Escritoriodearte.com > Artistas > Eliseu Visconti

Eliseu Visconti


OBRAS DO ARTISTA

 - Minha Companheira - Retrato de Louise em Sépia
Solicitar Orçamento

Compartilhar

Minha Companheira - Retrato de Louise em Sépia

Técnica: óleo sobre tela
Data: c. 1925
Medida: 82 x 66 cm
Comentários: ass. inf. dir.
Registrada no Catálogo de Obras on-line do Projeto Eliseu Visconti, sob o Código P134.

Preço: Sob Consulta
 - Louise
Solicitar Orçamento

Compartilhar

Louise

Técnica: óleo sobre tela
Data: s.d.
Medida: 65 x 54 cm
Comentários:

Preço: Sob Consulta

BIOGRAFIA

Eliseu Visconti (Salerno, Itália 1866 - Rio de Janeiro RJ 1944)

Pintor, desenhista, professor.

Eliseu D'Angelo Visconti vem com a família para o Rio de Janeiro, entre 1873 e 1875, e, em 1883, passa a estudar no Liceu de Artes e Ofícios, com Victor Meirelles (1832 - 1903) e Estêvão Silva (ca.1844 - 1891). No ano seguinte, sem deixar o Liceu, ingressa na Academia Imperial de Belas Artes - Aiba, tendo como professores Zeferino da Costa (1840 - 1915), Rodolfo Amoedo (1857 - 1941), Henrique Bernardelli (1858 - 1936), Victor Meirelles e José Maria de Medeiros (1849 - 1925). Em 1888, abandona a Aiba para integrar o Ateliê Livre, que tem por objetivo atualizar o ensino tradicional. Com as mudanças ocorridas com a Proclamação da República, a Aiba transforma-se na Escola Nacional de Belas Artes - Enba. Visconti volta a freqüentá-la e recebe, em 1892, o prêmio de viagem ao exterior. Vai à Paris e ingressa na École Nationale et Spéciale des Beaux-Arts [Escola Nacional e Especial de Belas Artes]; cursa arte decorativa na École Guérin, com Eugène Samuel Grasset (ca.1841 - 1917), um dos introdutores do art nouveau na França. Viaja à Madri, onde realiza cópias de Diego Velázquez (1599 - 1660), no Museo del Prado [Museu do Prado], e à Itália, onde estuda a pintura florentina. Em 1900, regressa ao Brasil e, no ano seguinte, expõe pela primeira vez na Enba. Executa o ex-libris para a Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, e vence o concurso para selos postais e cartas-bilhetes, em 1904. Em 1905 é convidado pelo prefeito da cidade, engenheiro Pereira Passos, para realizar painéis para a decoração do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Entre 1908 e 1913, é professor de pintura na Enba, cargo a que renuncia por descontentamento com as normas do ensino. Retorna à Europa para realizar também, entre 1913 e 1916, a decoração do foyer do Theatro Municipal do Rio de Janeiro e só se fixa definitivamente no Brasil em 1920. Segundo alguns estudiosos, é considerado um praticante do art nouveau e do desenho industrial e gráfico no Brasil, com obras em cerâmica, tecidos e luminárias.

Comentário Crítico

Eliseu Visconti, freqüenta, em 1883, o Liceu de Artes e Ofícios, no Rio de Janeiro; estuda depois na Academia Imperial de Belas Artes - Aiba, onde tem como professores Victor Meirelles (1832 - 1903), José Maria de Medeiros (1849 - 1925), Henrique Bernardelli (1858 - 1936) e Rodolfo Amoedo (1857 - 1941). Em 1888, estuda no Ateliê Livre, criado por Henrique Bernardelli, Rodolfo Amoedo e Rodolfo Bernardelli (1852 - 1931), em protesto ao ensino tradicional da Aiba e estruturado nos moldes da Académie Julian, de Paris.

