Escritoriodearte.com > Artistas > Cybèle Varela

Cybèle Varela

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

BIOGRAFIA

Cybèle Varela (Petrópolis RJ 1943)

Pintora, fotógrafa, videasta e criadora de objetos.

Estuda pintura no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ entre 1962 e 1966. Nessa mesma época, dirige a Associação Amigos da Arte, em Petrópolis, onde apresenta inúmeros eventos culturais, entre os quais a ópera La Bohème e a bailarina Beatriz Consuelo. Viaja para Paris, como bolsista do governo francês nos anos de 1968/1969 e 1971/1972, onde estuda na Ecole du Louvre. Reside na Cité Internationale des Arts em 1973 e 1974 e estuda na Ecole Pratique des Hautes Etudes entre 1976 e 1978, onde escreve um Mémoire sobre Arte Corporal. Na década de 1960, ainda no Brasil, explora temas urbanos e se destaca com seus grandes painéis pintados com esmalte sintético sobre madeira, como Grand Prix no Salão de Arte Moderna do Rio em 1969, também criando objetos pintados sobre madeira, como a Lousa Sepulcral, apresentada na 9ª Bienal Internacional de São Paulo. Em Paris, seu trabalho desenvolve-se em torno de paisagens com estudo da luz solar. Explora técnicas fotográficas e também realiza vídeos, como Imagem, hoje parte da coleção do Centre Georges Pompidou. Em 1975, participa da mostra 30 Créateurs d'Aujourd'hui, itinerante pela França, que reune os melhores artistas do ano naquele país. Nos anos 1980, morando em Genebra, sua obra se desenvolve em torno a temática da natureza. Em 1996, o governo brasileiro doa às Nações Unidas de Genebra, uma de suas obras. Nos últimos anos, retorna a representação de figuras, sempre dentro de um contexto narrativo, utilizando pinturas, fotos e vídeo, sobre o mesmo tema. Dentro deste registro é a sua individual no MNBA, em 2003 e sua individual no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP em 2005.

Críticas

"Aparentemente neutras, e quase sempre intituladas de maneira poetica ("paisagens") as imagens de Cybèle Varela devem, elas tambem, serem olhadas como mais além de que simples quadros (...). Esta pintora, (...) que inventa seus temas, constata somente isto: nossa sociedade é de tal maneira feita que nós não somos mais abertos para a natureza, mas ao contrario, e graças ao vidro e a sua abstração, a natureza vem a título de ambiente jogar com nosso meio ambiente. O homem das cidades perdeu a natureza e seu ideal de reintegração se realiza - no melhor dos casos - pela apropriação de uma vista (panorâmica se possível) no universo doméstico. Material e suporte chave do sonho moderno, o vidro transformou a paisagem em espetáculo (...).
(...) Que ele seja janela ou, mais exatamente no caso de Cybèle Varela, parede, o vidro cria uma transparência sem transição: obrigação de ver mas proibido tocar! Esta satisfação formal esconde uma relação de exclusão que denuncia com um surpreendente vigor este trabalho elegante 'sans avoir l'air d'y toucher' precisamente".
Jean-Luc Chalumeau
CHALUMEAU, Jean-Luc. "Le constat par l'image réaliste". In: __________. Initiation à la lecture de l'art contemporain. Paris: Nathan, 1976, p. 82/84.

"A relação assim estabelecida é múltipla: o que nos transmite a pintora em sua tela é algo como o raio de sol e seus efeitos contrastantes. Essa leve estrutura, repetida infinitas vezes de formas diferentes, constitui o fundamento sistemático da linguagem, o que nos ensina esta pintura. A relação múltipla Sombra/Luz age sobre a unidade representativa da imagem (algo como uma paisagem) e é deste modo que a pintura de Cybele Varela nos restitui a realidade pluridimensional do campo significativo. O real de Cybele Varela existe somente ao nível da Linguagem".
Pierre Restany
CYBELE Varela: fotografias e pinturas. Apresentação de Pierre Restany, Frederico Morais e René Deroudille. São Paulo: MAC/USP, 1981.

