Escritoriodearte.com > Artistas > Fernando Pierucetti

Fernando Pierucetti

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

BIOGRAFIA

Fernando Pierucetti (Belo Horizonte MG 1910 - idem 2004)

Pintor, cartunista, desenhista, ilustrador, professor e artista gráfico.

Também conhecido como Mangabeira e pelo psedônimo Luiz Alfredo, é formado pela Academia Imperial de Belas Artes, no Rio de Janeiro e freqüenta o ateliê do artista Luiz Teixeira, em Itajubá. Na década de 1920, vive em Belo Horizonte, onde trabalha como ilustrador e cartunista de diversos órgãos da imprensa local, como os jornais Folha da Noite, O Estado de Minas e Folha de Minas e as revistas Montanheza, Belo Horizonte, Alterosa e Vida de Minas. Nos anos de 1940, ainda atuando na imprensa mineira, cria os personagens galo e raposa, que tornaram-se símbolos respectivamente dos clubes de futebol Atlético e Cruzeiro e, posteriormente a charge do coelho, até hoje mascote do América Mineiro. Nessa época, paralelamente ao trabalho de ilustrador de livros e jornais, leciona desenho no Ginásio Mineiro.

Críticas

"A obra que obteve o 1º prêmio naquela Exposição de Arte Moderna, em 1936, intitula-se 'Miséria'. É de autoria do artista gráfico Fernando Pierucetti, que se apresentou com o pseudônimo de Luiz Alfredo. É um desenho vigoroso, de temática social-urbana, tão em voga na década de 30, cujas formas, em estilo expressionista, tentam mostrar um recorte cotidiano da capital mineira, naqueles dias agitados pela tensão política que dominava o País. Assim, quando procurei Fernando Pierucetti, no início dessa pesquisa, nem sabia ele sabia onde a obra se encontrava. Mas, estimulado pelo resgate histórico do Salão, muito me ajudou nessa busca, até localizá-lo. Ele havia deixado essa obra com o intelectual Fritz Teixeira Sales, que pretendia não só divulgar o evento, como também ajudar o jovem artista. Mas o clima político-ideológico que se instaurou no País a partir do Estado Novo e as ameaças ao artista, pelo conteúdo social de seu trabalho, facilitaram o desaparecimento de sua obra. Ela foi resgatada, agora, embora tenha sofrido danos ao longo desse tempo em que permaneceu desaparecida, dada as idéias sociais subjacentes àquelas formas artísticas".
Geraldo Magalhães
O MODERNISMO em Minas : o salão de 1936. Belo Horizonte : Museu de Arte de Belo Horizonte, 1986. [p. 9. ]

Exposições Coletivas

1936 - Belo Horizonte MG - 1ª Esposição de Arte Moderna de Belo Horizonte, no Bar Brasil - primeiro prêmio de desenho
1986 - Belo Horizonte MG - O Modernismo em Minas: o Salão de 1936, no Espaço Cultural Casa do Baile
1996 - Belo Horizonte MG - Emergência do Modernismo, no Museu Mineiro
2001 - Belo Horizonte MG - Modernismo em Minas: ícones referenciais, no Itaú Cultural
2001 - Penápolis SP - Modernismo em Minas: ícones referenciais, na Galeria Itaú Cultural

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Candido Portinari - Dois Homens
Dois Homens
Antonio Henrique Amaral - Rotura Umbelical
Rotura Umbelical
Claudia Jaguaribe - Série Rio de Janeiro
Série Rio de Janeiro
Alexandre Rapoport - Cantata 43
Cantata 43