Com a República, modifica-se a direção da Aiba, que passa a se chamar Escola Nacional de Belas Artes - Enba. Eliseu Visconti volta a freqüentar a instituição e com o restabelecimento do prêmio de viagem ao exterior, é o primeiro aluno a recebê-lo, em 1892. Aperfeiçoa-se em Paris na École Nationale et Spéciale des Beaux-Arts [Escola Nacional e Especial de Belas Artes]. Estuda também arte decorativa na École Guérin, com Eugène Samuel Grasset (ca.1841 - 1917), de onde provém seu interesse pelo movimento art nouveau. O contato com as obras de mestres italianos do Renascimento, especialmente Sandro Botticelli (ca.1444 - 1510) e com o simbolismo, se traduz em sua pintura principalmente pela linearidade das figuras, como em Giuventú (1898) e A Dança das Oréades (1899), premiadas na Exposição Internacional de Paris, em 1900, ano em que regressa ao Brasil.

Vivendo um momento de modernização da arte no Brasil, sua obra abre-se às principais tendências internacionais do fim do século XIX e início do século XX. Busca estreitar as relações entre arte e indústria e realiza no Rio de Janeiro, em 1901, uma exposição individual que inclui seus projetos para objetos em ferro, cerâmica, marchetaria, vitrais, estamparia de tecidos e papel de parede. A partir de 1903 alterna períodos na França e no Brasil. Em 1904 executa o ex-libris para a Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, e vence um concurso para selos postais e cartas-bilhetes. Em 1905, realiza o retrato da escultora Nicolina Vaz de Assis (1874 - 1941), um de seus trabalhos mais representativos no gênero, no qual procura ressaltar a elegância e a dignidade da figura. No mesmo ano, é convidado pelo prefeito do Rio de Janeiro, engenheiro Pereira Passos, para executar a decoração (pano de boca, painel decorativo circular do plafond e friso sobre o proscênio) do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Revela grande influência do impressionismo e passa a utilizar cores mais claras e luminosas. O pano de boca do teatro é uma de suas obras mais alegóricas, de caráter levemente simbolista. Relativo ao progresso das artes e da civilização, ele apresenta uma reunião de homens célebres: artistas, músicos e poetas de várias épocas, estrangeiros e brasileiros, em cortejo que tem como figura principal o compositor Carlos Gomes (1836 - 1896). Além desses personagens, há figuras femininas que dançam envoltas em panejamentos esvoaçantes, em fundo de azuis e rosas, realizado com pinceladas leves.

Os modelos para seus quadros, em grande parte, passam a ser sua mulher, Louise Visconti (1882 - 1954), e seus filhos. O artista começa a destacar-se por suas qualidades de colorista. Em Maternidade (1906), elas podem ser vistas no azul da saia de seda da mulher, com reflexos prateados, e no branco da blusa e do chapéu. Para o crítico de arte Mário Pedrosa (1900 - 1981) o contraste das cores e a beleza das texturas dos panos são os assuntos principais da tela. É uma obra que resulta das pesquisas realizadas em contato direto com a natureza, como os estudos de paisagem que faz do jardim de Luxemburgo, em Paris. É nomeado em 1906, ainda na França, professor da cadeira de pintura da Enba, cargo que ocupa de 1908 a 1913. Nesse período, seu trabalho aproxima-se do pontilhismo, como por exemplo, em A Rosa (1909). Em O Retrato de Gonzaga Duque (1908/1910), pinta o maior crítico de arte do período, de modo realista, com uma bem-composta superposição de tons castanhos em fundo escuro.

Em 1913, volta à França para fazer a decoração do foyer do Theatro Municipal, composto de três painéis: Música, Inspiração Poética e Inspiração Musical, nos quais mostra figuras etéreas, vaporosas, em fundo de tons suaves e indefinidos, criando uma atmosfera de sonho. Em 1920, regressa definitivamente ao Brasil. Pinta inúmeras paisagens, como Cura de Sol (1920), cujo cenário é sua pequena propriedade em St. Hubert, nos arredores de Paris. Em Moça no Trigal (s.d.) apresenta uma delicadeza de tons e meias-tintas, "dourados, amarelos, com ligeiras curvas descendentes para os graves roxos e sem remontar aos verdes".1 Considerado pela crítica um renovador da pintura de paisagem no Brasil, anos depois, pinta paisagens de Teresópolis, Rio de Janeiro, como Quaresmas (1942) ou Roupa Estendida (1944), nas quais procura captar o vapor atmosférico da serra, com grande preocupação com a cor e a luz. Para a estudiosa Maria José Sanches, Visconti apresenta a manifestação da luminosidade brasileira, sem deixar de vincular-se à técnica impressionista.

