Escritoriodearte.com > Artistas > Ester Grinspum

Ester Grinspum

OBRAS DO ARTISTA

Ester Grinspum - Ourinhos

Ourinhos

folha de ouro, acrilica e grafite sobre papel
2005
50 x 50 cm
ass. inf. dir.
Conjunto com 10 obras.

Preço: Sob Consulta
Ester Grinspum - Esquilo

Esquilo

Nanquin e guache sobre papel
1982
50 x 70 cm
Ass.Inf.Dir.
Exercício gráfico II (para colorir)

Preço: Sob Consulta

BIOGRAFIA

Ester Grinspum (Recife PE 1955)

Desenhista, escultora, gravadora, pintora e ilustradora. Estuda com Luiz Paulo Baravelli (1942) e Marcello Nitsche (1942) no Instituto de Arte e Decoração - Iade. Estuda na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP, entre 1973 e 1977. Nesse período, mantém contato com os artistas Renina Katz (1926), Flávio Império (1935-1985), Claudio Tozzi (1944), Flávio Motta (1916), e com os críticos Aracy Amaral (1930) e Luiz Carlos Daher. Em 1981, realiza sua primeira individual, com desenhos e aquarelas, na Pinacoteca do Estado de São Paulo - Pesp. A artista revela, em sua produção dos anos 1980, o diálogo com a história da arte local e internacional. Em 1988, realiza sua primeira escultura, que integra a instalação O Duplo e o Tempo, apresentada na 20ª Bienal Internacional de São Paulo, no ano seguinte. Na década de 1990, recebe, entre outras, bolsa de pesquisa para artistas da Fundacion Helena Segy, Paris; bolsa de trabalho do European Ceramic Work Center, em s'Hertogenbosch, Holanda; e bolsa de residência na Cité des Arts, Paris. Em 2004, é apresentada a mostra Ester Grinspum - Uma Antologia, na Pesp, com curadoria do historiador da arte Tadeu Chiarelli.

Comentário crítico

A carreira de Ester Grinspum, como nota o historiador da arte Tadeu Chiarelli, vem se construindo na busca de uma interioridade que se opõe à clareza e à lógica construtiva que pautaram certos postulados da modernidade. Assim, a artista emprega um vocabulário premeditadamente subjetivo, constituído tanto por ícones de sua própria criação quanto por aqueles da história da arte. Esses propósitos já estão presentes em sua produção inicial de desenhos, na década de 1980. A artista volta-se posteriormente ao campo tridimensional. Realiza esculturas de madeira, envoltas por papel (1994); em chapas de metal, formando cilindros fechados (1997) ou labirintos; ou ainda esculturas com fitas de metal dispostas em curvas concêntricas (1999), nas quais está presente a procura de um espaço voltado para si mesmo, misterioso.

Na instalação O Chão e as Mesas, apresentada no Paço das Artes, em São Paulo, em 2002, Ester Grinspum parte de objetos de uso cotidiano, retirando-lhes, porém, seu aspecto familiar. O chão recoberto de chapas de cobre revela como que uma luta entre a materialidade do metal e sua imaterialização pela ação luz. Em instalações criadas posteriormente, a artista dá continuidade à sua busca de subjetividade, de interioridade e do convite à reflexão, freqüente em sua trajetória artística.

Críticas

"A produção inicial de Ester Grinspum é o desenho, que buscava sua existência entre a transitoriedade da linha e a fixidez dos volumes imaginados numa arquitetura de estranhezas. Aí fixa-se sua preocupação com o tempo e o lugar (=espaço). Sua escultura, nos fins da década de 80, é como se seus desenhos tivessem escapado do papel para ganhar o mundo. Na sua escultura inicial, a forma de vaso (O Duplo e o Tempo, 1989), Grinspum alude à comparação, por Aristóteles, do lugar como vasilha, isto é, com o lugar transportável e, ipso facto, tempo. Alguns desses vasos-esculturas têm forma orgânica, como fruto ou corpo, sede do olhar e já distanciados do seu modelo estético grego. Em Coluna, 1991, cujo título remete ao elemento marcante da arquitetura grega, Grinspum cria estruturas de linhas tortas e não simétricas que conduzem o fluxo do olhar. A obra é um ´desenho´ que cumpre a função clássica de anunciar a existência da forma. O ponto de vista reconstrói o todo e redescobre novas organizações da coluna. O olhar que resvala sobre a linha-trilho. A simultaneidade, como no Lacoonte, defronta-se com outras dimensões temporais. É que o tempo é a realidade regente-cambienta e inapreensível. A escultura já é quase o monolito sem corpo. É o vazio envolto pelo olhar, é o ar que respiramos, porque sua dimensão, como na Grécia clássica, tem relação com a medida do homem".
Paulo Herkenhoff
O CLÁSSICO no contemporâneo. Curadoria Paulo Herkenhoff. São Paulo: Paço das Artes, 1991.