"Se a paisagem urbana era, em sua fase brasileira, um exercício de geometria, a partir de 1973, a paisagem impressionista é um mero pretexto para uma discussão sobre o quadro. O que a artista faz é transformar em matéria pictória a relação de luz e sombra, relação que se modifica em função do maior ou menor distanciamento do ângulo de visão. Jogo de distâncias que vai permitir a inclusão ou exclusão, no campo visual, de uma estaca vermelha, único elemento vertical a quebrar a horizontalidade luminosa da paisagem. E é justamente este elemento banal dentro do tema-pretexto - a estaca e sua sombra - que acentua o tipo de preocupação da artista, que é a de discutir a relação entre quadro e representação (...) Por volta de 1980, Cybele acrescentou a fotografia, diretamente e não como meio, como parte dessa discussão sobre a imagem. Reduzida a tiras, queimada, multiplicada ou novamente fotografada, superposta ou confrontada com sua própria versão pintada, a foto-matriz ressurge continuamente numa espécie de jogo abismal em que o real e o virtual se confundem. Esta vertigem, esse ´mise-en-abime´ de Cybele é um mergulho no alto, uma forma de distanciamento crescente da concepção naturalista de arte (...)".
Frederico Morais
CYBELE Varela: pinturas. Texto de Frederico Morais. Rio de Janeiro: Galeria Bonino, 1984.

"Raras vezes se encontra de modo assim intenso e doloroso um contato tão angustiado com a beleza. Para quem vive, sempre há um alerta a impedir-lhe a plenitude. E sempre há uma nova utopia a opor-se a incompletude. Tudo é sempre além, inatingível, grandioso, mas perceptível, possível, ao alcance da apreensão ou da fantasia. Apreensão, sim, em seu duplo sentido, o de algo que se alcança com a mente, colhe-se com as mãos, mantém-se perto, e o de algo que inquieta, assusta, ameaça".
Artur da Távola
CYBELE Varela. Texto de Artur da Távola. Rio de Janeiro: Galeria Bonino, 1988.

Depoimentos

"Nos anos 60 trabalhava com tinta industrial sobre madeira com temas urbanos, cenas onde personagens aparentemente desconexos se encontravam em minha pintura e em meus objetos/puzzle. Desde aquela época, sempre senti uma ausência de  tempo, uma certa irrealidade que a vida não me explicava. Em 1968, fui para Paris com bolsa de estudos do governo francês. Lá, a memória de meu país natal fez-se fragmentos que desapareciam com a luz solar que entrava pelas persianas de meu atelier. Senti mais ainda o isolamento em relação à natureza que nos envolve. Então, eliminei as figuras. (...) Assim o tempo foi passando, fiz trabalhos utilizando varias técnicas, entre as quais super-8, fotos, vídeo, mas a pintura era e é a minha base. Na virada do século, achei que os personagens tinham que reaparecer em meus quadros. Porém, como nunca aceitei uma só realidade, eles se mesclam com os do passado. Alguns são conhecidos, outros inventados por mim. Mas qual é a diferença para quem vê o tempo distante, suspenso no próprio infinito do cosmos? Meus personagens são flashes de instantes vividos por outros seres e por mim mesma. (...)"
Cybèle Varela
Cybèle Varela: Surroundings. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 2003.