Eliseu Visconti realiza muitos auto-retratos. Mais sóbrios no começo do século, são trabalhados com cores claras e vibrantes e pinceladas largas, no decorrer das décadas de 1930 e 1940. Em vários deles, representa-se como pintor, segurando a paleta ou os pincéis, como em Ilusões Perdidas (1933). Artista eclético, dedica-se com liberdade à sua produção artística, na qual dialoga com tendências contemporâneas como o art nouveau, o simbolismo, o pontilhismo e o impressionismo, buscando a atualização da arte no país.

Notas
1 PEDROSA, Mário. Visconti diante das modernas gerações. In:  _____. Acadêmicos e modernos: textos escolhidos III. São Paulo: Edusp, 1998. p.119-133.

Críticas

"Com Rodolfo Amoedo, Henrique Bernardelli, J. Medeiros e Zeferino da Costa, aprendeu um ofício - o ofício do pintor. Mas foi consigo mesmo, passando na Europa por um estágio útil de observação dos mestres, principalmente dos venezianos, que aprendeu algo mais sério e mais profundo que é a pintura propriamente dita, a pintura que nos deu na madureza e que vale independentemente da influência que possam ter os nossos sentidos os temas que representa. Não se contentou em pintar por moldes ou imitar o já feito. Criou. Plasmou um estilo. Firmou uma personalidade. E por isso, porque ultrapassou os limites do ofício, é ele o grande pintor que é. Alguém já afirmou que a decadência da pintura começa quando da necessidade de criar se passa, insensivelmente, ao desejo de imitar. Esse estado de decadência nunca o encontrareis em Eliseu Visconti. Ainda um dia destes, em uma casa comercial nas imediações da Avenida, vi exposta uma paisagem sua, de 1891, de quando era ainda aluno da Escola. Que promissora personalidade revelava já a esse tempo, na adolescência! A Escola de Belas Artes era então, como de certo modo continua sendo, um simples prolongamento, com outro rótulo, dos métodos de ensino da Academia Imperial, malgrado a aparente renovação de quadros promovida pela República. Eliseu Visconti vinha da Academia e, evidentemente, numa obra desse tempo tem de ser latentes as influências limitadoras. Na paisagem a que me refiro, falta ainda o sentido do ar livre, da luz luminosa, da cor liberta da tirania dos terras. Ide porém olhá-la, senhoras e senhores, para que possais aquilatar por vós mesmos, comparando-a com o que tem feito depois no Brasil, da força que ela nos mostra do grande pintor que surgia! Eliseu Visconti podia ter parado aí, variando apenas os temas, e teria feito tanto quanto fez a maioria dos seus contemporâneos. Sua personalidade, porém, era argamassa na insatisfação, no movimento, na evolução. Não pararia nunca. Ele repetia sempre, a discípulos e amigos, que Arte é movimento e que ao artista, eterno insatisfeito, como à vida, só a morte poderá deter. E só ela, com efeito, o deteve".
Frederico Barata
BARATA, Frederico. Eliseu Visconti e seu tempo. Rio de Janeiro: Zelio Valverde, 1944. p. 192-194.

"Visconti foi o mais importante artista do primeiro terço do século no país não só porque sabia pintar, mas porque pintava, apesar de tudo, uma coisa nova. Não se tratava, no caso dele, de conservar resíduos de neoclassicismo ou do academismo alegórico. Sempre vibrou uníssono com problemas de seu tempo, malgrado fosse geracionalmente tardio (...) para ter sido artista de vanguarda. Assim não se intelectualizou nem se radicalizou. Mas no conceito de intimidade que infundia na sua noção de arte foi vivo e se transformou, criou um mundo delicioso de cor tênue (...)".
Mário Barata
AYALA, Walmir (Org. ); CAVALCANTI, Carlos (Org. ). Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: MEC: INL, 1973.

