Escritoriodearte.com > Artistas > Lasar Segall

Lasar Segall


lasar-segall

OBRAS DO ARTISTA

Este artista não possui obras em nosso acervo.

Você possui uma obra deste artista e quer vender?

Após logar no site, clique em 'Avaliações' e envie sua obra.

Leilão de Artes Online

BIOGRAFIA

Lasar Segall (Vilna Lituânia 1891 - São Paulo SP 1957)

Pintor, gravador, escultor, desenhista.

De origem judaica, inicia estudos de arte, em 1905, na Academia de Desenho do mestre Antokolski, em Vilna, na Lituânia. Muda-se para a Alemanha em 1906 e estuda na Escola de Artes Aplicadas e na Academia Imperial de Belas Artes, em Berlim. Viaja para a cidade de Dresden, onde freqüenta a Academia de Belas Artes. Amplia seu contato com a pintura impressionista e realiza, em 1910, a primeira mostra individual na Galeria Gurlitt. No final de 1912, vem para o Brasil e no ano seguinte expõe em São Paulo e Campinas. No mesmo ano retorna à Europa. Inicialmente, realiza uma pintura de derivação impressionista, com influência de Jozef Israël e de Paul Cézanne (1839-1906). A partir de 1914, passa a interessar-se pelo expressionismo, desenvolvendo-se plenamente nessa estética em 1917. Em 1919, em Dresden, funda com Otto Dix (1891-1969), Conrad Felixmüller (1897-1977), Otto Lange (1879-1944) e outros, o Dresdner Sezession Gruppe 1919, grupo que agrega artistas expressionistas da cidade. Em 1921, publica o álbum de litografias Bübüe e, em 1922, o Erinnerung an Wilna - 1917 com águas-fortes. Volta ao Brasil, onde fixa residência em São Paulo, no ano de 1923. Na capital paulista, Lasar Segall é destaque no cenário da arte moderna, considerado um representante das vanguardas européias. No ano seguinte, executa decoração para o Baile Futurista do Automóvel Clube e para o Pavilhão Modernista de Olívia Guedes Penteado (1872-1934). É um dos fundadores da Sociedade Pró-Arte Moderna - Spam, em 1932, da qual se torna diretor até 1935. Dez anos após sua morte, em 1967, a casa onde morava, na Vila Mariana, em São Paulo, é transformada no Museu Lasar Segall.

Comentário Crítico

Lasar Segall viaja para a Alemanha em 1906, onde freqüenta a Academia de Belas Artes de Berlim, na qual predominam tendências ligadas aos movimentos impressionista e pós-impressionista. No quadro Sem Pai, 1909 as pinceladas livres lembram o impressionismo, porém a obra tem uma atmosfera sombria, reforçada pelos tons escuros da paleta e destaca-se pela caracterização social e psicológica dos personagens. Em 1910, Segall estuda na Academia de Belas Artes de Dresden. Passa a adotar tons mais claros, embora permaneça a tendência ao monocromatismo, característica de toda a sua produção, como, por exemplo, em Leitura, 1914. Revela admiração pela obra de Paul Cézanne, principalmente pelo aspecto construtivo da pincelada, como podemos observar em Violinista, 1912.

Seu primeiro contato com o Brasil ocorre em 1913, quando expõe em São Paulo e em Campinas, retornando a Dresden no mesmo ano. Para a historiadora Claudia Valladão de Mattos, a partir de 1914, o artista revela interesse pelo expressionismo, busca uma nova linguagem pictórica e uma caracterização psicológica mais aguda para suas figuras. A pintura de Segall, sob o impacto da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), reflete a preocupação com as injustiças sociais e o sofrimento humano. Seus quadros são estruturados por meio de planos construídos em diagonais e apresentam uma tendência à geometrização, com o predomínio de formas triangulares. Segall utiliza cores escuras e contrastantes, como no quadro Aldeia Russa, 1912.

Em 1918, viaja para Vilna, sua cidade natal, fato que marca sua obra, por reforçar a identificação com algumas questões judaicas que se tornam importantes para sua experiência artística. Retorna a Dresden no mesmo ano. Substitui as cores mais vivas de seu primeiro momento expressionista por tons mais sóbrios, obtidos por meio de camadas sucessivas de tinta, em quadros como Kaddisch - Reza para os Mortos, 1918 e Eternos Caminhantes, 1919. Seus quadros nascem num ambiente artístico marcado pelo cubismo e pela segunda fase do expressionismo alemão, mais aderente a uma aproximação realista da figura, que inclui artistas como George Grosz (1893-1959) e Otto Dix. Entretanto, em comparação às cores vivas utilizadas por esses artistas, as obras de Segall têm caráter melancólico ou lírico e são trabalhadas em tonalidades sóbrias, com predomínio de ocres, cinza, negros e violetas. A gama cromática alude à tristeza em trabalhos como Pobreza, 1921, no qual a construção em formas angulosas triangulares, utilizada anteriormente, cede lugar a linhas mais arredondadas e a figuras que apresentam uma deformação expressiva, com cabeça e olhos enormes.

Em 1923, Lasar Segall muda-se para o Brasil, onde tem contato com os jovens modernistas. Nos primeiros trabalhos realizados no país, revela um deslumbramento pela luz e pelas cores tropicais. Sensibiliza-se não apenas com a paisagem mas também com o ambiente artístico brasileiro: sua produção mantém diálogo com obras de Tarsila do Amaral (1886-1973) , e de outros artistas locais. Nos quadros realizados logo após a chegada ao Brasil, a paleta de Segall se transforma. Os temas (mães negras, paisagens, favelas) são pintados em espaços abertos, com cores claras e luminosas. Realiza várias obras nas quais acentua o drama dos marginalizados pela sociedade. São desse período os quadros: Menino com Lagartixas, 1924 e Colina Vermelha, 1926.

Reside em Paris entre 1928 e 1932. Nessa época, produz obras com motivos brasileiros e também utiliza temas recorrentes, como o da emigração. O colorido vibrante de suas telas dá lugar a uma luz mais pálida e mais suave. Os quadros Família do Pintor e Maternidade (ambos de 1931) apresentam uma superfície mais espessa, que tem um paralelo com as esculturas que o artista começa a fazer. Segall passa a estruturar as composições por meio da mancha cromática e a linha não é mais tão predominante em suas obras. A experiência com a escultura contagia os tons e a superfície da pintura, as figuras adquirem volumes e aspectos mais escultóricos. As cores tornam-se terrosas, marrons, cinza, ocres, como nos quadros Mãe Negra, 1930 e Casa na Floresta , 1931.

A partir de 1935, pinta paisagens de Campos de Jordão, de cromatismo muito refinado. Sua obra adquire aspecto de matéria densa, com uma cor muito peculiar. Os temas ligados a dramas humanos permanecem em quadros de grandes dimensões: Navio de Emigrantes 1939/1940 e Guerra, 1942, entre outros. Na década de 1950, a arte de Segall revela mais liberdade plástica, aproximando-se da abstração, por exemplo, em Floresta Crepuscular, 1956. Nessa obra a natureza é a inspiração para os suportes verticais, nos quais se estabelece um sutil estudo de luz e cor.

Ao longo da carreira, dedica-se a várias técnicas de gravura. Em seus primeiros trabalhos, explora o uso das sombras, acentuando o claro-escuro. Para Claudia Valladão ocorre certo descompasso entre a produção gráfica de Segall e sua pintura no período entre 1914 e 1916. O artista, nas gravuras, se afasta da estética impressionista, em trabalhos como Cabeças, 1914, o que não ocorre em sua pintura, que passa por uma fase de transição. Em 1918, o artista produz cinco litografias inspiradas no conto Die Sanfte [Uma Doce Criatura], de Dostoievski (1821-1881). Elas representam ponto alto em sua produção, pela extrema concentração e simplificação das figuras, concebidas em formas geométricas, pelo traço econômico e pelo jogo que o artista estabelece entre formas e vazios. Na série Mangue, 1926/1929, realizada no Brasil, aborda o tema da prostituição; predomina um clima de tensão, estabelecido pela presença de elementos como persianas e cortinados ou por ambientes opressivos onde se situam os personagens. A série Emigrantes, 1927/1928 possui uma atmosfera mais amena, surgem espaços abertos com a representação do céu e do mar.