"Assim, num paradoxo total, o desenho incerto de Ester Grinspum é mais definitivo que as suas formas esculturais, mesmo as mais acentuadas. Há portanto entre ambos uma espécie de continuidade de pensamento por inversão, uma pesquisa aturada que gira em torno da permanência da forma e sua fugacidade.

As esculturas que ela expõe hoje se aproximam desta problemática de maneira ainda mais precisa. As linhas paralelas que as estruturam, formas geométricas reputadas por sua rigidez e pela universalidade de suas normas, vacilam na luz que as banha e atraiçoa. Estas esculturas são como uma geometria acuada que se instala no espaço, oferecendo ao olho, escravo desses sonhos instáveis, um abismo para perder os pontos de referência. É preciso portanto pensar os desenhos e as esculturas de Ester Grinspum como duas ordens de objetos que falam do mesmo estremecimento da arte à busca de uma afirmação impossível, como o êxtase efêmero do gesto artístico, agarrando numa felicidade frágil o que só tem a duração da felicidade e da arte: o instante".
Jacques Leenhardt
GRINSPUM, Ester. Ester Grinspum. Texto Jacques Leenhardt. São Paulo: Paulo Figueiredo Galeria de Arte, 1991.

"Se se reconhecesse logo a fisionomia de algumas de suas formas preferidas, além do impacto inicial de um risco tão peculiar, o que se tem é o resultado de um processo de depuração. Contidas, mais circunscritas do que nunca, as formas desenhadas e coladas chegam a enrugar o papel e como que pedem, ao salientar-se, para saltar dele.

E de fato saltam. As duas esculturas que também fazem parte da exposição são uma transposição precisa de seu traço para um ambiente real e uma escala humana. Se uma é opaca e de metal, e a outra vazada e de madeira, e portanto à primeira vista bem diferentes, a linha nelas molda um lugar, ou ainda, torna-se lugar com a mesma nitidez e concisão dos desenhos".
Alberto Tassinari
Tassinari, Alberto. Obras de Ester Grinspum excluem o espaço. In: Folha de S. Paulo, São Paulo, 10 abr. 1991.

Acervos

Acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo/Brasil
Brooklin Museum - New York (EUA)
Centro Wilfedro Lam, Havana (Cuba)
Coleção Gilberto Chateaubriand - MAM RJ
Coleção  Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP 
Coleção Museu de Arte Moderna da Bahia - MAM (Salvador BA)
Coleção Museu de Arte Moderna de  São Paulo - MAM SP
Fundação Nacional  de Artes - Funarte (Rio de Janeiro RJ)
Museu de Arte da Pampulha - MAP (Belo Horizonte MG)
Pinacoteca Municipal/Centro Cultural São Paulo (SP)

Exposições Individuais

1981 - São Paulo SP - Desenhos e Aquarelas, na Pinacoteca do Estado de São Paulo
1983 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Funarte. Galeria Macunaíma 
1983 - São Carlos SP - Individual, na Itaugaleria
1983 - São Paulo SP - Sobre uma Têmpera Egípcia, no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP
1984 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Suzanna Sassoun
1985 - Brasília DF - Individual, na Paulo Figueiredo Galeria de Arte 
1985 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Paulo Klabin
1986 - São Paulo SP - Stultifera Navis, na Paulo Figueiredo Galeria de Arte
1988 - Vitória ES - O Arco e a Caverna, na Galeria Usina
1988 - Belo Horizonte MG - O Arco e a Caverna, na Galeria Gesto Gráfico
1989 - São Paulo SP - Os Duplos, na Paulo Figueiredo Galeria de Arte
1991 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Paulo Figueiredo
1991 - Recife PE - Individual, na Passárgada de Arte Contemporânea                                         
1991 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Centro Cultural Cândido Mendes - CCCM
1992 - São Paulo SP - Individual, na Pinacoteca Municipal/Centro Cultural de São Paulo (SP)
1993 - Paris (França) - Individual, na Galerie Lil'Orsay
1993 - São Paulo SP - Individual, no MAC/USP
1994 - São Paulo SP - Estigmas, na Paulo Figueiredo Galeria de Arte
1995 - Paris (França) - Individual, na Galerie Lil'Orsay
1997 - São Paulo SP - Do Lugar, na Marília Razuk Galeria de Arte
1997 - Rio de Janeiro RJ - Do Lugar, no Paço Imperial
1997 - Montbéliard (França) - Individual, no Centre Régional d'Art Contemporain
1998 - Langres (França) - Individual, no Musée de Langres
1998 - Bruxelas (Bélgica) - Individual, na Fundação Casa-Brasil
2000 - São Paulo SP - O Nó, na Marília Razuk Galeria de Arte
2000 - São Paulo SP - Arte e Jornal: Ester Grinspum na Folha de S. Paulo, no Espaço Cultural da Biblioteca Nadir Kfouri  
2001 - São Paulo SP - O Ateliê, no Centro Universitário Maria Antonia  
2002 - São Paulo SP - O Chão e as Mesas, no Paço das Artes
2003 - São Paulo SP - História, na Marília Razuk Galeria de Arte  
2004 - São Paulo SP - Ester Grinspum: uma antologia, na Pinacoteca do Estado de São Paulo
2006 - São Paulo SP - individual, na Marília Razur Galeria de Arte