"Visconti será a figura exponencial do surgimento da pintura moderna no país, que a partir dele não cessará de enriquecer-se com os frutos dos movimentos constantes de renovação que se irão apresentando no tumulto cultural dos grandes centros europeus. Introduzindo, finalmente, o impressionismo e o divisionismo na pintura brasileira, Visconti é o precursor dessa atualização que irá se processando até Anita Malfatti; com sua exposição de 1917 e, em seguida, radicalizada pela Semana de Arte Moderna em São Paulo (1922). O que significa a atuação de Visconti em nosso movimento modernista surge, inestimável, nesta nova declaração sua, que deixa a descoberto toda sua objetividade artística: ´O espírito quer renovação e é a própria natureza que nos impele a esse movimento universal. Nela nada está parado´ ".
Quirino Campofiorito
CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.

"O impressionismo é a revelação de sua verdadeira personalidade; a palheta aproxima-se da pureza do prisma solar, e ele pode, então, entregar-se aos cantos de tenor de seu colorido. Dificilmente distingue entre acessórios e principal, entre fundos e personagens. As próprias decorações do Municipal (teto e foyer) só em parte se defendem, e isso mesmo apenas pela leveza dos tons, a vibração cromática da fatura dividida, a melodia (a nosso gosto adocicado demais) dos rosas e azuis, no meio dos quais as figuras, plasticamente pobres, esvoaçam, perdidas, sem destaques nem privilégios. Mesmo depois desse negócio íntimo, com a sensação e a improvisação impressionista, e quando ainda mitiga o processo divisionista, limitando-o ora a fundos ora a determinadas figuras isoladas (Crisálida), o colorista não desarma. Em St. Hubert, onde a individualidade do pintor se acentua até atingir os contornos precisos da fase final brasileira das paisagens de Teresópolis, ele não resiste aos encantos de uma melopéia tonal que flui do verde ao amarelo e do vermelho ao roxo, sem tropeços (Outono, St. Hubert). A atmosfera doce, medida da Ilha de França, o embala. A seqüência tonal é melódica, correntia, mal interrompida por sincopados em vermelho. O artista é empolgado pelos problemas puramente pictóricos e colorísticos: a delicadeza dos tons e das meias-tintas, dourados, amarelos, com ligeiras curvas descendentes para os graves roxos e sem remontar aos verdes (Trigal). E, Flores de Rua, St. Hubert, com as suas pinceladas curtas, as figurinhas que brincam na calçada, que são? Manchas, tons, flores, como as que pendem dos galhos e se inclinam sobre muros. Mais tarde, no Brasil, sob a luz tropical ainda indomada na nossa pintura, Visconti é um conquistador de atmosfera. E aquela ciência da luz e do colorido que aprendeu em França vai servi-lo agora para dominar o vapor atmosférico. Será esta a grande contribuição".
Mário Pedrosa
PEDROSA, Mário. Acadêmicos e modernos: textos escolhidos III. São Paulo: Edusp, 1998. p. 128.

Depoimentos

"Sou presentista. A arte não pode parar. Modifica-se permanentemente. Agrada agora o que antes era detestado. Isto é evolução e não é possível fugir aos seus efeitos. O homem não para. Vai sempre adiante. Os futuristas, os cubistas são todos expressões respeitáveis, artistas que tateiam, procurando alguma coisa que ainda não alcançaram. Eles agitam, sacodem, renovam. São dignos, por conseguinte, de toda admiração".
Eliseu Visconti
SANCHES, Maria José. Impressionismo Viscontiniano. 1982. 139p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP, São Paulo, 1982. p.14.

