Escritoriodearte.com > Artistas > Frederico Guilherme Briggs

Frederico Guilherme Briggs

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Frederico Guilherme Briggs (Rio de Janeiro RJ 1813 - idem 1870)

Pintor, litógrafo e desenhista.

Inicia seus estudos em 1826, freqüentando na Academia Imperial de Belas Artes - Aiba, os cursos de arquitetura e  pintura de paisagem, ministrados respectivamente por Grandjean de Montigny (1776 - 1850) e Félix Taunay (1795 - 1881). Em 1832, associa-se ao artista francês Édouard Philippe Rivière e inaugura a Litographia Rivière e Briggs. No ano de 1836, viaja para Londres, onde aperfeiçoa seus conhecimentos litográficos na oficina Day & Haghe. Como estagiário desse estabelecimento publica, no ano seguinte, o Panorama da Cidade do Rio de Janeiro e a Folhinha Nacional Brasileira para o Ano de 1837. Posteriormente retorna ao Rio de Janeiro, e em 1839 se responsabiliza pela impressão do periódico Caricaturista, ilustrado por Porto Alegre (1806 - 1879). No ano seguinte, Briggs imprime uma série de caricaturas, cuja autoria é atribuída a Rafael Mendes de Carvalho (1817 - 1870), e uma série de 50 ilustrações, de autoria atribuída a Joaquim Lopes de Barros Cabral. Esses trabalhos se destacam pela representação de diversos tipos urbanos do Rio de Janeiro e, reunidos, dão origem ao álbum Costumes Brazileiros, editado em 1840. Em 1843, associa-se ao litógrafo prussiano Peter Ludwig (ca.1814 - 1876) e funda a Litographia do Commercio de Ludwig e Briggs. Nesse estabelecimento realiza, em 1845, algumas folhas de rosto para o periódico Ostensor Brazileiro: Jornal Literário e Pictorial, e edita o álbum The Brazilian Souvenir: a Selection of the Most Peculiar Costumes of the Brazil, em 1846. Algumas das ilustrações apresentadas nesse trabalho estão na publicação Brazil and the Brazilians Portrayed in Historical and Descriptive Sketches, editada na Filadélfia (Estados Unidos), em 1857.

Comentário Crítico

Frederico Guilherme Briggs, brasileiro de ascendência inglesa, é um dos primeiros alunos da Academia Imperial de Belas Artes - Aiba, onde estuda pintura de paisagem com Félix Taunay (1795 - 1881) e arquitetura com Grandjean de Montigny (1776 - 1850), entre 1826 e 1834, no Rio de Janeiro.

Viaja posteriormente para a Inglaterra, onde se especializa em litografia. Realiza, em 1837, um álbum composto de quatro pranchas em cores sobre o Rio de Janeiro, intitulado Panorama da Cidade do Rio de Janeiro. Capital do Brasil. Nessas litografias a cidade é tomada em quatro vistas, que abrangem principalmente o quadrilátero urbano: na primeira está representada uma paisagem vista do morro de Santo Antônio, abarcando o convento de mesmo nome e o morro do Castelo; na segunda é enfocada a atual praça Tiradentes, no centro da cidade, o morro da Conceição e o campo de São Cristovão; na terceira estão o Morro de Santo Antônio, o morro e convento de Santa Teresa, e ao fundo a baía de Guanabara e Pão de Açúcar; e na quarta são vistos principalmente o morro e convento de Santa Teresa e o bairro do Catumbi. Para o historiador Gilberto Ferrez, suas vistas destacam-se não só pelo caráter artístico como também pela elaboração, perspectiva, detalhes arquitetônicos e beleza dos primeiros planos.

Em 1840, o artista abre no Rio de Janeiro a Litografia Briggs, onde realiza a impressão de documentos, faturas, músicas, etiquetas para farmácia e também produz litografias artísticas. Entre elas, destaca-se uma série de desenhos satíricos, abordando cenas e tipos populares ou relativos à crítica política, atribuídos a Rafael Mendes de Carvalho (1817 - 1870) e a Porto Alegre (1806 - 1879). Pela sua oficina, é publicada a série Costumes do Brasil, com 50 lâminas coloridas, que abordam diversos aspectos da vida no Rio de Janeiro. A coleção é vendida completa ou em exemplares avulsos. Segundo o escritor Herman Lima, com tal série parece ter se encerrado a voga das caricaturas avulsas, já que, em 1844, com o surgimento de A Lanterna Mágica, de Porto Alegre, inicia-se o ciclo de publicações ilustradas com desenhos humorísticos.

Briggs teve importante atuação no desenvolvimento da técnica da litografia assim como na divulgação das estampas litográficas no Brasil.

Críticas

"As estampas e tipos de rua da Litografia Briggs também não pertencem àquele gênero de retrato, ornado por uma bela moldura, destinado a ser exibido nos Salões da Academia Imperial de Belas Artes ou nas paredes de luxuosos palacetes. Na há ali retratos da "boa sociedade", embora estes também tenham sido impressos em sua oficina, usando as mesmas ferramentas e pedras litográficas. As figuras representadas nestas pequeninas estampas,não freqüentando salões de arte nem residências aristocráticas, só podiam ser encontradas nas ruas, becos, travessas, fontes, chafarizes e portas de igreja da cidade. Foram retratadas para serem multiplicadas às dezenas, em folhas avulsas ou em pequenos álbuns destinados à circulação pública e à apropriação descompromissada, embora pudessem servir a relatos ou estudos de viagem. Por isto mesmo, essas estampas são registros que categorizam os indivíduos, procurando documenta-los a partir de seus gestos, atitudes, roupas, atributos e ocupações. A linguagem dos corpos e as diferenciações de gênero, origem ou atividades são realçadas, numa época em que a imagem fotográfica ainda não era uma realidade capaz de faze-lo. (...) Como personagens anônimos e, ao mesmo tempo, emblemáticos de determinada época e lugar, os tipos representados pela Litografia Briggs descendem de uma longa tradição, criada e recriada na cultura ocidental pela ciência, pela literatura e pelas artes visuais. Da arte de conhecer o "caráter" das pessoas por seus trações fisionômicos (...) A caracterização do tipo de rua configura-se, assim, como uma estratégia de representação da unidade a partir de um conjunto variado de possibilidades e, ao mesmo tempo, como uma das formas de expressão da identidade de determinado grupo, caracterização moldada entre nós no gosto pelo pitoresco e no viés etnocêntrico da crônica de costumes. (...) Nesse sentido, se a documentação de tipos de rua pela Litografia Briggs não tem o mérito do pioneirismo, ela tem entre nós a particularidade de representar uma iniciativa precursora na exploração comercial e editorial desse gênero de iconografia, sistematicamente "reinventada" por artistas, fotógrafos e cronista no país nas décadas seguintes". 
Maria Inez Turazzi
TURAZZI, Maria Inez (org.). Tipos e Cenas do Brasil imperial; a Litografia Briggs na Coleção Geyer. Petrópolis: Museu Imperial, 2002. p.31-33

Exposições Coletivas

1829 - Rio de Janeiro RJ - Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba
1830 - Rio de Janeiro RJ - Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba

Exposições Póstumas

1999 - Rio de Janeiro RJ - O Brasil Redescoberto, no Paço Imperial
2000 - Rio de Janeiro RJ - Visões do Rio na Coleção Geyer, no CCBB

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Lothar Charoux - Sem Título
Sem Título
Antonio Gomide - Soldado Constitucionalista
Soldado Constitucionalista
Taisa Nasser - A Menina de Rodin em 4D
A Menina de Rodin em 4D
Eduardo Sued - Sem Título
Sem Título