Os desenhos são importantes na produção de Segall e, como na gravura, apresentam temas recorrentes como o universo de desfavorecidos e marginalizados pela sociedade. O artista confere a suas figuras deformações expressivas e situa os personagens em espaços que os oprimem, o que gera um clima de tristeza e abandono.

O humanismo, revelado pela preocupação com a violência, a miséria e as injustiças sociais, e certo caráter lírico estão presentes em toda a sua carreira. Segall aborda temas universais, expressando-os com emoção, por meio da cor em sua pintura ou pelo jogo entre linha e vazio em suas produções gráficas.

Críticas

"As reservas de alguns ao monocronismo de Segall procedem sem dúvida de uma concepção muito particular da cor. Nada mais difícil de ser visto, interpretado e usado do que a cor. Na obra de Segall, como se sabe, as preferências vão aos terras, aos cinzas, aos verdes pálidos, aos ocres finos, ao amarelo-laranja, aos vermelhos-escuros, ao amarelo-limão. Entretanto, que complexas operações se realizam no laboratório íntimo do pintor, antes desses tons atingirem o último estado! Que densidade carregam essas tintas sóbrias, que expressividade na sua aparente pobreza! Falar de despojamento. . . não sei: antes prefiro mencionar a valorização dessas cores que afirmam sua força autêntica em tão numerosas telas. Antes prefiro sublinhar a riqueza dessas tintas sóbrias que, sustentando a construção plástica, conferem-lhe nobreza e dignidade exemplares. De resto, a cada pintor corresponde uma necessidade técnica e uma atmosfera próprias. O que interessa mais de perto é o resultado final. E os resultados da segalliana são dos mais convincentes".
Murilo Mendes
MENDES, Murilo. Lasar Segall III. In: LASAR Segall: antologia de textos nacionais sobre a obra e o artista. Rio de Janeiro: Funarte. Instituto Nacional de Artes Plásticas, 1982. p. 60. [Texto publicado originalmente em "Letras e Artes" in A Manhã, Rio de Janeiro, 27.5.1951]

"(...) se havia esse isolamento praticado compulsoriamente, também é verdade que num certo momento houve uma pressão de fora para dentro, do ambiente que o classificou de modo excludente como 'estrangeiro', 'judeu' e mais tarde como 'figurativo', num período (o das bienais) em que dominava a arte abstrata. Dois momentos de sua atividade artística parecem-nos importantes como sinais de rompimento dessa couraça reservada. Em primeiro lugar, as manifestações da SPAM, às quais se entrega de corpo e alma, com entusiasmo puro, realizando obra vibrante, como participante real. Sofrendo perseguição por parte dos integralistas, sai frustrado dessa experiência, e recolhe-se novamente. (...) É como pintor, expressando-se com uma linguagem pessoal incorruptível por pressões externas - porque tirada do reduto mais profundo do seu ser -, que Segall consegue a comunhão total com o Brasil. (...) Apesar do semi-isolamento em que viveu, a vigorosa arte de Segall exerceu influência decisiva no Brasil. Em primeiro lugar, junto aos modernistas na década de 20 (...). Em segundo lugar, na SPAM, exerceu a função do europeu civilizado, do educador, modificando o comportamento social ao mostrar um novo estilo de vida".
Vera D´Horta
D'HORTA, Vera. Conclusão. In: ___. Lasar Segall e o modernismo paulista. São Paulo: Brasiliense, 1984. p. 121-122.

"Pintura fortemente sensível, é certo, mas já dotada daquele domínio que converte o tumulto do sentimento numa obra de expressão, isto é, numa arte voluntária. Por isto, nos momentos mais específicos da sua originalidade pessoal, em Dresden, a obra do artista é já uma obra de condensação; nada dispersiva. Condensação anímica das figuras desvalorizadas proposital e insensualmente nos corpos, mas expandindo toda a significação dramática nas cabeças enormes de olhos ainda maiores, que ultrapassam os limites dos rostos numa vibratilidade angustiosíssima. Condensação desenhística que soube compreender a lição da arte negra e do cubismo (...). E também condensação cromática que, se exprimia em tonalidades intensas enervadas ainda mais pela bravura do pincel, já demonstrava um horror instintivo das cores radiantes e felizes. (...). Eis que Lasar Segall vem ao Brasil. Já estivera uma vez em nossa terra, por 1912 (...). A presença do moço expressionista era por demais prematura para que a arte brasileira, então em plena unanimidade acadêmica, se fecundasse com ela. Mas em 1923 o pintor aportava de novo em nossa pátria. Então ele viu o Brasil e o Brasil o viu, num primeiro amor a que o artista se entregou com toda a sua generosidade apaixonada (...)".
Mário de Andrade
ANDRADE, Mário. Lasar Segall. In: ___. Modernidade: arte brasileira do século XX. Paris: Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris, 1988. p. 20.

"A intensa emotividade das primeiras gravuras de Lasar Segall liga-se ao sentido observacional que então lhe domina o traço; em meados do decênio de 1910, o artista entra no expressionismo alemão, reformulando-se a emoção, a ser produzida por formas estilizadas, em conformidade com a dominante emotiva do movimento a que  adere. A emoção nas gravuras expressionistas de Segall revela, assim, sua concepção de mundo interior, todo ele paixão na alegria e na dor. Participando do humanitarismo, Segall trabalha o metal, a madeira e a pedra, alistando-se entre os artistas dramáticos da modernidade também nos álbuns publicados em 1921 e 1922 na Alemanha e em 1943 no Brasil".
Leon Kossovitch e Mayra Laudanna
KOSSOVITCH, Leon; LAUDANNA, Mayra. A gravura moderna. In: GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000.

"A formação de Lasar Segall enquanto artista, assim como suas convicções teóricas nasceram não do contexto da Arbeitsgemeinschaft, mas das atividades de grupos expressionistas como Der Neue Kreis, e de suas posições moderadas e conciliadoras com o expressionismo do pré-guerra. A obra de Segall deve, a nosso ver, ser compreendida dentro dessa tradição de 'continuidade' com as utopias da primeira geração, e não dentro do contexto de 'ruptura' em que ela, erroneamente, muitas vezes tem sido situada. (...) o termo 'socialismo utópico', que é freqüentemente empregado para descrever o páthos dominante entre os artistas da geração de Segall, não resume adequadamente a problemática na qual se insere sua obra. Ele possuía, assim como Kandinsky, uma concepção 'mística' de arte e da tarefa do artista, e seu objetivo principal era contribuir para uma revolução espiritual da humanidade, para o restabelecimento de uma atitude espiritual diante do mundo por meio de uma inovação da Forma. Nesse contexto, suas preocupações eram acima de tudo de ordem estética. Seguindo Kandinsky, Segall via na Arte, na capacidade do artista de criar novas formas adequadas à expressão da forte tendência mística de sua época, o caminho seguro de uma ascensão da humanidade em direção ao 'espiritual'. Assim, em sua definição de 'Arte', são as formas que ocupam uma posição central, e não o conteúdo. (...). 
Segall não via em uma sociedade ideal as condições para o nascimento da 'verdadeira arte', mas sim no conflito e no sofrimento o motor da criação artística, afastando-se assim das visões redencionistas da maioria dos artistas de sua geração".
Cláudia Valladão de Mattos
MATTOS, Cláudia Valladão de. A posição de Lasar Segall no movimento expressionista. In: MATTOS, Cláudia Valladão de. Lasar Segall: expressionismo e judaísmo - o período alemão de 1906-1923. São Paulo: Perspectiva, 2000. p. 104-105.

