista, por dentro e por fora, com ênfase nas características de cada gênero. No caso dos retratos etnográficos, apresenta as figuras de frente e perfil, esforçando-se em reproduzir suas particularidades (por exemplo, cor da pele, pinturas corporais, adereços e vestimentas). Nota-se que Hercule Florence procura individualizar as fisionomias e afirmar a diversidade étnica, sem recorrer a padronizações. Nas paisagens, além da topografia de cada região, interessa-se em registrar a luminosidade do céu e das nuvens.  

De volta ao Rio de Janeiro em 1829, deixa suas anotações diárias sobre a expedição com Félix Taunay (1795 - 1881), irmão de Adrien, que morre afogado em 1828 no Rio Guaporé. O manuscrito intitulado Esboço da Viagem Feita pelo Snr. Langsdorff ao Interior do Brasil desde Setembro de 1825 até Março de 1829 é traduzido e publicado por Alfredo D´Escragnolle Taunay, com o consentimento do autor, mais de 40 anos depois, entre 1875 e 1876.

Só em 1849 Hercule Florence retoma suas anotações e começa a escrever o diário completo sobre a viagem científica. Esse diário, atualmente em posse de seus descendentes, é publicado em 1977 sob o título Viagem Fluvial do Tietê ao Amazonas pelas Províncias Brasileiras de São Paulo, Mato Grosso e Grão-Pará (1825-1829).

Com o fim de seu trabalho como segundo desenhista, o artista radica-se a partir de 1830 na Vila de São Carlos, atual Campinas, em São Paulo, onde constitui família e torna-se fazendeiro, mas sem deixar a arte e as questões científicas de lado. Continua registrando a paisagem e as transformações pelas quais passa a região no decorrer do século XIX. Documenta o incremento da lavoura de cana-de-açúcar e café, o trabalho escravo nos engenhos, as queimadas e derrubada das matas para plantio e, em menor número, a capital paulista. É de Florence um dos poucos desenhos do interior da antiga Igreja da Sé (s.d) de São Paulo. Por essa produção é reconhecido como um dos pioneiros da iconografia paulista.

Hercule Florence é precursor também em outro campo: o dos processos químicos de reprodução de imagens. Em busca da simplificação dos procedimentos comuns na época (restritos aos diferentes tipos de gravura como, por exemplo, a litografia e a xilogravura), inventa, em 1830, o que chama de polygraphie [poligrafia], método de impressão em cores semelhante ao atual mimeógrafo. A partir de 1832, começa a investigar as possibilidades de fixação da imagem utilizando a câmera escura por meio de um elemento que mude de cor pela ação da luz. Com a ajuda do boticário Joaquim Correa de Mello, realiza experiências fotoquímicas que dão origem a imagens batizadas de photographie [fotografia] em 1833. Ou seja, quase na mesma época que Joseph Nicéphore Niépce (1765 - 1833) e Louis Jacques Mandé Daguerre (1781 - 1851), na França, e William Henry Fox Talbot (1800 - 1877), na Inglaterra, e sob condições científicas muito diversas, Florence produz cópias fotográficas de desenhos em Campinas.1 Entre os exemplares realizados, restam hoje as impressões fotográficas do "Diploma da Maçonaria" (ca.1833) e de rótulos de farmácia (s.d). Como reconhecimento a seu trabalho iconográfico é declarado Membro Correspondente do Instituto Histórico, Geográfico e Etnográfico do Brasil em 1877. Falece em Campinas dois anos depois.

Notas
1 Em geral, a data oficial do nascimento da fotografia recai sobre o ano de 1839. Nesse momento, a daguerreotipia - antigo processo de obtenção de imagens fotográficas inventado pelo físico e pintor francês Louis Jacques Mande Daguerre - é declarada de domínio público pelo governo francês. Ao tomar conhecimento desse fato, Hercules Florence declara: "A fotografia é a maravilha do século. Eu também já havia estabelecido os fundamentos, previsto esta arte em sua plenitude. Realizei-a antes do processo de Daguerre, mas trabalhei no exílio. Imprimi por meio do sol sete anos antes de se falar em fotografia. Já tinha lhe dado esse nome, entretanto, a Daguerre todas as honras".  Apud: MONTEIRO, Salvador (org.), KAZ, Leonel (org.). Expedição Langsdorff ao Brasil, 1821-1829: Rugendas, Taunay, Florence. Rio de Janeiro: Alumbramento : Livroarte, 1998. p. 360. 

Críticas

"(...) Florence executou diversos desenhos para documentar os lugares por onde passou a expedição e os tipos humanos que encontrou, principalmente depois da morte de outro desenhista a ela ligado, Adrien Taunay. (...) Em 1825, em São Paulo, lutando embora com a escassez de meios e a falta de ingredientes apropriados, executou, ele, trabalhos notáveis, entre os quais um retrato do futuro sogro, o grande médico e maior patriota, Álvaro Machado, e outros retratos do então barão de Congonhas do Campo, do Dr. Nicolau Pereira de Campos etc.".
Roberto Pontual
PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.

Exposições Póstumas

1946 - São Paulo SP - 12º Salão Paulista de Belas Artes, na Galeria Prestes Maia
1978 - São Paulo SP - Mostra de desenho e aquarela, Viagem Fluvial do Tietê ao Amazonas, no Masp
1980 - São Paulo SP - Fotografia Arte e Uso, no Masp
1980 - São Paulo SP - Exposição Itália-Brasil - Relações entre os Séculos XVI e XX
1984 - São Paulo SP - Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal
1988 - Rio de Janeiro RJ - Expedição Langsdorff, no Paço Imperial
1988 - São Paulo SP - Expedição Langsdorff, no MAC/USP
1989 - Campinas SP - Hércules Florence - A Fixação de uma Imagem, no MIS/Campinas
1990 - Rio de Janeiro RJ - Missão Artística Francesa e Pintores Viajantes: França - Brasil no século XIX, na Fundação Casa França-Brasil
1992 - Rio de Janeiro RJ - Natureza: quatro séculos de arte no Brasil, no CCBB
1992 - São Paulo SP - Índios no Brasil, na Fundação Bienal
1992 - Zurique (Suíça) - Brasilien: entdeckung und selbstentdeckung, no Kunsthaus Zürich
1994 - São Paulo SP - Um Olhar Crítico sobre o Acervo do Século XIX, na Pinacoteca do Estado
1995 - São Paulo SP - O Brasil de Hoje no Espelho do Século XIX: artistas alemães e brasileiros refazem a Expedição Langsdorff, no Masp
1996 - Rio de Janeiro RJ - O Brasil de Hoje no Espelho do Século XIX: artistas alemães e brasileiros refazem a Expedição Langsdorff, na Fundação Casa França-Brasil
1997 - Rio de Janeiro RJ - Exposição A Coleção do Imperador. Fotografia Brasileira e Estrangeira no Século XIX, no CCBB
2000 - Roma (Itália) - Viajantes e Naturalistas Italianos: imagens de Brasil nos séculos XVIII e XIX, no Palazzo Santacroce

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Juarez Machado - Satiricom
Satiricom
Maria Leontina - Menina com Bouquet
Menina com Bouquet