Escritoriodearte.com > Artistas > Ferdinand Krumholz

Ferdinand Krumholz

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Ferdinand Krumholz (Hof - atual Dvorce, Morávia - atual República Tcheca 1810 - Berna, Suíça 1878)

Pintor.

Inicia a formação artística na Academia de Belas Artes de Viena e continua os estudos na Academia de Belas Artes de Veneza, Itália. No começo da década de 1830, visita Nápoles e Roma. Permanece em Paris, entre 1834 e 1845, realizando muitos retratos. Freqüenta cursos de pintura na Academia de Belas Artes e participa dos Salões de Paris. Torna-se protegido da duquesa de Nemours e do duque de Coburgo e retrata, a partir de então, diversas personalidades da aristocracia francesa. Recomendado como pintor à corte portuguesa, em 1844, fixa residência em Lisboa. Pinta, entre outros, os retratos da rainha Maria da Glória I e de seu marido, o príncipe Ferdinando da Saxônia. É nomeado membro da Academia Portuguesa e Cavaleiro da Ordem de Cristo. Em 1848, transfere-se para o Rio de Janeiro, onde se torna o principal retratista da corte e membro honorário da Academia Imperial de Belas Artes - Aiba. Em 1849, participa da 10ª Exposição Geral de Belas Artes, e recebe o título de Cavaleiro da Imperial Ordem da Rosa.

Comentário Crítico

O pintor Krumholz é um dos principais retratistas em atividade no Rio de Janeiro na segunda metade do século XIX. Inicia a formação artística na Akademie der bildenden Künste Wien [Academia de Belas Artes de Viena] e, posteriormente, continua seus estudos na Itália. O artista vive entre 1834 e 1845 em Paris, onde pinta muitos retratos. Participa freqüentemente dos Salões de Paris. Torna-se protegido da duquesa de Nemours e do duque de Coburgo e pinta, a partir de então, diversas personalidades da nobreza francesa.

Recomendado como pintor à corte portuguesa, em 1844, fixa residencia em Lisboa e retrata, entre outros, a rainha Maria da Glória I e seu marido, o príncipe Ferdinando da Saxônia. Em 1848, transfere-se para o Rio de Janeiro, onde se torna o principal retratista da corte e membro honorário da Academia Imperial de Belas Artes - Aiba.

O historiador da arte Luciano Migliaccio ressalta que o artista introduz na pintura da época uma caracterização psicológica e moral mais íntima, produzindo obras que não raramente se situam entre o universo oficial e familiar. Para o crítico de arte Gonzaga Duque (1863 - 1911), o retrato que Krumholz faz do pintor Porto Alegre (1806 - 1879), em 1848, é uma das obras que contribui para o seu sucesso no Brasil: "estilo de mestre, desenho que pode ser taxado rigoroso ou irrepreensível, colorido claro e exato, e expressão admirável pela naturalidade, fazem desse retrato obra de inestimável valor".

Após cinco anos de permanência no Brasil, Krumholz retorna a Alemanha em 1853. O artista realiza em seguida uma viagem para a Índia, onde produz diversas marinhas e pinturas relativas à vida cotidiana em Bombaim e Calcutá. Em 1858, fixa residência em Paris, onde prossegue em sua atividade como retratista.

Críticas

"A sucessão de artistas franceses e italianos é interrompida com a vinda do pintor alemão Ferdinand Krumholz (...), que trouxe contribuição muito particular através de sensibilidade já tocada de certo romantismo, além de condições técnicas que se diferenciavam da pintura acadêmica francesa predominante. Conquanto haja feito estudos também na França e na Itália, após formação inicial em Viena, sua obra realizada no Brasil, sobretudo no gênero do retrato, que foi o que mais praticou, acrescenta à nossa pintura uma parcela de sentimento nórdico europeu. Daí, aliás, o interesse que despertou, valendo por uma clara preferência durante os cinco anos em que aqui permaneceu, apesar da forte competição motivada pela concorrência de outros bons retratistas. (...) O que assegura à pintura preferência para o retrato, ao longo de todo o século XIX e boa parte do século corrente, apesar do surpreendente progresso da técnica fotográfica, foi a atração adquirida em vista dos caminhos inventivos pelos quais enveredaram os métodos de representação artística. Mas Krumholz ainda se situa no limite de expressão em que sua arte não possuía rivais de natureza tecnológica, assenhorando-se de um campo específico no qual prevaleciam a habilidade e a sensibilidade individuais no mister da competição".
Quirino Campofiorito
CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.

Exposições Coletivas

1841 - Paris (França) - Salão de Maio - Medalha de Ouro
1848 - Rio de Janeiro RJ - 9ª Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba
1849 - Rio de Janeiro RJ - 10ª Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba - Condecorado como Cavaleiro da Ordem Imperial da Rosa
1850 - Rio de Janeiro RJ - 11ª Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba
1852 - Rio de Janeiro RJ - 12ª Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba

Exposições Póstumas

1881 - Rio de Janeiro RJ - Exposição de História de 1881, no MNBA
1983 - São Paulo SP - História da Pintura Brasileira no século XIX, no Paço das Artes
1987 - Rio de Janeiro RJ - Arte Européia do Século XIX, no MNBA
1989 - São Paulo SP - Pintores Alemães no Brasil Durante o Século XIX, no Museu da Casa Brasileira
1994 - Rio de Janeiro RJ - Os Pintores Viajantes- Acervo MNBA, no MNBA
1996 - São Paulo SP - O Labirinto da Moda, no Sesc/Pompéia
1997 - São Paulo SP - Salão de Artes e Antiguidades, no Clube A Hebraica
1999 - Rio de Janeiro RJ - O Brasil Redescoberto, no Paço Imperial
2000 - São Paulo SP - Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento, na Fundação Bienal
2002 - São Paulo SP - Imagem e Identidade: um olhar sobre a história na coleção do Museu de Belas Artes, no Instituto Cultural Banco Santos

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Victor Brecheret - Mulher Reclinada
Mulher Reclinada
Sandra Cinto - Po-ética-mente (da série Palavras Ocultas)
Po-ética-mente (da série Palavras Ocultas)