"Segall foi acima de tudo pintor; sua sabedoria gráfica porém era muito grande, como acontecia, aliás, com toda a formação artística conduzida pelas academias alemãs. Daí a excelência de sua litografia, de sua água-forte, de sua xilogravura, e o domínio pleno, ao mesmo tempo, da pintura a óleo e a água. (...) Os quatro álbuns produzidos e o Mangue (...) são as provas maiores dessa gráfica, mas fora das séries, ou em séries não coordenadas em seqüência para divulgação, o artista deixou, porventura, mais do que naqueles singulares aspectos da gravura expressionista. A adequação do gráfico entretanto emparelha-se à do artista plástico. 
Se nos cabe destacar os méritos do artista plástico, a entrega de algumas linhas à homenagem do gráfico ilustre enriquecerá certamente o conhecimento dos que se aproximam desta figura singular. Queremos lembrar aqui o juízo, pouco conhecido de Kurt Schwitters, numa carta em que se manifesta sem reticências sobre uma lito de Segall: 'Estou encantado com tua litografia. Como devia partir em viagem eu não a poderia ver senão por alguns dias; mas durante esses dias eu a contemplei diariamente por muitas horas. Esta nova aquisição, que pendurei em meu estúdio de trabalho, torna-me feliz como uma criança ...' Quantos artistas poderão contar com tal elogio de Kurt Schwitters, o prodigioso dadaísta criador dos Merz?".
Geraldo Ferraz (1975)
FERRAZ, Geraldo. Lasar Segall. In: GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000. p. 42.

Exposições Individuais

1910 - Dresden (Alemanha) - Lasar Segall, na Galerie Gurlitt
1913 - Campinas SP - Lasar Segall: pinturas, no Centro de Ciências, Letras e Artes de Campinas
1913 - Campinas SP - Lasar Segall: pinturas, no Museu Carlos Gomes
1913 - São Paulo SP - Lasar Segall: pinturas, na Rua São Bento 85
1920 - Frankfurt (Alemanha) - Individual, no Kunstsalon Ludwig Shames
1920 - Hagen (Alemanha) - Individual, no Folkwang Museum
1922 - Dresden (Alemanha) - Individual, na Galeria Erfurt
1923 - Frankfurt (Alemanha) - Individual, na Galeria Fisher
1923 - Leipzig (Alemanha) - Individual, no Gabinete de Estampas do Museu de Leipzig
1924 - São Paulo SP - Lasar Segall: retrospectiva 1908-1923, na Rua Álvares Penteado 24
1926 - Berlim (Alemanha) - Individual, na Galerie Neumann-Nierendorf
1926 - Dresden (Alemanha) - Individual, na Neue Kunst Fides
1926 - Stuttgart (Alemanha) - Individual, no Kunst Kabinett
1927 - São Paulo SP - Individual, na Rua Barão de Itapetininga 50
1928 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Palace Hotel
1931 - Paris (França) - Individual, na Galeria Vignon
1933 - Rio de Janeiro RJ - Lasar SegalI: aquarelas e águas-fortes, na Galeria Pró-Arte
1934 - Roma (Itália) - Mostra Personal del Brasiliano Lazzaro Segall, na Galeria Bragaglia
1934 - Milão (Itália) - Mostra Personal del Brasiliano Lazzaro Segall, na Galeria Il Milione
1938 - Paris (França) - Lasar Segall: pinturas e guaches, na Galeria Renou et Colle
1940 - Nova York (Estados Unidos) - Individual, na Neumann-Williard Gallery
1943 - Rio de Janeiro RJ - Retrospectiva, no MNBA
1948 - Nova York (Estados Unidos) - Individual, na Associated American Artists Galleries
1948 - Washington (Estados Unidos) - Paintings by Lasar Segall, na Pan American Union
1951 - São Paulo SP - Lasar Segall: retrospectiva 1908-1951, no Masp
1957 - Israel - Individual

Exposições Coletivas

1914 - São Paulo SP - Coletiva, na Casa Mascarani
1916 - Dresden (Alemanha) - Coletiva, na Sociedade Artística de Dresden (Kunstlervereinigugn Dresden)
1919 - Dresden (Alemanha) - Dresden Secession Gruppe, na Galeria Emil Richter
1920 - Dresden (Alemanha) - Jahresbericht der Stadtischen Sammlungen zu Dresden
1921 - Hannover (Alemanha) - Eine Ausstelung Russischer Kunst, na Galeria von Garvens
1922 - Düsseldorf (Alemanha) - Internationale Kunstausstelung, na Galeria Exfurt
1923 - Berlim (Alemanha) - Grosse Berliner Kunstausstelung: Abteilung der November Grouppe
1926 - Dresden (Alemanha) - Internationale Kunstausstelung
1929 - Dresden (Alemanha) - Austellung des Lächsischen Kunstvereins
1931 - Rio de Janeiro RJ - Salão Revolucionário, na Enba
1932 - Paris (França) - 43ª Exposition Société des Artistes Indépendants, no Gran Palais des Champs Elysées
1933 - São Paulo SP - 1ª Exposição de Arte Moderna da SPAM
1935 - Pittsburgh (Estados Unidos) - The 1935 International Exhibition of Painting, no Carnegie Institute
1935 - Rio de Janeiro RJ - Exposição de Arte Social, no Clube de Cultura Moderna
1936 - Nova York (Estados Unidos) - Dresden Secession Group of 1919, no Radamsky Studio
1936 - Toledo e Cleveland (Estados Unidos) - The 1935 International Exhibition of Painting, no Toledo Museum of Art
1937 - Munique (Alemanha) - Entartete Kunst: Ausstellungsfüher
1937 - São Paulo SP - 1º Salão de Maio, no Esplanada Hotel
1938 - São Paulo SP - 2º Salão de Maio, no Esplanada Hotel
1939 - São Paulo SP - 3º Salão de Maio, no Esplanada Hotel
1944 - Belo Horizonte MG - Exposição de Arte Moderna, no Edifício Mariana
1944 - Londres (Inglaterra) - Exhibition of Modern Brazilian Paintings, na Royal Academy of Arts
1944 - Norwich (Inglaterra) - Exhibition of Modern Brazilian Paintings, no Norwich Castle and Museum
1945 - Baht (Inglaterra) - Exhibition of Modern Brazilian Paintings, na Victory Art Gallery
1945 - Bristol (Inglaterra) - Exhibition of Modern Brazilian Paintings, no Bristol City Museum & Art Gallery
1945 - Edimburgo (Escócia) - Exhibition of Modern Brazilian Paintings, na National Gallery
1945 - Glasgow (Escócia) - Exhibition of Modern Brazilian Paintings, na Kelingrove Art Gallery
1945 - Manchester (Inglaterra) - Exhibition of Modern Brazilian Paintings, na Manchester Art Gallery
1945 - Rio de Janeiro RJ - Exposição de Arte Condenada pelo III Reich, na Galeria Askanazy
1946 - Rio de Janeiro RJ - Exposição de Retratos de Mário de Andrade, na Biblioteca Municipal
1946 - São Paulo SP - Exposição de Desenhos Originais de Artistas de São Paulo, na Biblioteca Municipal Alceu Amoroso Lima
1949 - Panamá - 32 Artistas de Las Américas, na Universidad de Panamá
1949 - Bogotá (Colômbia) - 32 Artistas de Las Américas, no Museo Nacional de Colômbia
1949 - Quito (Equador) - 32 Artistas de Las Américas, no Museo de Arte Colonial
1949 - Santiago (Chile) - 32 Artistas de Las Américas, no Museo Nacional de Bellas Artes
1949 - Havana (Cuba) - 32 Artistas de Las Américas, no Lyceum y Lawn Tennis Club
1949 - Guatemala (Guatemala) - 32 Artistas de Las Américas, na Escuela Nacional de Artes Plásticas
1949 - San Salvador (El Salvador) - 32 Artistas de Las Américas, no Ministério de Cultura de El Salvador
1949 - Tegucipalga (Honduras) - 32 Artistas de Las Américas, na Escuela Nacional de Bellas Artes
1951 - Rio de Janeiro RJ - Exposição de Naturezas Mortas, no Serviço de Alimentação e Previdência Social
1951 - São Paulo SP - 1ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão do Trianon - sala especial
1952 - Rio de Janeiro RJ - Exposição de Artistas Brasileiros, no MAM/RJ
1952 - São Paulo SP - Exposição Comemorativa da Semana de Arte Moderna de 22, no MAM/SP
1954 - São Paulo SP - Arte Contemporânea: exposição do acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo, no MAM/SP
1955 - São Paulo SP - 3ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão das Nações - sala especial
1956 - São Paulo SP - 50 Anos de Paisagem Brasileira, no MAM/SP

