Escritoriodearte.com > Artistas > Claudia Jaguaribe

Claudia Jaguaribe

OBRAS DO ARTISTA

Claudia Jaguaribe - Série Rio de Janeiro

Série Rio de Janeiro

impressao fotográfica em metacrilato
2010
186 x 116 cm
Exemplar P/A.

Preço: Sob Consulta

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Claudia Jaguaribe (Rio de Janeiro RJ 1955)

Fotógrafa, artista plástica.

Claudia Jaguaribe Gomes de Mattos forma-se em história da arte pela Universidade de Boston, Estados Unidos, em 1979. De volta ao Brasil, torna-se responsável pelos cursos de artes plásticas e fotografia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), de 1979 a 1981; e pelo setor de fotografia da Fundação Rio Arte, 1981 a 1984, e da Casa de Cultura Laura Alvim, de 1984 a 1986. Além das atividades didáticas, realiza fotografias de moda e publicidade para diferentes jornais Folha de S.Paulo, O Globo, Jornal do Brasil, The Harvard Magazine, e revistas, como Veja, Exame, Playboy, Vogue, Marie Claire, entre outras. A partir da primeira exposição individual, em 1982, passa a expor regularmente nas principais cidades brasileiras e no exterior. Projetos e exposições resultam em diferentes livros, como Cidades, 1993, Retratos Anônimos, 1996, Atletas do Brasil, 1999, O Corpo da Cidade, 2000, Aeroporto, 2002. É autora, com Beatriz Jaguaribe, da fotonovela Quem Você Pensa que Ela É? e, com Luiz Alfredo García-Roza (1936), do livro Rio de Janeiro, 2006. Seus trabalhos mais recentes vêm articulando fotografia e vídeo como, por exemplo, o projeto Foto em Movimento, contemplado com o Prêmio Sérgio Motta de Arte e Tecnologia, em 2003. A fotografia e o vídeo juntam-se à internet no projeto interativo Você Tem Medo de Quê?,  de 2006.

Comentário Crítico

As imagens de Claudia Jaguaribe estão enraizadas na experiência contemporânea. A cara e o ritmo das cidades, Cidades, o movimento das coisas e dos corpos em O Corpo da Cidade e Fantasia, personagens  - Retratos Anônimos, espaços de trânsito em Aeroporto e outros de reclusão - Carandiru, todas essas são faces capturadas pela artista. Não se trata de documentar o presente, mas de lançar uma reflexão sobre ele a partir de imagens que se declaram construções, artefatos. A tentativa de romper com o travo naturalista que ronda a documentação aparece em todos os trabalhos, mesmo naqueles realizados com franco intuito documental  - a obra Atletas, uma das poucas realizadas em p&b, registro dos Jogos Olímpicos de 1996. A saturação de cores, a luz estourada, o movimento a desfazer permanentemente a figura, os jogos de espelhos e superposição de imagens são alguns dos recursos empregados pela fotógrafa nessa direção.

O empenho em explorar os limites da fotografia é marca forte de sua obra, que transita entre a fotografia convencional - feita nas ruas ou em estúdio e a experimentação -, há elemntos de cinema, de vídeo, de computação gráfica e as mídias em geral. "Gosto de criar o cenário", diz ela, "de montar uma imagem. Tem muito de cinema nas minhas imagens. Gosto de multimídia, do texto interferindo, das imagens se sobrepondo...". Não é à toa que a artista se lança progressivamente na direção da câmera em movimento, da articulação de diversas linguagens em projetos interativos. Mas mesmo aí, a fotografia não é jamais abandonada, funcionando como instrumento privilegiado de construção da obra.

Críticas

"Claudia Jaguaribe não tem pressa. Sua busca é a perfeição. Herança talvez de sua formação em História da Arte e de seus trabalhos em pintura e escultura. E é como uma escultura que Claudia trata a fotografia. Ela só acredita no trabalho árduo de pesquisa, até encontrar a forma final das imagens".
Simonetta Persichetti
PERSICHETTI, Simonetta. Claudia Jaguaribe esculpe a imagem. O Estado de S. Paulo.

"Claudia criou uma fotografia que resgata um pouco o cubismo e o cinema, através das ambigüidades das formas e da multiplicidade do espelho. Optou por produzir uma fotografia puramente estética, sem a preocupação de incorporar os padrões consagrados pela fotografia comercial exigidos pelo mercado. Deu-se bem, porque caminha com muita segurança nesse limite fronteiriço entre a fotografia e as outras linguagens. Através dessa seleção inédita de imagens, Claudia produz uma delicada atmosfera e uma refinada composição, elementos que só são conseguidos se houver uma estreita cumplicidade entre fotógrafo e modelo".
Rubens Fernandes Junior
Revista IrisFoto, março 1990.