Acervos

Centre Georges Pompidou - Paris (França)
Centro Cultural São Paulo - CCSP - São Paulo SP
Embaixada do Brasil - Paris (França)
Fonds de Décoration de la Ville de Genève - Genebra (Suíça)
Fonds National d'Art Contemporain - Paris (França)
Fundação Cultural de Petrópolis - Petrópolis RJ
Musée Cantonal des Beaux-Arts - Lausanne (Suíça)
Musée Voltaire - Genebra (Suíça)
Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP - São Paulo SP
Museu de Arte Contemporânea - MAC-Niterói - Niterói RJ
Museu de Arte Contemporânea - MAC/PR - Curitiba PR
Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - Masp - São Paulo SP
Museu de Arte Moderna de Belo Horizonte - MAM/BH - Belo Horizonte MG
Museu de Arte Moderna de Campinas - MAM de Campinas - Campinas SP
Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP - São Paulo SP
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ - Rio de Janeiro RJ
Museu Nacional de Belas Artes - MNBA - Rio de Janeiro RJ
Museum of Modern Art of Latin America - Washington D.C. (Estados Unidos)
Observatório do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro (Brasil)
Palais des Nations/ONU - Genebra (Suíça)
Saginaw Art Museum - Michigan (Estados Unidos)
Temple de l'Humanité/Musée Auguste Comte - Paris (França)
World Intellectual Property Organization - WIPO - Genebra (Suíça)

Exposições Individuais

1962 - Petrópolis RJ - Individual, no Hall Santa Isabel
1966 - Petrópolis RJ - Individual, no Museu Imperial
1968 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Goeldi
1970 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Copacabana Palace
1970 - Belo Horizonte MG - Individual, no Instituto Brasil-Estados Unidos
1971 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Copacabana Palace 
1972 - Paris (França) - Individual, na Galeria Debret
1973 - Paris (França) - Individual, na Cité Internationale des Arts
1974 - Paris (França) - Individual, na Galerie Lilliane François
1975 - Paris (França) - Individual, na Galerie Camile Renault
1975 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino
1975 - Bonn (Alemanha) - Individual, na Galeria Ibero-Americana
1976 - Londres (Inglaterra) - Individual, no Canning House
1976 - Frankfurt (Alemanha) - Individual, no Deutsch-Amerikanische Institut
1977 - Paris (França) - Individual, na Galerie Camile Renault
1977 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Ipanema
1977 - São Paulo SP - Cybele Varela: pinturas, fotos, filmes, na Galeria Arte Global
1980 - Lausanne (Suíça) - Individual, no Musée Cantonal des Beaux-Arts
1980 - Genebra (Suíça) - Individual, no Galerie Canon 
1980 - São Paulo SP - Individual, no MAC/USP
1981 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Funarte, Galeria Sergio Milliet 
1982 - Buenos Aires (Argentina) - Individual, no Centro de Arte y Comunicación (CAYC)
1982 - Genebra (Suíça) - Individual, na Galeria Engelberts
1983 - Milão (Itália) - Individual, na Galeria Bonaparte
1984 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino
1984 - Grenchen (Suíça) - Individual, na Galerie Brechbuhl
1985 - Genebra (Suíça) - Individual, na Galeria Engelberts
1985 - Lausanne (Suíça) - Individual, na Galerie Focus 
1986 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino
1986 - Riehen (Suíça) - Individual, na Galeria Demenga
1986 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Seta
1987 - Washington (Estados Unidos) - Individual, no Museum of Modern Art of Latin America
1987 - Washington (Estados Unidos) - Individual, no Wallace Wenthworth Gallery
1988 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino
1989 - Riehen (Suíça) - Individual, na Galeria Demenga
1990 - Chicago (Estados Unidos) - Individual, na Clausen Art Gallery 
1990 - Michigan (Estados Unidos) - Individual, na T. C. Downtown Gallery
1990 - Basiléia (Suíça) - Individual, na Galeria Demenga 
1991 - Bourg-en-Bresse (França) - Individual, na Galerie Lévy
1992 - São Paulo SP - Individual, no Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte
1992 - Bruxelas (Bélgica) - Individual, na Galerie Zinzen
1992 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino
1992 - Petrópolis RJ - Individual, na Museu Imperial
1994 - Bruxelas (Bélgica) - Individual, na Galeria Cimaises Mercator
2001 - Berlim (Alemanha) - Individual, na Galeria Demenga
2001 - Basiléia (Suíça) - Individual, na Galeria Demenga
2003 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MNBA
2005 - Sao Paulo SP - Individual do MAC/USP
2007 - Roma (Itália) - Individual na Galeria Candido Portinari, Palazzo Pamphilj