Exposições Coletivas

1981 - Recife PE - Salão de Artes Plásticas de Pernambuco, no Museu do Estado de Pernambuco
1981 - Ribeirão Preto SP - 6º Salão de Arte de Ribeirão Preto, na Casa da Cultura de Ribeirão Preto 
1981 - Rio de Janeiro RJ - 4º Salão Nacional de Artes Plásticas, no Museu de Arte Moderna/RJ - prêmio aquisição
1982 - Belém PA - Projeto Arco-Íris Inap/Fundação Nacional da Arte - Funarte
1982 - Brasília DF - Projeto Arco-Íris Inap/Funarte
1982 - Cuiabá MT - Projeto Arco-Íris Inap/Funarte
1982 - Fortaleza CE - Projeto Arco-Íris Inap/Funarte
1982 - Manaus AM - Projeto Arco-Íris Inap/Funarte
1982 - São Luís MA - Projeto Arco-Íris Inap/Funarte
1982 - Belo Horizonte MG - 14º Salão Nacional de Arte Contemporânea de Belo Horizonte, no Museu de Arte da Pampulha - MAP - prêmio Andrade Gutierrez 
1982 - Rio de Janeiro RJ - 5º Salão Nacional de Artes Plásticas
1982 - São Paulo SP - 1º Salão Paulista de Arte Contemporânea, na Fundação Bienal  
1983 - Curitiba PR - 5ª Mostra de Desenho Brasileiro, na Fundação Teatro Guaíra
1983 - Rio de Janeiro RJ - 6º Salão Nacional de Artes Plásticas
1983 - Santo André SP - 11º Salão de Arte Contemporânea de Santo André, no Paço Municipal  
1983 - São Paulo SP - Os Jovens no Acervo da Pinacoteca, na Pinacoteca do Estado
1984 - Fortaleza CE - 7º Salão Nacional de Artes Plásticas 
1984 - Havana (Cuba) - 1ª Bienal de Havana
1984 - Belo Horizonte MG - Brasil Desenho, no Palácio das Artes de Belo Horizonte
1984 - Rio de Janeiro RJ - Brasil Desenho, na Galeria Sergio Milliet/Funarte
1984 - São Paulo SP - Brasil Desenho, na Pinacoteca Municipal/Centro Cultural São Paulo (SP)
1984 - Niterói RJ - 12 Desenhistas Brasileiros: um traço em comum, na Galeria de Artes UFF  
1984 - Rio de Janeiro RJ - Como Vai Você, Geração 80?, na Escola de Artes Visuais Parque Lage - EAV
1984 - Rio de Janeiro RJ - 7º Salão Nacional de Artes Plásticas, no Museu de Arte Moderna - MAM/RJ 
1984 - São Paulo SP - Arte na Rua 2
1984 - São Paulo SP - 2º Salão Paulista de Arte Contemporânea, no Museu da Imagem e do Som - MIS - prêmio aquisição 
1985 - Califórnia (Estados Unidos) - Coletiva, na California State University San Luis Obispo Cumming Arts
1985 - Connecticut (Estados Unidos) - Coletiva, no Center Connecticut State University
1985 - Idaho (Estados Unidos) - Coletiva, na Sonoma Art Gallery, University of Idaho
1985 - Ribeirão Preto SP - Desenhar, na Itaugaleria 
1985 - Rio de Janeiro RJ - 8º Salão Nacional de Artes Plásticas, no Museu de Arte Moderna (Rio de Janeiro, RJ)
1985 - Rio de Janeiro RJ - Velha Mania: desenho brasileiro, na EAV/Parque Lage
1985 - São Paulo SP - 26 Artistas, na Galeria Paulo Klabin
1985 - São Paulo SP - 3º Salão Paulista de Arte Contemporânea, na Fundação Bienal
1986 - Belo Horizonte MG - 9º Salão Nacional de Artes Plásticas: sudeste, na Fundação Clóvis Salgado. Palácio das Artes
1986 - Havana (Cuba) - 2ª Bienal de Havana
1986 - Porto Alegre RS - Caminhos do Desenho Brasileiro, no Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli - MARGS
1986 - Rio de Janeiro RJ - 9º Salão Nacional de Artes Plásticas
1986 - São Paulo SP - 1ª Seleção Helena Rubinstein de Arte Jovem
1986 - Paris (França) - 1ª Seleção Helena Rubinstein de Arte Jovem
1987 - Brasília DF - Missões 300 Anos: a visão do artista, no Teatro Nacional Cláudio Santoro 