Exposições Póstumas

1957 - Buenos Aires (Argentina) - Arte Moderna no Brasil, no MAMba
1957 - Lima (Peru) - Arte Moderna no Brasil, no Museo de Arte de Lima
1957 - Rosario (Argentina) - Arte Moderna no Brasil, no Museo Municipal de Bellas Artes Juan B. Castagnino
1957 - Santiago (Chile) - Arte Moderna no Brasil, no Museo de Arte Contemporáneo
1957 - São Paulo SP - 4ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho
1958 - Barcelona (Espanha) - Lasar Segall: retrospectiva, no Palacio de la Virreina
1958 - São Paulo SP - 7º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia
1958 - São Paulo SP - Lasar Segall: retrospectivas de desenhos e gravuras, na Galeria de Arte das Folhas
1958 - Veneza (Itália) - 29ª Bienal de Veneza - sala especial
1959 - Amsterdã (Holanda) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1959 - Barcelona (Espanha) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1959 - Basiléia (Suíça) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1959 - Bruxelas (Bélgica) - Lasar Segall: retrospectiva, no Palais de Beaux-Arts
1959 - Leverkusen (Alemanha) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1959 - Londres (Reino Unido) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1959 - Milão (Itália) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1959 - Munique (Alemanha) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa, na Kunsthaus
1959 - Paris (França) - Lasar Segall: retrospectiva, no Centre Georges Pompidou. Musée National d´Art Moderne. Centre de Création Industrielle
1959 - Rio de Janeiro RJ - 30 Anos de Arte Brasileira, na Galeria Macunaíma
1959 - Roma (Itália) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1959 - São Paulo SP - 5ª Bienal Internacional de São Paulo, no MAM/SP - Sala Especial Lasar Segall e a Decoração
1959 - Viena (Áustria) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Amsterdã (Holanda) - Lasar Segall: retrospectiva, no Stedelijk Museum Amsterdam
1960 - Copenhague (Dinamarca) - Lasar Segall: retrospectiva, na Lousiana Art Gallery
1960 - Düsseldorf (Alemanha) - Lasar Segall: retrospectiva, no Kunsthalle Grabbeplatz
1960 - Hamburgo (Alemanha) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Lisboa (Portugal) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Madri (Espanha) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Nuremberg (Alemanha) - Individual, na Frankishe Galerie
1960 - Nuremberg (Alemanha) - Lasar Segall: retrospectiva, no Germanisches National Museum
1960 - Oslo (Noruega) - Lasar Segall: retrospectiva, no Kunstnemes Hus
1960 - Paris (França) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - São Paulo SP - Coleção Leirner, na Galeria de Arte das Folhas
1960 - Utrecht (Holanda) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1961 - Berlim (Alemanha) - Lasar Segall: retrospectiva, no Haus am Waldsee
1961 - Campinas SP - Lasar Segall: gravuras, no Museu Carlos Gomes
1961 - Rio de Janeiro RJ - Segall: obra gráfica e documentação, no MNBA
1961 - Varsóvia (Polônia) - Lasar Segall: retrospectiva, no Centralne Biuro Wystaw Artystycynich
1962 - Casablanca (Marrocos) - Exposição de Artistas Brasileiros
1962 - Casablanca (Marrocos) - Exposição de Artistas Brasileiros
1962 - Haifa (Israel) - Lasar Segall: retrospectiva, no Museum of Modern Art
1962 - Jerusalém (Israel) - Lasar Segall: retrospectiva, no The Bezalel National Art Museum
1962 - Rabat (Marrocos) - Exposição de Artistas Brasileiros
1962 - São Paulo SP - Seleção de Obras de Arte Brasileira da Coleção Ernesto Wolf, no MAM/SP
1962 - Tânger (Marrocos) - Exposição de Artistas Brasileiros
1962 - Telaviv (Israel) - Lasar Segall: retrospectiva, no Tel Aviv Museum - Helena Rubinstein Pavillion
1963 - Belo Horizonte MG - Segall: desenhos e gravuras, no Museu de Arte da Pampulha
1963 - Rio de Janeiro RJ - 1º Resumo de Arte JB, no Jornal do Brasil
1964 - Milão (Itália) - Il Contributto Russo alle Avanguardie Plastiche, na Galleria del Levante
1964 - Rio de Janeiro RJ - O Nu na Arte Contemporânea, na Galeria Ibeu Copacabana
1967 - Rio de Janeiro RJ - Lasar Segall: retrospectiva, no MAM/RJ
1967 - São Paulo SP - Segall: exposição de obras de colecionadores, no Museu Lasar Segall
1968 - Curitiba PR - 25º Salão Paranaense de Belas Artes, na Biblioteca Pública do Paraná
1969 - Penápolis SP - Obra Gráfica de Lasar Segall, na Fundação Educacional de Penápolis. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Penápolis
1970 - São Paulo SP - A Gravura Brasileira, no Paço das Artes
1970 - São Paulo SP - Exposição em Homenagem a Lasar Segall, na A Hebraica
1970 - São Paulo SP - Pinacoteca do Estado de São Paulo 1970, na Pinacoteca do Estado
1971 - Paris (França) - 4ª Exposition Internationale de Sculpture Contemporaine, no Musée Rodin
1971 - Rio de Janeiro RJ - Exposição de Múltiplos, na Petite Galeria
1971 - São Paulo SP - Cem Pinturas de Lasar Segall, no Masp
1972 - São Paulo SP - A Semana de 22: antecedentes e conseqüências, no Masp
1973 - Brasília DF - Exposição do Museu de Arte de São Paulo, no Ministério das Relações Exteriores. Palácio do Itamaraty
1974 - São Paulo SP - Mostra da Gravura Brasileira, na Fundação Bienal
1974 - São Paulo SP - Tempo dos Modernistas, no Masp
1975 - Belo Horizonte MG - Lasar Segall: desenhos, aquarelas e gravuras, na Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Letras
1975 - Nova York (Estados Unidos) - Jewish Experience in the Art of the Twentieth Century, no The Jewish Museum
1975 - Rio de Janeiro RJ - Lasar Segall: óleos, aquarelas e gravuras, na Galeria Vernissage
1975 - São Paulo SP - Lasar Segall: óleos, aquarelas e gravuras, na Galeria Vernissage
1975 - São Paulo SP - Lasar Segall: os temas de guerra e extermínio, no Museu Lasar Segall
1975 - São Paulo SP - O Modernismo de 1917 a 1930, no Museu Lasar Segall
1975 - São Paulo SP - SPAM e CAM, no Museu Lasar Segall
1976 - São Paulo SP - Arte Brasileira no Século XX: caminhos e tendências, na Galeria de Arte Global
1976 - São Paulo SP - Lasar Segall: o período europeu, no Museu Lasar Segall
1976 - São Paulo SP - Arte Brasileira: figuras e movimentos, na Galeria Arte Global
1976 - São Paulo SP - Os Salões: da Família Artística Paulista, de Maio e do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo, no Museu Lasar Segall
1977 - Belo Horizonte MG - Lasar Segall: a esperança é eterna, no Palácio das Artes
1977 - Brasília DF - Lasar Segall: a esperança é eterna, na Fundação Cultural
1977 - Curitiba PR - Lasar Segall: a esperança é eterna, no Teatro Guaíra