Exposições Individuais

1901 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Enba
1903 - São Paulo SP - Individual, no Salão Nobre do Banco Construtor e Agrícola
1905 - Rio de Janeiro RJ - Exposição do Esboço da Obra do Pano de Boca do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, na Casa Vieitas
1908 - Paris (França) - Exposição de Parte da Obra do Pano de Boca do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, no Ateliê de Puvis de Chavannes
1910 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Casa Vieitas
1920 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Jorge 
1926 - Rio de Janeiro - Retrospectiva, na Galeria Jorge

Exposições Coletivas

1888 - Rio de Janeiro RJ - Exposição Geral de Belas Artes, na Aiba - medalha de prata
1889 - Rio de Janeiro RJ - Exposição Atelier Livre, em um sobrado localizado na Rua do Ouvidor
1890 - Rio de Janeiro RJ - Exposição Geral de Belas Artes, na Enba - menção honrosa
1893 - Chicago (Estados Unidos) - Exposição Internacional Colombiana
1893 - Paris (França) - Salão de Paris
1894 - Paris (França) - Salão de Paris
1894 - Rio de Janeiro RJ - 1ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba - medalha de ouro de segunda classe
1895 - Paris (França) - Salão de Paris
1896 - Munique (Alemanha) - Salão de Munique
1896 - Rio de Janeiro RJ - 3ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1897 - Paris (França) - Salão de Paris
1897 - Rio de Janeiro RJ - 4ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba - medalha de ouro de 1ª classe
1898 - Paris (França) - Salão de Paris
1898 - Rio de Janeiro RJ - 5ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1899 - Paris (França) - Salão de Paris
1900 - Paris (França) - Exposição Universal de Paris - medalha de prata
1900 - Paris (França) - Pedro Weingartner, Pedro Américo e Eliseu Visconti
1900 - Paris (França) - Salão de Paris
1900 - Saint Louis (Estados Unidos) - Exposição Nacional de Saint Louis
1902 - Rio de Janeiro RJ - 9ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba - medalha de prata
1903 - Rio de Janeiro RJ - 10ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1904 - Rio de Janeiro RJ - 11ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1904 - Rio de Janeiro RJ - Salão dos Aquarelistas
1904 - Saint Louis (Estados Unidos) - Exposição de Saint-Louis
1905 - Paris (França) - Salão de Paris
1905 - Rio de Janeiro RJ - 12ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1906 - Paris (França) - Salão de Paris
1906 - Rio de Janeiro RJ - 13ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1908 - Rio de Janeiro RJ - 15ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1909 - Chicago (Estados Unidos) - Exposição de Chicago - medalha de ouro
1909 - Rio de Janeiro RJ - 16ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1910 - Rio de Janeiro RJ - 17ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1910 - Santiago (Chile) - Exposición Internacional de Bellas Artes
1911 - Rio de Janeiro RJ - 18ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1911 - São Paulo SP - Primeira Exposição Brasileira de Belas Artes, no Liceu de Artes e Ofícios
1912 - Rio de Janeiro RJ - 19ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1912 - São Paulo SP - Segunda Exposição Brasileira de Belas Artes, no Liceu de Artes e Ofícios
1913 - Rio de Janeiro RJ - 20ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1920 - Rio de Janeiro RJ - 27ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1921 - Rio de Janeiro RJ - 28ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1922 - Rio de Janeiro RJ - 29ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba - medalha de honra
1922 - Rio de Janeiro RJ - Exposição do Centenário da Independência - medalha de honra
1923 - Rio de Janeiro RJ - 30ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1924 - Rio de Janeiro RJ - 31ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1925 - Rio de Janeiro RJ - 32ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1926 - Rio de Janeiro RJ - 33ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1927 - Rio de Janeiro RJ - 34ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1928 - Rio de Janeiro RJ - 35ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1928 - São Paulo SP - Grupo Almeida Júnior, no Palácio das Arcadas
1929 - Rio de Janeiro RJ - 36ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1930 - Rio de Janeiro RJ - 37ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1933 - Pittsburg (Estados Unidos) - Exposição de Pittsburg
1933 - Rio de Janeiro RJ - 39ª Exposição Geral de Belas Artes, na Enba
1934 - Rio de Janeiro RJ - 40º Salão Nacional de Belas Artes, na Enba 
1934 - São Paulo SP - 1º Salão Paulista de Belas Artes, na Rua 11 de Agosto
1935 - Pittsburgh (Estados Unidos) - The 1935 International Exhibition of Painting, no Carnegie Institute
1935 - Rio de Janeiro RJ - 41º Salão Nacional de Belas Artes, na Enba
1936 - Cleveland (Estados Unidos) - The 1935 International Exhibition of Painting, no Toledo Museum of Art
1936 - Rio de Janeiro RJ - 42º Salão Nacional de Belas Artes, no Instituto Previdência 
1936 - Toledo (Estados Unidos) - The 1935 International Exhibition of Painting
1937 - Rio de Janeiro RJ - 43º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA 
1938 - Rio de Janeiro RJ - 44º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA 
1939 - Rio de Janeiro RJ - 45º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA 
1940 - Rio de Janeiro RJ - 46º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA 
1940 - São Paulo SP - Exposição Retrospectiva: obras dos grandes mestres da pintura e seus discípulos
1941 - Rio de Janeiro RJ - 47º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA 
1942 - Rio de Janeiro RJ - 48º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA 
1943 - Rio de Janeiro RJ - 49º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA 
1944 - Rio de Janeiro RJ - 50º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA

Exposições Póstumas

1945 - Rio de Janeiro RJ - 51º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA 
1945 - São Paulo SP - 11º Salão Paulista de Belas Artes, na Galeria Prestes Maia
1949 - Rio de Janeiro RJ - Eliseu Visconti: retrospectiva , no MNBA
1950 - Rio de Janeiro RJ - Um Século da Pintura Brasileira: 1850-1950, no MNBA
1953 - São Paulo SP - 2ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão dos Estados
1958 - Rio de Janeiro RJ - Salão do Mar
1961 - Rio de Janeiro RJ - O Rio na Pintura Brasileira, na Biblioteca Estadual da Guanabara
1967 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MNBA
1967 - São Paulo SP - Gomide, Osir e Visconti, na Art Galeria
1970 - São Paulo SP - Pinacoteca do Estado de São Paulo 1970, na Pinacoteca do Estado
1972 - São Paulo SP - A Semana de 22: antecedentes e conseqüências, no Masp
1974 - Rio de Janeiro RJ - O Mar, na Galeria Ibeu Copacabana
1976 - São Paulo SP - O Retrato na Coleção da Pinacoteca, na Pinacoteca do Estado
1977 - Rio de Janeiro RJ - Aspectos da Paisagem Brasileira: 1816-1916, no MNBA
1977 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Arte Global
1978 - Belo Horizonte MG - Individual, no Palácio das Artes
1978 - Salvador BA - Individual, no MAM/BA
1978 - Brasília DF - Individual, na Fundação Cultural do Distrito Federal
1978 - Olinda PE - Individual, no Museu de Arte Sacra
1978 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MNBA
1980 - Buenos Aires (Argentina) - Ochenta Años de Arte Brasileño, no Banco Itaú
1980 - Santiago (Chile) - 20 Pintores Brasileños, na Academia Chilena de Bellas Artes
1980 - São Paulo SP - A Paisagem Brasileira: 1650-1976, no Paço das Artes
1982 - Bauru SP - 80 Anos de Arte Brasileira
1982 - Marília SP - 80 Anos de Arte Brasileira
1982 - Rio de Janeiro RJ - Eliseu Visconti e a Arte Decorativa, no Solar Grandjean de Montigny
1982 - São Paulo SP - 80 Anos da Arte Brasileira, no MAB/Faap
1982 - São Paulo SP - Pintores Italianos no Brasil, no MAM/SP
1983 - Belo Horizonte MG - 80 Anos de Arte Brasileira, na Fundação Clóvis Salgado. Palácio das Artes
1983 - Campinas SP - 80 Anos de Arte Brasileira, no MACC
1983 - Curitiba PR - 80 Anos de Arte Brasileira, no MAC/PR
1983 - Ribeirão Preto SP - 80 Anos de Arte Brasileira
1983 - Rio de Janeiro RJ - Auto-Retratos Brasileiros, na Galeria de Arte Banerj
1983 - Santo André SP - 80 Anos de Arte Brasileira, na Prefeitura Municipal de Santo André
1984 - São Paulo SP - Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal
1985 - São Paulo SP - 100 Obras Itaú, no Masp
1986 - São Paulo SP - Dezenovevinte: uma virada no século, na Pinacoteca do Estado
1987 - São Paulo SP - O Brasil Pintado por Mestres Nacionais e Estrangeiros: séculos XVIII - XX, no Masp
1989 - Fortaleza CE - Arte Brasileira dos Séculos XIX e XX nas Coleções Cearenses: pinturas e desenhos, no Espaço Cultural da Unifor