Exposições Coletivas

1959 - Rio de Janeiro RJ - Salão da Associação dos Artistas Brasileiros, no MNBA - menção honrosa
1961 - Rio de Janeiro RJ - Salão da Associação dos Artistas Brasileiros, no MNBA
1962 - Rio de Janeiro RJ - Salão da Associação dos Artistas Brasileiros, no MNBA - medalha de bronze
1964 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, no MAM/RJ
1966 - Salvador BA - 1ª Bienal Nacional de Artes Plásticas
1967 - Brasília DF - 4º Salão de Arte Moderna do Distrito Federal, no Teatro Nacional Cláudio Santoro
1967 - Campinas SP - 3º Salão de Arte Contemporânea de Campinas, no MACC
1967 - São Paulo SP - 1ª Jovem Arte Contemporânea, no MAC/USP - prêmio aquisição
1967 - São Paulo SP - 9ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1967 - Rio de Janeiro RJ - Concurso de Caixas, na Petite Galerie
1967 - Belo Horizonte MG - 13º Salão de Belo Horizonte, no MAP
1967 - Curitiba PR - 24º Salão do Paraná, no MAC/PR - prêmio aquisição
1968 - América do Sul - Exposição Itinerante Aspectos Contemporâneos da Pintura Brasileira
1968 - Rio de Janeiro RJ - 2º Salão Esso de Artistas Jovens, no MAM/RJ
1968 - Rio de Janeiro RJ - 17º Salão Nacional de Arte Moderna, no MAM/RJ
1968 - Salvador BA - 2ª Bienal Nacional de Artes Plásticas
1968 - São Paulo SP - 17º Salão Paulista de Arte Moderna
1968 - Rio de Janeiro RJ - Iconografia de Massa, na EsdiI 
1969 - Rio de Janeiro RJ - Salão da Bússola, no MAM/RJ - Prêmio Estágio Aroldo Propaganda
1969 - São Paulo SP - 10ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1969 - São Paulo SP - Salão de Arte Moderna - medalha de prata
1970 - São Paulo SP - 2º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP
1970 - São Paulo SP - Pré-Bienal de São Paulo, na Fundação Bienal
1970 - Montevidéu (Uruguai) - Bienal de Montevidéu
1970 - Belo Horizonte MG - Salão de Belo Horizonte - prêmio aquisição
1971 - Campinas SP - 7º Salão de Arte Contemporânea de Campinas, no MACC - prêmio aquisição
1971 - Rio de Janeiro RJ - Salão Luz e Movimento, no MAM/RJ 
1972 - Paris (França) - Salon Comparaisons, no Grand Palais 
1972 - São Paulo SP - Mostra de Arte Sesquicentenário da Independência e Brasil Plástica - 72, na Fundação Bienal
1972 - São Paulo SP - 4º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP
1972 - Paris (França) - Forum des Arts, na O.R.T.F.
1972 - Paris (França) - Salon Sociéte Internationale des Beaux-Arts, no Grand Palais - Prêmio Bernheim de Villers
1972 - Vincennes (França) - Boursiers du Gouvernement Français, no Parc Floral
1972 - Paris (França) - Coletiva, na Cité Internationale des Arts 
1972 - Paris (França) - Coletiva, na Galerie l'Oeil de Boeuf
1974 - Paris (França) - Salon de Mai
1974 - Paris (França) - Coletiva, na Galerie Rencontres, Paysages
1974 - Paris (França) - Sociéte Internationale des Beaux-Arts, no Grand Palais 
1974 - Paris (França) - Salon Comparaisons, no Grand Palais
1974 - Paris (França) - Festival du Marais