1977 - Goiânia GO - Lasar Segall: a esperança é eterna, na Casa Grande Galeria de Arte
1977 - Olinda PE - Lasar Segall: a esperança é eterna, na Igreja da Sé
1977 - Recife PE - Lasar Segall: a esperança é eterna, na Igreja de Nossa Senhora da Graça
1977 - Rio de Janeiro RJ - Lasar Segall: a esperança é eterna, no MAM/RJ
1977 - Salvador BA - Lasar Segall: a esperança é eterna, no MAM/BA
1977 - São Paulo SP - 14ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal - sala especial
1977 - São Paulo SP - A Gravura Expressionista Alemã, no Museu Lasar Segall
1977 - São Paulo SP - Lasar Segall: a esperança é eterna, na Galeria de Arte Global
1977 - São Paulo SP - Lasar Segall: retrospectiva, no Museu Lasar Segall
1978 - Porto (Portugal) - Lasar Segall: aquarelas, desenhos e gravuras, no Museu Nacional de Soares dos Reis
1978 - São Paulo SP - Exposição Comemorativa dos 70 Anos da Imigração Japonesa no Brasil: 1908 - 1978, no Masp
1978 - São Paulo SP - Lasar Segall: 1ª retrospectiva de desenhos, no Museu Lasar Segall
1978 - São Paulo SP - Lasar Segall: aquarelas, desenhos e gravuras, no Museu Lasar Segall
1978 - São Paulo SP - Lasar Segall: aquarelas, desenhos e gravuras, no Museu Lasar Segall
1978 - São Paulo SP - Lasar Segall: última fase 1948-1957, no Museu Lasar Segall
1978 - São Paulo SP - O Circo, no Paço das Artes
1978 - São Paulo SP - Os Imigrantes nas Artes Plásticas de São Paulo, no Masp
1979 - Paris (França) - Lasar Segall: aquarelas, desenhos e gravuras, na Galerie Debret
1979 - São Paulo SP - Arte no Brasil: uma história de cinco séculos, no Masp
1979 - São Paulo SP - Lasar Segall: aquarelas, desenhos e gravuras, na Galeria Sesc Carmo
1979 - São Paulo SP - Lasar Segall: obreiro, no Museu Lasar Segall
1979 - Stuttgart (Alemanha) - Lasar Segall: aquarelas, desenhos e gravuras, no Institut fur Auslandsbeziehugen
1980 - Rio de Janeiro RJ - Homenagem a Mário Pedrosa, na Galeria Jean Boghici
1980 - Santiago (Chile) - 20 Pintores Brasileños, na Academia de Bellas Artes
1980 - São Paulo SP - A Paisagem Brasileira: 1650-1976, no Paço das Artes
1980 - São Paulo SP - Lasar Segall e a Natureza, no Museu Lasar Segall
1980 - Uberlândia MG - Lasar Segall: gravuras, na Universidade Federal de Uberlândia
1981 - Curitiba PR - 3ª Mostra do Desenho Brasileiro, no Teatro Guaíra
1981 - São Paulo SP - Lasar Segall: escultor, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud
1982 - Lisboa (Portugal) - Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
1982 - Londres (Reino Unido) - Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, no Barbican Art Gallery
1982 - Rio de Janeiro RJ - 5º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ
1982 - São Paulo SP - Do Modernismo à Bienal, no MAM/SP
1982 - São Paulo SP - Segall através da Fotografia, no Museu Lasar Segall
1982 - São Paulo SP - Segall: seus temas através de suas técnicas, no Museu Lasar Segall
1982 - São Paulo SP - Seis Gravadores Expressionistas do Brasil: Segall, Goeldi, Abramo, Renina, Poty, Grassmann, no Museu Lasar Segall
1982 - São Paulo SP - Um Século de Escultura no Brasil, no Masp
1983 - Rio de Janeiro RJ - Auto-Retratos Brasileiros, na Galeria de Arte Banerj
1983 - São Paulo SP - Artes Gráficas do Expressionismo Alemão, no Masp
1983 - São Paulo SP - Grupo Secessão de Dresden, no Goethe Institut
1983 - São Paulo SP - Guerra de Lasar Segall, no Masp
1984 - Curitiba PR - 6ª A Xilogravura na História da Arte Brasileira, na Casa Romário Martins
1984 - Curitiba PR - 6ª Mostra da Gravura Cidade de Curitiba, na Fundação Cultural
1984 - Fortaleza CE - 7º Salão Nacional de Artes Plásticas
1984 - Rio de Janeiro RJ - A Xilogravura na História da Arte Brasileira, na Funarte. Galeria Sérgio Milliet
1984 - Rio de Janeiro RJ - Doações Recentes 82-84, no MNBA
1984 - Rio de Janeiro RJ - Salão de 31, na Funarte
1984 - São Paulo SP - Artistas Plásticos Judeus, no MAB/Faap
1984 - São Paulo SP - Coleção Gilberto Chateaubriand: retrato e auto-retrato da arte brasileira, no MAM/SP
1984 - São Paulo SP - Segall e o Judaísmo, no Museu Lasar Segall
1984 - São Paulo SP - Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal
1985 - Rio de Janeiro RJ - Retrato do Colecionador na sua Coleção, na Galeria de Arte Banerj
1985 - Rio de Janeiro RJ - Seis Décadas de Arte Moderna na Coleção Roberto Marinho, no Paço Imperial
1985 - São Paulo SP - 100 Obras Itaú, no Masp
1985 - São Paulo SP - 18ª Bienal Internacional de São Paulo - Expressionismo no Brasil: Heranças e Afinidades, na Fundação Bienal
1985 - São Paulo SP - Arte e Ciência: o restauro de seis telas de Segall, no Museu Lasar Segall
1985 - São Paulo SP - Sete Artistas, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud
1985 - São Paulo SP - SPAM: a história de um sonho, no Museu Lasar Segall
1986 - Belo Horizonte MG - Tempos de Guerra: Hotel Internacional
1986 - Belo Horizonte MG - Tempos de Guerra: Pensão Mauá
1986 - Porto Alegre RS - Caminhos do Desenho Brasileiro, no Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli
1986 - Rio de Janeiro RJ - Tempos de Guerra: Hotel Internacional, na Galeria de Arte Banerj
1986 - Rio de Janeiro RJ - Tempos de Guerra: Pensão Mauá, na Galeria de Arte Banerj
1986 - São Paulo SP - Tempos de Guerra: Hotel Internacional, na Fundação Bienal
1986 - São Paulo SP - Tempos de Guerra: Pensão Mauá, na Fundação Bienal
1987 - Paris (França) - Modernidade: arte brasileira do século XX, no Musée d'Art de la Ville de Paris
1987 - Rio de Janeiro RJ - Ao Colecionador: homenagem a Gilberto Chateaubriand , no MAM/RJ
1987 - São Paulo SP - A Gravura de Segall, no Museu Lasar Segall
1987 - São Paulo SP - Arquivo Lasar Segall: signos de uma vida, no Museu Lasar Segall
1987 - São Paulo SP - O Brasil Pintado por Mestres Nacionais e Estrangeiros: séculos XVIII-XX, no Masp
1987 - São Paulo SP - O Ofício da Arte: pintura, no Sesc
1987 - São Paulo SP - Segall: do desenho à pintura, no Museu Lasar Segall
1988 - Campinas SP - Lasar Segall: a exposição de 1913, no MACC
1988 - Campinas SP - Lasar Segall: a exposição de 1913, no Museu de Arte Contemporânea José Pancetti
1988 - Curitiba PR - Lasar Segall, no Clube Curitibano
1988 - Nova York (Estados Unidos) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States: 1920-1970, no The Bronx Museum of the Arts
1988 - Rio de Janeiro RJ - Visões do Trabalho, no MNBA
1988 - São Paulo - Lasar Segall: a exposição de 1913, no Museu Lasar Segall
1988 - São Paulo SP - Calcogravura: do processo à expressão, na Fundação Mokiti Okada M.O.A.
1988 - São Paulo SP - MAC 25 Anos: aquisições e doações recentes, no MAC/USP