"São retratos de ninguém que sempre parecem evocar alguém. As fusões de cromos (...) estabelecem um jogo intrigante com o observador, sempre tentado a descobrir nos traços sobrepostos uma silhueta familiar. Às vezes elas surgem, de fato, extraídas do rosto de pessoas públicas: os cabelos arrepiados do compositor Arnaldo Antunes ou os olhos da atriz Xuxa Lopes. 
Mas isso é só um truque. A sensação de estranheza e familiaridade dos retratos em que se entrevê ´alguém´ acaba sendo transferida para aqueles outros compostos a partir de faces desconhecidas, anônimas. Os olhos continuam procurando referências naqueles seres híbridos - e novamente elas surgem, não mais dos fragmentos do rosto público, mas do arquivo disperso da memória: imagens remotas de álbuns de família, de páginas de revistas, da multidão das ruas. 
São imagens que emergem também da memória cultivada: é à própria arte que o trabalho insistentemente nos remete. Um pouco dos retratos da pintura do século 17, as tonalidades de Velázquez, alguma coisa de Goya, mas também do cubismo e de Andy Warhol".
Marcos Augusto Gonçalves
GONÇALVES, Marcos Augusto. Jaquaribe expõe seres híbridos. Folha de S. Paulo. São Paulo, 10 nov. 1997.

Depoimentos

"Trabalho a imagem como a pintura na tela, onde vou acrescentando cores e formas, gosto de criar o cenário, de montar uma imagem. Tem muito de cinema no meu trabalho, gosto da multimídia, do texto interferindo, das imagens se sobrepondo, de poder contextualizar o trabalho que está sendo feito".

Acervos

Acervo de Fotografia do Museu de Arte Moderna de São Paulo - São Paulo SP
Coleção de Joaquim Paiva
Coleção Pirelli/Masp de Fotografias - São Paulo SP
Musée de La Photographie de France (França)

Exposições Individuais

1982 - Rio de Janeiro RJ - Imaginação Urbana, na Galeria Saramenha
1983 - São Paulo SP - Imaginação Urbana, no Masp
1984 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Cândido Mendes
1985 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na EAV/Parque Lage
1986 - Rio de Janeiro RJ - Individual,na Galeria Paulo Figueiredo
1988 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Cândido Mendes
1988 - Rio de Janeiro RJ - Luzco Fusco, na Galeria Bookmakers
1989 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MAM/RJ
1991 - Curitiba PR - Cidades, na Casa Fotografia de Curitiba
1991 - São Paulo SP - Individual, na Casa de Fotografia Fuji
1991 - São Paulo SP - Individual, no MIS/SP
1992 - Paris (França) - Individual, no Musée de la Photo de France
1993 - Belém PA - Cidades, na Fundação Romulo Maiorana
1993 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Museu da República
1993 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Fotóptica
1995 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bookmakers
1995 - São Paulo SP - Quem Você Pensa que Ela É ?, na Li Photogallery
1996 - São Paulo SP - Individual, no Sesc Pompéia
1997 - Curitiba PR - Individual, na Casa da Imagem
1997 - Escócia - FotoFeis
1997 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Paço Imperial
1997 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Camargo Vilaça
1998 - San Francisco (Estados Unidos) - Individual, na Galeria Camera Work
1999 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Paço Imperial
1999 - São Paulo SP - Individual, no MIS/SP
2000 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Paço Imperial
2000 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Baró Senna
2000 - Washington (Estados Unidos) - Individual, na IDB Cultural Center Art Gallery
2001 - Washington DC (Estados Unidos) - Individual, na The Gallery of the Kennedy Center
2002 - São Paulo SP - Aeroporto, no Instituto Tomie Ohtake
2002 - São Paulo SP - Série Azul, na Galeria Vermelho
2003 - Brasília DF - Aeroporto, no Espaço Cultural Contemporâneo Venâncio
2003 - Rio de Janeiro RJ - Aeroporto, no MAM/RJ
2004 - São Paulo SP - Tudo É Sofia, na Galeria Baró Cruz
2004 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na HAP Galeria
2006 - São Paulo SP - Você Tem Medo do Quê?, no Paço das Artes
2007 - Brasília DF - Quando Eu Vi, no Espaço Cultural Contemporâneo Ecco
2007 - São Paulo SP - Quando Eu Vi, na Galeria Baró Cruz