1987 - Nova York (Estados Unidos) - Challenge: Yong Latin America on paper, na CDS Gallery
1987 - Nova York (Estados Unidos) - Tradition/Innovation in Latin American Art, no Museum of Comtemporary Hispanic Art
1987 - Rio de Janeiro RJ - Ao Colecionador: homenagem a Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ
1987 - São Paulo SP - 18º Panorama de Arte Atual Brasileira, no Museu de Arte Moderna - MAM/SP
1987 - São Paulo SP - A Trama do Gosto: um outro olhar sobre o cotidiano, na Fundação Bienal 
1987 - São Paulo SP - Imagem de Segunda Geração, no MAC/USP
1987 - São Paulo SP - A Visão do Artista - Missões: 300 anos, Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubrind - MASP
1987 - Brasília DF - A Visão do Artista - Missões: 300 anos, no Teatro Nacional Claudio Santoro 
1988 - Porto Alegre RS - Missões 300 Anos: a visão do artista, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Porto Alegre, RS)
1988 - Rio de Janeiro RJ - Desenho Contemporâneo Brasileiro, na Galeria Rodrigo M. F. de Andrade da Funarte
1988 - Rio de Janeiro RJ - Missões 300 Anos: a visão do artista, na EAV/Parque Lage
1988 - São Paulo SP - Missões 300 Anos: a visão do artista, no MAM/SP 
1989 - Jaú SP - Jaú e Arte: um compromisso 
1989 - São Paulo SP - 20ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1989 - São Paulo SP - 26 Artistas, no CCSP
1989 - São Paulo SP - 8 Artistas, na Paulo Figueiredo Galeria de Arte
1989 - São Paulo SP - 9 Artistas, na Galeria Millan
1990 - Bonn (Alemanha) - Coletina, na ifA Galerie Bonn
1990 - Curitiba PR - 1ª Bienal Brasileira de Design 
1990 - Freiburg (Alemanha) - Aspekte, na Galeria Ruta Correa
1990 - Grenoble (Suíça) - Façades Imaginaires
1990 - São Paulo SP - 21º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP - prêmio Credicard
1991 - Bienne (Suíça) - Tábula Rasa
1991 - Brasília DF - Prêmio Brasília de Artes Plásticas 1991/12º Salão Nacional de Artes Plásticas, no Museu de Arte de Brasília 
1991 - Estocolmo (Suécia) - Viva Brasil Viva, na Liljevalchs Konsthall
1991 - Fortaleza CE - 11ª Exposição Internacional de Esculturas Efêmeras
1991 - Marsala (Itália) - 2º Sud del Mondo, na Galleria Civica d'Arte Contemporânea
1991 - São Paulo SP - Nacional x Internacional na Arte Brasileira, no Paço das Artes
1991 - São Paulo SP - O Clássico no Contemporâneo, no Paço das Artes
1991 - São Paulo SP - Programa de Exposições de Artes Plásticas, no CCSP 
1992 - Rio de Janeiro RJ - 13 Artistas Paulistas, no MAM/RJ
1992 - Rio de Janeiro RJ - Brazilian Contemporary Art, na EAV/Parque Lage 
1992 - Rio de Janeiro RJ - Prêmio Brasília de Artes Plásticas 1991/12º Salão Nacional de Artes Plásticas, na Funarte 
1992 - São Paulo SP - Perspectivas Recentes, na Fundação Bienal
1992 - São Paulo SP - Programa Anual de Exposições de Artes Plásticas 91, na Fundação Bienal  
1993 - São Paulo SP - O Desenho Moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateaubriand, na Galeria de Arte do Sesi
1993 - Washington (Estados Unidos) - UltraModern The Art of Contemporary Brasil, no The National Museum of Women in the Arts
1994 - Frankfurt (Alemanha) - A Espessura do Signo-Desenho Contemporâneo Brasileiro, na Karmeliterkloster
1994 - Rio de Janeiro RJ - O Desenho Moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateubriand, no MAM/RJ 