1988 - São Paulo SP - Modernidade: arte brasileira do século XX, no MAM/SP
1988 - São Paulo SP - Segall e o Negro, no Museu Lasar Segall
1989 - El Paso (Estados Unidos) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States, 1920-1970, no El Paso Museum of Art
1989 - Lisboa (Portugal) - Seis Décadas de Arte Moderna Brasileira: Coleção Roberto Marinho, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
1989 - Rio de Janeiro RJ - A Gravura Brasileira: 4 temas, na EAV/Parque Lage
1989 - San Diego (Estados Unidos) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States: 1920-1970, no San Diego Museum of Art
1989 - San Juan (Puerto Rico) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States, 1920-1970, no Instituto de Cultura Puertorriqueña
1989 - São Paulo SP - 20ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1989 - São Paulo SP - Pintura Brasil Século XIX e XX: obras do acervo do Banco Itaú, na Itaugaleria
1990 - Berlim (Alemanha) - Lasar Segall: retrospectiva 1891-1957, na Staatliche Kunsthalle
1990 - Miami (Estados Unidos) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States, 1920-1970, no Center for the Fine Arts Miami Art Museum of Date
1990 - São Paulo SP - A Coleção de Arte do Município de São Paulo, no Masp
1990 - São Paulo SP - Mobiliário Modernista 1º Tempo, na Associação Pró Parque Modernista
1991 - Bogotá (Colômbia) - Lasar Segall: grabados, na Galeria de Arte Santa Fé
1991 - Campinas SP - A Escultura de Lasar Segall, no Museu de Arte Contemporânea José Pancetti
1991 - Porto Alegre RS - Lasar Segall: visões de guerra, no Instituto Cultural Judaico Marc Chagall
1991 - Porto Alegre RS - Visões de Guerra 1940-1943, no Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli
1991 - Rio de Janeiro RJ - Fotobiografia de Lasar Segall, no MAM/RJ
1991 - Rio de Janeiro RJ - Lasar Segall e o Rio de Janeiro, no MAM/RJ
1991 - São Paulo SP - 21ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal - sala especial
1991 - São Paulo SP - A Escultura de Lasar Segall, no Museu Lasar Segall
1991 - São Paulo SP - Fotobiografia de Lasar Segall, no Masp
1991 - São Paulo SP - O Desenho de Lasar Segall, no Museu Lasar Segall
1991 - São Paulo SP - Viagem à Pintura de Lasar Segall, no Masp
1991 - São Paulo SP - Viagem Imaginária com Lasar Segall: a descoberta do Brasil, na Pinacoteca do Estado
1992 - Campinas SP - Premiados nos Salões de Arte Contemporânea de Campinas, no MACC
1992 - Curitiba PR - 10ª Mostra da Gravura Cidade de Curitiba/Mostra América, no Museu da Gravura
1992 - Paris (França) - Latin American Artists of the Twentieth Century, no Centre Georges Pompidou
1992 - Paris (França) - Latin American Artists of the Twentieth Century, no Centre Georges Pompidou
1992 - Poços de Caldas MG - Arte Moderna Brasileira: acervo do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, na Casa de Cultura de Poços
1992 - Rio de Janeiro RJ - Gravura de Arte no Brasil: proposta para um mapeamento, no CCBB
1992 - Rio de Janeiro RJ - Natureza: quatro séculos de arte no Brasil, no CCBB
1992 - São Paulo SP - A Sedução dos Volumes: os tridimensionais do MAC, no MAC/USP
1992 - São Paulo SP - O Olhar de Sérgio sobre a Arte Brasileira: desenhos e pinturas, na Biblioteca Municipal Mário de Andrade
1992 - Sevilha (Espanha) - Latin American Artists of the Twentieth Century, na Estación Plaza de Armas
1992 - Zurique (Suíça) - Brasilien: entdeckung und selbstentdeckung, no Kunsthaus Zürich
1993 - Colônia (Alemanha) - Latin American Artists of the Twentieth Century, no Kunsthalle Cologne
1993 - João Pessoa PB - Xilogravura: do cordel à galeria, na Fundação Espaço Cultural da Paraíba
1993 - Nova York (Estados Unidos) - Latin American Artists of the Twentieth Century, no MoMA
1993 - Poços de Caldas MG - Coleção Mário de Andrade: o modernismo em 50 obras sobre papel, na Casa da Cultura
1993 - Ribeirão Preto SP - Retrospectiva de Gravuras de Lasar Segall, no Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi
1993 - Rio de Janeiro RJ - Brasil, 100 Anos de Arte Moderna, no MNBA
1993 - Rio de Janeiro RJ - Emblemas do Corpo: o nu na arte moderna brasileira, no CCBB
1993 - São Paulo SP - 100 Obras-Primas da Coleção Mário de Andrade: pintura e escultura, no IEB/USP
1993 - São Paulo SP - A Arte Brasileira no Mundo, uma Trajetória: 24 artistas brasileiros, na Dan Galeria
1993 - São Paulo SP - Comemoração do Centenário de Mário de Andrade: 1893-1993, na Pinacoteca do Estado
1993 - São Paulo SP - Mário e Segall: à espera dos futuros paraísos, no Museu Lasar Segall
1993 - São Paulo SP - O Desenho Moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateaubriand, na Galeria de Arte do Sesi
1993 - São Paulo SP - O Modernismo no Museu de Arte Brasileira: pintura, no MAB/Faap
1993 - São Paulo SP - O Tempo em Segall, no Museu Lasar Segall
1993 - São Paulo SP - Retrospectiva, no Museu Lasar Segall
1994 - Campinas SP - A Figura Feminina na Gravura de Segall, no Itaú Cultural
1994 - Poços de Caldas MG - Coleção Unibanco: exposição comemorativa dos 70 anos do Unibanco, na Casa de Cultura
1994 - Rio de Janeiro RJ - O Desenho Moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateubriand, no MAM/RJ
1994 - Rio de Janeiro RJ - Trincheiras: arte e política no Brasil, no MAM/RJ
1994 - São Paulo SP - A Aventura Modernista: Coleção Gilberto Chateaubriand no acervo do MAM/RJ, na Galeria de Arte do Sesi
1994 - São Paulo SP - Arte Moderna Brasileira: uma seleção da Coleção Roberto Marinho, no Masp
1994 - São Paulo SP - Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal
1994 - São Paulo SP - Poética da Resistência: aspectos da gravura brasileira, na Galeria de Arte do Sesi
1994 - São Paulo SP - Xilogravura: do cordel à galeria, na Companhia do Metropolitano de São Paulo
1994 - São Paulo SP - Xilogravura: do cordel à galeria, no Masp
1995 - Curitiba PR - 11ª Mostra da Gravura Cidade de Curitiba, na Fundação Cultural. Solar do Barão
1995 - Rio de Janeiro RJ - Coleção Unibanco: exposição comemorativa dos 70 anos do Unibanco, no MAM/RJ
1995 - Rio de Janeiro RJ - Coleção Unibanco: exposição comemorativa dos 70 anos do Unibanco, no MAM/RJ
1995 - São Paulo SP - Lasar Segall: construção e poética de uma obra, no Museu Lasar Segall
1995 - São Paulo SP - Lasar Segall: construção e poética de uma obra, no Museu Lasar Segall
1996 - João Pessoa PB - Lasar Segall: migrantes, no Núcleo de Arte Contemporânea da UFPB
1996 - Rio de Janeiro RJ - Lasar Segall: cenógrafo, no CCBB
