Escritoriodearte.com > Artistas > Alceu Penna

Alceu Penna

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

BIOGRAFIA

Alceu Penna (Curvelo MG 1915 - Rio de Janeiro RJ 1980)

Desenhista, ilustrador, figurinista.

Muda-se para o Rio de Janeiro em 1932 e publica seus primeiros trabalhos no Suplemento Infantil de O Jornal. Nesse ano, matricula-se no curso de arquitetura da Escola Nacional de Belas Artes - Enba e, durante os cinco anos que estuda nessa instituição, freqüenta como ouvinte diversos cursos ligados às artes plásticas. Em 1933, passa a ilustrar a revista O Cruzeiro. Em 1937, realiza tradução de histórias em quadrinhos norte-americanas, além de adaptar diversos clássicos literários para essa linguagem. Esses trabalhos são publicados no tablóide O Globo Juvenil, lançado em 1937. No ano seguinte, começa a escrever e ilustrar, na revista O Cruzeiro, uma seção intitulada As Garotas, que se mantém ininterruptamente até 1964. Nesse período, As Garotas passa a ser uma referência de moda, estilo e comportamento para o público feminino. Em 1941, depois de algum tempo em Nova York, onde conhece Carmem Miranda (1909 - 1955), passa a dedicar-se à criação de figurinos para os espetáculos apresentados nos cassinos cariocas. De 1946 a 1952, trabalha na execução de uma série de calendários para a empresa Moinho Santista Indústrias Gerais e, paralelamente, na mesma empresa, ilustra a revista Tricô e Crochê e responsabiliza-se por sua publicação. Na década de 1950, desenvolve figurinos e cenários para diversos shows e espetáculos teatrais. Em 1960, por meio de uma parceria estabelecida entre as empresas O Cruzeiro e a multinacional francesa Rhodia, torna-se o responsável pela criação dos figurinos utilizados até 1975 na apresentação das coleções anuais da marca.

Comentário Crítico

Alceu Penna é um dos primeiros a desenvolver a técnica dos quadrinhos no Brasil. Cria para O Globo Juvenil adaptações em quadrinhos dos clássicos da literatura, como O Fantasma de Canterville, Um Yankee na Corte do Rei Arthur, Sonhos de uma Noite de Verão e Alice no País das Maravilhas. Os desenhos são feitos em preto-e-branco e o roteiro é do escritor Nelson Rodrigues (1912 - 1980). Esses trabalhos são publicados entre 1933 e 1939 ao lado de quadrinhos estrangeiros como Mandrake, Fantasma e Brick Bradford. Nos anos 1950, Alceu Penna faz para a revista A Cigarra os quadrinhos Marido da Madame, em que os personagens Gonçalo e Lolita vivem situações do cotidiano de um típico casal de classe média alta da época. O texto é da cronista Helena Ferraz, que usa o pseudônimo "Álvaro Armando", e apresenta uma série de diálogos escritos em rima, que lembram a literatura de cordel.

Seu trabalho de maior expressão é a seção As Garotas, publicado semanalmente na revista O Cruzeiro, do final da década de 1930 até meados da década de 1960. Representando moças jovens, na faixa dos 18 a 25 anos, As Garotas inauguram uma nova forma de representar a feminilidade ao valorizar mais sensualmente o corpo da mulher. Os cabelos estão mais compridos, volumosos e realçados com acessórios; brincos e bijuterias são obrigatórios; a maquiagem marca e aumenta o contraste nos rostos; o quadril afina, os ombros se alargam e as pernas expostas do joelho para baixo não são mais o foco de sedução; os seios passam a ser valorizados, transbordando ou insinuando-se sobre os decotes, ao contrário do colo anteriormente liso; o bronzeado opõe-se à brancura anteriormente valorizada. A delicadeza e suavidade d'As Garotas de Alceu Penna substituem a eletricidade das melindrosas de J. Carlos (1884 - 1950). O desenhista traz para as páginas da imprensa brasileira uma nova modalidade de sensualidade. O desenho é ao estilo das pin-ups norte-americanas, porém As Garotas atraem também o público feminino, jovens adolescentes e pós-adolescentes que passam a copiar os penteados, roupas e os gestos dos tipos criados por Alceu Penna. Por meio d'As Garotas, Penna dita a moda carioca dos anos 1940 e 1950, transportando para O Cruzeiro as novidades publicadas nas revistas estrangeiras. As Garotas passam a figurar também nas folhinhas (calendários) que são distribuídas gratuitamente pelos representantes dos produtos da S. A. Moinho Santista Indústrias Gerais. Nessas folhinhas, diferentemente d'O Cruzeiro, As Garotas surgem mais maduras, mais sensuais e com menos roupa - os desenhos são, por vezes, até censurados pela empresa, que obriga o desenhista a vestir sua criação.