1989 - Rio de Janeiro RJ - O Rio de Janeiro de Machado de Assis, no CCBB
1991 - São Paulo SP - O Desejo na Academia: 1847-1916, na Pinacoteca do Estado
1992 - Rio de Janeiro RJ - Natureza: quatro séculos de arte no Brasil, no CCBB
1993 - Rio de Janeiro RJ - Brasil 100 Anos de Arte Moderna, no MNBA
1994 - Rio de Janeiro RJ - Comemorativa dos 50 anos de morte do pintor, no MNBA
1994 - São Paulo SP - Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal
1994 - São Paulo SP - Um Olhar Crítico sobre o Acervo do Século XIX, na Pinacoteca do Estado
1996 - Rio de Janeiro RJ - Visões do Rio, no MAM/RJ
1997 - Rio de Janeiro RJ - Ar: exposição de artes plásticas, brinquedos, objetos e maquetes, no Paço Imperial
1999 - Rio de Janeiro RJ - Acervo do Solar Grandjean de Montigny, no Solar Grandjean de Montigny
2000 - Lisboa (Portugal) - Século 20: arte do Brasil, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
2000 - Porto Alegre RS - Biblioteca Nacional: obras raras, no Margs
2000 - Porto Alegre RS - De Frans Post a Eliseu Visconti: acervo Museu Nacional de Belas Artes - RJ, no Margs
2000 - Rio de Janeiro RJ - Quando o Brasil era Moderno: artes plásticas no Rio de Janeiro de 1905 a 1960, no Paço Imperial
2000 - São Paulo SP - A Figura Humana na Coleção Itaú, no Itaú Cultural
2000 - São Paulo SP - Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento, na Fundação Bienal
2000 - São Paulo SP - Eliseu Visconti - estudos do corpo, na Pinacoteca do Estado
2000 - São Paulo SP - O Café, no Banco Real
2001 - Rio de Janeiro RJ - Aquarela Brasileira, no Centro Cultural Light
2001 - São Paulo SP - 30 Mestres da Pintura no Brasil, no Masp
2001 - São Paulo SP - Coleção Aldo Franco, na Pinacoteca do Estado
2001 - São Paulo SP - Museu de Arte Brasileira: 40 anos, no MAB/Faap
2001 - São Paulo SP - Trajetória da Luz na Arte Brasileira, no Itaú Cultural
2002 - Brasília DF - Barão do Rio Branco: sua obra e seu tempo, no Ministério das Relações Exteriores. Palácio do Itamaraty
2002 - Niterói RJ - Arte Brasileira sobre Papel: séculos XIX e XX, no Solar do Jambeiro
2002 - Rio de Janeiro RJ - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
2002 - São Paulo SP - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
2002 - São Paulo SP - Imagem e Identidade: um olhar sobre a história na coleção do Museu de Belas Artes, no Instituto Cultural Banco Santos
2003 - Brasília DF - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
2003 - Rio de Janeiro RJ - Arte em Movimento, no Espaço BNDES
2004 - São Paulo SP - O Preço da Sedução: do espartilho ao silicone, no Itaú Cultural

Fonte: Itaú Cultural

VEJA TAMBÉM

Cícero Dias - Sob a Árvore

Cícero Dias

Sob a Árvore

Samson Flexor - Noirs et Gris s/ Blancs

Samson Flexor

Noirs et Gris s/ Blancs

Arcangelo Ianelli - Abstrato Verde

Arcangelo Ianelli

Abstrato Verde

Sonya Grassmann - Figura Feminina

Sonya Grassmann

Figura Feminina