1996 - São Paulo SP - Arte Brasileira: 50 anos de história no acervo MAC/USP: 1920-1970, no MAC/USP
1997 - Barra Mansa RJ - O Museu Visita a Galeria , no Centro Universitário de Barra Mansa
1997 - São Paulo SP - Mário de Andrade e o Grupo Modernista, no Centro Cultural e de Estudos Aúthos Paganos
1997 - São Paulo SP - Mestres do Expressionismo no Brasil, no Masp
1997 - São Paulo SP - O Toque Revelador: retratos e auto-retratos, no MAC/USP
1998 - Brasília DF - Brasileiro que nem Eu, que nem Quem?, no Ministério das Relações Exteriores
1998 - Rio de Janeiro RJ - Imagens Negociadas: retratos da elite brasileira, no CCBB
1998 - São Paulo SP - 24ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1998 - São Paulo SP - Destaques da Coleção Unibanco, no Instituto Moreira Salles
1998 - São Paulo SP - Fantasia Brasileira: o balé do 4º Centenário, no Sesc Belenzinho
1998 - São Paulo SP - Os Colecionadores - Guita e José Mindlin: matrizes e gravuras, na Galeria de Arte do Sesi
1998 - São Paulo SP - O Moderno e o Contemporâneo na Arte Brasileira: Coleção Gilberto Chateaubriand - MAM/RJ, no Masp
1999 - Niterói RJ - Mostra Rio Gravura. Acervo Banerj, no Museu do Ingá
1999 - Porto Alegre RS - 2ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul, na Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul
1999 - Porto Alegre RS - Picasso, Cubismo e América Latina, no Margs
1999 - Rio de Janeiro RJ - Mostra Rio Gravura. Gravura Moderna Brasileira: acervo Museu Nacional de Belas Artes, no MNBA
1999 - São Paulo SP - A Figura Feminina no Acervo do MAB, no MAB/Faap
1999 - São Paulo SP - Brasileiro que nem Eu, que nem Quem?, no Museu de Arte Brasileira. Salão Cultural
2000 - Brasília DF - Exposição Brasil Europa: encontros no século XX, no Conjunto Cultural da Caixa
2000 - Campinas SP - Lasar Segall: maternidades, no Museu de Arte Contemporânea José Pancetti
2000 - Caxias do Sul RS - Mostra Itinerante do Acervo do Margs
2000 - Curitiba PR - 12ª Mostra da Gravura de Curitiba. Marcas do Corpo, Dobras da Alma 
2000 - Lisboa (Portugal) - Brasil-brasis: cousas notaveis e espantosas. Olhares Modernistas, no Museu do Chiado
2000 - Lisboa (Portugal) - Século 20: arte do Brasil, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
2000 - Passo Fundo RS - Mostra Itinerante do Acervo do Margs
2000 - Pelotas RS - Mostra Itinerante do Acervo do Margs
2000 - Ribeirão Preto SP - Lasar Segall: maternidades, no Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi
2000 - Rio de Janeiro RJ - Matrizes do Expressionismo no Brasil: Abramo, Goeldi e Segall, no Paço Imperial
2000 - Rio de Janeiro RJ - Quando o Brasil era Moderno: artes plásticas no Rio de Janeiro de 1905 a 1960, no Paço Imperial
2000 - Santa Maria RS - Mostra Itinerante do Acervo do Margs 
2000 - São Paulo SP - A Figura Feminina no Acervo do MAB, MAB/Faap
2000 - São Paulo SP - A Figura Humana na Coleção Itaú, no Itaú Cultural
2000 - São Paulo SP - Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento. Arte Moderna e Negro de Corpo e Alma, na Fundação Bienal
2000 - São Paulo SP - Investigações: A Gravura Brasileira, no Itaú Cultural
2000 - São Paulo SP - Matrizes do Expressionismo no Brasil: Abramo, Goeldi e Segall, no MAM/SP
2000 - São Paulo SP - O Papel da Arte, na Galeria de Arte do Sesi
2000 - São Paulo SP - Um Certo Ponto de Vista: Pietro Maria Bardi 100 anos, na Pinacoteca do Estado
2000 - São Paulo SP - Bardi e Segall: o Brasil e os museus, no Museu Lasar Segall
2000 - Valência (Espanha) - De la Antropofagia a Brasilía: Brasil 1920-1950, no IVAM. Centre Julio Gonzáles
2001 - Brasília DF - Coleções do Brasil, no CCBB
2001 - Brasília DF - Investigações. A Gravura Brasileira, na Galeria Itaú Cultural 
2001 - Nova York (Estados Unidos) - Brazil: body and soul, no Solomon R. Guggenheim Museum
2001 - Penápolis SP - Investigações. A Gravura Brasileira, na Galeria Itaú Cultural
2001 - Rio de Janeiro RJ - Aquarela Brasileira, no Centro Cultural Light
2001 - Rio de Janeiro RJ - Coleções do Moderno: Hecilda e Sergio Fadel na Chácara do Céu, nos Museus Castro Maya. Museu da Chácara do Céu
2001 - São Paulo SP - 30 Mestres da Pintura no Brasil, no Masp
2001 - São Paulo SP - Coleção Aldo Franco, na Pinacoteca do Estado
2001 - São Paulo SP - Museu de Arte Brasileira: 40 anos, no MAB/Faap
2001 - São Paulo SP - Segall e Warchavchik: reedição, na Galpão de Design
2001 - São Paulo SP - Trajetória da Luz na Arte Brasileira, no Itaú Cultural
2002 - Rio de Janeiro RJ - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
2002 - Rio de Janeiro RJ - Identidades: o retrato brasileiro na Coleção Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ
2002 - São Paulo SP - 22 e a Idéia do Moderno, MAC/USP
2002 - São Paulo SP - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
2002 - São Paulo SP - Arte e Inconsciente: três visões sobre o Juquery, no Instituto Moreira Salles
2002 - São Paulo SP - Da Antropofagia a Brasília: Brasil 1920-1950, no MAB/Faap
2002 - São Paulo SP - Espelho Selvagem: arte moderna no Brasil da primeira metade do século XX, Coleção Nemirovsky, no MAM/SP
2002 - São Paulo SP - Imagem e Identidade: um olhar sobre a história na coleção do Museu de Belas Artes, no Instituto Cultural Banco Santos
2002 - São Paulo SP - Lasar Segall e Otto Dix: diálogos gráficos, no Museu Lasar Segall
2002 - São Paulo SP - Lasar Segall: síntese de um percurso, no Museu Lasar Segall
2002 - São Paulo SP - No Tempo dos Modernistas: D. Olivia Penteado, a senhora das artes, no Museu de Arte Brasileira
2002 - São Paulo SP - Modernismo: da Semana de 22 à seção de arte de Sérgio Milliet, no CCSP
2002 - São Paulo SP - Otto Dix e Lasar Segall: imagens da guerra, no MAB/Faap
2003 - Brasília DF - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
2003 - Ribeirão Preto SP - Anos 20: A Modernidade Emergente, no Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi
2003 - Rio de Janeiro RJ - Arte Brasileira: da Revolução de 30 ao pós-guerra, no MAM/RJ
2003 - Rio de Janeiro RJ - Arte em Movimento, no Espaço BNDES
2003 - Rio de Janeiro RJ - Autonomia do Desenho, no MAM/RJ
2003 - São Paulo SP - A Aventura Modernista de Berta Singerman: uma voz argentina no Brasil, no Museu Lasar Segall
2003 - São Paulo SP - Arte e Sociedade: uma relação polêmica, no Itaú Cultural
2003 - São Paulo SP - Escultores - Esculturas, na Pinakotheke
2003 - São Paulo SP - Lasar Segall, na A Hebraica
2003 - São Paulo SP - Oscar Klabin Segall: imagens de um filho, no Museu Lasar Segall
2003 - São Paulo SP - Tomie Ohtake na Trama Espiritual da Arte Brasileira, no Instituto Tomie Ohtake