1994 - São Paulo SP - Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal
1994 - São Paulo SP - Marinhas, na Galeria Nara Roesler
1995 - Genebra (Suíça) - Regards Sur L'Amerique Latine, na Galerie Regard
1995 - Nova York (Estados Unidos) - Selections Brazil, no Drawing Center
1995 - São Paulo SP - Entre o Desenho e a Escultura, no MAM/SP
1996 - Schiedam (Holanda) - Four Brazilian Artists, no Stedelijk Museum Schiedam
1997 - Porto Alegre RS - 1ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul
1997 - Porto Alegre RS - Vertente Construtiva e Design, no Espaço Cultural Ulbra 
1998 - Rio de Janeiro RJ - Arte Brasileira no Acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo: doações recentes 1996-1998, no Centro Cultural Banco do Brasil - CCBB (Rio de Janeiro RJ)
1998 - São Paulo SP - O Colecionador, no MAM/SP 
1998 - São Paulo SP - O Moderno e o Contemporâneo na Arte Brasileira: Coleção Gilberto Chateaubriand - MAM/RJ, no Masp
1999 - Bergen (Noruega) - Calming the Clouds, no Stiftelsen 3, 14
1999 - Fresnes (França) - Coletiva, na Maison d'Art Contemporain Chaillioux
1999 - Paris (França) - Foire Internationale d'Art Contemporain
1999 - Paris (França) - Vivre Paris, no Espace Electra
1999 - São Paulo SP - Arte Brasileira no Acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo, no MAM/SP
1999 - São Paulo SP - Arte Brasileira sobre Papel na Coleção do Museu de Arte Moderna de São Paulo, no MAM/SP 
2000 - Grenoble (França) - Berge 2000
2001 - Lyon (França) - Façades Imaginaires
2001 - Rio de Janeiro RJ - Espelho Cego: seleções de uma coleção contemporânea, no Paço Imperial 
2001 - Salvador BA - 8º Salão da Bahia,no Museu de Arte Moderna da Bahia (Salvador BA)  
2001 - São Paulo SP - Espelho Cego: seleções de uma coleção contemporânea, no MAM/SP 
2001 - São Paulo SP - Trajetória da Luz na Arte Brasileira, no Instituto Itaú Cultural 
2002 - Rio de Janeiro - Paralelos, Coleção Cisneros, no MAM/RJ
2002 - Rio de Janeiro RJ - Caminhos do Contemporâneo 1952-2002, no Paço Imperial 
2002 - São Paulo SP - 10 Anos Marília Razuk, na Marília Razuk Galeria de Arte 
2002 - São Paulo SP - 20 Artistas / 20 Anos, no CCSP  
2002 - São Paulo SP - O Plano como Estrutura da Forma, no MAM/SP
2002 - Porto Alegre RS - Tangenciando Amilcar, no Santander Cultural (Porto Alegre, RS)
2002 - Grenoble (França) - À la Tombé de la Nuit
2002 - Lyon (França) - Le Semiophore
2003 - Alger (Argélia) - Repliques 
2003 - Rio de Janeiro RJ - Projeto Brazilianart, na Almacén Galeria de Arte 
2003 - São Paulo SP - 2080, no MAM/SP
2003 - São Paulo SP - Meus Amigos, no MAM/SP 
2003 - São Paulo SP - Compressores e Condensadores,no MAM/SP 
2004 - São Paulo SP - Arte Contemporânea no Acervo Municipal, no CCSP 
2004 - São Paulo SP - Gabinete de Papel, no CCSP 
2005 - São Paulo SP - O Fluido, na Marília Razuk Galeria de Arte
2006 - Ribeirão Preto SP - Mostra Ribeirão Preto 150 anos, no Museu de Arte Pedro Manuel Gismondi
2006 - São Paulo SP - Manobras Radicais, CCBB
2006 - São Paulo SP - Singular Plural, na Marília Razuk Galeria de Arte
2006 - São Paulo SP - Paralelas 2006, no Pavilhão dos Estados
2008 - São Paulo SP - Panorama dos Panoramas, no MAM

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Antonio Maluf - Sem Titulo
Sem Titulo
João Atanasio - Sem Título
Sem Título