Escritoriodearte.com > Artistas > Germano Blum

Germano Blum

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Germano Blum (Recife PE 1932 - Rio de Janeiro RJ 1989)

Pintor, desenhista e cenógrafo.

Estuda na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em 1964. Em 1965 e 1966, expõe no Salão de Alunos da Escola de Belas Artes da UFRJ, obtendo Menção Honrosa em ambas as participações. Entre 1966 e 1968, integra o Grupo Diálogo, cuja proposta era divulgar as artes plásticas no ambiente universitário e no interior do país. Por meio de bolsas de estudos, tem a oportunidade de complementar sua formação no exterior. Em 1970, realiza a sua primeira individual, em Bonn (Alemanha), na Galeria Wünsche. Também no exterior, destaca-se uma exposição individual no Museu Nacional de Angola, em Luanda, sendo o primeiro artista brasileiro a expor naquele país. Entre 1978 e 1983, atua como diretor adjunto e coordenador de projeto no Instituto Nacional de Artes Plásticas da Funarte. Durante sua carreira, realiza diversas individuais e participa de coletivas. Destaca-se também como cenógrafo, recebendo o Prêmio Moliére, em 1977, por seu trabalho na peça O Último Carro, com o Grupo Opinião.

Críticas

"(...) libera o mundo do inconsciente, com sua carga de magia e de malefício (...) num desenho minucioso que se adequaria melhor à ilustração de um texto (inexistente), por isso mesmo entrando no terreno de uma certa literatura".
Walmir Ayala
AYALA, Walmir. Germano Blum. In: PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Apresentação de Antônio Houaiss. Textos de Mário Barata et al. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.

"Germano Blum completa agora vinte anos de atividade, como pintor, desenhista e cenógrafo. Tudo dentro de uma irrepreensível fidelidade a si próprio, como artista e como pessoa humana. Nas três linguagens, que se interligam em sua obra, uma presença constante é a gráfica, a força do preto e o branco, estampada às vezes numa tela, num desenho ou num cenário com toda a força expressionista que pode proporcionar a um artista. Mesmo em seus trabalhos mais ilustrativos, Germano tem sempre uma dramaticidade muito forte, não fosse ele um pesquisador atento da condição humana, da contradição do homem na sociedade onde vive. (...)"
Geraldo Edson de Andrade
GERMANO Blum: obras recentes. Apresentação de Geraldo Edson de Andrade e João das Neves. Rio de Janeiro: AM Niemeyer Artinteriores, 1986.

"Mergulhar nos quadros de Germano Blum é fazer emergir a infância. Ou o sonho. As imagens se superpõem, a negação da cor é a revelação das suas mil nuances. O fundo tem o tratamento meticuloso da superfície, o caos organiza a ordem. Esta o desorganiza. Os olhos são vagabundos de um ponto ao outro. As formas e linhas parecem estáticas, mas são cinéticas. (...)"
João das Neves
GERMANO Blum: obras recentes. Apresentação de Geraldo Edson de Andrade e João das Neves. Rio de Janeiro: AM Niemeyer Artinteriores, 1986.

Exposições Individuais

1970 - Bonn (Alemanha) - Individual, na Galeria Wünsche
1973 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Real Galeria de Arte
1973 - Curitiba PR - Individual, no MAC/PR
1975 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Mnba
1978 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MAM/RJ
1978 - Vitória ES - Individual, na Galeria Homero Massena
1970 - Bonn (Alemanha) - Individual, na Galeria Wunsche
1981 - Luanda (Angola) - Individual, no Museu Nacional de Angola
1982 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria de Arte BANERJ
1986 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Anna Maria Niemeyer
1987 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria de Arte do CCCM

Exposições Coletivas

1965 - Rio de Janeiro RJ - Salão de Alunos da Escola de Belas Artes/UFRJ - menção honrosa
1966 - Brasília DF - Salão do Distrito Federal
1966 - Curitiba PR - 23º Salão Paranaense de Belas Artes, na Biblioteca Pública do Paraná
1966 - Rio de Janeiro RJ - 15º Salão Nacional de Arte Moderna
1966 - Rio de Janeiro RJ - 1º Salão de Abril da Petite Galerie, no MAM/RJ
1966 - Rio de Janeiro RJ - Salão de Alunos da Escola de Belas Artes/UFRJ - menção honrosa
1968 - Rio de Janeiro RJ - Grupo Diálogo, na Petite Galerie
1968 - Salvador BA - Grupo Diálogo, no MAM/BA
1968 - Sófia (Bulgária) - Festival Mundial da Juventude - Cinco melhores Obras do Festival Mundial da Juventude
1970 - Munique (Alemanha) - Coletiva, na Galeria Piazzollo
1971 - Rio de Janeiro RJ - Germano Blum e Serpa Coutinho, Mnba
1972 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, na Piccola Galeria
1972 - Rio de Janeiro RJ - 4º Salão de Verão, no MAM/RJ - prêmio de aquisição
1974 - Niterói RJ - 3ª Mostra de Artes Visuais do Estado do Rio - prêmio de aquisição
1974 - Rio de Janeiro RJ - 23º Salão Nacional de Arte Moderna - isenção de júri
1975 - Rio de Janeiro RJ - 24º Salão Nacional de Arte Moderna
1977 - São Paulo SP - 14ª Bienal Internacional de São Paulo (com Grupo Opinião) - prêmio bienal internacional de São Paulo
1979 - Praga (República Tcheca) - 15ª Quadrienal de Cenografia e Arq. Teatral - menção honrosa
1980 - Rio de Janeiro RJ - O Rosto e a Obra, na Galeria Ibeu Copacabana
1981 - Brasil - Itinerante: Pablo, Pablo: uma interpretação brasileira de Guernica, na Funarte
1982 - Cidade do México (México) - 3ª Bienal Iberoamericana de Arte - menção honrosa
1983 - Curitiba PR - 5º Mostra do Desenho Brasileiro, no Teatro Guaíra 
1983 - México - 31 Artistas Gráficos Brasileiros
1984 - Bonn (Alemanha) - Artistas Brasileiros na Alemanha
1984 - Searbrucken (Alemanha) - Artista Brasileiros na Alemanha
1984 - Sttutgart (Alemanha) - Artista Brasileiros na Alemanha

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Siron Franco - O Homem
O Homem
Danilo Di Prete - Natureza
Natureza
Jenner Augusto - Natureza Morta
Natureza Morta
Manabu Mabe - Natsu No Kazê n° 02
Natsu No Kazê n° 02