2004 - Brasília DF - O Olhar Modernista de JK, no Ministério das Relações Exteriores. Palácio do Itamaraty
2004 - Curitiba PR - Tomie Ohtake na Trama Espiritual da Arte Brasileira: exposição comemorativa dos 90 anos da artista, no Museu Oscar Niemeyer
2004 - Madri (Espanha) - Arco/2004, no Parque Ferial Juan Carlos I
2004 - Rio de Janeiro RJ - A Face Icônica da Arte Brasileira, no MAM/RJ
2004 - Rio de Janeiro RJ - O Século de um Brasileiro: Coleção Roberto Marinho, Paço Imperial
2004 - Rio de Janeiro RJ - Tomie Ohtake na Trama Espiritual da Arte Brasileira, no MNBA
2004 - São Paulo SP - Gabinete de Papel, no Centro Cultural São Paulo
2004 - São Paulo SP - Mestres do Modernismo, na Estação Pinacoteca
2004 - São Paulo SP - Novas Aquisições: 1995 - 2003, no MAB/Faap
2004 - São Paulo SP - O Mandarim Maravilhoso, no Museu Lasar Segall
2004 - São Paulo SP - O Preço da Sedução: do espartilho ao silicone, no Itaú Cultural
2005 - Curitiba PR - Odorico Tavares: a minha casa baiana - sonhos e desejos de um colecionador, no Museu Oscar Niemeyer
2005 - Fortaleza CE - Arte Brasileira: nas coleções públicas e privadas do Ceará, no Espaço Cultural Unifor
2005 - Ribeirão Preto SP - O Retrato: Possibilidades, no Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi
2005 - São Paulo SP - Faces de Mário, no IEB/SP
2005 - São Paulo SP - O Século de um Brasileiro: Coleção Roberto Marinho, no MAM/SP
2005 - São Paulo SP - Construção Poética de Uma Obra, no Museu Lasar Segall
2005 - São Paulo SP - 100 Anos da Pinacoteca: a formação de um acervo, na Galeria de Arte do Sesi
2005 - São Paulo SP - 30 Anos com Arte, no Sesc Interlagos
2005 - São Paulo SP - Odorico Tavares: a minha casa baiana - sonhos e desejos de um colecionador, na Galeria de Arte do Sesi
2006 - Belém PA - Traços e Transições da Arte Contemporânea Brasileira, no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas
2006 - Florianópolis SC - Traços do Acervo Caixa, no Museu de Arte de Santa Catarina
2006 - Rio de Janeiro RJ - O Desenho Moderno Brasileiro 1917-1950, no Museu de Arte Moderna
2006 - Rio de Janeiro RJ - Um Século de Arte Brasileira - Coleção Gilberto Chateaubriand, no Museu de Arte Moderna
2006 - São Paulo SP - 1º Salão de Arte, na A Hebraica
2006 - São Paulo SP - Gravura de Segall: processos poéticos, no Museu Lasar Segall
2006 - São Paulo SP - Aquarelas de Segall, no Museu Lasar Segall
2008 - São Paulo SP - Segall Realista, na Galeria de Arte do Sesi
2006 - São Paulo SP - Brasiliana Masp: moderna contemporânea, no Museu de Arte de São Paulo
2006 - São Paulo SP - O Olhar Modernista de JK, no MAB-FAAP
2006 - São Paulo SP - Pincelada - Pintura e Método: projeções da década de 50, no Instituto Tomie Ohtake
2006 - São Paulo SP - Um Século de Arte Brasileira - Coleção Gilberto Chateaubriand, na Pinacoteca do Estado
2007 - São Paulo SP - Arte-Antropologia, no MAC/USP
2007 - São Paulo SP - Brasil, Várias Vezes Moderno, no Espaço Arte MorumbiShopping
2007 - Curitiba PR - Um Século de Arte Brasileira - Coleção Gilberto Chateaubriand, no Museu Oscar Niemeyer
2007 - Ribeirão Preto SP - Marp 15 Anos, no Marp
2007 - Salvador BA - Um Século de Arte Brasileira - Coleção Gilberto Chateaubriand, no Museu de Arte Moderna da Bahia
2008 - Curitiba PR - Segall Realista, no Museu Oscar Niemeyer
2008 - Rio de Janeiro RJ - Segall Realista, no Instituto Moreira Salles
2008 - São Paulo SP - Brasil Brasileiro, no Centro Cultural Banco do Brasil
2008 - São Paulo SP - Estratégias para Entrar e Sair da Modernidade na Coleção Itaú Moderno, Museu de Arte de São Paulo
2009 - Nova Lima MG - O Mundo Mágico de Marc Chagall: o sonho e a vida, na Casa Fiat de Cultura
2009 - Porto Alegre RS - Cálculo da Expressão, na Fundação Iberê Camargo
2009 - Rio de Janeiro RJ - Brasil Brasileiro, no Centro Cultural Banco do Brasil
2009 - Rio de Janeiro RJ - O Mundo Mágico de Marc Chagall: o sonho e a vida, no Museu Nacional de Belas Artes
2009 - São Paulo SP - Arte na França 1860-1960: o Realismo, no Museu de Arte de São Paulo
2009 - São Paulo SP - Memorial Revisitado: 20 anos, na Galeria Marta Traba
2009 - São Paulo SP - Modernos de Sempre, na Dan Galeria
2009 - São Paulo SP - Pagu Oswald Segall, no Museu Lasar Segall
2009 - São Paulo SP - Papéis em Destaque: mestres do século XX, na Dan Galeria
2009 - São Paulo SP - Tesouros da Coleção Roberto Marinho, no Espaço Cultural BM&FBovespa
2009 - São Paulo SP - O Corpo na Pintura de Segall, no Museu Lasar Segall
2009 - São Paulo SP - Lasar Segall Retrospectiva, no Museu Lasar Segall
2010 - Rio de Janeiro RJ - Genealogias do Contemporâneo, no Museu de Arte Moderna
2010 - São Paulo SP - 6ª Sp-Arte, na Fundação Bienal
2010 - São Paulo SP - Brasilidade e Modernismo, na Dan Galeria
2010 - São Paulo SP - Cálculo da Expressão, no Museu Lasar Segall
2010 - São Paulo SP - Coleção Domingos Giobbi: arte, uma relação afetiva, na Estação Pinacoteca
2010 - São Paulo SP - Memórias Reveladas, no Museu de Arte Brasileira
2010 - São Paulo SP - Verdade-Fraternidade-Arte, no Museu Lasar Segall
2011 - Belo Horizonte MG - 1911-2011: Arte Brasileira e Depois, na Coleção Itaú, na Fundação Clóvis Salgado. Palácio das Artes
2011 - Bruxelas (Bélgica) - Gravura Extrema, no Centre de la Gravure et de l'Image Imprimée La Louvière
2011 - Nova Lima MG - Tarsila e o Brasil dos Modernistas, na Casa Fiat de Cultura
2011 - Ouro Preto MG - Lasar Segall: imagens do Brasil, no Museu da Inconfidência
2011 - São Paulo SP - Arte no Brasil: Uma História na Pinacoteca de São Paulo, na Pinacoteca do Estado
2011 - São Paulo SP - 7ª Sp-Arte, na Fundação Bienal
2011 - São Paulo SP - Modernismos no Brasil, no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo
2011 - São Paulo SP - Papéis Brasileiros: a arte da gravura - Coleção Masp, no Museu de Arte de São Paulo
2012 - São Paulo SP - Visões de Guerra, no Centro da Cultura Judaica
2012 - São Paulo SP - Da Seção de Arte ao Prêmio Aquisição: a gênese do Gabinete do Desenho, no Gabinete do Desenho
2012 - São Paulo SP - Gravura Brasileira no Acervo da Pinacoteca de São Paulo, na Pinacoteca do Estado
2013 - Campinas SP - 100 anos de Arte Paulista no Acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo, na Galeria de Arte da CPFL Cultura
2013 - São Paulo SP - Segall Brasil 1913 - 2013: 50 Obras de Acervo, no Museu Lasar Segall
2013 - São Paulo SP - Segall Brasil 1913 - 2013: 50 Fotografias de Acervo, no Museu Lasar Segall

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Emeric Marcier - Igreja de Ouro Preto

Emeric Marcier

Igreja de Ouro Preto