Exposições Coletivas

1989 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, no MIS/RJ
1991 - Curitiba PR - Coletiva, no Museu Municipal de Arte
1991 - São Paulo SP - Coletiva, na Casa Fuji de Fotografia
1991 - São Paulo SP - Coletiva, no MIS/SP
1992 - França - Coletiva, no Museé de la Photographie de France
1993 - Rio de Janeiro RJ - Cidades, no Museu da República
1993 - São Paulo SP - Coletiva, na Galeria Fotoptica
1993 - São Paulo SP - Mês Internacional da Fotografia, no Sesc Pompéia
1993 - São Paulo SP - Mostra Fabbricato de Fotografia, na Li Photogallery
1994 - São Paulo SP - 4ª Coleção Pirelli/Masp de Fotografias, no Masp
1995 - Rio de Janeiro RJ - Galeria Bookmakers
1995 - São Paulo SP - Coletiva Brasileira de Retratos Anos 80 e 90, no Espaço Cultural Faap
1996 - Curitiba PR - 1ª Bienal Internacional de Fotografia
1996 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, na Galeria LGC Arte Hoje
1996 - São Paulo SP - Atletas, no Sesc Pompéia
1996 - São Paulo SP - O Cidadão e o Corpo: a busca e reconquista dos padrões humanos de movimento, no Sesc Pompéia
1997 - Belo Horizonte MG - 25º Salão Nacional de Arte de Belo Horizonte
1997 - Chile - Coletiva, no Centro de Disusion Y Estudios de La Fotografia
1997 - França - Coletiva, no Centre Régional de la Photographie
1997 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, no Centro Cultural Light
1997 - Rio de Janeiro RJ - Identidade/Não Identidade: a fotografia brasileira atual, no Centro Cultural Light
1997 - Rio de Janeiro RJ - Retratos Anônimos, no Paço Imperial
1997 - Santiago (Chile) - El Brasil de los Brasileros, na Contra Luz Galeria
1997 - São Paulo SP - Coletiva, no MAM/SP
1997 - São Paulo SP - Galeria Camargo Vilaça
1997 - São Paulo SP - Identidade/Não Identidade: a fotografia brasileira atual, no MAM/SP
1997 - São Paulo SP - Mês Internacional da Fotografia, no CCSP
1998 - Rio de Janeiro RJ - 16º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ
1998 - Rio de Janeiro RJ - Arte Brasileira no Acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo: doações recentes 1996 - 1998, no CCBB
1999 - Áustria - Coletiva, na Kupferstichkabinett der Akademie der Bildenden Künste
1999 - Campinas SP - Tendências da Fotografia Contemporânea, no Itaú Cultural
1999 - São Paulo SP - Fotocolecionismo, na Galeria Luisa Strina
1999 - São Paulo SP - Prêmio J. P. Morgan de Fotografia, no MAM/SP
2000 - Rio de Janeiro RJ - A Imagem do Som de Gilberto Gil, no Paço Imperial
2001 - Estados Unidos - Coletiva, na Galeria Latin Collector
2001 - Madri (Espanha) - Arco
2001 - Miami (Estados Unidos) - Miami Art Fair
2001 - Rio de Janeiro RJ - A Imagem do Som de Antônio Carlos Jobim, no Paço Imperial
2001 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, na HAP Galeria
2002 - Cantábria (Espanha) - Coletiva, na Fundação Santillana
2002 - Londrina PR - São ou Não São Gravuras?, no Museu de Arte de Londrina
2002 - Madri (Espanha) - Arco
2002 - Rio de Janeiro RJ - Artistas na Fotografia, na H.A.P Galeria
2002 - São Paulo SP - Coletiva 2002, na Galeria Baró Senna
2002 - São Paulo SP - Coletiva, na Galeria Vermelho
2002 - São Paulo SP - Fotografias no Acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo, no MAM/SP
2002 - São Paulo SP - Visões e Alumbramentos: fotografia contemporânea brasileira da Coleção Joaquim Paiva, na Oca
2003 - Brasília DF - Artur Lescher e Claudia Jaguaribe, no Espaço Cultural Contemporâneo Venâncio
2003 - Curitiba PR - Imagéticas, no Moinho Novo Rebouças
2003 - Rio de Janeiro RJ - Acervo/Aquisições, na Galeria LGC Arte Hoje
2003 - São Paulo SP - A Subversão dos Meios, no Itaú Cultural
2003 - São Paulo SP - Clube de Colecionadores de Fotografia do MAM, no MAM/SP
2004 - Buenos Aires (Argentina) - El Borde Arte Contemporáneo
2004 - Brasília DF - Coletiva, no Espaço Cultural Contemporâneo Venâncio - ECCO
2004 - Porto Alegre RS - Olho Vivo: a arte da fotografia, no Santander Cultural
2004 - Rio de Janeiro RJ - Novas Aquisições 2003: Coleção Gilberto Chateubriand, no MAM/RJ
2004 - São Paulo SP - Coletiva de Inauguração, na Galeria Baró Cruz
2005 - São Paulo SP - O Retrato como Imagem do Mundo, no Museu de Arte Moderna - MAM/SP
2006 - São Paulo SP - Mulheres Vêem Mulheres, no Senac/Lapa Scipião
2006 - São Paulo SP - Padrões e Padronagens, na Marília Razuk Galeria de Arte
2006 - São Paulo SP - Paralela 2006, no Pavilhão dos Estados
2006 - São Paulo SP - Consumedo, na Galeria Professor Vicente di Grado
2006 - São Paulo SP - Coletiva, na Galeria Vermelho
2007 - Berlim (Alemanha) - Urban Space, na Galeria New Life Gallery
2007 - Rio de Janeiro RJ - Urban Space, no Espaço Oi Futuro
2007 - São Paulo SP - 7ª Bienal Internacional de Arquitetura, na Fundação Bienal

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Odires Mlászho - Dedilhados na Esteira do Sol
Dedilhados na Esteira do Sol
Nuno Ramos - Balada
Balada
Mauro Piva - Sem Título
Sem Título