Escritoriodearte.com > Artistas > Cristiano Rennó

Cristiano Rennó

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

BIOGRAFIA

Cristiano Rennó (Belo Horizonte MG 1963)

Artista visual.

Entre 1980 e 1982, é aluno de Amilcar de Castro (1920-2002) no Núcleo Experimental Guignard, em Belo Horizonte. Em 1986, forma-se em desenho industrial pela Fundação Universidade Mineira de Arte (Fuma), também na capital mineira. Integra o projeto Imagem Pública, premiado na 2ª Concorrência Fiat em 1989. Participa de diversos salões, como o Salão Nacional de Arte da Prefeitura de Belo Horizonte (1981, 1988, 1989), e o Salão Nacional de Artes Plásticas da Fundação Nacional de Arte (Funarte), no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ (1981). Integra diversas mostras coletivas em Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo.

Comentário crítico

No início da década de 1980, Cristiano Rennó estuda com Amilcar de Castro (1920-2002) no Núcleo experimental Guignard, em Belo Horizonte. Uma das características da obra de Rennó, não por acaso, será a investigação acerca da vontade de ordenação. Exemplo disso é a instalação apresentada no Panorama da Arte Brasileira 2005, promovido pelo Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP). Trata-se de quatro pilhas de tecido somando sete folhas cada uma, como os dias de cada fase lunar. A multiplicidade de estampado das folhas repete o mesmo padrão quadriculado: mudam tons e proporções, mas o resultado é sempre igual, ordenado. Porém essas pilhas são por vezes desfeitas, e os tecidos aparecem desorganizados, enrolados uns aos outros no chão do museu, como que à espera de um novo gesto ordenador. A mesma reflexão já está presente em instalação de 2003 intitulada Teia, em que fitas, fios, cordões, plásticos e outros materiais, sempre de cores vivas, estão dispostos no chão de forma caótica. Rennó dá continuidade à pesquisa com Cadernos Xadrezes, instalação de 2005, composta por setenta pedaços de panos xadrezes diferentes de colorido vivo, todos de mesma medida, agrupados em conjuntos de sete unidades sobrepostas e presas à parede, além de sete cobertores de lã espalhados pelo chão da galeria. Já é possível identificar essa exigência de estruturação da obra e do espaço em telas construtivas expostas em  1992, nas quais Rennó lida com a estabilidade do quadrado e somente com as cores primárias: amarelo, azul e vermelho.

Exposições Individuais

1989 - São Paulo SP - Individual, na Itaugaleria
1990 - Belo Horizonte MG - Individual, na Getúlio Arte Contemporânea
1991 - Belo Horizonte MG - Individual, na Sala do Corpo de Exposições
2001 - Belo Horizonte MG - Individual, na Gesto Gráfico Galeria de Arte

Exposições Coletivas

1981 - Rio de Janeiro RJ - 4º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ
1981 - Belo Horizonte MG - 12º Salão de Arte da Prefeitura de Belo Horizonte
1981 - Belo Horizonte MG - Núcleo Experimental, no Museu de Arte de Belo Horizonte
1983 - Belo Horizonte MG - 6º Salão de Arte do Conselho Estadual de Cultura
1983 - Belo Horizonte MG - Fundação Mineira de Arte, no Palácio das Artes
1988 - Belo Horizonte MG - Abstração em 3 Vias, na Galeria de Arte IAB
1988 - Belo Horizonte MG - 20º Salão de Arte da Prefeitura de Belo Horizonte
1989 - Belo Horizonte MG - Galeria Meio Fio, no Centro Cultural UFMG
1989 - Belo Horizonte MG - 21º Salão de Arte da Prefeitura de Belo Horizonte
1991 - Belo Horizonte MG - A Prova dos Nove, na Companhia de Energia de Minas Gerais. Espaço Cultural Galeria de Arte
1991 - Belo Horizonte MG - Coletiva, na Gesto Gráfico
1991 - São Paulo SP - Construção Selvagem, no CCSP
1992 - Belo Horizonte MG - Ícones da Utopia, na Fundação Palácio das Artes
1992 - Belo Horizonte MG - Coletiva, na Galeria Circo Bonfim
1992 - Belo Horizonte MG - Ícones da Utopia, no Palácio das Artes
1992 - Belo Horizonte MG - Natureza Morta, no Palácio das Artes
1993 - Belo Horizonte MG - A Linha no Espaço, no Museu Mineiro
1994 - Ouro Preto MG - A Identidade Virtual, no Museu da Inconfidência
1995 - São Paulo SP - 24º Panorama de Arte Brasileira, no MAM/SP
1995 - Rio de Janeiro RJ - 24º Panorama de Arte Brasileira, no MAM/RJ
1997 - Belo Horizonte MG - Prospecções: arte nos anos 80 e 90, na Fundação Clóvis Salgado. Palácio das Artes
1999 - São Paulo SP - Cotidiano/Arte. Objeto Anos 90, no Itaú Cultural
2000 - Belo Horizonte MG - Ars Brasilis, no Minas Tênis Clube. Galeria de Arte
2002 - Curitiba PR - Obras do Faxinal das Artes, no MAC/PR
2003 - São Paulo SP - A Nova Geometria, na Galeria Fortes Vilaça
2004 - Belo Horizonte MG - Pampulha, Obra Colecionada: 1943-2003, no MAP

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Willys de Castro - Campos interpostos
Campos interpostos
Di Cavalcanti - Natureza Morta
Natureza Morta
Alex Vallauri - Grafitti (Série Nova York)
Grafitti (Série Nova York)