1974 - Vascoeuil (França) - Hyperréalistes français et étrangers, no Château de Vascoeuil
1974 - Ascona (Itália) - Coletiva, na Galeria Internazionale d'Arte
1975 - Lisboa (Portugal) - Aspectos do Realismo Europeu, na Galeria Gordillo
1975 - Paris (França) - Salon des Femmes Peintres, na Unesco
1975 - Paris (França) - Salon La Nationale
1975 - Paris (França) - Mai à la Défense
1975 - Paris (França) - Grands et Jeunes d´Aujourd'hui, no Grand Palais
1975 - Cagnes-sur-Mer (França) - Festival de Cagnes-sur-Mer
1975 - França - Exposição Itinerante 30 Créateurs, Sélection 1975
1975 - Villeparisis (França) - La Foire de l'Estampe
1975 - Paris (França) - Salon Comparaisons, no Grand Palais
1975 - Kuwait - Coletiva, na Galerie des Arts Dhabiat Abdulla al Salem
1975 - Paris (França) - Salon Dialogues
1977 - Bellême (França) - Artistes en Liberté dans la Perche
1980 - Genebra (Suíça) - Artistes de Genève, no Musée Rath
1980 - Milão (Itália) - Coletiva, na Galeira Cenobio Visualità
1981 - São Paulo SP - 16ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1981 - Genebra (Suíça) - Post Tenebras Lux, Vídeo Circuit, na Salle Simon Patiño
1982 - Nishinomya (Japão) - Mail Art
1982 - Genebra (Suíça) - Artistes Genevois
1984 - Morges (Suíça) - Coletiva, na Galerie Kasper
1985 - Ragusa (Itália) - Mail Art, Pace e Libertà die Popoli
1985 - Genebra (Suíça) - Coletiva, no Centre d'Art Visuel
1987 - Los Angeles (Estados Unidos) - Art LA 87
1987 - Basiléia (Suíça) - Art Basel 87
1987 - Genebra (Suíça) - Coletiva, na Galerie Editart
1988 - Los Angeles (Estados Unidos) - Art LA 88
1988 - Basiléia (Suíça) - Art Basel 88
1988 - Nice (França) - Art Jonction International
1990 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, no Espaço BNDES
1991 - São Paulo SP - O Que Faz Você Agora Geração 60?: jovem arte contemporânea dos anos 60 revisitada, no MAC/USP
1991 - Basiléia (Suíça) - Coletiva, na Galeria Demenga
1991 - Thonon-les-Bains (França) - Coletiva, na Galerie Patrice Alexis
1992 - São Paulo SP - Coletiva, no MAC/USP
1993 - Bruxelas (Bélgica) - Coletiva, na Galerie Zinzen
1994 - Genebra (Suíça) - Europ'Art
1994 - Annemasse (França) - Villa du Parc
1996 - São Paulo SP - Arte Brasileira: 50 anos de história no acervo MAC/USP: 1920-1970, no MAC/USP
1997 - São Paulo SP - A Cidade dos Artistas, no MAC/USP
1999 - Basiléia (Suíça) - Das 20 Jarhundert, na Galerie Demenga
1999 - São Paulo SP - O Brasil no Século da Arte, no MAC/USP
2001 - Zurique (Suíça) - Art Affair
2003 - São Paulo SP - Arteconhecimento: 70 anos USP, no MAC/USP
2004 - Niterói RJ - Anos 60 na coleção Sattamini, no MAC-Niterói
2006 - Curitiba PR - Outros 60's, no MAC/PR

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Aldo Bonadei - Paisagem com Casario
Paisagem com Casario
Marysia Portinari - Cephel - Estrela Granada
Cephel - Estrela Granada
Daniel Senise - Sem Título
Sem Título
Candido Portinari - Homem agachado
Homem agachado