Como estilista, Alceu Penna assina suas primeiras criações para shows e espetáculos teatrais, já na década de 1930. É responsável pelo figurino dos espetáculos do Cassino da Urca, no Rio de Janeiro, além da decoração e das fantasias para bailes de carnaval. Nos Estados Unidos, o desenhista sugere a renovação do figurino da cantora Carmem Miranda (1909 - 1955) e de seus músicos. Para a cantora, desenha saias multicolores, turbantes e sapatos de solas grossas; para os músicos, calça de smoking, camisas listradas e, na cabeça, chapéu panamá. Na década de 1960, Alceu Penna é contratado pela Companhia Rhodia para desenhar os modelos para os grandes desfiles anuais organizados pela empresa. É um dos pioneiros do desenho de moda no Brasil, e viaja periodicamente para a Europa, especialmente para a França, para observar as tendências do setor. Ao voltar, utiliza essas tendências como referência nas suas criações para a indústria de tecelagens e para os figurinos das exposições anuais da Rhodia.

O interessante na biografia de Alceu Penna, que é considerado como grande colorista, é o fato de ele ser daltônico. Isso porém, não é problema para o artista, que utiliza o recurso de marcar por escrito as cores nos tubos de tintas.

Acervos

Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - Masp

Críticas

"A principal referência do artista vem, sem dúvida, da pin-up americana, que ele conhece antes de ir para os Estados Unidos. Ao conceber 'As Garotas', como Lembrou Accioly Netto, sua principal referência é a arte de Charles Dana Gibson. Artista, aliás, que Alceu já conhecia desde que começara a fazer capas para O Cruzeiro. A descoberta de outros mestres do gênero durante a estada nos Estados Unidos abre novos horizontes e perspectivas para ele definir um traço que explora com mais intensidade nas coleções de folhinhas de calendários que desenvolve, a partir de 1945, para o Moinho Santista e O Cruzeiro.

Alceu assimila muitas influencias, mas esta estabelece um traço único. Isso se nota no fato de que ele não copia poses das pin-ups de autores como Alberto Vargas ou Gibson, recurso adotado por muitos desenhistas brasileiros de histórias em quadrinhos. Sua concepção autoral se faz, portanto, completa, personalissíma. Também não recorre a telas a óleo para fazer suas garotas, com opreferem os americanos. Mas dá a elas o mesmo espeírito libertário e a mesma reverência à beleza feminina que consagram os mais importantes autores do gênero na América do Norte".
Gonçalo Júnior
GONÇALO JÚNIOR. Garotas de Papel. In: _____. Alceu Penna e as garotas do Brasil: moda e imprensa - 1933/1980. São Paulo: CLUQ, 2004, p. 82.

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Silvio Oppenheim - Sem Título
Sem Título
Mário Gruber - Fantasiado Nº3 (Chapéu)
Fantasiado Nº3 (Chapéu)
Manabu Mabe - Sem Título
Sem Título
Victor Brecheret - Nu Feminino
Nu Feminino